Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

domingo, 24 de fevereiro de 2013

QUE PIADA!!!



Acho que está tudo mesmo de cabeça pra baixo. E faz tempo. Ouço queixas - em profusão - de comerciantes, empresários, head hunters, sobre mão de obra desqualificada. Dificuldade em encontrar "O" candidato que preencha todos os pré e pós requisitos do perfil. Esse tal de perfil...nem vou falar a respeito. Na outra ponta muitos profissionais, não tão jovens, não tão cheios de titulações, mas com experiência, responsabilidade e fidelidade (aqueles que vestem mesmo a camisa do empregador) em busca de uma oportunidade, um trabalho digno e justo. Mas isso não é suficiente. Alguém aí pode me explicar essa fenda?! Meu tico e teco, nem tão jovens, nem super titulados, por mais empenhados em... não está conseguindo! Enquanto aguardo, partilho com vocês um email que recebi. Deve ser antigo, talvez você já conheça, mas ironicamente, continua atualíssimo.
O filho termina o segundo grau e não tem vontade de fazer uma faculdade, a realidade Brasileira.
O pai, meio mão de ferro, dá um apertão:
- Ahh, não quer estudar? Bem, perfeito. Vadio dentro de casa eu não mantenho, então vai trabalhar...
O velho, que tem muitos amigos, fala com um deles, que fala com outro até que ele consegue uma audiência com um político que foi seu colega lá na época de muito tempo atrás:
- Rodriguez!!!! Meu velho amigo!!! Tu te lembras do meu filho? Pois é, terminou o segundo grau e anda meio à toa, não quer estudar. Será que tu não consegue nada pro rapaz não ficar em casa vagabundando?
 Após três dias Rodriguez liga:
- Zé, já tenho. Assessor na Comissão de Saúde no Congresso, R$13.700,00 por mês, prá começar.
- Tu tá loco!!!!! O guri recém terminou o colégio, não vai querer estudar mais, consegue algo mais abaixo...
 Dois dias depois:
- Zé, secretário de um deputado, salário modesto, R$ 9.800,00, tá bom assim?
Nãooooo, Rodriguez, algo com um salário menor, eu quero que o guri tenha vontade de estudar depois. Consegue outra coisa.
- Zé, não sei se ele vai aceitar, mas tem um de assessor da câmara, que é só de R$.6.500,00.
- Não, não, ainda é muito, aí que ele não estuda mais mesmo.
Olha Zé, a única coisa que eu posso conseguir é um carguinho de ajudante de arquivo, alguma coisa de informática, mas aí o salário é uma merreca, R$ 3.800,00 por mês e nada mais.
- Rodriguez, isso não, por favor, alguma coisa de R$1.200,00 a R$1.500,00 no máximo.
- Isso é impossível Zé!
- Mas, por quê?
- PORQUE com este salário aí eu só tenho vaga pra professor. E aí é difícil, precisa de CURSO  SUPERIOR, MESTRADO, DOUTORADO e tem mais, precisa passar em concurso!

20 comentários:

  1. Só rindo de nossa realidade!Pena,não?

    Vamos ver até quando! um beijos,linda semana,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. É Re, uma piada de muito mau gosto!
    Essa tal realidade nos mostra uma disparidade sem fim..
    Tem muito Tico e Teco maluquinho querendo entender...


    Beijinhos amadamiga!

    ResponderExcluir
  3. KKKKKKKK!!!!
    É incrivel como este mundo apesar de "fronteiras" e uma imensidão de oceano a separar, acaba sempre por ser igual em todo o lado (de humanidade falando, claro!).
    Por aqui eu quando estive na minha "peniência" de 3 anos de desemprego, cheguei à conclusão de que quando estamos a meio da vida (provávelmente) e procuramoss emprego de novo, somos "velhos" para as oportunidades que existem (independentemente das qualificações) mas ... por outro lado, ainda somos novos para nos darem a reforma.
    Assim, diz o ditado - Presos por ter cão e ... presos por o não ter!
    Bj, fica bem.

    ResponderExcluir
  4. É irmiga, sem condição mesmo de rir desse absurdo, o que dá, além da vergonha desta realidade, é a dor que essa verdade causa ...formadores, com esta imagem deformada de valores, numa escala alarmante que repúdio algum dá jeito...


    No divã dá pra por a boca no trombone, que alívio que dá!!
    Bjãozão, Rê!

    ResponderExcluir
  5. Regina do céu!
    E ainda tem que pactuar...
    Mesmo com Univ. Católica, univ. Federal, estou inclusa num pacto pela alfabetização - coisas de Professora.
    Beijão, amiga!

    ResponderExcluir
  6. KKK... ???... Buááá!

    É... é um retrato sem retoques do picadeiro de palhaçadas onde nós morremos de rir sem perceber que estamos frente a um espelho.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. É minha amiga e infelizmente a realidade é essa mesma. Nós professores não temos valor algum, e isso é passado em casa tb pelos pais. Não temos credibilidade, já ouvi alunos falarem para mim se eu não gostaria de fazer outra coisa, já que ser professor não é legal e ganha muito pouco. Triste não é? Nossa sociedade não dá valor a quem estuda, se interessa, faz seu trabalho com amor. Quem sabe um dia quando acabar os professores não vejam a injustiça cometida....Ótimo post!!! Um grande abraço!!!

    ResponderExcluir
  8. Re, é bem por aí... mas, como já selecionei muita gente e durante muito tempo só posso dizer: muito título, pouca prática e não querem trabalhar. Quem se dedica não é valorizado. Ainda existe a distorção do mercado, precisa-se de gente jovem com muito título e os mais velhos dedicados não fazem o perfil de uma empresa "antenada". Assunto para mais de metro...
    bjs e boa semana
    Jussara

    ResponderExcluir
  9. Não ri, mas sorri...Temos por cá tanto em comum. Parece que o mundo está louco!

    Bjo, querida RÊ! :)

    ResponderExcluir
  10. Foi-se o tempo em que ser professor era questão de privilégio, merecia todo o respeito. Agora é coisa que causa estranheza ouvir alguém manifestando essa intenção.

    Eu ainda quero viver pra ver a indignação popular, indignação real, de dar um basta nessa palhaçada toda. Por que a gente pode, né?

    Beijo, lôra.

    ResponderExcluir
  11. è de rir mas não me dá vontade de rir... é super atual como você disse... o que me faz pensar e sentir com um caso assim? Tristeza ! sinto tristeza mesmo ! Esse caso que ilustra nossa realidade, me faz lembrar de meu p´roprio percurso, do percurso e batalha de sobrinhos, filhos de amigas, meus filhos, enfim de tantos jovens, de tantas pessoas que se empenham e batalham enquanto outras .... e uma tristeza grande pelo desrespeito ao professor, que para mim é uma profissão quase que sagrada ! Muito bom , Regina, você colocar essas e outras para nos faz pensar, indignar com nossa situação. E buscar melhorar.. como ?

    ResponderExcluir
  12. Regina, esse anônimo sou eu, Silvânia. estou no tempo das cavernas kkkkk todas as vezes que vou e indentificar, acho que faço algo errado e perco o meu comentário... vai lá.. um dia aprendo .. bjs

    ResponderExcluir
  13. Esta conversa fictícia espressa muito bem os motivos do Brasil ostentar o justissimo 84º lugar, na lista de IDH!
    Triste realidade!
    Bjs, Rê!

    ResponderExcluir
  14. Triste realidade...
    Infelizmente.

    Sabe o que mais me revolta é ver a criançada chamando professor de tio e treinador de futebol de professor...
    #chateada de mais.

    Bêjo da Patt

    ResponderExcluir
  15. Ah, não! De novo não! Postei um comentário e ele ... sumiu! Bem, tentando de novo.
    Já conhecia a historinha maledetta e fico muito brava com tudo isso.
    Tô querendo um emprego público desses, sem ter que fazer concurso público e para ganhar muito bem. Falta Q.I.! É muin difíssss, como diz o ceguinho. Só chorando...
    Beijos, Angelinha

    ResponderExcluir
  16. Triste realidade brasileira! Essa é a realidade de nós profissionais, que ralamos muito, estudamos 5 anos de faculdade, trabalhamos 40 a 44 horas semanais, pagamos todos os impostos imagináveis nesse país para ganhar uma merreca!
    realmente triste!
    Beijão Rê!

    ResponderExcluir
  17. Olá, RÊ!

    Brincando com coisas sérias, ou a brincar se vai dizendo as verdades...

    Como post, está um delícia - em particular a desse pai que para estudar ainda usava a cabeça...

    Beijinhos amigos; e boa semana.
    Vitor

    ResponderExcluir
  18. Rê Amiga,
    Bela e irreverente postagem. É a dura realidade dos nossos dias. As "cunhas" no seu melhor! Quem não tem amigo influente, está no mato, mesmo.
    Um xião
    Jorge

    ResponderExcluir
  19. Desculpe a troca do "x" pelo "s" em "expressa"!
    Efeito do incentivo à má educação!
    Hehehehehe!

    ResponderExcluir
  20. Oi, querida Rê!
    Nossa, a gente sabe da realidade, mas quando a lê em detalhes, como dói, como corrói nossa alma e é por isso que há tantos jovens assim, desesperançados, pois sabem que vão ter que enfrentar cursos chatos, complicados, aulas e mais aulas, para se formarem e ganharem estas titicas.
    Tá tudo tão deformado e será que nossa presidente não sabe dessas coisas? É uma realidade grotesca, terrível e sem grandes expectativas, pois para se fazer algo é preciso muito trabalho e este já teria que ter sido começado pelo menos. Mas, nada! Nenhum projeto em andamento e o que vemos é isto, trágico futuro!
    um abraço carioca, querida amiga.



    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget