Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

(PRE)OCUPAÇÕES


Os filhos crescem e isso é bom. Apesar de todo o desenvolvimento percebo que continuamos nos preocupando com eles. Nas conversas com as amigas cada uma conta como andam suas crias. Pano de fundo: preocupações em geral. Creio que esse é o momento de dedicar uma atenção especial e muita compreensão a eles. Os pais geralmente se sentem sufocados pela responsabilidade de criá-los em segurança, e muitas vezes podem querem ditar as leis, sem perceber que os filhos têm de ter liberdade. É prejudicial esperar demais ou pouco deles. É prejudicial concentrar-se apenas nas características negativas e ignorar os seus verdadeiros talentos e qualidades. 
No mundo perigoso e em constante evolução dos nossos dias, os jovens precisam ser considerados, amados, compreendidos e, acima de tudo, encorajados. Eles precisam saber que a vida não é uma série de castigos, mas, em vez disso, uma série de consequências! A toda ação corresponde uma reação. A toda causa corresponde um efeito. 
Os filhos precisam ser livres para expressar seus sentimentos, e esses sentimentos devem ser aceitos como parte da sua individualidade. Se forem encorajados a seguir os desejos do coração – o livre arbítrio – e a permitir aos outros a mesma liberdade, eles raramente se sairão mal. É claro que isso se aplica a todos nós. Tarefa fácil? A tal medida certa e equilíbrio é mesmo uma arte... Ainda mais na educação de nossos filhos! 
Creio que os jovens têm diante de si a difícil tarefa de tornar este mundo um lugar mais calmo e habitável para se viver. Eles representam o futuro deste planeta. Então, só nos resta cuidarmos muito bem deles plantando, diariamente, as sementes que desejamos que floresçam para um mundo melhor!

Imagem: google

11 comentários:

  1. As mães humanas, ao contrário das de outras espécies, parecem ter dificuldades em perceber quando seus filhos já podem seguir em seus próprios voos...
    E alguns filhos gostam de esticar o tempo sob as asas maternas e paternas...
    Bjs, Rê!

    ResponderExcluir
  2. Sempre temos dificuldades de ver nossos filhos voarem seus voos solos. Mas é inevitável e eles precisam disso. Não adianta, mais cedo ou mais tarde chega a hora e por isso, devem estar bem preparados, sabendo que neles confiamos e esperamos sempre o melhor! bjs, chica

    ResponderExcluir
  3. Bela mensagem, Regina!
    E eu aqui com um "Fiotão" embaixo das asas. Ele ainda trabalha aqui na cidade e espero que permaneça, apesar de ficarmos mal acostumados, tanto quanto eles...

    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Muito bom este texto com as reflexões da relação pais e filhos. Sempre haverá de se pensar em fazer o maximo por eles e as vezes sem limites podar seus pensamentos, por isso o cuidado de permitir que eles cresçam e aprendam em cada etapa os limites com todas suas consequencias e reações. Haverá sempre a ideia da proteção que pode vir a contrastar com o que eles concebem. De final fica a missão de alicerçar cada dia para que possa trilhar com mais segurança.
    E como poderão fazer um mundo melhor e mais leve, será uma missão dura, mas que possivel.
    Adorei o texto Regina.
    Saudade de passar por aqui.
    Meu abraço com carinho e muita paz nos seus dias.
    Bju

    ResponderExcluir
  5. Parabéns, Regina. Muito bom ler seus textos. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  6. Olá Rê! Não é mesmo fácil isto de ser pai-mãe. O equilibrio que se pretende só vai surgindo com a experiência mesmo. BJ, fica bem.
    obs: Tou indo de férias como já deves ter visto lá no "Delicado som ...". Volto em breve!!!

    ResponderExcluir
  7. Obrigada pela visita e, sim, sempre vai a tempo!

    ResponderExcluir
  8. Eu nunca saberei dessa sensação. Eu nunca saberia o que fazer. Mas, talvez, eu gostasse de estar nessa condição, mesmo com essa PREocupação eterna.

    "Se não temos, como sabê-los", né?

    Um beijo, galeguinha, uai.

    ResponderExcluir
  9. Mais um final de
    não percebemos o quanto o tempo tem passado rápido
    em nossa vidas...
    Vale lembrar que o tempo não passa por
    nós ,e sim nós que passamos por ele ..Tal a correria da nossa vida
    das nos a Sensação que o tempo voa.
    A dura realidade é que nunca paramos
    para saber se alguém chora precisando de uma palavra de carinho.
    Sinto isso na carne a cada amanhecer a falta
    de afeto a simplicidade de um afago acariciando a alma.
    Elevo meu pensamento a Deus no infinito
    sinto uma lagrima rolar ao sentir que o Pai
    nunca se afasta de mim .
    Nunca me deixa sozinha.
    Numa prece silenciosa rogo
    a Deus por dias menos dolorosos .
    Para todas as dores do mundo
    incluindo a minha também.
    Meu amor e carinho para você.
    Um final de semana abençoado.
    Leve meus beijos na alma
    e meu carinho no coração.
    Evanir.

    ResponderExcluir
  10. Olá,RÊ!

    Filhos não são propriedade dos pais, e um dia chegará em que baterão as asas...E até lá é preciso dar-lhes espaço para poderem ser quem são, e ainda tudo o mais que lhes possamos oferecer para que um dia ser felizes e realizados. Tarefa nem sempre fácil...mas ficará o sentimento do dever cumprido.

    Bonito texto.
    Beijinhos
    Vitor

    ResponderExcluir
  11. Gostaria de não me repetir mas é impossível: sempre leio com prazer os teus escritos e sempre saio com o consentimento do meu pensar sobre a matéria. O que me apraz, pois, querida Rê, vc é uma profissional credenciada. Sempre há preocupações, conforme os ciclos de crescimento. A minha agora é a falta de encomendas de trabalho na área do audio-visual, havendo sempre a desculpa da crise...Enfim!
    Relevo:
    "Eles precisam saber que a vida não é uma série de castigos, mas, em vez disso, uma série de consequências! A toda ação corresponde uma reação. A toda causa corresponde um efeito."
    "Os filhos precisam ser livres para expressar seus sentimentos, e esses sentimentos devem ser aceitos como parte da sua individualidade."
    Meu beijo, querida amiga :)

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget