Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

domingo, 16 de outubro de 2011

TRANSITAR...QUE MARAVILHA!

Eu não entrei em contato com a vida por uma via única. Claro que não. A maioria dos meus caminhos foram dolorosos. Mas, todos eu os fiz macios.
Que nem o trem e o rio. O peso da dor me confere o valor da coisa.
Segundo Clarice Lispector, só voa e só cai o que tem peso. Faz sentido. Por isto tantas quedas. Por isto tantos voos em mim, de mim, comigo. 
O gozo do entendimento é um orgasmo perene dos sentidos.
Que será isto? O perdão? O paraíso?
A vida. Sim é a vida!
Inexoravelmente provisória; ou seria transitória?
Gosto do trânsito, de transitar. Me dá ideia de movimento, mesmo quando parado (aparentemente) no sinal.
Não mais que de repente, arranca. Transita. Segue. Caminha. Leva...
Que nem o rio.
Só de olhar, cansa.
Que nem meu cansaço antigo que joguei na enxurrada.
Se se ficar só olhando, cansa.
O rio,
o trem, a vida,
o ar, a flor, a dor, o sonho,
a falta, o carro, o mato, o bicho, o lixo. Tudo cansa.
Mas, se seu olhar me alcança
O meu olhar descansa.
Desce o pano.
Chega a noite.
Fecha a porta.
Apaga a luz no escuro.
Então eu te procuro.
No trânsito, em transe, na transa?
Transito calma pela chuva.
Durmo.(RR)

21 comentários:

  1. Clarice deu-nos que pensar. Muitas vezes tenho encontrado força nas suas palavras. As tuas, não lhe ficam atrás. Belas e cheias de luz! Os meus parabéns, Regina!
    A vida é isso mesmo. Uma encruzilhada...um caminho com pedras e com muitos raios de luz, nem que sejam, apenas, nos sonhos.
    beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Que lindo Regina!!!Também adoro isso! beijos,lindo domingo! chica

    ResponderExcluir
  3. Realmente, uma inspiração muito feliz, Rê!

    Em análoga meditação, trouxe o peso da vida - essa que carece e merece ser vivida - pois é muito esse viver...uma dádiva. E vc o RE_DEsenhou, modelou enquanto tornava macio.

    É um luxo passar por aqui e dividir essa tua iluminação aparentemente sutil, fruto de mergulhos profundos.
    Posso compartilhar na minha novíssima abinha de MEUS AMIGOS TECEM??

    Beijãozão,irmiga...por essa e outras, tanto te admiro!

    ResponderExcluir
  4. Tem mais valor a vida quando conseguimos transformar os caminhos tortuosos em macios ! :))
    Um bom domingo, Rê !

    Beijinho !
    .

    ResponderExcluir
  5. Rê,
    Esse sua prosa poética me deixou a pensar na beleza da vida, no movimento, na solidão.
    Amei o texto.
    Gd beijo

    ResponderExcluir
  6. Olá querida e amada Rê!

    Transitei no movimento desse texto. Cadência... Poesia livre em que o sentido se faz em cada gota que cai, em cada espera de outras mais. Cada gotícula uma mensagem, um suave gesto. Todas juntas um Universo!!!
    Uma vela ondulando luz, um aroma no ar e antes dum sono profundo a luz apagar, o mergulho no olhar, e o pensamento dança... voa, alcança.

    Um domingo muito feliz.
    Beijo e kandandos meus a atravessar tanto mar...

    ResponderExcluir
  7. Rê, sempre desconfiei que esse tempo assim, meio chuvoso, meio cinzento, fosse inspirador de reflexão e transcendência. Isso se confirma aqui, nas suas palavras poéticas de camaleoa, que sabe transformar a dor em viagens - de trem, ou pelo rio, ou pela rua, ou pela vida. Parabéns, querida! Beijinhos, Angelinha

    ResponderExcluir
  8. Rê amada


    coisa boa de se ler...

    beijocas

    Loisane

    ResponderExcluir
  9. É por essas e todas que eu sempre transito por aqui.
    Supimpa.
    Sic transit Regina mundi.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  10. Que beleza, Rê!
    Um texto para gusrdar e reler!
    Está se superando em qualidade!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  11. Ah! Como gosto de ler o que escreve. Consegue com tuas palavras tocar meu coração. Espero que estejas bem e que tenhas uma ótima semana! Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  12. Que que tá fazendo minha amiga que ainda não foi aos meus Botões pra participar do Projeto Lexicoterapia??

    Ora essa, será o TRÂNSITO?...rs

    Não falte! Diga "presente" logo, pra não ir com falta, uai...rs

    Te espero, viu, menina?
    Teu nome tá lá.
    Beijo, amada!
    Lindíssimo poema, lindíssimo.

    ResponderExcluir
  13. Lispector e Rozenbaum me fizeram ler, reler, refletir, indagar. Bela dupla essa, viu?

    Que bom que tornaste macios os teus caminhos. Assim sendo, mesmo dolorosos, foram teus professores, te fizeram ser quem és.

    Transitar por aqui foi especialmente prazeroso...

    Beijos, surtadinha mais reflexiva da blogosfera.

    ResponderExcluir
  14. Só pódo dizer!!!! O que Raul dizêu..

    "Vê, é o sinal, é o sinal das trombetas, dos anjos e dos guardiões
    Ói, lá vem Deus, deslizando no céu entre brumas de mil megatons"

    Deussssssssssskiajude
    Mineira porrêta.. rss
    Beijo
    Tatto

    ResponderExcluir
  15. Olá; RÊ!

    Transitar é sinal de vida; não basta ver a vida passar.
    Inspirada esta prosa, cheia de movimento - e contentamento ... que torna mais alegre este andar.
    Muito bonito; gostei muito.

    Beijinhos amigos.
    Vitor

    ResponderExcluir
  16. Quanta inspiração minha amiga!
    Quantas verdades também!!
    Permite que partilhe dessas ideias, desses pensamentos tão verdadeiros e ... reais.
    Bjs, boa semana.

    ResponderExcluir
  17. Ré, minha irmã siamesa, como te encontro nos nossos desencontros e trânsitos da vida. Tenho estado um pouco ausente, fazendo trabalhos do meu mestrado, reformulando a tese, pedindo bolsa de estudo, trabalhando, lidando com os afazeres da vida de família e agora, também, me confrontando com a hipótese de ficar desempregada e, também, tentando recuperar de muitas noites mal dormidas e das sequelas de uma menopausa indecisa. Recuso-me a baixar o braços perante crises financeiras ou outras. A vida vive-se, é a única forma que conheço de manter-me com um sorriso e de me erguer todos os dias para abrir o "presente" de cada dia. Mas sim , a vida tem muitas encruzilhadas, inesperados e momentos em que nos confrontamos com uma parte de nós que não pensávamos poder existir. Esse olhar para nós de frente, com todos os nossos seres que somos, por vezes espanta-nos e "escandaliza-nos", principalmente se pensávamos que tínhamos alcançado um conhecimento profundo de nós e uma paz interior quase intocável. Nessa encruzilhada de trânsito me encontro, não há falta de caminhos, nem mesmo de atalhos. Aguardo que o tempo me mostre o caminho, parada que estou num sinal amarelo que se não me impede de avançar, também não me indica claramente o caminho. Abreijos Té

    ResponderExcluir
  18. LindU, Linda dupla...

    Linda escrita, Lindo coração..

    Moça dos Zóio abençoado que lê
    e nos presenteia com sua essência..

    beijo linda minha...

    ResponderExcluir
  19. Que este tränsito seja movimentado pois assim é a vida....lindo.
    Beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  20. Muito lindo Regina!

    E bela lembrança da Clarice, que via beleza na melancolia e sentido nas sutilezas.

    Bjus

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget