Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Eiqueta/"Conselhos de D.Lucy"

Etiqueta é uma ética pequena, regras, normas, estilo... Conjunto de cerimônias que se usam na corte ou na casa de um chefe de Estado. (Aurélio)

Três meses depois da morte de mamãe, iniciamos uma tarefa trabalhosa, mas para mim, mais prazerosa. Olhar as fotos, os papéis, seus escritos, diários de viagens, cartões, convites e cartas recebidas e algumas, só escritas e não enviadas. É um verdadeiro tesouro. Guardava tudo com gosto e carinho. Ela gostava de escrever... Hoje me pergunto - será que foi dela que herdei essa minha ousadia? Penso que ao escrever damos permanência e admitimos que algo aconteceu. Lendo seus escritos tenho mais convicção disso.
Ela sempre se preocupou em nos ensinar boas maneiras, regras de etiqueta que toda “moça de família” deveria saber. E não é que encontramos um caderno intitulado por ela “Para Conselhos” de 1937, escrito à mão (lógico!) com caneta tinteiro? Nessa época ela tinha 15 anos e fiquei pensando na minha filha e nas de tantos amigos em pleno século XXI! Estou ensinando a ela, pelo menos, noções básicas de uma boa educação? Modos à mesa, ao sair com um garoto, quando dorme na casa de uma coleguinha, quando é hóspede por mais tempo de alguma família, etc., etc.? Cabe nos dias de hoje? Seria taxada de antiquada, démodé? Absolutamente http://www.tôfora.com/ ?
Perguntas à parte divido com vocês alguns dos “conselhos” de D.Lucy (não sei a fonte, provavelmente, algum manual ou revista para moças da época) e ao lado de alguns, pequenos comentários/lembranças daquilo que ela nos dizia:

“Ninguém deve entrar em casa de pessoas estranhas como se tratasse da própria, a menos que pudesse o grau de intimidade explicar tal procedimento”. Jamais abra a geladeira, ou armários da casa de quem quer que seja! Isso incluía até mesmo minha avó, meus tios... Até hoje, na casa das minhas irmãs, que dirá amigos, pergunto se posso!

“Um convidado de honra para um jantar deve ser colocado à direita da dona da casa quando sentados à mesa”. Vai comer na copa, porque não tem lugar para todos. As visitas têm prioridade!

Não devemos prolongar uma visita quando os membros da família visitada estão reunidos e conversando sobre assuntos privados”.

“O bom hóspede não deixa nuCor do textonca o seu aposento desarrumado ou a banheira com água em que tomou banho”. Não esqueça de deixar sua cama estendida assim que se levantar! Nem uma gota de água, no chão, quando sair do banho e nem um fio de cabelo na pia.

“O hóspede inteligente, de uma família, deve saber quando pode oferecer sua ajuda e quando é melhor que desapareça imediatamente”. Após a refeição ajude a tirar a mesa e pergunte como mais pode ajudar.

“O hóspede que não queira tornar-se indesejável deve adaptar-se aos costumes dos donos da casa”. Não durma até tarde, pergunte que horas é o café da manhã e esteja à mesa!

“Quando formos a uma reunião social deixemos de lado nossas preocupações e o mau humor. Se assim não pudermos fazer, abstenhamos de comparecer a essas reuniões”. (Por incrível que pareça dessa não me lembro nada, mas sou, desde sempre, assim... Se estou triste, chateada, mal humorada, fico quietinha em casa... Meus amigos podem atestar e já aceitam esse meu, agora batizado, jeito “etiquetado” de ser).

“Não devemos fazer pagarem outros, os contratempos que experimentarmos, nem desculpemos com o nosso nervosismo as atitudes insólitas”.

“Não devemos assinar documentos importantes com as luvas postas, mas algumas noivas insistem em fazê-lo contra as boas regras da etiqueta”.

“A dama deve, no automóvel, sentar-se à direita do cavalheiro, entrando no veículo em primeiro lugar e saindo em último”. Se buzinasse na porta de casa, além de sem educação, esse não “serve” para você não podíamos abrir a porta. Ele vai desconfiar e tocar a campainha como todo moço educado deve fazer. E era ela ou uma das irmãs que recebia primeiramente, só depois de “senta, aguarda um pouquinho que vou chamá-la” que aparecíamos!

“A simplicidade deve ser a voz de ordem quando recebemos visitas e não possuamos empregadas de serviço”. Isso aqui era mesmo uma raridade, já que as empregadas trabalhavam de domingo a domingo.
Continua...







2 comentários:

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget