Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

quinta-feira, 30 de abril de 2015

Até que no final tem graça



Fui fazer um atendimento hospitalar. Difícil e pesado. Porque não é nada leve você acompanhar familiares e uma jovem paciente (só 32 aninhos) numa guerra contra o maldito caranguejo. 
Saio às 17h30minh. O trânsito está absolutamente parado. Afinal, amanhã é dia do trabalhador, sinônimo de fim de semana prolongado. Sou uma labutadora louquinha para chegar em casa. 
Pelo que vejo não será possível tão cedo. Pego minhas palavras cruzadas que sempre mantenho na bolsa para horas assim. Faço uma, duas, três e nem um metro o carro anda. Passo para o celular, mas não sei os motivos, a internet não funciona. Troco o CD e ouvindo músicas new age (para ficar beeem zen) me vêm memórias de casos engraçados.
Invariavelmente o início é assim: a gente não está muito legal e inventa umas fórmulas para ficar bem. Às vezes dá certo. Outras não. Mas isso não é algo que faça os crédulos perderem a calma. No mínimo, a experiência rende boas risadas. Quem se aventura pelo esotérico acaba rindo – com ou sem graça. 
Tomar banho com ervas, por exemplo, pode ter duplo efeito: a gente lava a alma e suja o box. Usar sal grosso dá no mesmo com o acréscimo do do-in que as pedrinhas fazem nos pés, um bônus precioso para quem se liga. 
Meditar usando incenso novo é sufoco na certa. Nós, os incautos, nunca acertamos a distância ideal de primeira. Fazer o mapa astral pode virar pesadelo.  Mais do que conhecer o signo ascendente, a lua onde, percebemos características que preferíamos desconhecer. Às vezes, a experiência sobra para os vizinhos. 
Há um ano, uma amiga, seguindo o conselho de uma profissional, resolveu defumar a casa. O ritual não era nada simples. Envolvia dispor vasilhas com enxofre em vários cômodos, botar fogo e ficar de lá para cá, acompanhando o ritmo. Não tentem fazer isso em casa. A experiência foi um suplício. No início, tudo bem. Aí, a fumaça foi aumentando, tomando conta e ela, circulando desorientada sem poder respirar direito. Ficou tão fedido e enfumaçado, que a alternativa foi abrir as janelas e apagar tudo. Pode ser que tenha sortido algum efeito, porque ela ria muito ao contar o caso. 
Existem também alguns tropeços. Eu, por exemplo, estava dançando descalça num gramado suspeito, tropecei e cai. Pelo menos a trilha era perfeita, uma música new age para aliviar as tensões. Jurei para a turma inspirada que eu estava bem, mas machuquei o braço. Ficou roxo alguns dias. Tudo bem, roxo é a cor do sexto chakra. Zen também. 
A primeira vez que participei de uma reunião budista foi insuportavelmente hilária. Estava acompanhada de um amigo bem-intencionado, mas descontrolado. Chegamos atrasados e escolhemos um lugar discreto, como fazem os iniciantes. As pessoas começaram o Daimoku. Estranhei aquele murmúrio, era como um coral repetindo centenas de vezes a mesma frase – em japonês! Só se ouvia "Nam myoho rengue kyo, Nam myoho rengue kyo, Nam myoho rengue kyo..." Marco Antônio, meu amigo, ficou paralisado, encolheu os ombros e virou o rosto para o outro lado. Estranhei. Puxei minha cadeira para trás e, então, vi que o rosto dele estava muito vermelho. Ele fazia um enorme sacrifício para não soltar uma gargalhada. Então, não aguentei. Perdi a pose.
Assim seguimos. Vamos sempre confiantes enfrentar o próximo desafio. O propósito é ficar bem na foto e acredito que, na maioria das vezes, saímos sorrindo. 
Duas horas depois e doidinha pra fazer xixi chego em casa... Tenho mais é que sorrir. Amanhã não tenho hora para acordar e sair da cama. Vou tomar uma taça de vinho e curtir meu feriado prolongado. Bem zen e feliz por mais um mês que termina e outro que inicia. Seja muito bem vindo maio!

13 comentários:

  1. Regina, temos mesmo que tratar de ficar o mais ZEN possíveis... Tive que rir , pois numa época colocava incensos na casa...A Cuca tinha alergia, ficava espirrando o tempo todo...

    Adorei te ler e que bom que ao final, tudo acaba bem e desejo bom feriado e descanso! bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Pelo menos, sua amiga que defumou a casa deve ter se livrado dos mosquitos por algum tempo...Kkkkkkkkkk
    O esotérico tem seu lado bem humorado!
    Bj, Rê!

    ResponderExcluir
  3. Regina querida, você me fez feliz, viajei agora também, lembrando de uma passagem onde fui com minha mãe ver um brilhante espiriteiro, que antes da sacudidela, resolveu palestrar sobre O Argueiro e a Trave no Olho, só que todas as vezes que ele falava a palavra Argueiro, ele trocava ou não sabia e falava Arqueiro, não contente, fazia o gesto com a mão a mirar uma flecha na plateia que instintivamente se abaixava.
    Rimos muito.
    São as nossas incursões ao Divino.
    Sinto muito pela fase da sua parente, não devíamos passar por isso.
    Mas, diga a ela que passa.
    Beijos
    Wilma


    ResponderExcluir
  4. Olá,RÊ!

    Obrigado pela visita e pelas palavras amigas.É verdade que um dia aqui espero voltar: quando a mente estiver estiver mais leve e desocupada e a disposição e vontade se conjugarem para de novo voltar a escrevinhar - coisa que muito gosto de fazer...
    E atá lá deixo um beijinho e um abraço, mais o desejo de que tudo vá correndo bem por esse lado.Obrigado!
    Vitor

    ResponderExcluir
  5. Seja bem vindo e traga mais textos que nos façam sorrir.

    ResponderExcluir
  6. Oi, Regina!
    Bacana lembrar de situações engraçadas em momentos de estresse. Pelo menos o seu final teve mais graça que o meu e me lembrei pois tudo começou também em um centro budista.
    A primeira vez em que fui em um também tive acesso de riso. Estava com minha mãe e uma amiga. A minha mãe era frequentadora e resolveu nos levar. Quando olhei para a cara da minha amiga, não me contive. Foi no Centro Budista Nichiren Shoshu, no bairro Floresta, pertinho da casa onde minha mãe morava aí em Belo Horizonte. Inventei uma dor de barriga e saímos correndo. No caminho pra casa, ríamos tanto que as pessoas que passavam também riam sem saber o que tinha acontecido. Esse fato me trouxe um desconforto. Dessa vez no enterro dessa minha amiga que morreu prematuramente aos 18 anos. Tive acesso de riso dentro do cemitério, mas daí não sei... eu estava no meu limite de estresse quando me lembrei desse fato justamente naquela hora. Abaixei o rosto e o escondi entre as mãos. As pessoas achavam que eu estava chorando, mas eu estava rindo. Eu estava extremamente triste, mas ria.
    Viu... Não teve graça!
    Mas o bom da vida é extrair os bons momentos. Pena que só nos damos conta disso quando o momento já passou.
    Eu ri imaginando a sua amiga com o defumador. Só não entendi a guerra contra o caranguejo. Isso é uma nova modalidade de exercício das academias? Tenho uma história muito engraçada de um amigo que tinha acabado de se separar e resolveu se matricular em uma academia. Você imagina, pq se for contar, o comentário ficará enooooorme!! :)
    Feliz Maio para você!
    Beijus,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Luma antes fosse uma nova modalidade de academia. Caranguejo é o símbolo do câncer. Estava saindo de um atendimento hospitalar...moça de 32 aninhos. Muito triste. Bjus

      Excluir
  7. Regina, você me fez lembrar de um casamento budista em SP - aqui não tem dessas coisas - e um sobrinho a meu lado, a certa altura da cerimônia bem diferente, desandou a rir `as lágrimas...
    Também não aguentei e depois fiquei vexada, me sentindo a caipira idiota. Me vi culpada pela falta de respeito com os noivos (que nada perceberam).
    Ai, ai... Eu queria matar aquele sobrinho adolescente!

    ResponderExcluir
  8. Olá Rê!
    Muito engraçado esse teu dia heim?!! (visto daqui claro!) achei muita piada (kkkk) à tal defumação!! Sabes lembro-me de em miúdo a minha mãe fazer isso lá em casa e em casa de outras pessoas que lho pediam, ela aprendeu isso em Moçambique e era assim ; era feito numa velha frigideira fogo com vários tipos de ervas (só lembro "arruda") e ela andava pela casa(s) fora com a frigideira numa mão e o terço na outra enquanto dizia umas intermináveis rezas. Eu até gostava do cheiro daquele fuminho branco que até não era assim tão forte (talvez a tua conhecida utilize outras ervas). Sim ... venha Maio, que eu estou cheio de chuva (nunca gostei) e quero andar de bike na montanha e correr junto ao mar ao sol pôr. Bjs, fica bem.

    ResponderExcluir
  9. Só tenho que te agradecer por poder ler um texto que dispõe tão bem! Claro sorri o tempo todo da leitura. Não vivenciei situações das que narra mas sei que também me ia rir.
    Essa da defumação, fez-me lembrar que era hábito, antigamente, nas casas muito pobres, cheias de buracos, fazer arder acho que giestas mas para afugentar os bichos.
    Há um episódio que ainda hoje não entendo: adorava a minha avó paterna (esteve 5 anos imobilizada numa cama) e eu assisti à sua morte; tinha 15 anos; imagina como devia estar triste mas ver o que lhe estava a acontecer (serenamente mas com uns esgares esquisitos), fazia-me rir. Claro que tentei disfarçar. Quando penso nisso (e penso bastante) ocorre-me que talvez fosse uma reação de nervosismo...
    Sobre essa jovem de 32 anos, é terrível mesmo! Há cerca de um mês morreu uma jovem conhecida que estava a viver no estrangeiro; acompanhei as suas postagens do FB, sempre com esperança de vencer, mas não venceu; teria aí uns 25 anos...
    Bjuzz, querida Rê :)

    ResponderExcluir
  10. Re,

    Eu vou deixar uma dica poderosa: quando me separei e vi qual era a verdade, mergulhei numa tristeza profunda, só que como lutadora indomável eu quis vencer e sair do poço. Indo e voltando da escola de minha filha notava do outro lado da calçada uma casa "Johrei". Não há nada melhor do que ir lá. É tão rapidinho e tão eficaz. Quando estiver se sentindo carregada, seja o motivo que for, esqueça qual é a sua religião, procure um centro Johrei. Será recebida com carinho e sorriso. Receberá passe (1 ou mais se quiser). Recomendo, dependendo do estado, que volte mais vezes, ahhhh alivia e muito.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  11. Re

    ahhhhhhhhh se morasse pertinho de mim, queria marcar um horário só pra dar muita risada com vc. Como eu gosto deste espaço, das suas histórias, vc me faz um bem danado!!!

    Maio já está no fim, desejo que junho seja todo ZENnnnnnnnnnnnnnn...

    Bjos

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget