Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

VIVER É UMA ART MAN



Lá pela década de setenta havia uma loja masculina com esse nome: Art Man. Os meninos – mauricinhos abonados da época – faziam suas compras por lá e exibiam, nas baladas, o que era de mais chique. Fizeram um adesivo, desses para colar no vidro traseiro do carro, que dizia: Viver é uma Art Man.
Venho pensando nessa arte. E não há como desatrelá-la da angústia da morte. Tem dias que sinto ter desaprendido. O conhecimento adquirido fica para sempre? É cumulativo? Montaigne escreve em seu ensaio Estudar Filosofia é aprender a morrer: dê lugar a outros, assim como outros deram lugar a você: “A utilidade de viver consiste não no tamanho dos dias, mas no uso do tempo. Um homem pode ter vivido muito tempo e, mesmo assim, ter vivido apenas um pouco”. Isto mostra que somente reconhecendo os ciclos da natureza, estaremos preparados para a vida e consequentemente para o processo da morte. Então, se compreendermos o ciclo da natureza, onde todo ser vivo nasce, cresce, alcança a maturidade, envelhece e morre, dando início novamente ao nascimento, nossa angústia diminuirá sensivelmente. Será?! Todo o processo é comandado pela natureza, mostrando que a morte é o fechamento do ciclo da vida. Portanto, podemos pensar que a morte começa quando a vida se inicia.
No Eclesiastes está escrito: “Para cada coisa há uma estação, e um tempo para cada propósito sob o sol, um tempo de nascer, e um tempo de morrer”.
O ato de deixar morrer e deixar viver é profundamente importante, pois é o ritmo primário e natural que todo ser humano deveria compreender e vivenciar sem temor, criando condições de planejar e objetivar o futuro mais tranquilamente e se instrumentalizar contra os percalços da vida. O ciclo da natureza ao ser negado revela o temor do aspecto da morte ao mesmo tempo em que produz a devastação do próprio ambiente por não ser respeitado em seus aspectos e ritmos. A natureza da morte foi transformada em convicção, que nos fizeram crer estar cindida da vida. O nascer é então glorificado e o morrer um sacrifício insuportável.
Morte e vida não podem ser vistas como opostas, pois, além de pertencerem ao mesmo processo, estão acontecendo ao mesmo tempo no ambiente físico e psíquico do homem. Em culturas indígenas e orientais ela faz parte do ensino de valores de vida, como todos os outros rituais de passagem.
Compreender a morte traz um conceito verdadeiro da vida, do amor, da lealdade e também da felicidade. É ir ao fundo da alma, do mundo subterrâneo, onde tudo é transformador. Ao emergirmos de lá, nos tornamos mais sábios e capazes de acompanhar o processo complexo que é a própria vida. No mergulho da alma, compreendemos a natureza e ressurgimos com lições para perceber novos caminhos, tendo a força de vida para enfrentar as fases difíceis e a paciência para aprender a amar e respeitar a vida e a morte com profundidade sabendo que ela faz parte do macrocosmo e que portanto fazemos parte do todo, do uno. Viver é realmente uma Art Man! E você, é artista?

21 comentários:

  1. Não sou, querida Rê. Longe disso, sobretudo porque me lembro que tenho um filho pequeno para criar.
    Aceitar a morte e ver na vida uma dádiva não é para qualquer um. Há que crescer, espiritualmente.
    Os meus avós eram unha e carne. Quando a minha avó morreu, após 16 dias de internamento com líquido nos pulmões, vi o meu avô ficar com o cabelo todo branquinho.
    Nunca mais a sua gargalhada foi a mesma.
    Quando ele partiu, num acidente trágico vitimado por um atropelamento de um trator de um conhecido, percebi que por mais trágica que tivesse sido a sua morte, ele tinha que ir ao encontro da sua deusa.
    Já na minha vida, para encontrar essa força maior...essa arte, olho à minha volta. Nem sempre consigo, mas faço por olhar e agradecer o que possuo.:)

    bji, querida

    (tens um convite na tua caixa de e-email)

    ResponderExcluir
  2. Regina, acabei de fazer um post a volta do que me faz ser e existir, toda essa coisa do sentir, do entender, da alegria e das lágrimas, da nossa existência etc...
    tou jaburu e seu post simplifica, suaviza, apesar de eu não conseguir arrancar aquela garra ferrada no peito, você sabe....
    só o amor é meu lenitivo, só !!!
    beijo n.a.

    ResponderExcluir
  3. Fosse o fluir do tempo mais que uma ilusão dos sentidos, não haveria essa identidade entre dois estados existenciais que só são exclusivos nessa ilusão.
    "Somos a soma do que fomos e do que seremos. Somos a integral, de zero a infinito, de todos os tempos do verbo ser" (adaptado de um comentário a Lu Cavichioli).
    Carregamos a vida e a morte.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Toda atividade humana tem como função básica livrar-se das garras da morte. É para não morrer que a gente dorme, que a gente se levanta, que a gente ama, que a gente estuda, trabalha, xinga, blasfema, reza ladainhas, faz discurso na praça, arruma um ponto de mínimo conforto nas engrenagens da sociedade e acaba por constituir um diferencial, uma persona, uma identidade única no meio de tantas criaturas semelhantes. A morte é a alavanca propulsora de toda energia vital.
    in: http://www.revistabula.com/posts/colunistas/o-medo-de-morrer-nos-mata-por-antecipacao
    Bjs.

    ResponderExcluir
  5. Morremos um pouco a cada dia. O próprio sono é a experiência da morte, a cada noite. Só que não pensamos muito nisso. Temos tanto medo do desconhecido, que preferimos fingir que somos eternos. No entanto, a possibilidade da morte é que garante a vida - fazendo parte dela. Pois vamos viver, o melhor possível, até que ela chegue. Beijos, Angelinha

    ResponderExcluir
  6. Rê Amiga,
    É bom partilhar com os amigos alguma reflexão.
    O medo de morrer é uma das maiores causas das nossas perturbações interiores. No entanto quem tem menos medo de morrer tem mais possibilidadesde ser feliz. Devemos aprender a envelhecer e aprender a aceitar a "vinda da idade".
    Grato e feliz pela visita ao Azimute.
    Um xião.
    J

    ResponderExcluir
  7. Penso que compreender a morte é complicado,,,temos que aceitar a nossa unica coisa certa da vida,,,no mais,,,viver enquanto aqui estivermos....beijos querida e uma bela semana pra ti cheia de poemas e flores....

    ResponderExcluir
  8. Amiga Regina
    Belo post
    Tive medo de morrer, e não conhecer a minha própria força....mas ele passou.
    Beijos da Sol

    ResponderExcluir
  9. Pensar na vida é pensar na morte; elas estão atreladas, uma não existe sem a outra. Mas enquanto estivermos presos à materialidade da vida, teremos medo de enfrentar a morte ou de falar sobre ela. A morte é certa, a vida nem sempre! Beijus,

    ResponderExcluir
  10. Rê irmiga, Existe um espaço entre a vida e a morte que, por vezes, é uma difícil travessia, outras vezes um descansar num mar calmo, outras uma brincadeira com as ondas do mar e, ainda outras, um passar pela vida sem ver o mar. Acontece que nem sempre, nem todos, estão dispostos e fazer de facto a travessia e enfrentar os perigos e riscos dessa viagem. Só que ela é inevitável e, por mais que alguns teimosamente persistam em não querer crescer, vão de certeza envelhecer, permanecendo crianças, rabugentas e mimadas.
    Pois, e também acho que a morte não é o contrário da vida, mas sim o oposto do nascimento. Há mais Vida para além da vida, mas essa só encontraremos, de facto, depois da morte. Por agora, temos mesmo que fazer a nossa parte da travessia, ainda que por momentos (que às vezes são anos ou dias) pareça que vamos naufragar.
    Daqui, do outro lado do oceano estou consigo irmã siamesa querida.
    Jinhos Grandes

    ResponderExcluir
  11. Querida Rê,
    Seu lindo texto,tão reflexivo e que todos, lá no mais íntimo de nós, pensamos um dia ou vez ou outra, principalmente quando vemos despedidas como a da simpática e amada apresentadora Hebe Camargo, uma pessoa cheia de vontade de viver, sempre antenada com tudo à sua volta. Não merecia ir assim tão cedo! Aliás, ninguém merece!
    Não há como não pensarmos a respeito dessa que vem no mesmo pacote que a vida que nos foi oferecida - a morte - que para nós é tão difícil entender e aceitar, mas para alguns povos como os mexicanos, por exemplo, é vista e tratada de uma forma tão leve, tão diferente e até festiva.
    O problema maior é que no mundo atual, as mortes assustam, por que morremos muito mal, geralmente atrás das portas de UTIs, sozinhos, desligados nas tomadas, mortes trágicas, de acidentes, de sustos, de repente, de doenças que temos medo até de pronunciar o nome, morremos perplexos com tudo o que ocorre tão rápido, como foi o caso de nossa amiga Glorinha, em 5 meses apenas, ela foi morrendo e deixou a mim, a você, a tantos, perplexos em como a morte chega assim, apavorante e desconcertante.
    O melhor talvez seja pensar como os budistas e levar a vida, ou seja, 'A morte, não é uma questão de SE, é uma questão de QUANDO..."
    Desculpe se me alonguei no comment, mas é um assunto por demais intrigante para as nossas cabeças.
    um beijo carioca





    ResponderExcluir
  12. Regina!!!!! Olha ADORO voce do fundo do coração! Sempre me faz sorrir!

    Sobre o tempo, como vive-lo, como me considero uma aprendiz da vida, tenho muito o que passar, caminhos que se convergem, se cruzam, obstaculos, iluminados.

    Obs: Ahhhhhhhh To rolando de rir!

    Ué?! Fadas tambem amam e são muito, mas muito sensuais!

    beijos

    ResponderExcluir
  13. Uma bela noite pra ti minha amiga e uma excelente quarta feira recheada de poesias e flores....beijos e beijos...

    ResponderExcluir
  14. Querida amiga

    Penso que viver
    é sempre saber
    menos as respostas
    para as nossas
    próprias dúvidas.

    Fique com tudo aquilo
    que te acalme o coração.

    Aluísio Cavalcante Jr.

    ResponderExcluir
  15. Quando a humanidade finalmente compreender e aceitar a morte, o que mais resta a fazer? Viver será simplesmente deixar o tempo fluir até chegar a hora que nem será tão dolorida?

    Falta-me sapiência, falta-me.

    Beijo, meu bem.
    Saudades de ti.

    ResponderExcluir
  16. Pensar nela, a morte, é inevitável.

    Engraçado que pra mim, não a temo, mas para os meus, muitíssimo...beijos,chica

    ResponderExcluir
  17. Amiga,
    Coloquei um post que ficará apenas mais um dia e na verdade é um convite para participar de uma brincadeira no dia das crianças. Envie uma foto sua quando criança para participar da brincadeira. O email está lá no post, confira, ok.
    Aguardo a tua fotinha, pode ser em preto e branco, inclusive, ok.
    beijocas cariocas

    ResponderExcluir
  18. Concordo com a Milene Lima*
    Saber viver..."deixar fluir! Calma e "se mergulharmos na alma, compreenderemos a natureza e ressurgiremos com lições que só nos fortalece... Não penso em morte, porque pessoas queridas me esperam e deixa quieto rs
    "Eu vou, mas antes tenho "muito que passar" como diz a amig acima e... *viver.
    Me visita e vê se topas um desafio, eu topei ...Vê Lá!
    beiju
    Te desejo um fim de semana de pazzz.

    Ame! ame sempre e seja feliz!

    ResponderExcluir
  19. Que texto brilhante, Regina. Muitas pessoas estão mortas mesmo vivas e viver é sem dúvida uma missão nada fácil. Somos todos artistas e ás vezes estamos muito inspirados na arte, já outras... Beijos e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  20. Os iluministas diziam que nossa função é sempre evoluir. Como? Passando nossos conhecimentos para a próxima geração porque não viveremos aqui para sempre.
    Ninguém viverá.

    Um bom final de semana.

    ResponderExcluir
  21. Saber viver: eis a questão que nos devemos colocar a todo o momento; perceber o alcance semântico, questionar e fazer da vida um processo de arte vivencional...

    Adorei, como sempre, seu texto.

    Bjosss :)

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget