Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

DASDÔ




O dia amanheceu chuvoso. Continuo dormente. Qual será meu desperta_dor? Penso nas centenas de pessoas que pulsam - nesses últimos dias e noites - dores. O estado de dor extrema, mistura de esvaziamento do eu e de contração em uma imagem-lembrança, é a expressão de uma defesa, de um estremecimento de vida. Essa dor é a última muralha contra a loucura. No registro dos sentimentos humanos, a dor psíquica é efetivamente o derradeiro afeto, a última crispação do eu desesperado, que se retrai para não naufragar no nada. Eu estava ali, desestabilizada pela impenetrável infelicidade dolorosa de centenas. As palavras me pareciam inúteis e fiquei reduzida a fazer eco aos seus gritos lancinantes. Sabia que a dor se irradia para quem escuta. Sabia que, em um primeiro momento, eu tinha apenas que ser aquela que, só por sua presença – mesmo silenciosa e distante – podia dissipar o sofrimento ao receber suas irradiações. E que essa impregnação aquém das palavras poderia, justamente, inspirar-me as palavras adequadas para expressar a dor e acalmá-la enfim. A dor só existe sobre um fundo de amor. 
"Amar os outros é a única salvação individual que conheço: ninguém estará perdido se der amor e às vezes receber amor em troca." (Clarice Lispector)

15 comentários:

  1. Oi Regina!
    O amor, como sempre é grandioso e capaz de libertar um pouco a dor.
    Bom final de semana
    Xero

    ResponderExcluir
  2. ... além de que, quem dá sem espera de retorno, acaba por receber a dobrar !

    Beijinho, RÊ ! :))
    .

    ResponderExcluir
  3. Lindo,Regina! A última frase, maravilhosa demais! beijos,chica

    ResponderExcluir
  4. Olá, RÊ!

    Imagino que deverá ser profissão bem difícil a de tentar "curar" a dor alheia; certamente sem muitas vezes saber muito bem o que dizer - em particular como em casos iguais a este, de tamanho sentimento de perda...

    Beijinhos amigos; bom fim de semana.
    Vitor

    ResponderExcluir
  5. senti/sinto uma dor impossível de recobrir com palavras. basta doer em unissono! um texto perfeito sobre um tema doloroso.
    bjs
    http://eubipolarbuscandoapaz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. É minha amiga, acho que a dor ultrapassou fronteiras nesta última semana, ficamos todos contagiados por ela. A única solução para este mal é o amor e ele precisa ser mais forte, vibrar com intensidade e renovar os corações e mentes.
    Que este final de semana seja de descanso para todos nós e de acalanto para os que sofreram mais que nós!
    um abraço apertado carioca


    ResponderExcluir
  7. Bom dia minha amiga,,,obrigado pelo carinho no Livro, é um momento difícil, de despedida,,,mas é necessário, a vida as vezes nos leva a caminhos que não conseguimos voltar, e uma parada, um breve adeus quem sabe, talvez nos trará renovados,,,beijos e flores de bom dia.

    ResponderExcluir
  8. Explicitá-la é preciso. Seja na palavra ou no gemido, ou na lágrima que grita no silêncio.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Tem momentos que nenhuma palavra adianta. Basta nossa presença, ou nossa vibração, levando paz e amor.
    Bom domingo!

    ResponderExcluir
  10. Esse teu coração amoroso deu conta dessa generosa alquimia...falar o que? como aplacar essa dor, com palavras?...melhor fez vc, enviando puro amor!!

    Bjo com meu profundo respeito e admiração!

    ResponderExcluir
  11. É, foi forte. Eu pude escutar o canto da sua alma na tentativa de se fazer bálsamo, na lindeza de ideia de se propagar amor.

    Beijo, moça.
    Beijo!

    ResponderExcluir

  12. Regina,
    deste lado do oceano essa dor ecoou e não quero nem imaginar a dimensão ai ...
    pois esses desígnios dos Deuses são incompreensíveis para nós pózinho das estrelas, machucam e tudo fazem questionar...
    beijinho

    ResponderExcluir
  13. Tenho andado ausente...O Inverno enfia-me muitas vezes numa depressão...Mas chegaram os dias de sol e o perfume, ainda que longínquo, da primavera que chega no próximo mês...
    Mesmo de longe, fiz luto no meu coração e pensei tanto futuro arrancado desta maneira...Porquê, meu Deus? Sei que haverá uma resposta que eu não entendo.
    Acompanhei com emoção as imagens que aqui passaram e alguns jovens a comentar, debaixo de grande emoção : Como é possível...há poucas horas estava ali a meu lado, agora está enterrado... A morte surpreende sempre ...mesmo àqueles que já caminharam muito na vida. Rezo por todos...pela primavera que não chegou.
    Mil beijos
    Graça

    ResponderExcluir
  14. Re
    Alguns dias se passaram e nada mudou. Não tem como esquecer, como não sentir. Ainda fico em silêncio, sem saber o que pensar. Resposta pra isso tudo não teremos. É silenciar e orar.

    Beijinho

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget