Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

terça-feira, 24 de maio de 2011

POR TODA SUA VIDA...ALEGRIA

Há dias tenho pensado algo meio bizarro. Se tiver um piripaque qualquer e morro como é que meus amigos de blog vão saber? Quem e como vai avisá-los? Ninguém tem minha senha nem o blog co-autor.  Não gostamos de pensar na morte e evitamos falar sobre ela. O simples pensar gera calafrios ou é como se estivéssemos abrindo as portas para ela entrar. Fiz uma amiga dos tempos que o Divã era bem novinho. Sempre com uma maneira ímpar de conduzir seu espaço e tecer seus comentários. Estava feliz com o lançamento de um livro do qual foi coautora e eu com o sucesso do projeto e da sua felicidade.
Hoje escuto um AVISO DE FALECIMENTO num blog que há muito não visitava. Chegando me deparo com a notícia: Renata, Renatinha amada se foi!  Eu sentindo a dor desse soco inesperado na boca do coração fico com suas últimas palavras escritas aqui:
Obrigada Regina.
Eu ainda tenho que viver o ultimo passo que será receber os livros, nossa acho que aí dispiróco total... vou precisar de um divã!
E carrego comigo para além de seu PASSA.TEMPO...

"É exatamente a hora que devia ser os ponteiros não param por minha vontade, nem posso me transportar para onde queria estar, como são impiedosas as horas, os minutos, cada segundo muda a nossa vida, nossos pensamentos são efêmeros, levam o tempo de ser criado, eternizado ou esquecido tic, tac, tic, tac, tic, tac...
Mesmo que por algum motivo o relógio pare, o tempo não continuará a rodar o mundo, a voar os pássaros, a nadar os peixes, as ondas vêm e vão levando areia e trazendo de volta, o sol nasce e finda pela chegada da noite, assim nada pode deter o futuro que virá presente e torna-se passado e lá fica guardado no inventário do tempo...
São muitos minutos arquivados e cada um deles guarda um sentido de toda vida, do nascimento, do amor, da morte que fecha o documentário de cada um que junto com os ponteiros nervosos e aflitos em não parar chegam a tremer, no movimento da Terra e no piscar dos olhos aflitos ou sonolentos.
Por fim: Tempo...
Tudo que eu tenho é ter tempo sem achar que tenho, quando vejo que tenho não sei como usar por que acho que não vai dar tempo..." (Renata Farias)
Carrego, Renatinha amaaada, Por toda minha Vida...Alegria Joie Joy!
 

20 comentários:

  1. Somos um ser-para-morte?
    Dificil! Impossível nao ser!

    Beijo de carinho, amiga!

    ResponderExcluir
  2. Pensar no fim ao extremo é anular a vida. Mas, não pensarmos, é anularmos a nossa própria existencia...Nascemos 'grávidos' da morte.E fomos criados para eternidade.

    Dias como esse é que penso, como somos breves.

    ResponderExcluir
  3. Como diria Chicó em Alto da Compadecida, A more a marca de nosso estranho destino sobre a terra, porque tudo que é vivo morre, é inevitável, mas pra mim não é o fim apenas o começo de uma nova jornada, na qual todos nós iremos nos encontrar um dia com certeza, beijão Regina.

    ResponderExcluir
  4. - O processo biológico que leva à morte chama-se VIDA. Neste processo, geram-se os sonhos e as realizações que transcendem as dimensões do Espaço e do Tempo, e que nos tornam imortais. Voa, Renata!

    ResponderExcluir
  5. Eu não sei falar sobre a morte. Eu não gosto de falar sobre a morte. Apenas lamento... E te abraço, Regina.

    Beijos...

    ResponderExcluir
  6. Somos seres com um início e um fim.
    Ensinaram-nos que a morte é feia e má.
    Penso que ela é tão natural como o sono.
    Quando chega a hora adormecemos sem dor nem outros desejos. Será a última paragem do nosso trem.

    Acredito que haverá outra vida muito diferente desta. Como é não sei. Penso que lá seremos todos iguais sem necessidades, sonhos, desejos ou ambições. Não haverá as roupagens com que aqui nos vestimos e nos tornamos diferentes uns dos outros. Não haverá mais primeiras nem ultimas filas. Todos são iguais.

    Paz e bem à alma da Renata.

    ResponderExcluir
  7. Tu sabes que isso já me ocorreu ?...
    Irá acontecer um dia, terei ainda blog ou talvez não ?... mas acontecerá ! ... e muito provavelmente, ninguém destes lados o saberá !
    :(((
    Temos que esquecer estas coisas ! Afinal,... só acontecem aos outros ! :)))
    .

    ResponderExcluir
  8. Tristeza isso! Sinto muito! beijos,chica

    ResponderExcluir
  9. Olá, Rê, amiga!

    Todos sabemos que um dia iremos morrer, mas nem por isso o pensamento é menos desagradável, ou tal perspectiva mais aceitável. Acho que não será tanto pelo facto de morrer, mas porque deixaremos de andar por cá ...

    E bom seria que tal acontecesse sem prévio aviso; a ideia de morte com data prevista ou marcada deve ser insuportável.O texto da Renata,já lutando contra o tempo, dá bem ideia disso.

    Beijinhos amigos.
    Vitor

    ResponderExcluir
  10. Expresso meu pesar pelo infortúnio ocorrido a sua amiga Renata.

    Prefiro pensar na vida como se escreve num dicionário:- "Conjunto de propriedades e qualidades graças às quais animais e plantas se mantêm em contínua atividade; existência".. Para não atrapalhar minha transição espiritual entre as matérias corporais que uso como habitat temporário.

    Deussssssssssssssskiajude
    Tatto

    ResponderExcluir
  11. Querida Rê, estou tão triste...pra essas coisas não há palavras. Nem dormi direito...que os deuses da escrita a recebam, beijos,

    ResponderExcluir
  12. Prestes a mais uma cirurgia, me bateu também essa idéia.
    E aí?
    Se me acontecer o pior?
    Quem avisar?
    São questionamentos de uma viva.
    Acho que os mortos não pensam assim.
    Sigo.
    wilma
    www.cancerdemamamulherdepeito@blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Sabe Rê, engraçado que ainda esta semana falei sobre isso, exatamente assim..
    E se eu 'morrer' como meus amigos do blog vão
    saber? Quem vai avisar? Ninguém tem acesso.

    É estranha a sensação de ir 'embora' sem avisar, e não mais voltar...

    abraço-te ...
    Um beijo minha querida..

    ResponderExcluir
  14. Rê, eu penso às vezes neste mesmo problema...
    Acho que vou fazer um manual para deixar bem à mão, com instruções para este caso!
    Minhas condolências pela sua amiga!

    ResponderExcluir
  15. Desculpe entrar assim, mas deu-me saudade e passei no blogue da Renata, e de lá vim aqui, e este texto último que ela deixou...eu já tinha comentado, mas agora o texto faz outro sentido para mim...estou muito triste.
    Eu fui avisada pelo Ricardo Calmon, que estava também inconsolável.

    Deixo um beijinho
    Sonahdora

    ResponderExcluir
  16. A vida desfalece de repente, levando consigo os sons do bate_coração, deixando martelar no peito essa dor que o susto jogou na alma da gente.
    Não somos preparados com suficiente sabedoria pra viver esse momento. Choca. Arrebenta.
    E a gente segue, achando que vai encontrar jeito de lidar com isso no tempo futuro que, quando chega, trás presente a nova dor, outra vez surpreendente, martelando, abatendo...

    E por mais impossível que pareça,“um dia, quando menos se espera, a gente supera.” (Caio F. Abreu)

    Afagos irmiga, onde dói o coração...

    ResponderExcluir
  17. Querida e amada Rê.

    A minha tristeza pelo que se passou.

    Um dia todos nós cruzaremos "os limites" e nos daremos à leveza de ser. Mas jamais poderemos dizer que estamos preparados para essa passagem.

    Vivemos...
    "...como se a vida fugidia,
    mais fosse do que uma brisa passageira.
    Um instante.

    - Haverá um tempo, o bastante.
    Aquele que não está a nosso favor..."

    De onde estiver, a Renata, gostará de te ver sorrir e assistir diariamente, aos muitos Obrigadoooos a que te dás, à tua generosidade nas boas e menos boas horas.

    Com carinho, recebe meu kandando a atravessar tanto mar.
    Beijuuuus, inté...

    ResponderExcluir
  18. Meus sentimentos...
    Que ela esteja em paz! bjo!

    ResponderExcluir
  19. cliquei no seu blog...para rever aquele vídeo tão bacana de natal e nos links anexos vi o rosto da Renatinha...
    q saudades... q saudades dessa moça.

    que ela esteja bem, aonde ela estiver.

    bjs a vc e a Renatinha, aonde ela estiver

    ResponderExcluir
  20. É Alê, esse 2011 teve notícias assim...Também eu, vira e mexe, me pego sentindo saudades dessa moça. Acho um tanto estranho, não as saudades, mas essa ausência repentina. O meu desejo é que ela esteja iluminando seus amados...por toda sua vida...alegria!
    Beijuuss n.a.

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget