Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

SAT SANG 2013

Flores e frutos para serem energizados


Aguardo, todos os anos, essa cerimônia com uma alegria difícil de explicar. Rever Celina – mestre Reikiana – amigos de jornada, orações e fé, rezar para nosso planeta, concluir ciclos é sempre um gosto.  O toró que desabou sobre Beagá, enquanto dirigíamos para o local, fez a gente desacelerar. Aliás, essa celebração é bem isso: um desaceleramento das urgências cotidianas e uma aproximação calma do nosso eu interior. Inspiro e expiro tudo que não mais tem lugar dentro de mim. Expiro desesperanças, angústias, aflições, preocupações nossas de cada dia. Inspiro Luz, verde, amor e a crença em dias melhores num crescente.
O propósito desse ano foi a quebra de paradigmas. Já ouvi tanto essa advertência, necessidade, que questiono a importância. A expressão “quebra de paradigma” tornou-se um jargão popular na área de recursos humanos como metáfora de mudança organizacional e, frequentemente, vazio de sentido.
"Paradigma (do grego parádeigma) literalmente modelo, é a representação de um padrão a ser seguido. É um pressuposto filosófico, matriz, ou seja, uma teoria, um conhecimento que origina o estudo de um campo científico; uma realização científica com métodos e valores que são concebidos como modelo; uma referência inicial como base de modelo para estudos e pesquisas." (Wikipédia) Então, a famosa "quebra" de paradigma, seria um novo modelo ou padrão a ser seguido. O nosso. Entendo que seguimos modelos dos outros sem nenhum tipo de questionamento e que quando conseguimos nos aproximar do nosso verdadeiro Eu Interior e formos adiante, com aquilo que realmente importa, há crescimento e evolução! Que seja assim para cada um de nós e para o mundo todo.  NAMASTÊ amaaados meus!
Celina iluminada_maaada!
 
Um pedacim da turma agradecendo!

13 comentários:

  1. Sempre bom celebrar o fim de um ciclo, que também é o começo de outro. Desacelerar e encontrar o tempo para a gratidão abre portais de sabedoria antes nunca imaginados. Namastê, minha amiga querida! Mais um ano, mais uma vitória, um novo caminho a trilhar. Que Deus nos abençoe e a tudo o que existe! Beijinhos, Litle Angel.

    ResponderExcluir
  2. Rê, amada,
    Que essa quebra de paradigmas nos acompanhe nos próximos anos, está mais do que na hora de rompermos amarras e caminharmos em direção a uma vida menos complicada, mais simples e com pessoas na mesma frequência.
    Lindo esse encontro de vocês, imagino a luz que estava no local e nas boas vibrações que emanaram.
    Namastê para ti e toda esta turma bonita!
    beijins cariocas


    ResponderExcluir
  3. Olá, RÊ!

    Destas práticas, ou formas de lidar com o nosso lado espiritual, confesso que conheço pouco.
    E é bem verdade que grande parte de nós, como sociedade ou grupo, tende a adoptar comportamentos ou modos de vidas que não são nossos, sem os questionar, como se eles fossem uma verdade absoluta, e que servissem para todos.E desistimos da descoberta daquilo que para nós poderia ser uma nova forma de lidar com a vida - e é pena...!|

    E como já fui dar uma espreitadela na "sabedoria imensa" que mora na Internet, desta vez despeço-me com um Damastê.

    Beijinhos
    Vitor

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Como és grande por dentro!!
    Pudera ... eu ser assim!
    Feliz Natal!
    Agradeço desde já mais um ano da tua inestimável companhia e amizade.
    Fica bem.

    ResponderExcluir
  5. Oi, Mineirinha!
    Eu não conhecia esta celebração, é lindíssima, profunda e realmente condiz com a época do ano.
    Adorei sua explanação sobre paradigmas (modelos filosóficos), pois inventa-se novos significados para palavras, como se este ato por si só representasse alguma coisa.
    A mudança é tão importante em nossas vidas quanto a rotina, num equilíbrio.

    Que você tenha muita serenidade nesta passagem de ano, assim como os seus.

    ResponderExcluir
  6. Tempo de celebrar e depurar.
    Linda cerimonia Regina e que assim possa sentir fluir os bons e novos sentimentos de uma vida mais leve e voltada para a paz,fraternidade.
    Grato pela companhia em 2013 e renovo minha alegria e admiração de estar por aqui em 2014.
    Meu terno abraço mineiro de flor amiga.
    bjo no coração.

    ResponderExcluir
  7. Oi Regina,
    O titulo a doce melancolia não tem nada a ver com o que Freud ou outro pensador qualquer pensa sobre o assunto. Foi um gesto poético de jogar com as palavras e com o que estou sentindo. Não se preocupe que amo a festa da vida mais do que qualquer coisa. Sou um privilegiado quanto a emoções e sou muito feliz. Adoro sim pegar em meus sentires e os transformar em alegria ou tristeza misturados com musica.
    beijo

    ResponderExcluir
  8. Lindo, quebrar paradigma é poder fazer diferente...
    Um Natal cheio de paz, beijo lisette.

    ResponderExcluir
  9. Olá, RÊ!

    Desta vez só para desejar Boas Festas e Feliz Natal; com paz e amor, saúde e boa disposição - na companhia daqueles de quem mais gosta.

    Beijinhos amigos.
    Vitor

    ResponderExcluir
  10. Rê Amiga,
    Faço questão de aqui deixar o meu XIÃO, agradecendo as suas amistosas intervenções, quer no Azimute quer no Scorpio.
    Desejo-lhe um Feliz Natal, com muita Paz, Alegria, Saúde e Harmonia.

    Jorge

    ResponderExcluir
  11. "O propósito desse ano foi a quebra de paradigmas. Já ouvi tanto essa advertência, necessidade, que questiono a importância. A expressão “quebra de paradigma” tornou-se um jargão popular na área de recursos humanos como metáfora de mudança organizacional e, frequentemente, vazio de sentido."
    Relevei esta parte porque, de facto, também me canso de clichés. Há muita gente a encher a boca com vocabulário do qual desconhece o sentido.
    A mudança começa em cada um de nós, na sua postura para com o seu semelhante. Depois é só ir colhendo os frutos...

    Adorei ler. Bjoss, querida Rê :)

    ResponderExcluir
  12. Você já tem uma vocação para quebrar paradigmas, e acho isto um privilégio!
    Só os destemidos se atrevem a violar os padrões!
    Bjs, Rê!

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget