Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

FREUD NO COTIDIANO: ESPELHO, ESPELHO MEU...




A difusão da psicanálise, na cultura, propriciou que uma série de conceitos fossem assimilados ao tecido social, implicando necessariamente algumas distorções ou, na maioria das vezes, o privilégio de um dos aspectos do conceito em detrimento de outros. O narcisismo, conceito psicanalítico cujo nome Freud tomou de empréstimo ao mito grego de Narciso, o jovem que enamorou-se de sua própria imagem espelhada na superfície de um lago, ficou associado, em nossa cultura, à idéia de vaidade que, segundo o Dictionaire Théologique Catholique seria, dentre os sete pecados capitais, o mais grave, pois todos os outros derivariam deste. Conforme o mito explicita, a idéia de narcisismo está vinculada à questão da imagem e esta, por sua vez, à noção de identidade. A imagem corporal é o primeiro esboço sobre o qual irão se desenhar, posteriormente, as identificações constitutivas da personalidade. O Narcisismo, em psicanálise, representa um modo particular de relação com a sexualidade. É um conceito crucial no seu desenvolvimento teórico. O narcisismo é um protetor do psiquismo e um integrador da imagem corporal, ele investe o corpo e lhe dá dimensões, proporções e a possibilidade de uma identidade, de um Eu. O narcisismo ultrapassa o auto-erotismo e fornece a integração de uma figura positiva e diferenciada do outro. Segundo a Psicanálise, o narcisismo leva a eleger-se a si próprio como objeto de amor, em vez de essa emoção ser dirigida a outra pessoa do sexo oposto. A libido é dirigida anormalmente ao próprio eu. Não há espaço para mais ninguém. De acordo com Freud, o indivíduo narcisista poderia amar o que ele havia sido, o que ele era ou o que ele gostaria de ser. Poderia amar, ainda, alguém ou algo que acredita possuir um traço de excelência ou que considera como ideal, perfeito. Freud acreditava que todas as pessoas atravessam uma fase normal de narcisismo infantil, e que as maneiras como os pais criam seus filhos o levam a desenvolver as tendências narcisistas. Entretanto, pode se manifestar na idade adulta como uma irregularidade provocada às vezes por conflitos, desajustes sexuais, decepções amorosas, etc. Ele defendia que o estudo do narcisismo patológico poderia ajudar a compreender a psicodinâmica do narcisismo em indivíduos normais. Freud teorizou que o narcisismo incluía a ego-absorção, amor pelo próprio ego e auto-engrandecimento, como tentativas de satisfazer necessidades infantis.




13 comentários:

  1. Olá amada Regina,
    - Ai como eu gosto de mim!!!! né?
    - Como sou bom todos os dias e não tiro férias!

    Ainda não respondi ao teu comentário no meu blogue mas que desde já agradeço e então aproveito para deixar o e-mail pedido geral@armenios-pub.pt
    Kandandus a atravessar tanto mar para ti com muito carinho

    ResponderExcluir
  2. Nossa o que eu conheço de narcisista... nãoe stá no mapa. daqueles brabos...
    Adoro a literatura freudiana, mais ainda a de Jung.
    Temha uma boa semana, amiga.

    ResponderExcluir
  3. Kimbanda Amado
    Vc sabe que, realmente, temos que gostar da gente...na medida certa, sem mais nem menos! Exageros narcisistas, à parte, é bem descrito, por Caetano, nos versos de SAMPA:
    "Quando eu te encarei frente a frente e não vi o meu rosto
    Chamei de mau gosto o que vi, de mau gosto, mau gosto
    É que Narciso acha feio o que não é espelho
    E à mente apavora o que ainda não é mesmo velho
    Nada do que não era antes quando não somos mutantes
    E foste um difícil começo
    Afasto o que não conheço
    E quem vem de outro sonho feliz de cidade
    Aprende depressa a chamar-te de realidade
    Porque és o avesso do avesso do avesso do avesso"...
    Brigadim pelo email! Beijuuss n.c. do lado de cá do Atlântico sem escalas

    ResponderExcluir
  4. Sil Amada
    Pois não é? Tem cada um que a gente encontra por esse mundão de D"US... que bota brabo nisso!!!! Uma semana cheia de VERDES pra vc!
    Beijuuss n.c.

    ResponderExcluir
  5. Existe com frequência em nós o narcisismo, mas o espelho é sempre colocado no passado e no futuro - no presente, nunca...

    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Eiii Manuel
    Pq será que insistimos, tanto, em olharmos para o passado e para o futuro? No presente me faço...
    Beijuuss n.c.

    ResponderExcluir
  7. Nada de Narcizismo em vida minha,pois soyb tan lindinhu,que narcisista preciso naun ser!

    Pinck Floyd ouvindo, The Wall curtindo,a vida brindando e todos os girassois del mondo para vc te envio,através de Pery,indiozinhu sapeca que voar sabe!
    Bzu na alma !
    Viva La Vidaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

    ResponderExcluir
  8. Viva La Vidaaaa...Salve Ricardo
    Apesar de vc já ser super hiper presenteado, vc viu que deixei um mimo prá vc, tb? Adooooro "sapequices" rsrsrs
    Beijuuss n.c.

    ResponderExcluir
  9. Que dilícia te achar no meu blog! ZéLu (nosso amigo Foureaux) fala coisas ótimas de você e aí resolvi entrar no seu blog e adorei. Acho que é isso: estamos colocando pra fora nossas palavras, sensações, conhecimento e compartilhando boas energias. Tô dentro!
    Espero sua visita mais amiúde lá na minha cozinha. Vou falar de comida funcional, de saúde e alimentação, sem fanatismos, com humor e boas dicas. A idéia é melhorar a qualidade de vida de amigos e afins. Muitos bjs, obrigada pela palavras de incentivo.

    ResponderExcluir
  10. Eiii Ângela
    Bão dimaiiisss sua cozinha sô! E nem careço de dizer que Tôdentro de boca e alma rsrs.
    Cozinha prá mim é isso: bom tempero, feita com alma e salpicada de amor!
    Beijuuss n.c.

    ResponderExcluir
  11. Olá Regina!

    Belo texto, para ler devagarinho e sem
    pressas ... que isto de nos analisarmos exige muito muito de distanciamnto - e tem muito que se lhe diga.
    E quanto aos narcisimos e aos Narcisos, acho que o mais acertado mesmo será ficarmo-nos p'lo ter um pouquinho de vaidade em nós próprios, sem exageros, já que também é precisa - e acho que não fará mal!

    Beijinhos.
    Bitor

    ResponderExcluir
  12. Querida Regina, devo dizer-te que vinha cheia de vontade de escrever, mas quando comecei a descer para o cantinho do comentário, ao ler tanto disparate, só consigo é rir...assim, não há condições, loOl.
    Eu adoro o espelho, mas não vivo somente dele.
    A algumas pessoas ele faz mta falta, a outros faltinha nenhuma.

    ResponderExcluir
  13. "disparates" = "brincadeiras" = bom momento de humor. xiiiiiiiiiiiiiinhos bons.

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget