Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

domingo, 15 de maio de 2011

SANTA INTELIGÊNCIA

Uma Senhora, muito distinta, estava em um avião vindo da Suíça. Vendo que estava sentada ao lado de um padre simpático, perguntou: 
- Desculpe-me, padre, posso lhe pedir um favor?
- Claro, minha filha, o que posso fazer por você?
- É que eu comprei um novo secador de cabelo sofisticado, muito caro. Eu realmente ultrapassei os limites da declaração e estou preocupada com a Alfândega. Será que o Senhor poderia levá-lo debaixo de sua batina?
- Claro que posso, minha filha, mas você deve saber  que eu não posso mentir!
- O Senhor tem um rosto tão honesto, Padre, que estou certa que eles não lhe farão nenhuma pergunta. E lhe deu o secador.
O avião chegou a seu destino. Quando o padre se apresentou à Alfândega, lhe perguntaram: 
- Padre, o senhor tem algo a declarar?
O padre prontamente respondeu:
- Do alto da minha cabeça até a faixa na minha cintura, não tenho nada a declarar, meu filho.
Achando a resposta estranha, o fiscal da Alfândega perguntou:
- E da cintura para baixo, o que o Senhor tem?
- Eu tenho um equipamento maravilhoso, destinado ao uso doméstico, em especial para as mulheres, mas que nunca foi usado.
Caindo na risada, o fiscal exclamou:
- Pode passar, Padre! O próximo...  A inteligência faz a diferença. Não é necessário mentir, basta escolher as palavras certas.(Fonte: Internet)

Ando procurando as minhas. E como hoje é domingo, confesso: está difícil! Nesse andarilhar recordo de Antonio Machado, magnífico poeta espanhol, que informa ao transeunte não haver nenhum caminho que anteceda seus passos. Que nada além do seu próprio andar definirá esse seu caminho. Porque a vida se define vivendo. Porque primeiro vivemos – existimos no mundo – instante a instante e só depois podemos tentar identificar quem somos. Afinal, se somos alguma coisa é justamente porque vivemos como vivemos. E vivemos como vivemos porque somos senhores de nossas deliberações. Livres, portanto. Fundamentalmente livres. Liberdade de que, paradoxalmente, não poderemos abrir mão.
Estamos condenados à liberdade de definir a própria vida. Não se trata de diletantismo. De uma prerrogativa da qual podemos nos servir quando nos apetecer. Não se trata tampouco de um direito. Deliberar livremente sobre a própria vida é nosso maior ônus. Responsabilidade que pesará sobre nossos ombros enquanto houver vida a viver. Responsabilidade de que, sem paradoxo nenhum, não poderemos abrir mão. Bom domingo, amados, e certeiras deliberações!(RR)

27 comentários:

  1. essa sua declaração final é maravilhosa.
    realmente é nosso maior direito (e nossa maior cruz), a definição sobre nossa vida.

    por isso as pessoas, muitas vezes, são tão "crentes", caem em qualquer lorota dita por alguém promete indicar o rumo certo de suas vidas...

    bom domingo!

    ResponderExcluir
  2. O padreco se deu bem...E quanto à nós? vamos levando a vida ,escolhendo como achamos o melhor caminho, sem dar atenção aos palpites ds outros.

    É NOSSA vida, cabe a nós trilhar o caminho...Se errarmos, assumimos, mas de cabeça erguida...beijos,lindo domingo,chica

    ResponderExcluir
  3. Tão certas as tuas declarações finais que tantos de nós se esquece no dia a dia... Temos o dever de não abdicar dessa prorogativa... da responsabilidade de deliberar sobre a nossa própria vida... :) Bom Domingo! Beijo

    ResponderExcluir
  4. Muitas vezes nos vemos presos pelas circunstâncias da vida, mas esquecemos que basta dar uma parada e respirar fundo para encontramos respostas para todas as situações, e gostei do não precisar mentir a história é ótima com certeza :-)

    ResponderExcluir
  5. Olá Rê ! :))

    ... com a verdade me enganas ! rsrsrs

    “A Mentira da Verdade” (poema) :))

    Última quadra :

    "Verdade verdadinha
    É que não sei se é verdade
    Que a Verdade é só minha...
    Ou se minha é só metade!"

    Neste caso a verdade foi total ! rsrsrs

    beijão ! :))
    .

    ResponderExcluir
  6. Eu conhecia a piada... Sou ruim à beça pra rir com piada, mas até gaiatei aqui um cadim.

    Eita que o poema eu adoro, caminhou pelas minhas agendas de estudante, eu que ando a caminhar a lugar algum.

    "Caminhante, são tuas pegadas
    o caminho e nada mais;

    Caminhante, não há caminho,
    se faz o caminho ao andar
    Ao andar se faz o caminho

    e ao voltar a vista atrás
    se vê a senda que nunca
    se há de voltar a pisar

    Caminhante, não há caminho
    somente marcas no mar"

    (Antonio Machado)

    Beijo, Rezinha...

    ResponderExcluir
  7. Mas é uma condenação que nos cabe a liberdade,,,grande beijo de boa semana pra ti querida

    ResponderExcluir
  8. Regina.

    Aconreceu sexta-feira o lançamento do livro que sou coautora, foi um sucesso em Floripa, fiquei muito feliz e vim dividir contigo.

    Sabe lendo teu post lembrei que as vezes ser inteligente só não é ser honesto mas, saber usar esta inteligência com sabedoria nos faz honestos, adorei muito bom.

    beijossssssssssssss....

    ResponderExcluir
  9. oi Rê!!!!adorei....dei uma sumida dos comments, mas não deixo de dar uma passadinha viu....óóótimo domingo prô cê tbm...
    Bjs
    Zu

    ResponderExcluir
  10. Rê??

    AVACAGÁ, vá...táqueospariu, irmiga, nessa vc me levou a nocaute. Esta tua declaração rendeu suspiros e ais...

    Por esta e tantas outras, tem lá no Tecendo um presentinho procê! Vai buscar quando puder, tá bom?
    Bjãozão


    ** Isso não vale...saio pensativa que só...

    ResponderExcluir
  11. - Um dos teus poetas prediletos, na Pessoa dele mesmo, sobre verdade e mentira:

    - O poeta é um fingidor;
    - Finge tão completamente
    - Que chega a fingir que é dor
    - A dor que deveras sente.

    - Finge, poeta! Eu troco "dor" por "amor" e sigo fingindo em teus versos!

    - Beijos, Rê... eu finjo que te amo.

    ResponderExcluir
  12. Temos que construir a vida como se constrói um obra de arte e necessáriamnete construida por nós...


    Beijo meu.

    ResponderExcluir
  13. Rê, querida
    Esta anedota, que eu já conhecia tem imensa graça. Gostei de a recordar.

    A vida!... Concordo, mas só até certo ponto, pois há quem não tenha o direito de decidir o que fazer com ela.
    Quem tem essa opção, que se pode considerar um direito a par de um dever (já que deve deliberar correctamente)tem uma carga, por vezes pesada, às costas.

    Bom final de domingo. Beijinhos

    PS - Preciso que vá à minha «CASA». Estou necessitando do seu voto:)))

    ResponderExcluir
  14. Querida amiga, o padre no alto de sua santa sabedoria não mentiu...ele só esqueceu de dizer que tinha duas coisas que as mulheres gostam rsrs. Tenha uma linda semana. Beijocas

    ResponderExcluir
  15. Mas que padre espertinho este ... rsrsrs
    Ainda não tinha lido esta!
    Muito boa pra se pensar, e vc
    com seu arremate perfeito de palavras,
    Alá 'Rezina'.. Dorei!

    beijo querida minha..

    ResponderExcluir
  16. Dãããã!!

    "not enough memory"

    Sigo rindo com o comentário da DENISE... hehehe

    Beijo
    Tatto

    ResponderExcluir
  17. Muito boa a história do padre!
    Tudo depende do que se pensa!
    Mas, falando sério, muitas pessoas querem que alguém lhes diga o que fazer, para não assumirem a responsabilidade por suas escolhas!
    Assim, se as coisas derem errado, elas são apenas vítimas...
    Abraços!

    ResponderExcluir
  18. Seu vigário é bom mesmo, hehehe.

    Bj.

    ResponderExcluir
  19. Minha irmã costuma dizer que o Criador cometeu um erro ao nos conceder o livre-arbítrio. Não concordo: acho que Ele foi pra lá de esperto; jogou a responsabilidade de tudo sobre nós e segue criando, lindo, leve e solto.
    Eita padreco esperto esse! Realmente a palavra pode ser um instrumento útil ou uma faca cortante. Cuidado com elas! Beijinhos, Angelinha

    ResponderExcluir
  20. Olá, Regina!
    Kkkkkk, sacanagem pô!kkkk
    Bjs!
    Rike.

    ResponderExcluir
  21. Obrigada Regina.
    Eu ainda tenho que viver o ultimo passo que será receber os livros, nossa acho que aí dispiróco total... vou precisar de um divã!

    Beijos
    tô tão doida que estou respondendo no blog aqui e no meu...

    ResponderExcluir
  22. Querida Regina!

    A do secador está demais :))) Boa escolha de palavras, sim senhor!!!

    As nossas escolhas, amiga, são muitas vezes as possíveis, não as melhores nem as que desejamos, daí que até neste aspecto não haja liberdade.

    Beijinho

    ResponderExcluir
  23. É isso ai minha linda amiga. mentir pra que?
    O melhor é usar a inteligencia e as palavras certas...beijos achocolatados

    ResponderExcluir
  24. Bom dia
    Uma anedota que tem muita graça e que foi muito bem estudada. Inteligente....

    ResponderExcluir
  25. ri alto... muito boa essa... indiscutível, a inteligência faz toda a diferença...
    obrigada! mandou bem! rs. bjo

    ResponderExcluir
  26. Olá Regina,

    Ser livre é mesmo coisa muito séria!

    Ótimos texto e reflexão!!

    Grande beijo para ti,

    http://omundoparachamardemeu.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget