Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

quarta-feira, 20 de junho de 2012

É MENTIRA TERTA?

 
A mentira é uma verdade que se esqueceu de acontecer. Mário Quintana


Ah Pantaleão quantas saudades de suas histórias. Nesses últimos dias tenho me lembrado de você. Após alguns episódios, surpreendentes, venho pensando sobre a mentira e a verdade. Há controvérsias. Muitas eu diria. Olhe bem como Fernando Pessoa reflete:
Menti? Não, compreendi. Que a mentira, salvo a que é infantil e espontânea, e nasce da vontade de estar a sonhar, é tão somente a noção da existência real dos outros e da necessidade de conformar a essa existência a nossa, que se não pode conformar a ela. A mentira é simplesmente a linguagem ideal da alma, pois, assim como nos servimos de palavras, que são sons articulados de uma maneira absurda, para em linguagem real traduzir os mais íntimos e sutis movimentos da emoção e do pensamento, que as palavras forçosamente não poderão nunca traduzir, assim nos servimos da mentira e da ficção para nos entendermos uns aos outros, o que com a verdade, própria e intransmissível, se nunca poderia fazer. Fernando Pessoa
A mentira faz parte, de tal forma, de nosso cotidiano que chegamos a considerá-la verdade. Ela está no cotidiano social e cultural, permeia as questões educacionais e os livros didáticos, sustenta a ficção em suas diferentes formas; está na gênese das religiões; é central na política e é integrante da paixão e do amor; enfim, faz parte do humano.
É difícil falar da mentira sem falar também da verdade. Mentira e verdade constituem um par antitético. Um conceito se afirma e se define por oposição ao outro. Será? A mentira também passa pela discussão acerca do engano, do falso, da paródia, da paráfrase, da quimera e da impostura, do embuste, das fraudes e das falsificações, da vida cotidiana, e dos etecéteras. A ética e a moral também necessitariam ser convocadas, assim como a psicanálise, a literatura, a religião, o humor, entre tantos outros campos da cultura humana, para esta conversa básica. Para que possamos desconstruir o conceito de mentira, ou fazer como Jack, o “estripador”, transformando o corpo do conceito de mentira em pedaços, e, assim, talvez, compreendê-lo um pouco melhor. É como uma collage ou uma colcha de retalhos, onde os pedaços ou citações isoladas não significam muito, mas quando juntados nos revelam um todo coerente e harmônico. Não vou convocar! Não carece para algo tão simplista... Divagações dessa vivente que vos fala. Dizem que a mentira tem pernas curtas. Mas, desde cedo, aprendemos que ela tem mesmo é o nariz comprido. Basta lembrar de Pinóquio, personagem bastante presente no imaginário infantil ocidental, que recebeu como castigo por sua má conduta um nariz expansível e retrátil. Assim, toda vez que faltasse com a verdade, seu nariz cresceria e denunciaria a farsa. O boneco é uma referência para as crianças do significado das mentiras e da internalização das regras. Deveria ser assim com os adultos. Deveria. Internalização das regras para uma boa convivência. E não teríamos narizes tão compridos a nos cutucar diariamente. Mentir é uma tentativa de viver como se queria viver e não o que se vive de fato. Está vivendo como?
 
Ando pasmada com minha incapacidade de lidar com mentira... Com o que não se vive de fato. Ou seria com meia verdade? Ou com minha miopia? Então, no princípio dos contos e no final dessa história, fico com Drummond e sua sabedoria em nos ensinar. Um dia aprendo!
“A porta da verdade estava aberta,
mas só deixava passar
meia pessoa de cada vez.
Assim não era possível atingir toda a verdade,
porque a meia pessoa que entrava
só trazia o perfil de meia verdade.
E sua segunda metade
voltava igualmente com meio perfil.
E os meios perfis não coincidiam.
Arrebentaram a porta. Derrubaram a porta.
Chegaram ao lugar luminoso
onde a verdade esplendia seus fogos.
Era dividida em metades
diferentes uma da outra.
Chegou-se a discutir qual a metade mais bela.
Nenhuma das duas era totalmente bela.
E carecia optar. Cada um optou conforme seu capricho, sua ilusão, sua miopia.
(Imagem: Karin Izumi e internet)

19 comentários:

  1. Mentira.. problema sério né?


    Beijinhos ;*
    Ótima Semana ")

    ResponderExcluir
  2. "Mentir" é iludir outrem intencionalmente. Se a motivação é vil ou nobre, é uma questão de ética. Se usa argumentos falsos ou verdadeiros, é questão de lógica e semântica. E assim por diante.
    Poetas e escritores de ficção mentem? Não... porque eles não tencionam iludir seus leitores; pelo contrário, os leitores se permitem voluntariamente serem iludidos.
    Há muito a dizer sobre mentiras, enganos, fraudes e descaminhos. Excelente o seu resumo, Rê.
    Verdade.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Re,
    às vezes me acho realista demais, sempre prefiro enfrentar os fatos!
    Mentiras só as piedosas, assim mesmo são poucas prefiro a omissão.
    Eu não entendo quem mente, principalmente para si mesmo.
    bjs
    Jussara

    ResponderExcluir
  4. Ei Rê, grande postagem esta amiga!

    Você deveria escrever um livro sobre o comportamento humano, porque tua escrita flui branda e a leitura é de fácil compreensão.

    Texto muito inteligente e super bem delineado, estruturando "verdades" inteiras e incontestáveis sobre a essência do tema escolhido

    Gostei tanto que cismei de inventar... Me aguarde! rs

    bacios !

    ResponderExcluir
  5. Olá, Regina!
    Gosto do Fernando, é uma excelente pessoa! kkkkk
    Bjs!
    Rike.



    P.s.: que piada horrível!!

    ResponderExcluir
  6. Também lido muito mal com a mentira, Rêzinha. Chego a ser intolerante. Certa vez contei uma mentira para o meu pai e o castigo foi tão doído, que passei a ter um compromisso cego com a verdade. Por vezes me dou mal, porque a maioria prefere os hipócritas. Costumam ser mais sedutores. Sigo adiante. Não adianta: mais cedo ou mais tarde há um preço a pagar. E pode não ser baixo: a máscara cola-se de tal modo ao rosto que tirá-la exige choro e ranger de dentes. Quando a pessoa cai em si, já era. Beijinhos verdadeiros, Angelinha

    ResponderExcluir
  7. Rê, eu precisava falar contigo em off. Envia um mail pro meu endereço, por favor
    leregostar@gmail.com

    Obrigada
    bacios

    ResponderExcluir
  8. mentira e verdade...
    amor e ódio...
    bem e mal...
    yin e yang
    nós somos tudo isso e nossas lutas interiores nunca conseguem resolver tudo...
    nem o que se passa dentro de nós quanto mais quando é em relação a outra pessoa
    adorei a viajem Regina
    beijo

    ResponderExcluir
  9. Oi Regina,

    Mentira e verdade são, no mínimo, intrigantes
    O problema é que nossas mentiras são sempre tão simples, tão relativas e a mentira do outro é sempre tào intensa, tão cruel.

    Mas o assunto é sempre passível de grandes reflexões. Quanto mais amadurecemos, menos toleramos a mentira.

    Beijos

    Leila

    ResponderExcluir
  10. Simplesmente brilhante esta sua dissecação dos conceitos opostos: mentira e verdade!
    Estranhamente, os seres humanos parecem ter certa dificuldade em lidar com a verdade e frequentemente buscam refúgio na mentira...
    Se os políticos fossem como Pinóquio, o congresso seria pequeno para caber narizes tão grandes...
    Abraços, Rê!

    ResponderExcluir
  11. Também não tenho paciência(a menos) com a mentira. Detesto, sempre detestei,mas atualmente, piorei...

    E há tantas que nos rodeiam, acham que somos idiotas, querem enganar o povo e tantas coisinhas mais...beijos,lindo fds!chica

    ResponderExcluir
  12. Bem massa essa sua reflexão, Rê. Verdades, nunca acreditei no seu absolutismo,

    Quanto a minha relação com ela, absoluta ou não, é de uma imensa preguiça em praticá-la. Mentir dá trabalho demais e eu gosto das coisas descomplexas.

    Beijo, meu bem.

    ResponderExcluir
  13. OI REGINA!
    FIQUEI AQUI A PENSAR SOBRE A MENTIRA.
    NUNCA FUI MUITO ADEPTA, LEMBRO-ME QUANDO PEQUENA, AO FAZER ALGO QUE IA DE ENCONTRO AOS ENSINAMENTOS DE MEUS PAIS, QUANDO DESCOBERTA A "ARTE", EU LOGO ME ACUSAVA E FICAVA ALIVIADA, MESMO QUE LEVASSE UM BOM CASTIGO.
    ACHO QUE MENTIRA É UMA FALHA NO CARÁTER.
    ABRÇS

    zilanicelia.blogspot.com.br/
    Click AQUI

    ResponderExcluir
  14. Eu posso até concordar que uma mentirinha faz parte da vida,,,mas existem pessoas que abusam disso...são realmente viciadas,,,ai já complica tudo,,,então é melhor dizer sempre não a mentira...beijos querida e um lindo final de semana pra ti com flores e versos...

    ResponderExcluir
  15. Ah que bom quer você foi lá no blog, assim pude recuperar sua URL!
    Então, acho melhor ficarmos com Drummond e sua sabedoria em versos ou então com a tal lenda do índio cherokee que explica pro netinho a batalha do bem e do mal, caracterizadas por dois lobos. A mentira fica ao lado do Mal, da inveja, do ressentimento, do egoísmo e tantas outras mazelas horríveis que nós seres humanos acumulamos. E o Bem ao lado da esperança, amor, fé, compaixão, só coisas engrandecedoras.
    E aí o netinho pergunta ao velho índio, qual dos lobos vence? Ele responde: aquele que você alimentar.

    Vamos alimentar nosso lobo do bem para que ele cresça e vença dentro de nós.

    beijos, muitos, cariocas

    ResponderExcluir
  16. Muito interessante este post!
    Gosto quando deixas a inspiração levar freio nos dentes.
    De fato ... vivemos como?!!
    Em meia verdade?!
    Quiçá isso seja a verdade inteira?!!!!!
    Bjs. bom fim de semana, fica bem.

    ResponderExcluir
  17. Hei,loira!
    Esse teu texto maravilhoso me lembrou a frase de uma canção:Você diz a verdade e a verdade é o seu dom
    de iludir ...

    Como é bom te ler!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  18. fantástico o texto! primeiro pela lembrança do Chico Anísio... eu adorava o Pantaleão, bons tempos do Chico City!

    Veja como é complicado. A mentira é feia, mas... a gente tá aberto, realmente, para toda a verdade? talvez a verdade pura, nossa e dos outros, assuste muito. eu procuro seguir pela minha verdade, falar o que penso, etc...mas sim, tem certas coisas que assustam. mas é melhor sempre encarar o que se tem que encarar né rs.

    bom fim de semana!

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget