Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

domingo, 4 de setembro de 2011

ESSA É MINHA HISTÓRIA... HOJE.


Amanheci doendo. Amanheceu com um sol de primavera. Por enquanto só vi a vida pela fresta das cortinas. Há um silêncio cortante em todas as direções... e eu ainda não saí da noite, como os sonhos ainda não saíram de mim.
Mas, sairão. Não desejo mais ser impregnada. Quero abstrair-me dessa impregnação que me adoece a alma. Eu sei muito bem a debilidade de minha alma doente. Repito para não esquecer: sou reatora e reautora de mim mesma. Desejo AMANHECER!
O anjo da bondade me desperta. Começo a tecer fios de energização em mim e comigo, deixando pontas que se interlaçam com o universo todo.
Sou livre para distribuir bondade e lúcida para agir com ela, não é, Richard?
Os fios tecidos me agasalham em bondosa companhia. Me reconstruo, me recomponho dos retalhos de mim, costurando, com cuidado, pedaços desta vida que eu não quis, não escolhi, mas que de mim é feita, ainda que sofridamente.
Respondo de forma ordenada à minha consciência universal. Sinto uma parceria interior cada dia mais forte, profunda, sincrônica. Não há divisas em mim. Te achei, me achando.
Me perdi em procuras. Exauri. Quando nada mais procurava, achei, a mim.
...Eu me preciso.
Minha necessidade é singular e única. Tem rosto, tem toque, tem jeito bem feito de tessituras novas que me vem de mim mesma.
Quem preencherá minhas faltas?
         meus desejos?
         minhas procuras?
         meus encontros e desencontros?
Quem neles poderá imprimir significação?
Há gritos vindos de minha alma com tamanha vibração e intensidade que me sinto em horizontalidade no mundo.
Como quem dorme ou descansa, repouso.
Longe é um lugar onde não estou.
Em qualquer lugar que eu esteja, sou amor.
Abraço forte, beijo doce, carícia farta.
Eu adivinho e faço possível toda adivinhação!
Neste contexto, alcanço dimensões holísticas que os homens deste mundo não entendem.
Também não quero, para mim, a compreensão desta humanidade emburrecida.
A vitalidade que me habita supera as barreiras do sem-fim e me sustenta numa excêntrica e vigorosa alegria de pertencer ao mundo dos não-nascidos. Isto não é raramente lindo?
Há quem possa me responder sobre esta raridade de beleza?
Se não, ecoo. Sou eco.
Sou voz à beira alta de uma serra de pedras e sinais gritando que estou viva.
Esta solenidade não é conhecida e muito menos sabida por outros. Mas, eu sei.
Este segredo me sustenta.
A minha alma está ancorada neste porto de milagres. Me aporto segura do que eu antes não sabia ser e agora sei, sendo eu mesma.
Só Regina. E essa é a história que tenho hoje pra contar.(RR)

Recebi o link abaixo, por email, de minha irmã Léa. Achei sensacional. Forneci os dados pedidos (não precisa ter medo) e estava lá... Em todos os cantos do mundo, nos jornais, tvs, na boca do povo. Quem nunca fantasiou ter seus minutos de fama que vá pra cama. E pensei: todos temos histórias para contar... e muito a fazer!
Clica aí e depois me conte, aqui, um pedaço da sua história...hoje, e como se sentiu.



15 comentários:

  1. Bom dia Lindona!!

    Que Amanheça em vc, esse sol lindo e esse céu azul maravilhoso, e todos os cheiros, sons e cores, desses primeiros dias se setembro, que todos os seus sentidos sejam despertados.
    Que texto lindo.
    Ótimo domingo querida, e uma semana maravilhosa.
    beijos.

    ResponderExcluir
  2. Querida amiga do meu coração, nos momentos mais diversos, aparentemente bons ou ruins - só aparentemente... - a conexão com o Alto é nosso refúgio e nossa fortaleza. Tenha um domingo muito iluminado e alegre. Beijinhos, Angelinha
    Inté amanhã.

    ResponderExcluir
  3. Eu poderia assinar esse texto...rs.

    Cometi um furto, delito esse que não escondi...imortalizado está, lindamente ecoado em mim.

    Que essa tessitura promova o repouso merecido, e anuncie aos novos tempos o amor que sempre és, estejas onde for. Lindo este teu viver, fico imensamente grata por compartilhar...são em momentos como este que podemos nos deparar com sutilezas de nosso Ser...o universo se encarrega de expandir essa tua energia e pulsão de vida latejantes na alma que hora repousa, sem divisas e VIVA neste tempo de existir!
    Amei irmiga, este teu lindo e pleno TECER.

    Beijo especial hj, na alma que vibra a vida!!!

    ResponderExcluir
  4. Olá Regina linda!

    Sabes? Assim me sinto eu...:=)
    Que tenhas um excelente domingo!

    Um beijo enormeeeee.

    P.S. é verdade, o Bruxo pode publicar um livro com os comentários... são poesia embrulhada com muito carinho.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  5. Tenho a impressão que a melancolia resolveu passear por esse texto... espero ser só um passeio.
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  6. Ei querida! lindo texto, poesia que não quero parar de ler. Boa semana! bjs Zí

    ResponderExcluir
  7. Li pela manhã essa postagem. Me encantei!Poucas pessoas derramam tanta sentimentalidade no que escrevem feito tu, Rê da Grória... Nenhuma palavra está ali atoa, é do âmago que vem, lindamente vem.

    Então de manhã linkei no negocinho que parou em 2015... Pensei euzinha: Será que só existirei até 2015? Mas agora insisti e cheguei a 2021. Que bacaninha me ver tão importante... Rsrs. Adorei!

    Beijo, minha querida surtada.

    ResponderExcluir
  8. Noooossa, Regina!Quanta criatividade e profundidade.Lindo teu texto e adorei também o link.Legal! beijos,chica e ótima semana!

    ResponderExcluir
  9. Amo essas doidas que se atiram de cabeça nas aventuras da internet. Amo você.
    Mas já ouvi antes o fascinante canto das sereias. Estou amarrado ao mastro e meu timoneiro é surdo.
    E basta-me teu cantar para me encantar.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Ô flor to sentindo uma melancolia por aqui?
    espero que não...Bjokas no coração

    ResponderExcluir
  11. Ei Regina!
    Simplesmente ADORO te ler!
    Gd beijo

    ResponderExcluir
  12. Olá, RÊ; bom dia!

    Foi bom encontrá-la lá pelo meu cantinho. Sabe que é sempre bem vinda, tal como eu gosto de vir até aqui.

    Balanço de vida ao saltar da cama, feito à pressa, de forma resumida, mas com muita coisa lá metida...
    O desabafar com os outros alivia, ainda que aqui não haja audiência, apenas reacções à distância.
    Gostei de ler, está muito bem escrito, e como por aqui se diz, a Rê tem dedo para a escrita.

    Beijinhos amigos, e que por aí nasça esse novo dia.
    Vitor

    ResponderExcluir
  13. Oi Regina!

    Adorei este post. Você escreve muito bem, encontro nas suas palavras com que um paliativo para as minhas dores de alma. É! Também me amanheço doendo, sabe como é? E este seu blog, está se tornando a minha farmácia. Como você não edita à velocidade da minha necessidade. Não se admire, se vier a saber, que venho lendo os seus posts antigos.
    O melhor do mundo para si.

    ResponderExcluir
  14. Diamantino fique a vontade. As postagens antigas só os são nas datas...essa mesma poderia ter reeditado hoje! Mas escolhi algo um cadim mais bem humorado rsrs. Fico feliz em saber que aprecia minha escrita e que ela tem alguma serventia. Volte sempre e na postagem que bem escolher...assuntos variados encontrará por aqui. Como falamos na terrinha: nesse divã há de um tudo rsrs.
    Beijuuss n.a.

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget