Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

DIÁRIO


To aqui parada diante dessa tela branca. A cabeça borbulha com pensamentos variados, temperados e velozes. A escrita me situa. Admito minha significância e sei das minhas significações. Sei? É que nem este diário virtual. Pra uns será insignificante, pra muitos, significação. Posso apelidar a insignificância de avesso. É o direito que qualquer um tem de não gostar.
Porque gosto é entendimento. A gente só gosta do que entende.
O mundo tá cheio de quem não tem leitura, nem escola. É coisa do mundo mesmo. É como escrever Diário. Já viu homem escrever diário? Claro que não. Eu só vi um (li e ouvi). Mesmo assim porque era jovem.
Ser jovem é ter coragem. E mulher é corajosa. Daí tantos diários:
De Anne Frank (o mais famoso)
De uma estrela
De uma artista
Diário de Sofia – o mundo dela é lindo e filosofal; mas é diário.
Nem repórter escreve diário. Escreve crônicas, como Pedro Bial. Tai uma coisa pra mulherada pensar.
O pensamento da mulher é mutante.
O homem age. A mulher muda.
Isso a gente aprende com a vida, com a maternidade, com a situação.
To situada, como      o fruto no ventre
                                              o filho no colo
                                                 a água no rio
                                                    o trem no trilho
                                                                         a poeira da seca...
Estar situada é ter nome, ter gosto, ter cheiro. É entender a vida. O oposto é a insipidez, o anonimato, o travo. É ser sonso e insosso.
Não quero escrever moralidades. Chega de tragédias. De escândalo também. Afinal, to situada, embora tenha me despedido de tantas coisas. Já quase sei ou estarei me despedindo do aqui. Só que esta despedida atual nada tem a ver com o neutro artesanato de minha vida anterior.
É que viver é sempre uma questão de vida ou morte. Daí a solenidade.
Me sinto um pouco como a barata de Clarice Lispector: mansa e feroz.
Mansa – de coração.
Feroz - por força de vontade.
Eu preciso ir antes que seja tarde. Quem fica é trem. É conduzido. O rio vai por determinação e tarefa.
To indo.
Me aguardem. (RR)
(Imagem: notasaocafe.wordpress.com)

16 comentários:

  1. Rê, poucas vezes acontece sintonia como esta...acho que nosso momentum está em sinergia plena...como vc, tb
    "admito minha significância e sei das minhas significações"...esta síntese ficou perfeita!

    Que o fluxo desse rio te leve para o lugar que tem que estar, irmiga!
    Bjo imenso!

    ResponderExcluir
  2. Olá lindona

    Que Deus te dê tudo aquilo que seu coração desejar.
    Viver é renascer todos os dias.
    Meu carinho pra vc, e que setembro venha cheio de flores e perfume.

    Beijos, se cuida.

    ResponderExcluir
  3. Viver agora!
    Achei seus texto, suas observações perfeitas para nossos dias Regina.
    Totalmente "significantes".
    Xeros

    ResponderExcluir
  4. Só espero que não vás para longe...
    Mas, eu vi homem escrever diário, sim: o Capitão Kirk, da Enterprise, sempre escrevia!
    Diário de bordo, data estelar 2584.04.23...
    Lindos voos pelos céus do pensamento..
    Abraços, Rê!

    ResponderExcluir
  5. Não entendi lhufas.
    Mas gostei.
    E não ouse entender meu desentendimento, bela.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  6. Rêzinha do meu coração, o diário não somos nós. Acho que homem ainda não descobriu isso e fica cheio de pudores em fazê-lo - 'que é que todo mundo vai pensar...' No diário fazemos reflexões sobre as mais variadas circunstâncias e muita gente que lê se identifica, curte, viaja... Por que não? Bjins, Angelinha

    ResponderExcluir
  7. Temos dias de cansaço...Vai , mas volta logo!Fica bem, beijos, lindo SETEMBRO, chica

    ResponderExcluir
  8. A mulher muda porque é flexivel. A alma, dinâmica, segue fluindo, moldando ou moldada, mas fazendo da vida, um colorido que envolve a todos.
    E ter consciência de si é saber da sua significância.

    Anjo, um beijo, de coração!!!

    ResponderExcluir
  9. Minha Querida
    Diários tive muitos quando era jovem, muito pueris e sem "significações"....
    O mês de Setembro é óptimo para férias...tem uma magia que não te sei explicar! Voltarás rendida à natureza!
    Beijocas.
    Graça

    ResponderExcluir
  10. Eu quero crer que essa sua ida é no sentido figurado, mas na verdade você vai sempre estar... Aqui sem você não tem o menor sentido.

    E se for, me espera... Dá a mão que vou contigo.

    Beijo!!!

    ResponderExcluir
  11. Rezinha iluminada,

    também não entendi o que vai fazer, no agora!!!
    Vai descansar,tirar férias?
    Vai sair por uns momentos,
    pois depois de tantos, tantos significados já assimilados,
    é preciso para um pouquinho...
    só para que tudo se harmonize ,
    dentro d'alma?
    Se assim for,
    fique sabendo,
    que daqui a pouco ...
    me encontrará
    nesta mesma estrada,
    quem sabe nos vejamos por lá!!!
    Me procura,
    sei que me 'sentirá',
    mesmo eu estando 'invisível'.

    Beijos neste doce coração!

    ResponderExcluir
  12. Primavera é o renascer da natureza após o inverno, setembro é as portas da primavera, se recolher é bom para renascer seja nesta ou noutra primavera. Aliás a nossa primavera a gente faz no mês que quiser.
    bjs
    Jussara

    ResponderExcluir
  13. querida e amada Rê!


    tem trem esperando pela condução
    tem rio que corre por determinação
    até a insignificância tem significado de ser
    em sua razão.
    diário não é crónica e vira passado
    e há quem se situe, sitiado,
    o homem age e a mulher muda
    botando o trem no trilho com sua batuta.
    estação ou apeadeiro?
    apitando nas encruzilhadas
    conduzido, mas não mudo
    chegando à foz
    como um indomável rio
    que se apressou a chegar
    com o que é de nós
    e se evapora, condensa
    fazendo do tempo
    tempo de chuvas
    de vento impiedoso
    tudo retornando
    confrontando o moinho sem velas
    a quem subtraíram as mós
    e que impávido e sereno, mói
    o que é sofrido e doloroso
    e virá a ser pó...
    pó de arroz disfarçando o rubor
    da despedida do que não se desaparta
    e se integra num ciclo novo
    determinado e escrito
    para ser vivido



    beijo e kandandos meus a atravessar tanto mar...

    inté...

    ResponderExcluir
  14. Querida amiga

    Hoje a minha visita
    é para agradecer
    suas generosas palavras
    sobre a entrevista
    que fiz para o
    blog da amiga
    Sonia Silvino.

    Muito obrigado.
    As palavras vindas
    de fontes puras
    como são as suas
    nos alimentam a alma,
    e valorizam a vida.

    Obrigado de coração.

    Aluisio Cavalcante Jr.

    ResponderExcluir
  15. Espero que seja uma saída muito rápida, certo?

    ResponderExcluir
  16. Oi Rê... meu blog não é um diário, é tipo um livro que guardo as coisinhas que gosto de ver e ler, acho que é isso...rsrs... Ah... tenho vontade de ler o diário de Anne Frank ainda não tive a oportunidade. bjo,

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget