Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

LANCE LEGAL!


Estava indo trabalhar quando o rádio começou a tocar essa música da década de oitenta. Viajei pelo tempo e me lembrei quando nas festas juninas do colégio havia o correio musical. O menino que estava apaixonado enviava uma música, declarando-se assim para sua paixão. Era - antes de ser tocada - anunciada no microfone, de quem para quem estava sendo dedicada. Aqueles mais tímidos, receosos utilizavam de codinomes, que bastava para que sua paixonite os decifrassem.

Os mais ousados nem ligavam para o rubor e as risadas - sem graça ou cheia de graça - de sua paquera, e diziam nome e até sobrenome para não deixar dúvidas. Hoje isso seria, no mínimo, pagar o maior mico. Mico não! GORILA!!!

Gostava das festas porque era nelas que – finalmente - todos sabiam quem estava, realmente, gostando de quem. E os enganos, ilusões se desfaziam, mesmo que fosse à base da tal dor de cotovelo. Doía tanto que parecia que jamais iria sarar. Mas, era só chegar às férias de julho que uma nova paixonite surgia na praia, no acampamento, na cidade do interior visitando a tia.

Voltando ao tal correio musical. Era nesse dia que, quando e se ouvisse o seu nome, prestava-se uma atenção, especial, à letra da música mais que tocada e já escutada. Parecia que estava ouvindo pela primeira vez. Claro! Afinal, era uma declaração de amor. E  é , sempre é,  como se fosse a primeira vez.

Só ficava meio esquisito quando a moça recebia muitas declarações gerando aquele mal-estar, algumas desavenças entre os meninos e ela toda senhora de si, se achando. Pior não podia ficar se recebesse muitas, mas nenhuma de quem realmente esperava! Um chororô só. Minimizado pelas palavras das amigas: é que ele tá fazendo doce... Fica assim não!

Tempos nos quais as letras de uma música diziam o que não se conseguia. Eram as palavras que se ausentavam das bocas juvenis e a falta de jeito de dizer, declarar o que sempre foi simples: gosto de você!

Hoje com toda a tecnologia disponível, redes sociais, o que deveria facilitar dificulta ainda mais. São tantas as jogadas, pode-não-pode, deve-não-deve, bandeira demais, assim é pegajoso, assado é que dá resultado, que a falta de jeito de dizer deu lugar ao absoluto silêncio.(RR)
(Imagens: Arquivo pessoal e Karin Izumi) 


Caminhar ao seu lado


é como um piquenique

de manhã bem cedo

o contato do seu corpo

é mais que um piquenique

é um banquete e tanto



Pra matar minha fome

de lenhador

saciar minha sede

e aumentar o calor

tem de ser um lance legal

tem que ter um certo sabor

muita calma durante,

loucuras no final



Meu momento é agora

meu caminho é feliz

se há uma crise lá fora

não fui eu que fiz

então viver é um lance legal

tem que ter um certo sabor

muita calma durante

loucuras no final. ( Lance Legal: Guilherme Arantes)
 







31 comentários:

  1. Rê.. se assim me permite.. rss
    Eu sou do tempo em que nas cidadezinhas do interior havia serviço de auto falante na praça.. onde os meninos circulavam o coreto pela direita e as meninas em sentido contrário... E da-lhe trocas de olhares e sorrisos... rsss
    Lembro-me perfeitamente de oferecer muitas musicas.
    Linda tua postagem ... Me arremeteu aos melhores anos de minha vida...

    Bejô
    E BoaSegundona pra ti.... rss
    Tatto

    ResponderExcluir
  2. Olá, Regina!
    Por aqui não tinha a música, somente os bilhetinhos, que achávamos ótimos!!
    Bjs!
    Rike.

    ResponderExcluir
  3. Ka ra ka
    menina
    vc me levou pra longe agora.
    A música então é perfeitinha.
    Tá certo que nessa época eu já carregava filho no colo, mas me lembro muito bem da adolescência. Principalmente do frio na barriga que era causada por qualquer investida, digamos, amorosa, e quando digo investida amorosa, entendam, era um toque de mão ....na minha mão, rsrsrsrs

    Beijinho e boa semana Re

    ResponderExcluir
  4. Show, Regina!
    Show!
    Como sempre...
    Você não se contenta com pouco: sempre arrasa , com o seus posts magníficos.
    Adorei, amiga!
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Rê, lindo seu post!
    Você disse muito bem: hoje são tantas as possibilidades de comunicação que acabaram gerando o efeito inverso.
    O que realmente se quer dizer, muitas vezes fica calado na alma da gente, ne?
    Saudades dos bons tempos do Guilherme Arantes.
    Viajei...
    Beijão

    ResponderExcluir
  6. E o tal do patrulhamento!
    O maldito e hipócrita, "politicamente correto"!
    Gente que vive esprazeroza querendo dar conselhos de como ser feliz!

    Você "matou a pau"!

    Bjs.

    ResponderExcluir
  7. Guilherme Arantes é covardia, vai Rê!!!...rs
    Como a Zizi, nessa época já tinha filho nascido, mas a paquera era moda, flertar era mostrar interesse, e pegar na mão era uma conquista danada de boa - claro que sempre houve ousadia desde nossas bisavós, mas "no nosso tempo" tinha essa magia que hj os jovens pulam, queimando uma etapa, mesmo que sintam frio na barriga - ou borboletas no estômago...deu saudade...aff

    Ótima semana, queridona!
    Bjãozão!!

    ResponderExcluir
  8. Regina, no "meu tempo"(anos 60),isto não se resumia apenas às festas juninas, mas às festinhas de paróquia, dia de são-sei-lá-quem ou de nossa-senhora-de-alguma-coisa, que sempre culminava com uma quermesse com as barraquinhas, amendoim torrado e o sistema de som, com as tais dedicatórias: "Para fulaninha, alguém, com muito amor e carinho, lhe dedica esta música:". E lá vinha Roberto Carlos, cantando "Detalhes"...
    Good times...
    Valeu pelas lembranças!

    ResponderExcluir
  9. Ola Regina,
    Lindo post, linda música.
    Confesso que fiquei pensando bastante em tudo o que escreveu... Eu acho que além da tecnologia, as pessoas perderam totalmente a sensibilidade em falar de sentimentos... Tem pessoas que tem uma dificuldade enorme de dizer que gosta da outra... Como se aquilo fosse lhe arrancar um pedaço... Deixam as feridas do passado interferir no presente, sei lá, só sei que muitos e muitas não falam mais de bons sentimentos... Talvez pensem que perderão alguma coisa com isso.
    Um beijo, querida.

    ResponderExcluir
  10. Olá, RÊ!

    Confesso que não conhecia esta forma de alguém se declarar usando uma interposta pessoa para o fazer.
    E imagino que deveria ser jogo bem divertido; com palpites, apostas sobre "quem gosta de quem", ou não... mais a satisfação, ou decepção, que daí podia advir. Mas que a ideia é inteligente e prática, lá isso, é!
    Hoje, não sei bem como é; mas dá para perceber que as nova tecnologias parecem terem tornado tudo menos romântico, mais distante e impessoal... para satisfação e proveito das companhias de telefones...
    A canção é muito bonita, e com mensagem.Se o mundo não vai muito bem lá fora, porque não se há-de ser feliz?
    Gostei do tema:como nós vamos mudando, ou como nos fazem mudar sem que disso dêmos conta...
    Beijinhos amigos.Boa semana.
    Vitor

    ResponderExcluir
  11. oi Rê. viajei agora..
    quando eu estudava la pela 5° e 6° serie tinha correio musical na hora do recreio rsrsrrs
    era super divertido, saiu ate casamento da época amigas que começaram a namorar com uma musica dedicada e acabou se casando...
    linda postagem realmente, é bom se lembrar de coisa boa...
    bjos e boa semana.

    ResponderExcluir
  12. Ai amiga que delicia aqueles tempos...
    Correio do amor...correio musical. Tudo tão puro. Eu nunca respondia, morria de vergonha...rsrrs boba neh?
    Tambem caipirinha lá do interior...
    Bjos achocolatados e uma linda semana pra ti

    ResponderExcluir
  13. - Rê, o Leonel e o Jar devem se lembrar do "RPM" das tardes de domingo, na praça central de Guaratinguetá, quando os alunos da escola de Sargentos da FAB, em uniforme de passeio, assistiam ao desfile das mocinhas "casadoiras", em círculos à volta da praça... Sinais e olhares - e ocasionalmente um recadinho escrito ou sussurrado - eram os mensageiros de Cupido, e às vezes evoluiam para um namoro que podia resultar em casamento... eu que o diga!
    - Usos que não voltam mais, infelizmente.
    - Abraços.

    ResponderExcluir
  14. Oi Regina,

    Essas músicas antigas mexem com a gente, né? Eu adoro ouvi-las, vira e mexe tocam na rádio (eu adoro rádio também, rs). Me trazem lembranças, me trazem o passado de volta. Algumas têm um gosto de uma coisa boa que ficou pra trás e não volta mais; outras lembram momentos tristes ou difíceis, mas que foram superados; outras fazem o coração bater mais forte, tanta carga de emoção que trazem junto com elas. Recordar é viver...rsrsr

    Beijo, querida

    Carla

    ResponderExcluir
  15. Lindo post amiga!
    Depois te mando notícias da Barbara.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  16. GUILHERME ARANTES..TODAS AMOOO..TENHO CDS DELE E ADORO AQUELA DELE CHEIA DE CHARME...ESSA QUE VOCE POSTOU AI MARAVILHOSA É UMA TELA DA JUVENTUDE....DA NOSSA JUVENTUDE ONDE TUDO ERA DESCOBERTAS ROMANTICAS PURAS ..SEM MALDADES...NOSSA JUVENTUDE FOI MARAVILHOSA ACHO QUE A ULTIMA HOJE É BONITO TAMBEM MAS TUDO MUITO SEM AMOR..SEM ENTREGA TUDO MUITO ROBOTICO ISSO ME ASSUSTA...SABE..NÃO VEJO MINHA FILHA NEM SOBRINHAS FALAREM DO TAL ROMANTISMO QUE COMPRATILHEI COM MINHAS AMIGAS ..AMIGAS DE ATE HOJE..COMO MINHA AMIGA NINIL...TEREZINHA,JÔ,MANTENHO CONTATO COM AMIGAS DE 35 ANOS ATRAS E ELAS FALAM O MESMO DOS FILHOS..CADE AS MUSICAS OS CORREIS MUSICAIS ..OS CORREIOS ELEGANTES...OS BEIJOS NAS MATINES COM AQUELE FRIOZINHO NA BARRIGA..HOJE TA UMA MISTURA ..BEIJA EU BEIJA ELE QUE BEIJA ELA QUE BEIJA ELE ELA ELE...E NA VERDADE NÃO BEIJOU FOI NINGUEM FOI MECANICO....EU AMO RELEMBRAR MINHA JUVENTUDE LA EU VIVI MEUS MELHORES MOMENTOS DE AMOR E RECORDO PELA VIDA TODA....E E MEU NAMORADO QUE HOJE AINDA É MEU MARIDO SRSRS E QUERO QUE CONTINEU PRA SEMPRE SENDO BJS BJS..
    OTILIA...
    BOA SEMANA QUERIDA RÊ

    ResponderExcluir


  17. e tinha ainda o correio elegante...em que passávamos a festa inteira tentando descobrir quem tinha sido o remetente...
    ai que saudade

    beijocas

    Loisane

    ResponderExcluir
  18. Regina: Adorei lindo texto há musicas antigas que recordam a nossa infância. vou estar ausente uns dias, no meu blog.silenciodosmeussonhos, estão explicados os motivos da minha ausência.
    Beijos
    Santa Cruz

    ResponderExcluir
  19. Xará querida do meu coração!
    E não é que eu tinha pensado a mesma coisa?..rsrs
    Adoro te ver balançando comigo. Sua presença é obrigatória viu?..rsrs
    Desculpa se deixei de comentar aqui um tantim.
    É a correria...mas nunca, nunquinha vou deixar de vir aqui!
    Imagina! Perder esse divã tão aconchegante?
    É ruim heim?..rsrs
    Beijãozão procê!!

    ResponderExcluir
  20. Rê, com que alegria a vi em meu blog. Quando mais gente de bem andando por lá, mais feliz eu fico! Também já tinha notado sua presença em outros blogs e não tardaria, certamente, o nosso encontro. Sabe, eu sou fã dos anos 80, principalmente das músicas. E Guilherme Arantes é um ícone dessa época! Tantas festinhas, nossa, que saudade desse tempo. Hoje você escuta tanta música ruim, não é? Mas mudando de Tchê pra Uai,sô!, então é mineira. Gente boníssima, certamente. O meu coração é de uma mineia, sabia? Pois é!
    Será sempre bem-vinda no meu blog e já vou colocá-la nos prediletos, seguidores, twitter (se tiveres) e tudo mais.

    Beijos grande!

    ResponderExcluir
  21. Lindo Rê!
    O desenho na areia, ficou do melhor.
    Bjs, afinal não sou só eu que tenho "coisas" guardadas no ... sótão! rsrrsrss

    ResponderExcluir
  22. Regina, quanta delicadeza. De repente me senti entrando numa festa e esperando a tão sonhada declaração. O silêncio esta tomando conta, mas ainda acredito naqueles amores declarados, passionais, que desconhecem as regras do jogo e se jogam. Muito lindo o texo.

    ResponderExcluir
  23. Gaúcho seja muiiiito bem-vindo! Puxa o tamborete, se sente no banco (ops no Divã)que o dedim de prosa só começou... Ah Gaúcho, intão seu coraçãozão é de uma mineirinha...Êita trem danadu de bauuuummm! Imagino a mistura bela que num deu... (tenho que puxar sardinha prá lata todinha rsrs).
    Agora, homi di D'US, como cê é novo aqui e eu aí, cê inda num sabe, mas dessas modernidades só messsmu os minunu amadu meu/nossos! TWITTER??? Tenho nauuummm...rsrs Mas como lhe disse, já TÔDENTRO do seu Penso, logo digito!
    Volte quando e sempre que puder, ficarei felizzz por dimaiiisss, sô!
    Beijuuss n.c.

    ResponderExcluir
  24. Aposto que vossa pessoa era das moçoilas que recebiam trocentas mensagens, né? E certamente ficava tora serelepe, com total razão.

    Viajei agora com Guilherme Arantes...

    Oh, levo ocê garradinha n'eu pra minha prosa com o que será ex e ocê pode estapear ele debaixo pra cima à vontade.

    Fia, seu divã é meu, sabia não? Dele levanto nunquinha...

    Beijooooooooooo!

    ResponderExcluir
  25. Rê,

    Retorno apenas para dizer que suas palavras são, para mim, uma das coisas mais bacanas que vou guardar. Porque, desde o começo, você me deu atenção e incentivo. Desde o começo, quando eu, insegura quanto aos meus textos e tudo mais, comecei a me lançar inexoravelmente nessa aventura de escrever; desde o começo você me incentivou e me deu atenção. Retorno apenas para deixar isso registrado, porque é de uma importância inigualável. Vejo-a como uma mulher forte, corajosa e... extremamente sensível. Seu exemplo é algo digno de ser seguido, sempre.
    Tenha-me como uma filha. Como uma amiga. Como uma fã. Como uma pessoa que a admira.

    OBRIGADA. Sem mais...

    Beijo enorme

    Carla

    ResponderExcluir
  26. Regina.

    Muito bom, correio, me lembrei das tranças, do frio, da quadrilha (que ainda era junina), eita nois, as quarenta saudosista, podemos até criar um blog com este titulo "Quarentonas Saudosistas" muito legal, ameiiii...

    Renata

    ResponderExcluir
  27. Músicas que nos fazem sempre lembrar de algo...

    Bjuxxx querida...

    ResponderExcluir
  28. Rêllou! Tô me esbaldando lá na roça, por isso não tenho passado por aqui. Estes dois dias que ficarei por aqui não serão suficientes para ler tudo, mas o farei com calma na semana que vem.
    Quanto à música, você buscou no fundo de um baú cheio de boas lembranças: outros tempos, mais ingênuos, mais românticos, muito mais 'eficientes' em matéria de amor, se é que me entende... Ô sodade! Beijos pra você, com carinho.

    ResponderExcluir
  29. Nossa, guria, como o Guilherme Arantes era bonitão heim! hehe

    Ah, tu acha que eu não vivi essas festinhas de colégio? Também sou membro da tribo do saudosismo, mas esteja certa de que a gurizada de hoje, do jeito deles, se divertem também... E têm lá seus lances legais, com loucuras no final e tudo!

    E saca só... Na minha cidade também tinha outra brincadeirinha - com status de paquera - era a prisão, hehe! O pessoal puxava alguém pelo braço e trancafiava atrás das grades, hehe, daí alguém teria que pagar lá uma mixaria como fiança pra tirar a pessoa da cadeia - um paquera, claro! Normalmente prendia-se as gurias mais bonitas! hehe

    Bem, de papo antigo já tá bom por hoje!

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  30. Êita que dilícia receber esse mininu-poeta aqui no nosso Divã. Tenho que agradecer a Si, a Memem, a Graça e todos os amados!!!
    Gostei desse tipo de aprisionamento rsrs Mas retornando para esse mundo ultra moderno, volte quando quiser, mas saiba que já tens um lugar reservadinho procê, guri, nesse divã.
    Beijuuss n.c.

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget