Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

sábado, 19 de fevereiro de 2011

DESPERDÍCIO


                        
Na casa de minha mãe Lavoisier era presença.  Nada se perdia e tudo se transformava.  Restos de arroz e frango - do almoço – viravam um delicioso arroz de forno, coxinhas, bolinhos.
A calça pequena para uma das seis era o short da outra.  O colar arrebentado um brinco novo brilhando nas orelhas.  Desperdício não entrava naquela casa.
Transponho para os afetos, tempo, palavras. Detesto desperdiçar. Afinal tive uma doutora no assunto.
 Não jogo conversa fora. Não sei quem criou essa expressão!?! De todo e qualquer papo, seja sério ou descontraído não perco o dito. Algo fica e me instiga. Quintana brincando com Lavoisier ensina: “nada se perde, tudo muda de dono”.
Do tempo então? Passado já foi e do futuro não sei. O presente se mostra estático. Gosto do gerúndio. Ação presente que move.
Ah e os afetos? Na natureza dos corações nada se cria ninguém “se perde”... Tudo se esvai no tempo devido.
Noite de lua cheia. Assim que ela nasce estou parada num trânsito – caótico – de uma sexta-feira. Entro em transe e a encaro. Não como sempre. Meu olhar é desafiador e ela não se intimida. Despeja, generosamente, sua luz em meus sentimentos contraditórios. Busco as patas e a asas. Nenhuma aparece e nada acende dentro de mim. Ela insiste desperdiçando seu brilho numa tentativa de clarear meu escuro. Buzinas me obrigam a sair desse transe: cadê o gerúndio que estava aqui? Gato comeu! Cadê o anjo? Tá voando por outros céus! (RR)

18 comentários:

  1. Rê amada

    E o sapato dela era meu tamanco...

    e meus sentimentos reciclados...o amor de ontem melhorado...

    Beijocas


    Loisane

    ResponderExcluir
  2. RR..

    Não tema... "O ESCURO É NADA MAIS NADA MENOS QUE A AUSÊNCIA DA LUZ"

    - E conversa nunca se joga fora.... pincha dum lado po otrô..... rsrsrs

    Deusssssssskiajude
    Bejo findi ILUMINADO
    Tatto

    ResponderExcluir
  3. A LUA É INSPIRADORA...E AFRONTA NOSSAS EMOÇÕES..IMPOSSIVEL OLHA PRA LUA SEM PENSAR NUM SENTIMENTO FORTE QUE PODE OU NÃO AINDA ESTAR DENTRO DE NÓS..A LUA AS ESTRELAS A NOITE O CEU AZUL ELES TEM UMA CAPACIDADE DE RESSUCITAR SENTIMENTOS NA GENTE..SEJA BONS OU UTOPICOS NÃO É...DEPOIS DE LER TUDO QUE ESCREVEU..MEU PAI ERA ASSIM TUDO SE TRANFORMA NNEM CASA ERA ASSIM TAMBEM ATE O CUIDADO COM A AGUA COM O BANHO DEMORADO A ENERGIA ELE NAQUELA EPOCA JA ERA ATIVISTA DO MEIO AMBIENTE...MAS VOLTANDO A LUA...EITA QUE EU ME LMBREI LENDO VOCE ME LEMBREI DE UMA TRECHO DE UMA MUISCA DE PEPEU GOMES QUE EU ADORO...ELE FALA DA LUA...DA INPIRAÇÃO QUE A LUA AS VZES DA PARA NOSSOS CORAÇÕES ENXARCADOS...

    Navegava nos seus olhos
    Quando a lua me excitou
    Peguei um vôo
    Fui no Planeta Vênus
    No seu momento pleno

    DE VEZ EM SEMPRE É BOM OLHAR A LUA...E CHEGAR A ALGUM PLANETA MESMO SEM ASAS..MESMO SEM PATAS...O PENSAMENTO LEVA NÉ RE???
    OBRIGADA PELAS PALAVRAS NO DMPM...

    BEIJOS
    OTILIA

    ResponderExcluir
  4. PS MEU FILHO AMA ESSA MUSICA VIVE TOCANDO ELA NO VIOLÃO AQUI NO PC...E EU GOSTO TAMBEM ..E UM CANTO MANSO...QUE ACALMA..NÉ??

    ResponderExcluir
  5. Rê, eu não inventei essa expressão "jogar conversa fora", mas volta e meia estou usando.
    Sobre Lavoisier, "nada se cria, tudo se copia", assim, como tua mãe não desperdiçava comida, eu não desperdiço ideias, e vivo aproveitando restos de ideias alheias.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  6. Ahhh minha linda, como bem falas...
    Como lembrei agora de casa, que era exatamente
    assim, Onde o arroz virava bolinho de frango!

    E a saudade,afeto guardado...
    Hoje abro gavetas no coração pra tirar da retina da alma imagens que jamais voltarão...

    E chimarruts? amo ouvir... "saber voar" é linda!

    Gosto dessa... "Versos simples"
    'Saudade já não sei se é a palavra certa pra usar'

    Beijo no coração minha amada...

    ResponderExcluir
  7. Pois em casa de meus pais também se aproveitavam restos de algumas comidas que depois eram transformadas em outras. Hoje são poucas as pessoas que o fazem apesar de se queixarem da crise. Gostei desta música, apesar de já a ter ouvido.
    Para si um bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  8. Rê ...
    Olha revejo-me nesta história, neste passado.
    Vejo tudo isso, e relembro os sapatos que detestava e usava contra os pobres muros, na esperança de que eles fossem para o lixo, mas ... não, eles simplesmente levavam umas forras à frente (tipo palhaço!!rsrsrss) e voltavam aos meus pés, para mal dos meus pecados.
    Vejo e revejo tudo isto, tudo isso, só não vejo ninguém o descrever tão bem como tu.
    Bjs, n.c.

    ResponderExcluir
  9. Lavoisier aprendeu com minha mãe. rsrsrsrsrs
    E a lua... é mágica!

    ResponderExcluir
  10. Difícil não sermos assaltados por uma certa nostalgia diante desta história e destes jogos de palavras onde como muito bem dizes - nada se perde. E tudo se transforma em frente aos nossos olhos a cada segundo, sem que a gente dê por isso. Bjs, amiga.

    ResponderExcluir
  11. Você aprendeu com a mestra em reciclagem. Amor também dá para reciclar, concorda? Ou sem corda?
    Afinal, a lua está sempre nascendo... Beijos. Angelinha

    ResponderExcluir
  12. Ah, jogar conversa fora é comigo mesma... Adoro! Aliás, já faz uma semana que não praticamos esse ato, ne? Tá bem na hora, apareça.

    Esses teus textos reflexivos e tão intimistas me encantam. Por que é como se estivesse te vendo com esse zóio observador, a tudo captando.

    Beijo, negona galêga.

    ResponderExcluir
  13. Penso não existir o jogar conversa fora,,e sim trocar sentimentos e momentos,,,nessa vida tudo acontece ao seu tempo,,,a maneira certa,,,grande beijo de boa semana pra ti.

    ResponderExcluir
  14. desperdícios são sempre tristes. de comida, dinheiro, sentimentos, pessoas...

    sim, tem horas que nem o brilho da lua consegue nos transformar, estamos por demais saturados. nesses momentos, sinto que é hora de parar e ajeitar o que puder ser ajeitado em nossa vida. é o peso do cotidiano, oprime tanto que a luz não entra.

    bjs

    ResponderExcluir
  15. adoro vir aqui e quero te dizer que vc é uma pessoa incrível!
    um beijo e obrigada por ser esta pessoa bacana,negah!
    Deus te abençoe!

    ResponderExcluir
  16. Carlota seja sempre muito bem vinda a esse divã. Fico feliz em saber que "adora" passear por aqui. Venha e deite suas palavras, pergunte, reclame, critique, enfim...fale! Tentarei lhe responder aqui, já que não tem - ainda - um blog. Posso perguntar por causidiquê???rsrs
    Beijuuss iluminados n.c.

    ResponderExcluir
  17. Muito legal seu blog e otimo, e muito criativo, se depois vocês quiser olhar o meu blog e dar a sua opnião eu ficarei muito grato: http://derlandreflexivo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  18. Olá Derland! Seja muito bem-vindo ao nosso divã. Se gostou chega mais e se aconchegue conosco. Vou lá conhecê-lo, ok? Volte quando quiser e puder...já tem um lugar reservado, carinhosamente, procê.
    Beijuuss n.c.

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget