Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

segunda-feira, 10 de junho de 2013

DIA DO AMOR



Corações acelerados, suspiros fora de hora, sorrisos sem motivo aparente. Nada como o amor para deixar a vida mais colorida, alegre e graciosa.
Em O mal-estar na cultura, Freud salientou que, embora consideremos o amor como a nossa mais poderosa fonte de prazer, “nunca nos achamos tão indefesos contra o sofrimento como quando amamos, nunca tão desamparadamente infelizes como quando perdemos o nosso objeto amado ou o seu amor”. Porque amor e dor são indissociáveis. As questões são muitas. Entre os seres que amamos, quais são os que consideramos insubstituíveis e cuja perda provoca dor? Quem é esse outro eleito, que faz com que eu seja o que sou, e que sem o qual eu não seria mais o (a) mesmo (a)? Com que fio é tecido o laço amoroso para que sua ruptura seja vivida como uma perda? O que é perder o amado e sofrer a dor de amar?
Até mesmo Drummond escreveu, lindamente, em As sem razões do amor esse agarramento dor-amor:
Eu te amo porque te amo,
Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça
e com amor não se paga.


Amor é dado de graça,
é semeado no vento,
na cachoeira, no eclipse.
Amor foge a dicionários
e a regulamentos vários.


Eu te amo porque não amo
bastante ou demais a mim.
Porque amor não se troca,
não se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.


Amor é primo da morte,
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor.
Deixando de lado essas e outras tantas perguntas celebraremos, nesse 12 de junho, mais um dia de, né mesmo? Particularmente sou - absolutamente a favor desse sentimento - diariamente. Uma carta recebida pinta o dia cinzento com cores esperançosas:
"AMOR, coisa mais terna do mundo! Sem palavras para descrever o que senti ouvindo a letra da música... Estou fora de mim e a pensar como faço para ganhar asas e voar até você. Encostar minha cabeça à tua, beijar-lhe intensamente e fugirmos, os dois, para o lugar mais recôndito deste mundo e amar, sem tempo nem espaço, sem fronteiras nem oceanos que se metam entre nós. Amor de minha vida estou desesperando por não te ter a meu lado e fazer o que tem de ser feito. Você que de tão longe veio até mim e levou a minha alma para tão longe, que já não sei dela perdida em ti. Trata-a bem e devolve-a recheada do teu encanto para eu te retornar comigo dentro e em você me encontrar. Que é feito de mim que já não tenho nexo, mas também não quero. Não tenho aonde ir porque a você não posso chegar! E receio que a distância e a não presença física seja uma cortina translúcida entre nós. Beijo-te com todo o meu ser e me rendo..."

Um convite assim, sem mais nem menos, também chegou provocando um riso pueril:
“Procure realizar essas delícias todas que o teu peito pede. E se ele anda te pedindo certas coisas fascinantes com as quais você em princípio não concorda, reaja e mude — antes que ele mesmo te abandone para sempre. Porém, se o teu peito anda meio amolecido e teu coração cansado não te pede nada mais; se o teu peito está perdendo a coragem da poesia, da paixão e da loucura entusiasmada; se o teu peito já não te assusta nem te encanta todo dia — troque de coração, urgentemente. Valentine's Day. Get Inspired! Solteira, casada, namorada, apaixonada, de qualquer forma você é nossa convidada especial para uma quarta-feira cheia de atrações. Venha se inspirar!"
Até mesmo estudos postados (UOL) - na rede social - aguçaram minha curiosidade. Já o que ocasiona com as mulheres e homens deixei de lado:
- Casais que se conhecem pela internet se divorciam menos;
- Quem se casa vive mais, diz estudo;
- Estudo comprova: casamento feliz faz bem ao coração;
- Casamento faz mulheres beberem mais - e homens, menos;
- Sistema imunológico de ratos "infiéis" é mais forte do que o de animais comportados;
- Sociedades poligâmicas são mais violentas, diz pesquisa;
- Caneta, papel e 21 minutos podem salvar o casamento. (essa eu não entendi mesmo, alguém pode desenhar pra mim?!).
Quer saber? Com carta ou sem, com convite ou não, com estudo ou na ausência de, meu desejo é que prevaleça, eternamente, esse lado da moeda! Feliz dia (s) do AMOR procê (s)!!!

9 comentários:

  1. Dia do amor
    amor intenso
    amor verdadeiro
    amor meu amor.
    Bom viver eternamente o dia do amor.

    Regina, adorei a parte: "O amor não faz o mundo girar, faz o giro valer a pena".
    Feliz dia do amor procê também.
    Xeros

    ResponderExcluir
  2. Lindo post,Regina e, como tu, sou totalmente pró amor! Acho lindo e importante! beijos, linda semana!chica

    ResponderExcluir
  3. Pois é, compartilho disso também. Seja do jeito que for, seja lá quando for, que seja amor, o mais lindo e incrível que puder ser.

    Beijo, lindeza amorosa da Mi_nina.

    ResponderExcluir
  4. Definitivamente também não entendi os 21 minutos, caneta e papel, quando descobrir me conta!
    O que gosto no dia dos Namorados é a oportunidade de dar uma pausa e mimar quem está ao nosso lado.
    Amei:
    O amor não faz o mundo girar. Ele faz o giro valer a pena!
    bjs
    Jussara

    ResponderExcluir
  5. Olá, RÊ!
    Belo texto!

    Sobre o amor, cada um dirá a sua, e eu trago aqui o que disse Camões, que certamente saberia do que falava - acho eu.


    Amor é fogo que arde sem se ver;
    É ferida que dói e não se sente;
    É um contentamento descontente;
    É dor que desatina sem doer;
    É um não querer mais que bem querer;
    É solitário andar por entre a gente;
    É nunca contentar-se de contente;
    É cuidar que se ganha em se perder;
    É querer estar preso por vontade;
    É servir a quem vence, o vencedor;
    É ter com quem nos mata lealdade.
    Mas como causar pode seu favor
    Nos corações humanos amizade,
    Se tão contrário a si é o mesmo Amor?

    Luís de Camões

    Beijinhos amigos.
    Vitor

    ResponderExcluir
  6. Que postagem rica Regina.
    Fiquei maravilhado com a ênfase do amor e cada passagem.
    Um carinhoso abraço Regina.

    ResponderExcluir
  7. Ah, Rê, que post inspiradíssimo!
    Um cheiro de Amor no ar foi o que deixou com tantas palavras e versos bonitos.
    Embora saibamos que estas datas ajudam a alavancar as vendas do comércio, eu acho tão lindo ver os casais comemorando juntos.
    Fui almoçar com maridex no centro ontem e percebi que outras mulheres fizeram o mesmo, tinha um monte de casais no restaurante que escolhemos. Senti uma vibração tão bonita, porque na verdade, o Amor é tudo, embala o mundo com uma forte energia.
    um super beijinho, carioca

    ResponderExcluir
  8. Pra mim o dia 12 foi só mais um dia... rs Adorei seu texto, Regina. Sobre a caneta, o papel e os 21 min creio que seja para colocarmos o que nos aflige e mandar o outro ler. Sei lá...

    Bjs e bom final de semana.

    ResponderExcluir
  9. Como sempre, deliciei-me. E como é eterno o questionamento sobre o amor. O sentimento mais completo e mais difícil de definir. Não sabia que o dia 12 era o dia do amor...
    Temos belos fantásticos sonetistas que versam sobre o amor (Camões é um deles); deve ser o tema mais versejado ou prosado...
    De facto, não há VIDA sem amor!

    Bjo, querida Rê :)

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget