Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

NATAL LFV

Bunitim dimaisss da conta esse Luis!

Quando minha amiga, Angelinha, ligou, perguntando se sabia da internação de Luis, quase tive um troço. Como assim??? Ele não faz ideia de como sou sua fã! Mas minha amaaada sim! Tem conhecimento de minha paixão por esse escritor gaúcho e tivemos a oportunidade, juntas, de ouví-lo (mesmo sendo pouco falante) quando esteve por aqui. Foi internado em 21 de novembro depois de se sentir mal após uma viagem por Minas Gerais e Rio de Janeiro. Ficou no CTI por 12 dias, fazendo hemodiálise (afff), mas agora já está no quarto. Segue melhorando e até discutiu (bom sinal!) com a equipe que o atende uma alta médica. Vamos lá Luiz! Tô cum cê e num abro!!! E como prometi, na postagem anterior (que a pobre de Cecília nem teve ibope) deixo mais uma crônica natalina. Vai que é sua Luis Fernando Veríssimo!!!
 
Natal é uma época difícil para cronistas. Eles não podem ignorar a data e ao mesmo tempo não há mais maneiras originais de tratar do assunto. Os cronistas, principalmente os que estão no métier há tanto tempo, que ainda usam a palavra métier – já fizeram tudo que havia para fazer com o Natal. 
Já recontaram a história do nascimento de Jesus de todas as formas: versão moderna (Maria tem o bebê numa fila do SUS), versão coloquial ("Pô, cara, aí Herodes radicalizou e mandou apagá as pinta recém-nascida, baita mauca"), versão socialmente relevante (os três reis magos são detidos pela polícia a caminho da manjedoura, mas só o negro precisa explicar o que tem no saco) versão on-line (jotace@salvad.com.bel conta sua vida num chat), etc. Papai Noel, então, nem se fala. 
Eu mesmo já escrevi a história do casal moderno que flagra o Papai Noel deixando presentes sob a árvore de Natal, corre com o Papai Noel e não conta nada da sua visita para o filho porque querem criá-lo sem qualquer tipo de superstição várias vezes. 
Poucos cronistas estão inocentes de inventar cartas fictícias com pedidos para o Papai Noel: patéticas (paz para o mundo, bom senso para os governantes), políticas ("Só mais um mandato e eu juro que acerto, ass. Fernando") ou práticas ("Algo novo para escrever sobre o Natal, por amor de Deus!"). Já fomos sentimentais, já fomos amargos, já fomos sarcásticos e blasfemos, já fomos simples, já fomos pretensiosos – não há mais nada a escrever sobre o Natal!
Espera um pouquinho. Tive uma idéia. Uma reunião de noéis! Noel Rosa, Noel Coward e Papai Noel. Acho que sai alguma coisa.
Noel Rosa, Noel Coward e Papai Noel estão reunidos... onde? Na mesa de um bar? Papai Noel não freqüenta bares para não dar mau exemplo. Pelo menos não com a roupa de trabalho. No Pólo Norte? Noel Coward, acostumado com o inverno de Londres, talvez agüentasse, mas Noel Rosa congelaria. Não interessa onde é o encontro. Uma das primeiras lições da crônica é: não especifica. Noel Rosa, Noel Coward e Papai Noel estão reunidos em algum lugar.
Os três conversam.
Noel Rosa – Ahm... Sim... Hmm...
Noel Rosa diz: o quê?
Noel Rosa – E então?
Noel Coward e Papai Noel se entreolham. Papai Noel cofia a barba. Ninguém sabe, exatamente, o que é "cofiar", mas é o que Papai Noel faz, enquanto Noel Coward olha em volta com evidente desgosto por estar em algum lugar. Preferia estar em outro. A todas essas eu penso em alguma coisa para eles dizerem.
Noel Rosa (tentando de novo) – E aí?
Papai Noel – Aqui, na luta.
Noel Coward – What?
Esquece. Não há mais nada a escrever sobre o Natal.
Salvo isto, se dão vênia: que seu Natal em nada lembre o da Chechênia. Que suas meias se encham de metais vis desde que não sejam guaranis. Que sob a árvore enfeitada o grande embrulho com seu nome seja... Meu Deus, a Paola pelada!
Que em nenhum momento do rebu alguém faça piada com o tamanho do peru.
Que em alegre bimbalhada os sinos anunciem ao mundo que está saindo a rabanada. E cantem os anjos, a capela, que o Cristo vai nascer assim que acabar a novela. (Luis Fernando Veríssimo)

18 comentários:

  1. Só mesmo ele, o Veríssimo, para tirar do saco mais esta...

    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Ele é maravilhoso e estamos todos felizes aqui que ele está quase saindo do hospital.

    beijos,chica

    ResponderExcluir
  3. Olá, RÊ!

    Com um talento assim, a história do Pai Natal sempre terá sabor a novidade.

    E quanto a essa árvore de Natal, acho que é igualzinha àquela que nos espera...

    Beijinhos amigos; bom fim de semana.
    Vitor

    ResponderExcluir
  4. Querida amiga,

    O céu se iluminou,
    a estrela apareceu,
    os anjos entoaram louvores,
    nasceu o filho de Deus.

    Numa gruta em Belém,
    veio ao mundo o Salvador,
    trazendo em suas mãozinhas,
    verdade, paz e amor.

    Seu bercinho foi uma
    manjedoura,
    pobrezinha e frugal,
    que as bençãos do Deus menino
    se renovem neste Natal.

    Desejo a você e a todos aqueles de mais ama, um
    lindo e abençoado Feliz Natal. Beijocas

    ResponderExcluir
  5. Veríssimo é massa !!!
    Adoro esse termo massa, heheheh
    Uns falam do fim do mundo perto do natal mas mesmo agora acho que ele chegou lá nos estados unidos com mais uma matança escolar desta vez 20 meninos não vão receber prenda nenhuma, nem os pais vão ter mais nenhum natal nas suas vidas
    Cadêo messias?
    Não querendo ser contra estas datas não consigo deixar de o ser, que se aproveite a data e se curta o bom da vida, seja familia, o amor, a bebedeira, whatever
    beijo

    ResponderExcluir
  6. Outra fã do Luis! Adoro a forma como ele escreve, engraçado que não se parece em nada com a literatura do pai.
    Hoje ele saiudo hospital, hip, hurra, hurra....
    bjs
    Jussara

    ResponderExcluir
  7. É, já está em casa o Luis. Sempre preferi o nome Luis com "s" no final, do que com o "z" e só depois que me u pai morreu é que descobri que o dele era com "Z". O pai é meu, escrevo do jeito que quiser, né não?

    A crônica é mesmo massa. Veríssimo, embora pouco diga, escreve feito um gigante. Mente brilhante que só!

    Aquieta-se, galêga. Ainda teremos Veríssimo por mais bocados de ano, amém!

    Beijo!

    ResponderExcluir
  8. Fiquei muito apreensivo quando soube dessa internação dele, Regina. Ainda bem que está se recuperando. Ele é um gênio, um mestre. Salve Veríssimo! Bjs

    ResponderExcluir
  9. Tudo será luz e magia para ele, beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  10. Excelente texto, parabéns ao Luis e as suas melhoras!
    Regina como a minha próxima semana vai ser muito dificil em termos profissionais, e como não sei se terei tempo de passar pelas casas virtuais dos amigos, passo hoje especialmente para desejar um Natal muito Feliz.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  11. Eu adoraria conhece-lo (LFV) pessoalmente e ouvir, apenas ouvir, qq coisa que teria a dizer.

    Querida amiga, eu lhe desejo um Feliz Natal e antes do fim deste ano, estarei novamente falando com vc. Afinal, ainda temos muito tempo antes da virada!

    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Veríssimo é um gênio, escreve muitooo.
    Regina já estou a pendurar minha chuteira, ultima postagem, e passei aqui pra agradecer.
    Desejo que você tenha um ótimo Natal, cheio de alegrias, harmonia e tudo que a sua Caixinha de sonhos te faz acreditar. Que esse Novo Ano que se aproxima seja uma porta aberta para novos sonhos, renovações de fé e muita Paz para o nosso mundo.
    Obrigada pela sua presença em 2012 no meu blog.
    Ótimo final de Ano, e maravilhoso começar de Novo Ano.
    Feliz Natal e Próspero Ano Novo!
    Beijos!

    Refletindo com a Smareis

    ResponderExcluir
  13. A torcida foi grande e LFV já saiu do hospital - ótimo!! Do jeito que anda a saúde dos hospitais, tornou-se um perigo ficar muito tempo por lá. Esperemos grandes crônicas hospitalares. Ou não :)
    Feliz natal!! Boas comemorações!!
    Beijus,

    ResponderExcluir
  14. Olá, RÊ!

    Não trago saco nem prendas; apenas os votos de um muito FELIZ NATAL, para si e os seus, com muita saúde e alegria, e, já agora, também algumas daquelas coisinhas boas que nesta época costumam chegar à mesa.

    E obrigado pelas palavras simpáticas deixadas lá no meu canto, que li com imenso gosto e prazer.

    BOAS DESTAS!
    Beijinhos amigos.
    Vitor

    ResponderExcluir
  15. Querida amiga

    Que neste Natal,
    diante das pessoas que amamos,
    possamos ofertar a elas,
    o melhor presente
    que desejassem receber:
    Nossa vida...
    Nosso carinho...
    Nosso coração.

    Para quem crê na vida,
    Natal se faz a cada dia.
    Que assim seja o Natal
    Em tua vida.

    Aluísio Cavalcante Jr.

    ResponderExcluir
  16. Olá Rê!
    Passando para deixar meu forte abraço e deseja-lhe um Feliz Natal, repleto de Saúde, Paz e Luz.
    Beijossssssss Natalinos
    Sol

    ResponderExcluir
  17. Alô, Rê!
    Bela citação do meu conterrâneo LFV!
    Desculpe pela minha ausência temporária, estou voltando para visitar os blogs amigos!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  18. Que grande coração Rê!!
    BJs, uma vez mais ... Boas Festas!!

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget