Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

quarta-feira, 23 de maio de 2012

COISAS DA VIDA

Estava lendo a postagem de um amigo quando me surpreendi com sua fala de desculpas. Desculpas por ter feito um comentário chorão em algum lugar da blogosfera. Sei bem, muito bem, que ninguém gosta de gente que só reclama o tempo todo. Não penso que seja seu caso. Em contrapartida é insustentável, para mim pelo menos, a obrigação de estar feliz. Tirania besta! Já viu alguma foto, recentemente, onde todo mundo não esteja sorrindo?! Raridade dos tempos de minha avó alguém com expressão de seriedade ou tristeza na pose. Quando nos perguntam as novidades, a maioria só suporta ouvir as boas. E só é permitido, incentivado, que tenhamos boas! Quem dera habitássemos um planeta assim. Não teria virado um fardo essa tal felicidade vinteequatrohoras por dia nosso de cada dia? Será que esse fardo não poderia dar lugar à leveza que aceita conviver com a tristeza, a angústia, os fracassos, as limitações – com “a vida como ela é”, e não como nossa cultura euforizante gostaria que fosse? No Brasil, entre 2005 e 2009, as vendas de antidepressivos e estabilizadores do humor cresceram 44,8%. De acordo com dados da Previdência Social, os transtornos mentais e comportamentais já são a terceira causa de afastamento do trabalho no país! Também pudera... Temos que esconder nossa “infelicidade de não sermos felizes” em tempo integral. A tradição filosófica distingue a felicidade e o prazer. Prazeres se dão no instante, e nele se produzem e se esgotam. A felicidade, diz Rousseau, é “um estado simples e permanente”, em que “a alma basta a si mesma”. Não é uma sucessão de estados eufóricos e depressivos. Nossa época é um tanto bipolar porque, de tanto buscar a euforia, ela cai inevitavelmente na depressão e na melancolia. Então, quando fazemos da felicidade uma obrigação, estamos chamando de felicidade o que é, mesmo, um prazer intensificado e permanente. O único problema é que isso não existe... A felicidade é bem mais modesta. Faz parte dela o aprendizado, a renúncia, a capacidade de converter a decepção em algo positivo. Reciclar é o comando. Ando por aqui separando meu lixo (?): cada limitação, fracasso, angústia ou tristeza. Reciclo tudo e não me falta criatividade. Se fosse esse amigo não pediria desculpas. Afinal, frustrações, reclamações também são importante matéria-prima para felicidade. E quem não suporta - ao lado de - esse tempo, que mude de caminho. Eu continuo pelas estradas da vida. (RR)

Imagem: Karin Izumi

18 comentários:

  1. E amigo é amigo né Rê!
    Como nos diz Renato Russo:

    "...Não esconda tristeza de mim
    Todos se afastam quando o mundo está errado
    Quando o que temos é um catálogo de erros
    Quando precisamos de carinho
    Força e cuidado..."


    Bjs.

    ResponderExcluir
  2. "Quanto ao fardo imenso de carregar chagas física e mental, trago meu jeitão esculachado "mêi palhaço" pra tentar estampar um sorriso e um momento de alegria pra você....
    Quanto as fotos, se não conseguir um sorriso naturalmente lembre-se que trabáio muito bem no photoshop .. rss

    D´ocês estar aí já me fais sê feliz!
    Beijo Rê da Grória meu lóvi mineiro.. rss

    Tatto

    ResponderExcluir
  3. Também acho que ele não deveria pedir desculpas, por outro lado, o riso em fotos não quer dizer nada, apenas um querer ser simpático.
    A alegria histérica tem que ser motivo de tratamento e conforme citou “a alma basta a si mesma”, acho pior que a imposição da felicidade, é impor a quem está depressivo se relacionar socialmente. Sair de casa triste já é um esforço tremendo, com depressão então!! Sorrir em fotos será esforço desumano. Pelo menos eu, quando estou triste, a minha companhia é sempre a melhor. Mas foi a publicidade que impôs esse comportamento plastificado.
    Beijus,

    ResponderExcluir
  4. Essa tua fase tatu-bolinha foi/está sendo de uma riqueza fantástica, embora sempre tuas questões abrissem espaço imediato para reflexões mais profundas, minha amiga querida...impressionam [bem] teus mergulhos em solo sagrado do teu Ser...esta crônica (é?) desperta do sono hipnótico a tirania da obrigação de estar feliz dioturnamente, com a clareza e lucidez de quem parou e olhou de fato ao redor, que leu além das palavras do amigo, que entrou na memória do ofício de lidar com a infelicidade, e os sentimentos envolvidos no fracasso de conseguir a tal felicidade eterna...e na própria expervivência...

    Ah, Rê...Deus abençoe tua mente brilhante e teu coração gigante!
    Bjãozão, minha linda

    ** Essa vai junto com a metáfora...vai ser MUITO útil!

    ResponderExcluir
  5. também não precisava acabar com essezinho assim né,hihihihi
    de um comment passou a dois comment avassaladores,xiiiiiii
    você tá certa viu...
    beijo n.a.

    ResponderExcluir
  6. Quem quer dá um jeito, quem não quer dá uma desculpa.

    Beijinho meu.

    ResponderExcluir
  7. "Sorri, quando a dor te torturar..."
    E vambotá a máscara que querem...
    e como ficam as minhas rugas?
    As de tristeza?
    As de alegria?
    As de reflexão?
    (Desculpem... as minhas "marcas de expressão".)
    Onde estou eu?
    Ah, no seu divã!

    Estou bem, então. Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Ré, gostei mesmo. A dor faz parte da vida. Aceitar vivê-la é a única forma possível de a poder transcender. Jinhos Grandes

    ResponderExcluir
  9. Reflexivo, o seu texto!
    saudades de estar por aqui.

    beijo, amiga!

    ResponderExcluir

  10. Faço minhas suas palavras, sabe já conversei muito sobre isso com muitas pessoas e acabo que não sou entendida, poxa a vida não é feita só de felicidades, de famílias tipo comercial de margarina, mas a maioria das pessoas gostam ou preferem viver assim. Para mim não dá. Quando eu estava com ca muitas vezes me deparei com pessoas que por não suportar a dor, a doença não gostavam que eu falasse ou tocasse nesse assunto, melhor fazer de conta que nada estava acontecendo....olha isso me dá uma raiva danada! To contigo, vamos pela vida, vida verdadeira, com seus altos e baixos, aprendendo sempre! Um grande abraço cheio de carinho!

    ResponderExcluir
  11. Concordo inteiramente!
    Se a felicidade fosse uma situação constante, não teria nenhum destaque na nossa vida, seria apenas mesmice (ou chatice)!
    Os momentos felizes só são felizes por se destacarem da mesmice!
    Bjs, Rê!

    ResponderExcluir
  12. Chorar é para os fortes, para os que não temem escancarar a alma, lamentar-se e depois perceber que o fantasma nem era tão grande assim.Disse mais ou menos isso pra esse amigo, e é o que de fato penso.

    Agora vou ali, laçar meu sonho que teima em fugir de mim.

    Beijos, galega. Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Olá, Regina!
    Disse tudo, pois a ditadura da felicidade tem feito muitas pessoas infelizes - por mais incrível que pareça!
    Bjs!
    Rike.

    ResponderExcluir
  14. A minha maior ambição é encontrar a felicidade duradoura nas coisas simples que a vida e a natureza me proporcionam e sentir o apoio da minha AMMIGA RÊ, não obstante a minha grande ingratidão.
    Um xião
    J

    ResponderExcluir
  15. Eu nem me preocupo: se estou feliz, todos percebem, e se triste, aparece logo na minha "lata",sr nem dá pra querer disfarçar e aí basta um olhar mais demorados e as lágrimas saltam,rsrs


    Fingir nada adiante!!! beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  16. Brilhante esta postagem, Rê amada!!! Como só você poderia ter elaborado, minha sábia psicóloga-amiga. Engraçado: outro dia, alguém me ligou e eu estava de mau humor. Toquei de leve no assunto e a pessoa foi desligando apressada. Temos sido muito intolerantes com o sofrimento, nosso e alheio. Isso é falta de algo importante: COMPAIXÃO! Nem por isso vamos sendo mais saudáveis, mais populares, mais glamurosos. Há que ser (in)feliz no tempo de sê-lo. Beijos, Angelinha

    ResponderExcluir
  17. Minha querida

    Um texto muito real...a vida é mesmo assim, feita de amor e dor e as duas são parte integrante dela...devemos sorrir e chorar naturalmente.

    Deixo um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  18. Náo podemos fingir nossos olhos nunca mentem, a vida nos coloca em momentos mais dificeis onde a tristesa se instala e só existe uma maneira de melhor, cada um faz o seu momento feliz na vida!
    Beijo Lisette.

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget