Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

domingo, 24 de março de 2013

MINHA MÃE





A distância faz crescer a presença do outro dentro de nós, num paradoxo de inspiração newtoniana. Quanto mais longe, mais perto. Quanto menos visível mais presente. Não é o tipo de coisa que funciona indefinidamente, mas enquanto amamos é divino.  Isso pode soar meio antiquado, mas a contenção dos sentidos, a impossibilidade do uso do corpo, com todos os seus sentidos, produz na gente uns refinamentos sentimentais que eu acho bonitos. Ouço sua voz, escuto seus conselhos. Toco sua face, sinto sua pele. Seu cheiro natural perfuma minha moradia interna. Vejo-a linda e enxergo sua LUZ iluminando todos os meus dias. Saudade pouca é bobagem mãe. Até nisso aprendi com você a ser farta, mas sem desperdício. Todos os dias, sem pular um sequer, nesses quatro anos, me alimento dela. AMO VOCÊ MÃE!
“No tecido da história familiar, as mãos de minha mãe reforçaram as costuras para nos protegerem de qualquer empurrão da vida.
As mãos de minha mãe uniram com um alinhavo as partes do molde se esquecer que cada uma é diferente da outra e que juntas fazem um todo como a família. 
As mãos de minha mãe fizeram bainhas para que pudéssemos crescer, para que não nos ficassem curtos os ideais. 
As mãos de minha mãe remendaram estragos para voltarmos a usar o coração sem fiapos de ressentimentos.
As mãos de minha mãe juntaram retalhos para que tivéssemos uma manta única que nos cobrisse.
 
As mãos de minha mãe seguraram presilhas e botões para que estivéssemos unidos e não perdêssemos a esperança. 
As mãos de minha mãe aplicaram elásticos para nos podermos adaptar folgadamente às mudanças exigidas pelos anos.  
As mãos de minha mãe bordaram maravilhas para que a vida nos surpreendesse com as suas contínuas dádivas de beleza. 
As mãos de minha mãe coseram bolsos para guardar neles as moedas valiosas das melhores recordações e da minha identidade. As mãos de minha mãe, quando estavam quietas… zelavam os meus sonhos para que alimentassem os meus ideais com o pó das suas estrelas.
As mãos de minha mãe seguraram-me com linhas mágicas, quando entrava na vida… para começar a vesti-la! 
As mãos de minha mãe nunca abandonaram o seu trabalho… E sei muito bem que hoje, onde estiverem, fazem orações por mim.  E eu? Eu beijo-as como se recebesse bênçãos!” (Autor desconhecido)



19 comentários:

  1. Linda declaração e saudade!! beijos,ótimo domingo!chica

    ResponderExcluir
  2. Hoje não contive as lágrimas.
    A saudade mora em mim há 10 anos e vejo-a da mesma maneira que tu. Só não seria capaz de o expressar tão bem.
    bji

    ResponderExcluir
  3. Mesmo que nostálgico, é muito compensador recordar aqueles que nos acompanharam ao longo da vida e que já não estão mais connosco !
    ... mas sem qualquer duvida, as mães ocupam sempre um lugar muito especial nas nossas recordações !
    Nada, mas mesmo nada, como as mãos de mãe !

    Beijinho, Rê ! :))
    Passa um bom domingo ! :))
    .

    ResponderExcluir
  4. Olá, RÊ!

    Quando assim se recorda quem já partiu, é sinal de mãe que muito se amou; que a saudade consegue trazer para perto, como forma de compensação pelo muito que se perdeu...

    Bonita e inspirada esta metáfora sobre esta mãe amorosa,costureira de sentimentos,que os filhos sempre fez questão de vestir à sua maneira...

    Amor de mãe não tem igual, e não será difícil explicar a razão...

    Boa semana; beijinhos amigos.
    Vitor

    ResponderExcluir
  5. Oi Rê!!
    AFFF!!! (como por vezes dizes!), não sei o que dizer, recordar os que amamos, os que nos são a alma e o coração ... não é fácil traduzir em palavras. Mas tu conseguiste, e muito bem. Deu para redirecionar esses pensamentos para a minha também. Bjs, fica bem.

    ResponderExcluir
  6. Mães não se vão, na verdade;
    Elas transformam-se, um dia,
    De presença em saudade,
    De ternura em poesia...


    Beijos, Rê.

    ResponderExcluir
  7. Que lindo, Regina! Celebrar a via, enquanto ela existiu. Não se diz que as pessoas não morrem, se temos saudade? Pois é, ela está bem viva, em seus corações. Tenho a minha, com 87 anos.
    Mas nutro esse mesmo sentimento, há quase 18 anos, quando meu pai se foi (06/04). Nunca é fácil. Mas que bom que os tivemos, que fizeram diferença (para melhor)em nossas vida.
    O texto, de autor desconhecido, lembrou-me muito o que minha mãe sempre representou. Ela amava costurar e fêz tudo aquilo, do texto, verdadeiramente.
    Beijo!



    ResponderExcluir
  8. Ô minha amiga... Saudade também é alimento para a alma. Alimento que dói mas preenche os vazios de nós. Conheço essa saudade e já se vão quase sete anos sem a minha amiga, minha anja, que me escolheu para ser sua filha.
    É esse sentimento que faz a ponte entre o visível e o invisível, tornando possíveis os cheiros, os afagos, a conversa com quem já deixou este plano.
    Tenha paz, minha amada, e que Deus apazigue este coração amoroso. Beijos carinhosos, Angelinha, ou Litle Angel, como quiser.

    ResponderExcluir
  9. Mâes são figuras eternas para seus filhos...
    Bjs, Rê!

    ResponderExcluir
  10. Linda demais Regina!
    Sua homenagem, a saudade, tudo se encaixa com enorme carinho.
    Boa Páscoa!
    Xeros

    ResponderExcluir
  11. Um mar de emoções embalam teu texto tão bonito, Rê..."todos os dias, sem pular um" dá a dimensão do que em vida foi esta missão relacional entre vcs duas. Acho tocante e bonito, pq nem todas as relações parentais acontecem numa intensidade igual...a gente vê tanta discórdia e desafetos interferindo que até dói...esse texto de autoria desconhecida escorreu de um coração repleto desse amor profundo que vc revela, transbordando, sempre, de tuas emoções fortes!!

    Beijos, minha amada!

    ResponderExcluir
  12. Nosso escola na vida lindas palavras a sua mãe, beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  13. Linda a sua homenagem saudade.
    Tão linda que mais rápido quero chegar perto das minhas mães.
    Mãe que faz 81 anos na próxima sexta-feira paixão, e minha avó que em Setembro completa 100 anos.
    Diante da saudade percebemos quão efêmero é o nosso tempo nesse planetinha.
    Bjs.
    Wilma
    www.cancerdemamamulherdepeito@blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Belo, Regina!
    E como vocês duas são fisicamente parecidas...
    Os clãs familiares são mesmo um emaranhado em permanente renovação.
    Beijinho.

    ResponderExcluir
  15. Mais uma postagem magnífica, querida Rê. Absorvi cada palavra, pela identificação; deliciei-me com o texto do autor desconhecido...

    Bjos, amiga. Tudo de bom (tenho estado há mais de seis dias com gripe; agora já me sinto melhor.)

    ResponderExcluir
  16. Poxa... e o que fazer com essa saudade que só aumenta?
    As mães quando morrem viram santas e zelam por nós! Somente pensando assim para suportar a separação física.
    Seu texto me deu uma rasteira!
    Feliz páscoa!!
    Beijus,

    ResponderExcluir
  17. Que, na Páscoa, nossa fé seja revigorada pela
    certeza de que Cristo ressuscitou e está entre nós.
    O sentimento de Páscoa não termina,
    ele sinaliza um novo começo da primavera
    e a vida marca nossa amizade.
    Feliz Páscoa Deus abençoe
    tremendamente sua vida.
    Beijos na alma carinhos no coração.
    Tem mimo na postagem caso gostar fica
    a vontade para pegar..
    Evanir..

    ResponderExcluir
  18. Deus , por que nossas mães se vão?
    Deus, ainda bem que elas ficam em nós marcadas lindamente por toda nossa vida!!!!!!
    Lindo, amiga!
    Beijo teu coração!

    ResponderExcluir
  19. Com certeza sua mãe adorou a homenagem. Mãe não devia morrer nunca!!!

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget