Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

terça-feira, 15 de outubro de 2013

ESCHER MÁGICO







Antigamente Belo Horizonte não fazia parte do eixo cultural. Somente Rio de Janeiro e São Paulo recebiam exposições internacionais, óperas, espetáculos de música, teatro, balé e afins. Isolados entre montanhas tínhamos que viajar para as citadas cidades se quiséssemos beber arte. Já faz alguns anos que esse panorama mudou, graças aos esforços de muitos, e sou grata. Nesse último final de semana fui ver A Magia de Escher, instalada no Palácio das Artes e com entrada 0800. Não sou uma entendida e/ou estudiosa de qualquer manifestação artística. Sou - se posso assim me nomear - uma degustadora. O que me toca a alma e/ou coração fico encantada e só. Essa exposição foi assim... um encantamento: metade lúdica, metade séria.
Maurits Cornelis Escher (1898-1972), artista gráfico e mestre holandês da ilusão de ótica e dos paradoxos impressionou-me. Aliás, a 1,2 milhão de espectadores no Rio, Brasília e São Paulo por onde já foi apresentada.  A magia de Escher possibilita ao espectador a vivência de uma série de efeitos óticos e de espelhamento explorados na construção das gravuras. Experiências como olhar por uma janela de uma casa e ver tudo em ordem e, em seguida, ver tudo flutuando por outra janela podem ser acessadas na exposição. Escher se tornou conhecido em todo o mundo pelas representações de construções impossíveis, explorações do infinito e as metamorfoses – padrões geométricos entrecruzados que se transformam gradualmente em formas diferentes. “Suas gravuras tem uma incrível capacidade de gerar imagens com efeitos de ilusões de ótica, com qualidade técnica e estética, respeitando as regras geométricas da perspectiva”. (Fonte: Divirta-se) Senti-me meio Alice no País das Maravilhas brincando nas instalações e interagindo com os visitantes desconhecidos. Vale a pena visitar, deixar o lado criança aparecer e conhecer esse mágico artista.Uma dica: levem os filhos, netos, sobrinhos...é diversão garantida!


(Imagens: By Júnia)

14 comentários:

  1. Gosto muito!!!principalmente da fase metamorfose dele !!! Gostaria muito de ver essa exposição Rê!!!Aproveitem...
    BjuZ

    ResponderExcluir
  2. Ele é demais mesmo, também fui visitá-lo aqui no Rio, grandioso, pirante!
    legal que agora BH entrou no eixo cultural, vocês merecem!
    Beijo carioca

    ResponderExcluir
  3. Que lindo.deve ter sido muito legal ver de perto! beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  4. Que privilégio, Rê!
    Esta mistura entre o bi e o tridimensional criada por Escher é fantástica.
    Ele forma mosaicos, entrelaçando padrões geométricos repetitivos, e dali surgem figuras.
    Certa vez, fiz um curso onde o conheci através de um quadro que começa em aves e termina em peixes. Conforme o ângulo de visão, mudavam a rota. Impressionante!

    Beijicos.

    ResponderExcluir
  5. Eu curto muito, acho de grande inteligencia quem inventa estas formas. Eu tinha um livro com muitos e muitos exemplos.

    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Muito bom mesmo! Fiquei emocionada. Beijos, Litle Angel

    ResponderExcluir
  7. Que lindo isso, poder degustar arte! E obrigada por compartilhar conosco! Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  8. Um encanto, Rê.
    Quem sabe tenho a sorte de ver aqui em Recife.
    Xerossssss

    ResponderExcluir
  9. Nossa, Rê! Você é mesmo gigantesca! Pelo menos na perspectiva de Escher!
    Excelente post, despertando a atenção para este explorador da ótica e das suas ilusões...
    Bjs!

    ResponderExcluir
  10. Não te imaginava tão grande! rrsrrssssssssss
    Deve ter sido muito interessante ver essas obras! Inculto como sou, não conhecia esse sr.
    Mas ... também gostei, já anotei!!
    Bj, fica bem.

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. Impressionante! Quero ver tudo isso sim!!! Adoro essas ilusões de ótica que nos tiram da realidade por instantes....

    Beijinhos

    Bia

    ResponderExcluir
  13. Por aqui, todos os espetáculos passam voando, o que sempre estranhei, já que morava, anteriormente, em São Paulo. E estou amando essa possibilidade de apreciar a arte em BH. Nada entendo, tecnicamente, mas sou levada pelo que meu coração diz. Bjs.

    ResponderExcluir
  14. Obg por divulgar alguém tão apreciado...
    Revi-me no início da postagem. Vivo longe dos consagrados espaços consagrados à "cultura". De vez em quando lá tenho que me deslocar, mas não é fácil. Pela minha cidade, vamos podendo ver os nossos artistas. Mas os consagrados, raramente saem de 3 ou 4 cidades principais.
    Apesar de não ser entendida nas artes plásticas, sei "degustar" e apreciar o belo que perpassa pelo meu olhar...
    Bjuzz, querida RÊ. :)

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget