Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

MÁGICO E MARAVILHOSO 2016





Não tem jeito, não dá para começar o ano a 100 por hora. É preciso engatar a primeira, pensar na vida, nos planos e sonhos, renovar o ânimo e, então, acelerar. Sei, por experiência, que fazer uma boa faxina, além de preparar a casa, de dar espaço para o novo entrar, também ajuda a organizar as ideias. Limpando, jogando fora, reciclando, lustrando e renovando... É assim que eu começo o ano. Bem devagar por enquanto.
Por que colocar o foco no futuro, se tudo o que se tem é o agora? Ah, vamos viver a vida! Dia após dia, hora após hora, minuto após minuto. Agora: o que conta é isso. O que você está fazendo pelo seu momento? Ser tudo o que se é, em cada atitude e a todo o momento, é a chave do otimismo. É possível a gente se preocupar menos e ser mais. Claro que é.
Ouço a música e fico atenta ao trecho em que o compositor declara: "viver é tão raro!" O pensamento que, mais do que tudo, é atitude e tem a ver com o momento presente, com o estar atento para as raridades do viver, leva-me a outras elucubrações. Penso que é raro a gente acordar para ver o dia nascer e se sentir em paz com o tempo que tem. É raro desfrutar com calma um bom prato, sem preocupações com o relógio, com as calorias ou com agrotóxicos, apenas explorando as alegrias do paladar. É raro acordar no meio da noite, abrir os olhos, ver o ambiente conhecido e voltar a dormir na paz dos que encontram o seu canto. É raro olhar para o lado e se encantar com a beleza e com o afeto de uma presença companheira e amiga. Também é rara a percepção da leveza de um andar sem dor, raridade que só o convalescente sabe dar valor. São raros os momentos em que os braços se alargam para o aconchego de um abraço, quando os ouvidos captam nas palavras costumeiras a tradução de um afeto verdadeiro e quando a boca se cala pelo incomunicável. É rara a percepção da respiração, do ar que entra, revitaliza e dá vida até o último suspiro.
São muitas as raridades. E cada um tem a sua lista. A minha poderia continuar longa, mas o tempo é raro e eu vou ali desfrutá-lo. Deixo a inspiração: "Vai, aproveita a vida!" O que há de raro neste momento, se não ele mesmo?"
E eis que a página foi virada. Começa a história do ano de 2016. Hoje é apenas o décimo quarto dia e relembro nos escritos recebidos e enviados dezenas de propostas, desejos e de promessas de mudanças misturadas aos votos de felicidades. Ecoam ainda nas mensagens recebidas incentivos aos novos passos e aclamações às novidades. A sintonia é o novo. Assisto a isso como quem assiste a uma reprise. Então, acostumada por Urano ao movimento contrário, cismo em olhar para o outro lado. 
Volto minha atenção para o passado, para o velho e bom da vida. E digo: este ano, vou valorizar meus ganhos, meus guardados, meus bons hábitos, meus velhos amigos do peito, meu baú de memórias, minhas conquistas, a força cultivada pelo tempo e os meus rastros.  
Claro, é preciso seguir em frente, dar espaço para novidades estimulantes, desafiadoras, engrandecedoras. Essas vou investigar bem de perto, lembrando que tudo o que é grande de verdade  não elimina – até enaltece – a força do velho.
Um novo negócio exige a velha experiência; um novo passo exige a firmeza do passo consolidado. Sim, optei por mudar a sintonia. Sintonizei com o antigo, com o guardado, com o que é velho, agradável ao corpo, à alma e aos olhos. Fiquei aliviada. Mais do que isso, fiquei grata! Deve ser bom começar o ano assim. Começo rica, começo vencedora, começo firme, começo sábia.

7 comentários:

  1. Olá Minha Querida Rê ! :)
    Ano Novo, foto nova, novos projectos, mas seguros, com ponderação, lentamente !
    O futuro é importante, mas muito mais o agora, como dizes !
    Do passado há que recordar e manter o bom, filtrar algumas coisas coisas, tirar conclusões !

    Para ti, um ano fantástico a todos os níveis, minha Amiga !

    ResponderExcluir
  2. Sábia Regina, é isso aí!!!
    Também sou adepta do 'começar devagar' e depois ir acelerando ao longo do tempo, he he.
    Beijinhos querida e um bom ano!!!

    Bia
    www.biaviagemambiental.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. RE,

    Viver é quase um milagre! Somos responsáveis pelas escolhas que fazemos e de qualquer maneira, mesmo com juizo ou nao muito, lá fora é campo minado que pede habilidades pessoais.

    Bjs

    ResponderExcluir
  4. È sempre um prazer ler-te Rê!!
    Tenho alguma fé neste ano! Não sei bem o porquê!! Veremos como corre ;-)

    ResponderExcluir
  5. È sempre um prazer ler-te Rê!!
    Tenho alguma fé neste ano! Não sei bem o porquê!! Veremos como corre ;-)

    ResponderExcluir
  6. A vida é um milagre que possamos ter uma vida digna Bjbjbj um 2016 de muito sucesso !!!!!!

    ResponderExcluir
  7. E quanto tempo já passou sem te visitar!
    Sabes como adoro os teus textos e como eles me são importantes! Este está divino!
    Na verdade, o ano novo só o é no calendário. Em cada ano há tanto que devemos conservar e gratificar!
    Um grande bjo, querida RÊ :)

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget