Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

quinta-feira, 9 de maio de 2013

MÃE




Então nesse próximo domingo é dia das mães. A segunda data, depois do natal, ansiada pelos comerciantes. Eu, que nunca fui fã de dias de, não me importava, nem um cadiquim, de sair pelo comércio da cidade em busca de mais um presente especial para minha Pãe. Gostava de viver aquela confusão entre as seis filhas de D.Lucy decidindo como e onde passaríamos. Eram sugestões das mais variadas e cada uma tentando valer a sua. No final dava tudo certo: filhas, genros, netos e bisnetos reunidos numa mesa onde a alegria imperava e D.Lucy reinava absoluta. Ela tinha um gosto nesses encontros que sempre nos lembrava, temerosa, que com sua ausência isso deixasse de acontecer. Não mãe! Nesses quatro anos, de saudades diárias, seu legado continua a se reunir para além de dias de. Só não lhe asseguro que algumas lágrimas-saudades não rolem. Mas sei que, de onde está, você as recolhe transformando-as em doces. A doçura de quem sempre soube celebrar a vida. A todas as mães, que pariram ou não, meu carinho e amor para além desse dia! A vocês que ainda as tem ao seu lado um pedido: dê-lhes um beijinho dizendo que é meu! Isso é um abusar consentido de mãe alheia... E vocês, generosas, permitirão.  Compartilho ainda, abaixo, um texto que “resume” bem essa nossa função. FELIZ DIA(s) PARA VOCÊ(s)!    

“Mãe é aquele ser estranho, louco, capaz de heroísmos, dramas e breguices com a mesma fúria.
Mãe faz escândalo, tira satisfação com professor, berra em público, dá vexame, deixa a gente sem graça, compra briga; é espaçosa, barulhenta, tendenciosa, leoa, tiete, dona da gente. Mãe desperta extremos, ganas, irrita, enlouquece, mas... é mãe.
Mãe faz promessa, prestação, hora extra pra que a gente tenha o que é preciso e o que sonha.
Paga mico: escreve carta para Papai Noel, se faz passar por fadinha do dente, coelho da páscoa, cuca.
 Pede autógrafo para artistas deploráveis, assiste a programas, peças, shows horríveis, revê milhares d e vezes os mesmos desenhos animados, conta as mesmas histórias centenas de vezes, vai pra Disney e A D O R A!
Mãe surta, passa dos limites, às vezes até bate, diz coisas duras; mãe pede desculpas, mortificada...
Mãe é um bicho doido, louco pela cria.
Mãe é visceral!
Mãe chora em apresentação de balé, em competição de natação, quando o filho namora pela 1a. vez, quando dá o primeiro beijo, quando vê o filho apaixonado no casamento, no parto...
Xinga todo e cada desgraçado que faz o filho sofrer, enlouquece esperando ele chegar da balada, arranca os cabelos diante da morte...
Mãe é uma espécie esquisita que se alterna entre fada e bruxa com uma naturalidade espantosa.
É competente no item culpa e insuperável no item ternura, mas pode ser virulenta, tem um lado B às vezes C, D, E...
Mãe é melosa, excessiva, obsessiva, repulsiva, comovente, histérica, mas não se é feliz sem uma.
Mãe é contrato: irrevogável, vitalício, intransferível!
Mãe lê pensamento, tem premonição, sonhos estranhos. Conhece cara de choro, de gripe, de medo; entra sem bater, liga de madrugada, pede favor chato, palpita e implica com amigos, namorados, escolhas.
Mãe dá a roupa do corpo, tempo, dinheiro, conselho, cuidado, proteção.
Mãe dá um jeito, dá nó, dá bronca, dá força.
Mãe cura cólica, porre, tristeza, pânico noturno, medos. Espanta monstros, pesadelos, bactérias, mosquitos, perigos.
Mãe tem intuição e é messiânica: mãe salva. Mãe guarda tesouros, conta histórias e tece lembranças.
Mãe é arquivo!
Mãe exagera, exaure, extrapola. Rumina o passado, remói dores, dá o troco, adora uma cobrança e um perdão lacrimoso.
Mãe abriga, afaga, alisa, lambe, conhece as batidas do nosso coração, o toque dos nossos dedos, as cores do nosso olhar e ouve música quando a gente ri.
Mãe tem coração de mãe!
Mãe é pedra no caminho, é rumo; é pedra no sapato, é rocha; é drama mexicano, tragédia grega e comédia italiana; é o maior dos clássicos; é colo, cadeira de balanço e divã de terapeuta...
Mãe é madona-mia! É deus-me-acuda; é graças-a-deus; é mãezinha-do-céu e é a mãe, é minha, e-eu-mato – quando-quiser; é a que padece no paraíso enquanto nos inferniza...
Mãe é absurda e inexoravelmente para sempre e é uma só: não há mistério maior! Só cabe uma mãe na vida de uma filha (o)... e olhe lá! Às vezes, nem cabe inteira.
Mãe é imensurável!
Mãe é saudade instalada desde o instante em que descobrimos a morte.
Mãe é eterna, não morre jamais. Bicho estranho, entranha, milagre, façanha, matriz, alma, carne viva, laço de sangue, flor da pele.
Mãe é mãe, e faz cada coisa..." (Texto de Hilda Lucas)

23 comentários:

  1. Lindo texto sobre as mães! E que bom que a tua pode ver vocês se reunindo e continuando como antes. Lindo! beijos,FELIZ DIA DAS MÃES! chica

    ResponderExcluir
  2. Regina, para vc que tem a mãe tão distante e ao mesmo tempo tão perto.
    Deixo partes de um poema de Vínicius de Moraes que simboliza tudo o que é ter a sua Mãe, lá, alí, naquele pontinho de luz, além das estrelas, porque o nome dele é AUSENCIA.
    Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos que são doces
    Porque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres eternamente exausto.
    No entanto a tua presença é qualquer coisa como a luz e a vida
    E eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto e em minha voz a tua voz.
    Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminado.
    Quero só que surjas em mim como a fé nos desesperados
    Para que eu possa levar uma gota de orvalho nesta terra amaldiçoada
    Que ficou sobre a minha carne como nódoa do passado.
    Eu deixarei... tu irás e encostarás a tua face em outra face.
    Teus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugada.
    Porque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa suspensos no espaço.
    E eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado.
    Eu ficarei só como os veleiros nos pontos silenciosos.
    Mas eu te possuirei como ninguém porque poderei partir.
    E todas as lamentações do mar, do vento, do céu, das aves, das estrelas.
    Serão a tua voz presente, a tua voz ausente, a tua voz serenizada
    Um Feliz dia, a você que é mãe e está presente e a sua mãe também, onde quer que ela esteja, só que agora ausente.
    Beijo
    Wilma
    www.cancerdemamamulherdepeito@blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Toda eu esse texto!
    Bjs minha amiga e feliz dia das mães pro cê!!!!

    ResponderExcluir
  4. Que lindo texto Re, mãe é tudo isso mesmo e muito mais. Eu me encontrei em várias citadas nesse texto rs.. Nossas mães partiram no mesmo ano, infelizmente minha família não se reune mais como antes, tenho feito muito esforço para isso, mas estou cansada. Uma pena....Enfim a saudade é grande...Dia das mães para mim é triste, falta a mãe, falta minha Marina....é a vida amiga...Que Deus a abençoe muito , você que é uma mãezona!!!! Um grande abraço!!!

    ResponderExcluir
  5. Lindo seu texto Regina... Você escreve bem e escreve gostoso, assim do jeito que agente fala, do jeito que agente pensa e principalmente, do jeito que agente sente...
    Sua mãe deve está lá com um orgulho danado da filha dela ....
    Feliz dia ........... para você.
    Bjs
    Silvânia

    ResponderExcluir
  6. Amei Rê!!!Demais...bjs e feliz dia a você!!!
    Bjs

    Zu

    ResponderExcluir
  7. Mães que já se foram, mas vivem e viverão para sempre no coração das mães que ficaram...
    Bjs, Rê!

    ResponderExcluir
  8. As mães são anjos sem asas
    Porque aos filhos as deram
    Para buscar novas casas
    Nos voos que eles fizeram.


    Feliz Dia das Mães! Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Querida amiga, tenha um lindo e abençoado dia das mães. Beijokas

    ResponderExcluir
  10. Nossa, Rê, que texto incrível! Diz tudo, tudinho mesmo como a gente é;
    Minha querida, eu imagino a dor desta saudade imensa, pois antes mesmo da minha partir um dia, já sinto saudade, já choro com medo dessa grande perda.
    Mas, você que é mãe e linda, que tem tanto amor à sua volta, sinta-se feliz por este dom e comemore com seus filhos este dia que é todo dia, pois para mim também não existe essa coisa de 'dia específico'.
    Parabéns e um abraço apertado, carioca!


    ResponderExcluir
  11. Lindo ! Tudo que escreve é sempre muito reflexivo. Te acompanho sempre.Feliz dias das Mães, amiga .

    ResponderExcluir
  12. É tão bom ler-te,querida Rê!
    bji na tua alma

    ResponderExcluir
  13. Re,
    me emocionei, também sinto muita saudades de minha mãe, mas ... é a vida que segue.
    Feliz domingo maternal para você!
    bjs
    Jussara

    ResponderExcluir
  14. Uma postagem rica com otimas inserções do que se define mãe,um ser realmente iluminado pelo Criador para viver com tamanha arte.
    Que seja um dia lindo de alegria e paz e que cada filho saiba valorizar ter mãe.
    Um carinhoso abraço amiga.
    Bom domingo.

    ResponderExcluir
  15. Bonitinho demais você dissertando sobre esse tema,agora com mais leveza. Mamis sua, morando no céu, há de sorrir um riso de amor por isso.

    E daqui, claro que apertarei minha mãe por você. Um dia, quem sabe, isso se dará pessoalmente, né?

    Beijo, Rê.

    ResponderExcluir
  16. Que lindo Rê!!
    Se me permites, mando direto para a minha também!
    Beijinho, fica bem.

    ResponderExcluir
  17. Olá Regina!

    Olha, esta fileirinha de garotas, você fotografou na minha sala de aula, só pode!
    Belíssimas palavras para designar "este animal" que começa a entrar em extinção.
    As moças não querem mais passar por tudo isto, não há mais tempo para emoção.
    Neste século XXI atropelado, mãe será artigo de museu logo, logo...

    Beijin reflexivo (de alguém que não sabe se será avó um dia).

    ResponderExcluir
  18. Menina iluminada, Feliz Dia das mães, apesar que eu não gosto nadica de nada dest dia!
    mas, olha, uma novidade: Vem me visitar no meu novo Blogue:
    http://assuntoedesassunto.blogspot.com
    Este é um blog , não de terapia como o Memórias nm comfocado no público alvo, que precisa da religião. E merece o melhor, claro.
    esse é o Blog da Maria Izabel Viégas, simplesmente a Izabel esues pensares doidos rsrsrs.

    E vc vai encontar um presente lá na barra lateral: o seu Divã, bem... o seu nada, o nosso!!!!
    Beijoooooooos!

    ResponderExcluir
  19. Cheguei depois da festa.....rsrsrs...mas vc viu lá minha atribulação com a data, somando à viagem, trabalho e ofícios de vó... sobra tempo pra dormir e "malemar" coisas básicas...rsrs

    Bonita homenagem pra D. Lucy, carinho e reconhecimento é o que devemos aos nossos amores, né Rê?...e linda a escolha do texto da Hilda, imagino que o negrito foi seu, e posso imaginar o quanto isso é verdade em ti, minha irmiga...

    Um beijo atrasado mas atualizado no afeto de sempre!

    ResponderExcluir
  20. Regina, que linda homenagem. Bela postagem. Espero que vc tenha tido um lindo dia nessa data tão feliz e tão triste pra muita gente. bj

    ResponderExcluir
  21. OI REGINA!
    QUE COISA MARAVILHOSA ESTE TEXTO, UMA ESCOLHA MARAVILHOSA.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  22. Já tinha lido, querida Rê, mas gosto de ter algum tempo para comentar. Com a continuação de (te) ler fui desenhando sua alma...E esta postagem é mais uma prova do seu amor incondicional à vida e a quem lhe deu essa vida. Degustei bem este texto!

    Bjos de carinho :)

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget