Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

OCORRE



Ocorre muitas vezes. Estou com o computador aberto, trabalhando na correção de um exame, e eis que chega um texto. O título desperta curiosidade e lá vou eu... Faço uma pausa, abro o arquivo – geralmente powerpoint – e viajo numa sequência de imagens de flores em close, rios do outro mundo, cachoeiras, árvores no outono, estradas instigantes, gotas na pétala de uma rosa, pôr-do-sol em tons maravilhosos, abelhas com as anteninhas cheias de pólen...
E a música? 
Essa também tem lá suas facetas. New Age ganha no ranking. Eu gosto. E muito. Portanto, a quem me envia este tipo de mensagem, digo que não me incomodam de jeito nenhum. Até porque, quando estou ocupada por demais, não leio e pronto. E como gosto das imagens e do som, muitas vezes, vou passando e lendo como quem não lê. Ocorre que ler sem ler é uma armadilha.
Outro dia, recebi uma mensagem de pessoa amaaada e, diga-se de passagem, instruída. Abri. Logo começou a música. Gostei. As imagens eram bem anos 60 e 70. Meio batidas, mas vá lá... Nesse ritmo, fui lendo. Meu parecer final foi: “mais ou menos”. 
Voltei ao trabalho. Mas algo ficou me incomodando. Li o texto novamente e achei as pragas que me picaram: nostalgia extrema e idolatria de uma época. O Ministério da Cultura – ou da Educação – deveria advertir: Apego cega.   
Será, meu Deus, que algum dia eu serei como aquele cara? Será que ele não vê que, com o intuito de mostrar quão grandioso foi o seu percurso ou época (?), no final das contas, mostrou desajuste e indignação? Será que eu corro o risco de me acorrentar ao passado a ponto de não enxergar os erros cometidos pela minha geração, nem os acertos da geração seguinte? Tomara que não, porque, por mais bonito que seja qualquer movimento, há erros. E por pior que se apresente o cenário, há avanços. Eu vejo isso em toda parte.
Não quero envelhecer gastando o lápis cor-de-rosa para pintar o passado e o preto para o presente. Quero a caixa de lápis completa. 
Quero todos os verdes para colorir essa gente honesta que inaugura um novo pensamento, mais humano e ecológico. 
Quero usar os azuis para pintar aqueles que mudam os horizontes com muito respeito. 
Quero os amarelos para aqueles que, como girassóis, buscam a luz e não os aspectos sombrios da existência. 
Quero laranja para desenhar a autoconsciência e a percepção de que o prazer é a realização do potencial de vida. 
Quero todas as cores disponíveis. Até o preto, eventualmente, porque é preciso ver o que ainda pode mudar. 
A minha visão de futuro é colorida e mantenho a escolha. Seguirei traçando com minhas convicções e, com meus sonhos, o arco-íris da minha vida.
Quero envelhecer digna dos meus anos e do afeto pelo humano. 
Quero ir além do respeito, da admiração, do reconhecimento. Quero amor. E tem muita gente que sabe do que eu estou falando, gente que também está buscando outras palavras para traduzir o viver feliz e digno.
Quero estar no ritmo do agora. E pensar o bonito. Ocorre! E com você?!

10 comentários:

  1. Lindo sempre aqui e temos que seguir , olhar pra frente, mesmo sem esquecer o passado, mas não fixas nele! Viver bem o agora e a cada dia! bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Um texto primoroso, que teve o poder de mexer com "emoções alheias" - causando a ousadia de destacar do tesouro a parte mais brilhante da tua escrita!!
    Obrigada minha amada, a sensibilidade com que transparece tua alma alcança aqui o nosso sentir!!
    Uma reflexão profunda... gratidão!!
    Abreijos, com o afeto do para sempre!!

    ResponderExcluir
  3. Lindo lindo querida amiga Regina!!!Como todos os seus textos!!!Saudades BjuZ

    ResponderExcluir
  4. Querida Rê: excetuando o facto de já não ver, atualmente, esse tipo de mensagens por falta de tempo, o texto que escreveste assenta-me como luva: também não quero prender-me ao passado, o futuro será o que for (embora me inquiete o rumo de muitas coisas), o agora é o que flui e o que deve ser edificado para robustecer os (in)certos tempos vindouros.
    Gostei imenso do colorido do texto :)
    Bjuzz, Rê :) :)

    ResponderExcluir
  5. Gostei muito de ler! Temos ideias parecidas quanto há vida pelos vistos. Como sabes adoro cores, por isso levo os meus pinceis e vou logo, logo atrás de ti nesse teu caminho do querer e do saber viver. Bj, fica bem.

    ResponderExcluir
  6. Pois eu quero fazer que nem aquele cara de "O Feitiço do Tempo": voltar para um dia nos anos 70 e congelar, amanhecendo sempre no mesmo dia, previsível, como um game em primeira pessoa, voltando sempre na mesma cena e gozar o poder de saber tudo o que vai ocorrer...explorar todas as possibilidades, ser quase um deus...Deixar minha mediocridade se transformar em genialidade, à custa do deja vu...
    Bjs, Rê!
    (Espero que não tenha sido eu que repassei o tal pps...)

    ResponderExcluir
  7. Você como sempre danada.
    Fernando Pessoa, afirmava que a melhor maneira de viajar é sentir.
    E o seu texto fez as duas coisas, uma professora e seus diversos tubinhos, cada um de uma cor, combinando com os colares de madeira, um cabelão bolo de noiva com muito, muito Laque, tudo bem anos 60.
    Eu me perguntava, será que eu também vou me aprisionar a algum tempo em minha vida assim como ela?
    Que medo!!!!!!!!
    Afinal o melhor lugar do mundo é aqui e agora.
    Beijos
    Wilma

    ResponderExcluir
  8. Ocorre, e muito!
    Cê escreve e lemos como se tudo em volta fosse quietude, apenas o som das suas palavras ecoam, calmos e bonitos.
    Arranje aí um bocado de lápis pra eu colorir de alegre a dor de umas pessoas que eu amo muito.

    Beijo, Rê.

    ResponderExcluir
  9. Oi, Regina!
    Temos que ter cuidado para o passado não se tornar uma armadilha. Vejo muita gente presa ao passado, iniciando as frases em tom professoral: "Em meu tempo era melhor". Umas coisas sim, porém a maioria não. Gosto de ouvir os mais velhos, mas é salutar que eles abram espaço para os mais novos também falarem. Acho uma chatura quando querem impor um tempo que os mais novos não viveram e curto muito pessoas que não estão alienadas a um só tempo. Estamos na vida para usufruir do presente.
    A.do.rei seu texto, mas não suporto powerpoint... rs.
    Boa semana!!
    Beijus,

    ResponderExcluir
  10. Olá, RÊ!

    Tal como o arco-íris, também a vida deve ser pintada de muitas cores.E depois, o passado já lá vai, o presente passa depressa, e o que sobra é o futuro.

    Mas de vez em quando é difícil resistir à tentação de viajar ao passado...porque simplesmente éramos então (mais)novos...

    Bonito texto.
    Beijinhos
    Vitor

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget