Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

sexta-feira, 12 de julho de 2013

RESSENTIDO (A) VOCÊ?



A conversa girava amenidades quando ele – um amigo amado – começou a desabafar seus melindres diários. Estranhei o tom tanto quanto as pessoas a quem atribuía esses aborrecimentos. Enquanto ouvia me lembrei, primeiramente, do que disse o genial Shakespeare: “o ressentimento é um veneno que a gente toma todos os dias, querendo que o outro morra.” Nem é preciso acrescer que faz mal a saúde de quem o guarda. Mesmo assim quem não o tem?
Em seguida veio Maria Rita Khel - autora do livro Ressentimento (Casa do Psicólogo, 2007) – dizendo ser uma constelação de sentimentos negativos pelos quais responsabilizamos o outro por nossos próprios fracassos e prejuízos.
Todo neurótico apresenta claramente sinais de ressentimento acompanhados de queixas imputadas ao outro, que não pôde lhe dar o que esperava e talvez por dificuldades em se implicar naquilo que deseja. Então, culpa alguém por suas impossibilidades ou impotências.
Ressentimentos são frustrações acompanhadas de raiva, tristeza, inveja, ruminações negativas e tudo de ruim. Um ressentido é sempre uma pessoa azeda, mal-humorada, ranzinza. Não sabe curtir o que a vida lhe dá.
Só consegue ver o que lhe falta ou faltou por culpa da mãe, do pai, do chefe, do irmão, e por aí segue uma lista de todos que passaram por sua vida e refletem sua própria repetição. Sim, na repetição nos colocamos numa posição tal que encaixamos o outro nesse lugar, quer ele queira ou não. Ele nunca terá chances conosco! Pronto, emburrei.
Não é o caso desse amigo. Ou, até então, ele usava uma boa maquiagem. Será?
A expectativa de reciprocidade é um labirinto do qual nunca se sai sem escoriações. É dor causada pela esperança. Ruminação de mágoa depois de tudo feito por amor sem retorno.
Se o que nos move é uma demanda de amor ou de reconhecimento ou de qualquer outro bônus, inevitavelmente vira frustração. O outro desconhece as intenções por trás das boas ações e da servidão implícita nessa doação. Por isso, temos que questionar nossas ações.
Fazemos o que fazemos porque é nosso desejo e, não importa se com o que virá depois, estaremos satisfeitos, ou fazemos para sermos reconhecidos e recompensados?
A resposta a essa pergunta é fundamental. Se nosso desejo é atendido, ficamos satisfeitos e nunca ressentidos pelo que vem do outro. De fato, não esperamos nele a nossa satisfação. Por realizar o desejo, somos satisfeitos. Não diria sempre felizes ou alegres, seria tolice.
Portanto, independentemente do que o outro faça com tudo que lhe damos, tanto faz. Porque agimos por nós e não em função do retorno do outro. Esse é o ponto em que encontramos maior apaziguamento. Estamos conosco. Voltados para interesses e desejos genuinamente próprios. Não quero dizer egoístas, quero dizer subjetivos.
Ao nos voltarmos tanto para o outro, estamos sujeitos a chuvas e trovoadas. Claro, do outro não temos controle ou nada podemos com o que não nos pertence. O outro é diferente. A distância entre o desejo de cada um causa transtornos constantes devido a nossa tendência de esperar desejos iguais aos nossos, ou retorno como nós faríamos.
A reciprocidade que ansiamos e aprendemos ingenuamente a esperar é uma armadilha perigosa e é o motivo de diversos desentendimentos, queixas e mágoas. Fazer-se tolo requer manobra. Se o outro não sabe receber, não é grato, é problema dele.
Como diz o livro dos livros, não jogue pérolas aos porcos! Resta-nos cortar a ânsia dadivosa, recolher e pendurar as chuteiras. Colocar nosso banquinho debaixo de outra janela, pois são tantas e podemos encontrar uma que se abra. Mesmo não havendo perfeição nas relações, há as que valem muito!
  

13 comentários:

  1. Pois não feche essa janela. Meu banquinho gosta dela...

    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Olha Rê ... esse teu texto deu-me o que pensar! Penso que tenho essa tendência de esperar igual ao que dou (não mais!!), sempre pensei ser justo, mas ... já não sei não. Realmente existem muitas janelinhas, mas porque quereremos nós sempre as que não nos vêem?!!
    Bj. Fica bem.

    ResponderExcluir
  3. CONVITE
    Passei por aqui lendo, e, em visita ao seu blog.
    Eu também tenho um, só que muito simples.
    Estou lhe convidando a visitar-me, e, se possível seguirmos juntos por eles, e, com eles. Sempre gostei de escrever, expor as minhas idéias e compartilhar com as pessoas, independente da classe Social, do Credo Religioso, da Opção Sexual, ou, da Etnia.
    Para mim, o que vai interessar é o nosso intercâmbio de idéias, e, de pensamentos.
    Estou lá, no meu Espaço Simplório, esperando por você.
    E, eu, já estou Seguindo o seu blog.
    Força, Paz, Amizade e Alegria
    Para você, um abraço do Brasil.
    www.josemariacosta.com

    ResponderExcluir
  4. Sabe Regina.
    Assisti a um filme onde a protagonista, dizia:-
    Será que após o Câncer fiquei uma chata, dessas que vê tudo lindo, agradece o sol a luz o ar.
    Na hora pensei, iiiii, será?
    Você como profissional, o que me diz?
    O que os "outros" fazem é problema dos "outros".
    Cara feia para mim é muita fome.
    Indireta, não me acerta.
    O meu problema é contemplar o meu glamour.
    Basta!!!
    Tó podendo!!!!
    Bjs.
    Wilma

    ResponderExcluir
  5. Você disse com essa lindeza de erudição tudo o que eu penso, mas não que tenha sido sempre assim. Já vivi em função de esperar reciprocidade e isso é melindre e burrice, eu acho.
    Se o outro não sabe o que fazer com o que eu amorosamente lhe dou, lasque-se, né não?

    Um beijo, minha lôra sabida que só!

    ResponderExcluir
  6. Algumas armadilhas nos pegam de jeito nessa vida, né Rê?...mas acho que projetar nossos sentimentos - e gerar expectativas ainda são campeões de frustrações, pq sai completamente do controle da gente... e não por acaso que "fazer sem olhar a quem" e dar amor, atenção, carinho, afeto, é incondicional (ou deveria ser), pq não existe garantia de que o retorno venha, que seja como queremos ou achamos que somos merecedores... entretanto, tudo que recebemos, seja grande ou pequeno, reconhecido ou não, é de um valor incalculável. Sendo assim... pq quando somos nós a proporcionar ao(s) outro(s), pode não ser valorizado? Parece injusto... e aí o sentimento vira peso, o outro, devedor da gente, e... pronto, está feita a confusão, o humor muda, a dor aparece, a mágoa machuca e o ressentimento adoece a alma da gente...
    Que a gente trafegue por esse labirinto e ache a saída!!!

    Bjãozão, minha querida... esse teu texto viajou por email, visse?... ;)

    ResponderExcluir
  7. Ótimo texto. Além de concordar, enfatizo as palavras da Milene! bj

    ResponderExcluir
  8. Oi Regina, está chateada com o amigo não é? Dificil o um conviver com tantos tipos as vezes rígidos demais na sua neura. Ao mesmo tempo, me pergunto nesses casos de amizade- o que fazer para abrandar. Ja faz tanto tempo que nao tenho um embate com um amigo que nem sei o que dizer. Mas voce tem razão, nunca dá empate. Esperar pela reciprocidade é complicado. Cada um é cada um. E as singularidades nem sempre são decifráveis, como gostariamos. E ai a gente pergunta se quer mesmo ter esse amigo que causa estranhamento. ... Com toda razão. Ser psi pode até ser tentar entender a alma humana, mas ninguém disse que é preciso aturar chilique de qualquer um. Nem no consultorio. Bjos

    ResponderExcluir
  9. Olá, RÊ!

    Este texto é quase que um manual escolar, cheio de sabedoria, e de verdades comprovadas pela vida.E também muito mais fácil de com ele concordar de que passá-lo à prática...apesar do muito racionais que possamos ser.Coisa que muitas vezes não somos, porque logo a emoção se intromete e tudo complica...

    "Bem mais fácil seria a vida", fossemos nós auto - suficientes, mas então tudo perderia a graça...

    Belo texto!

    Bom fim de semana; beijinhos amigos.
    Vitor

    ResponderExcluir
  10. Oi Regina,

    o seu texto dá uma boa discussão. Muito bom!
    O que me chamou a atenção foi "a distância dos desejos de cada um". Temos por costume, achar que o outro pensa como nós, quer como nós e entende como nós. Nos esquecemos do princípio básico de que o mundo é único para cada par de olhos que o vê.

    Muito bom! Bjs

    Leila

    ResponderExcluir
  11. Feliz de quem tem discernimento para saber renunciar quando percebe que alguma meta é inviável. Assim, guarda suas energias para direciona-las para outro objetivo mais adequado.
    Como dizia Saint-Exupéry: "somos objetos da incongruência geral"...
    Bjs, Rê!

    ResponderExcluir
  12. Nossa Rê esse texto é perfeito. Me fez pensar em tantas coisas... esperar desejos iguais aos nossos isso é bem meu viu..rs Gosto muito de filosofar, falar sobre esses sentimentos. Eu tenho a mania de esperar muito do outro e aí amiga a frustração é certa! Obrigada por compartilhar conosco!!! Bjss

    ResponderExcluir
  13. "Portanto, independentemente do que o outro faça com tudo que lhe damos, tanto faz. Porque agimos por nós e não em função do retorno do outro. Esse é o ponto em que encontramos maior apaziguamento. Estamos conosco."...Tomei a liberdade de transcrever esta parte da belíssima dissertação sobre o ressentimento. Começo a repetir-me mas a verdade é que penso como você. Nem sempre foi assim. Foi um processo que encetei há pelo menos uns 3 anos. Acho que tem também a ver com maturidade, valorização de nossas capacidades, autoestima...

    Obg por poder ler-te.

    Bjosss :)

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget