Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

MINISTÉRIO DA RÊ ADVERTE....


ADVERTÊNCIAS:   Essa postagem só deve ser lida para maiores na VIDA! É longa. Pode causar efeitos colaterais.

Ainda me impressiono com a dificuldade que muitas pessoas enfrentam diante de um diagnóstico, adoecimento e morte. Vivi isso bem recentemente. 
Alguns familiares e amigos preferiram fingir que nada estava acontecendo comigo e escolhiam conversar sobre qualquer coisa, menos de que realmente importava. Outros se afastaram como se estivesse carregando a peste. Não os recrimino. É, de fato, assunto delicado.
Em nossa cultura, procuramos visualizar a morte como algo impessoal e distante, exultando com notícias sobre novos medicamentos e recursos terapêuticos para prolongar mais e mais a vida. Sonhamos com o elixir da eterna juventude. Porém, ainda que nos iludamos com a idéia da imortalidade neste mundo de impermanência, a morte será sempre nossa mestra e companheira, da concepção até seu abraço final.
Em vez de fingir que ela só existe para os outros, melhor assumir a realidade: para os outros, o “outro” somos nós mesmos. Também temos Tânatos – a morte, na mitologia grega – como nosso constante companheiro.
A respeitada revista inglesa - The Economist – produziu e publicou relatório sobre a habitabilidade (liveability) nos diversos países, sob o título “A qualidade da morte – avaliação dos cuidados no final da vida em redor do mundo”. 
Habitabilidade é palavra utilizada para definir as condições de vida da população de uma determinada região. Adivinha qual posição o Brasil ocupou? Vergonhosamente o penúltimo lugar!
Poucos sabem que o índice Qualidade de morte existe e faz parte da conhecida e alardeada Qualidade de vida. Ele se refere ao que ocorre a um enfermo em fase terminal de sua doença e à sua família. Afinal, nem todos morrem subitamente e a vida persiste até que se estabeleça a morte cerebral. E a família é parte essencial desse processo. 
A qualidade de morte é avaliada pelas respostas positivas ou negativas às questões: 
  • é proporcionado um grau satisfatório de conforto físico, psicológico e espiritual para o enfermo e seus familiares? 
  • Suas dores são aliviadas adequadamente? 
  • Sua necessidade de mobilização lhe é proporcionada de forma satisfatória? 
  • Seus questionamentos e os de sua família são respondidos com veracidade, respeito e clareza? 
  • Seus medos e suas angústias são acolhidos, assim como os de seus familiares, sendo respeitados e trabalhados por profissionais devidamente preparados?
  • Se em razoável estado de lucidez, os desejos do enfermo são atendidos, somente com restrições absolutamente incontornáveis? Nessa mesma condição de razoável lucidez, suas vontades são respeitadas por todos?
  • Se desejar, ele recebe a assistência espiritual de um ministro ou agente religioso, estritamente dentro de sua crença?
  • Se manifestar que já não quer receber tratamentos e procedimentos que lhe são desconfortáveis, às vezes, extremamente dolorosos e, sobretudo, sabidamente ineficazes ou com remotíssima possibilidade de trazer reais benefícios, seu desejo será respeitado pela equipe médica e pelos familiares?
Desde o início do meu trabalho num hospital geral hasteio a bandeira da dignidade para o nascer tanto quanto para morrer. De nada adianta aplaudirmos e repassarmos os inúmeros emails – recheados de imagens e espiritualidade - recebidos, se não construirmos nossa prática com aqueles bem próximos de nós. Pude praticar com minha mãe e recentemente com meu “papito”. E posso assegurar que minha(s) irmã(s),meus sobrinhos e eu estamos mais confortáveis em nossa saudade.(RR) 
“Observar a morte em paz de um ser humano faz-nos lembrar uma estrela cadente. É uma entre milhões de luzes do céu imenso, que cintila por um breve momento para desaparecer para sempre na noite sem fim. Ser terapeuta de um paciente que agoniza é conscientizar-se da singularidade de cada indivíduo neste oceano imenso da humanidade. É uma tomada de consciência de nossa finitude, de nosso limitado período de vida. Poucos dentre nós vivem além dos setenta anos; ainda assim, nesse curto espaço de tempo, muitos dentre nós criam e vive uma biografia única e nós mesmos tecemos a trama da história humana”. (Dra. Elisabeth Kübler-Ross).  


quarta-feira, 29 de setembro de 2010

PÉTALA MININA-TERNURA...

 
Não sei contar o dia, a hora ou como chegou. Só sei que, um belo dia, uma tal Pétala Rosadinha veio parar no meu Divã. Pensei de imediato: é cada apelido que se dão nessa blogosfera!
Fui atrás, seguindo a trilha deixada por ela. E qual não foi minha surpresa, quando descubro uma Pétala Inquieta! Divã é lugar de inquietudes tanto quanto pétalas desfolhadas pela alma ou coração... Pronto!  Estava estabelecida a partilha. Pétala tem nome: MILENE. Derramando seu perfume, insistentemente, nomeei-lhe minina-ternura.
Mas a bichinha é tinhosa feito ela só... Com sua persistência nordestina, quer provar prá D’us e todo mundo seu lado agridoce de ser!
 
Não adianta. Comigo, por mais que insista na maquiagem azedinha, é seu lado doce que brilha e derrama.
Hoje é seu natal! O que dar-lhe de presente? Já fui tão presenteada por ela que idéias não tive. Só mesmo agradecer e pedir a ELE que continue a cobrir-lhe de bençãos... Diariamente, constantemente, para que ela possa perfumar, o mundo, com seu lado doce de ser! AMO VOCÊ DE VIVERRRRR... Minha Milene, Pétala Rosadinha, Inquieta minina-ternura,  Perfumadora de minh’alma, amada!!!

SEMEANDO...

O Semeador de Estrelas é uma estátua localizada em Kaunas, Lituânia. Durante o dia passa desapercebida.
                    
          Mas, quando a noite chega, a estátua justifica seu nome...

Que possamos enxergar para muito além daquilo que está diante dos nossos olhos, hoje e sempre! Que possamos semear a paz, o amor, respeito às diferenças, palavras benditas, solidariedade... E assim colhermos VIDA que vale a pena de ser vivida!

terça-feira, 28 de setembro de 2010

RECEITA PARA MULHER EMAGRECER!!!


Márcia Abobrinha é uma trabalhadora lá da Casa do Richard. Faz uma abobrinha em conserva, de comer ajoelhada, que mereceu seu apelido carinhoso. Reikiana -de mãos abençoadas- faz milagres com sua energia canalizada, seja de perto ou à distância. Nem preciso dizer como me ajudou nesses tempos... Acostumada e saudosa de minha alegria e bom humor que “enche a sala e eles gostam por demais”, sabendo que ando tristonha com minha exuberância toda (dia 30/09 já posso retomar minhas inas... YESSS!), me enviou essa receitinha prá ir adiantando o assunto. Uma coisa eu garanto: as bochechas tão magrinhas mesmo... de tanto rir!

Escolha o melhor programa:
1.    10 quilos em cinco dias.
2.    20 quilos em três dias (não amadoras).
3.    30 quilos em um dia! (só para profissionais).
 A mulher decidiu ligar para a empresa e experimentar a última moda para emagrecer, e pediu o primeiro pacote...
No dia seguinte tocaram a campainha pela manhã e, ao abrir, encontrou um jovem lindo, com o corpo todo sarado, num short esportivo justo que deixava ver todo seu equipamento de trabalho, com tênis esporte e um cartaz que dizia:
                                 “Se me alcançar, serei seu!”
A mulher começou a correr como desesperada por todo bairro até que o alcançou e fizeram o que tinham que fazer. Assim, durante cinco dias. Ao final dos cinco dias a mulher se pesou e havia perdido 10 kg.
Então ligou para a empresa e disse:
- Senhorita, desejo que me envie o pacote número 2. Quero perder 20 kg em três dias!
- Está certa senhora? Não é para amadores e nem cardíacos.
- Sim senhorita. Estou certa!
No dia seguinte, de madrugada, tocaram à sua porta e, ao abrir, encontrou um tipo escultural, tipo Brad Pitt, totalmente nu, exceto por seu tênis e um cartaz que dizia:
                       “Se me alcançar, serei seu!”
A mulher correu por toda a cidade até que o alcançou e fizeram amor como loucos. Por três dias... 20 kg a menos!
Então a mulher decidiu pedir o pacote número 3 para profissionais... Queria perder 30kg!
No dia seguinte tocaram à sua porta. Ela vestida muito sexy, pronta para a ação, abriu a porta e...
Deparou-se com um homem, de tênis e com um cartaz que dizia:
                           “Se te alcanço serás minha!”
 Acho que vi a tal Senhora correndo, agorinha, aqui pela minha rua. Tá magrinha mesmo!rsrs

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

POEIRA NO VENTO


Recebi, de um amigo amado , um email com fotos fantásticas. A música que tocava ele conhecia, mas não conseguindo identificá-la pediu ajuda aos amigos. Esse "adivinha" foi fácil para mim... Essa canção sei na alma há anos... Mesmo que em muitos momentos de minha vida preferiria não saber... desperdiçar nem um minuto, momento-sonho, pinga-gota do nada que é para sempre! Sou poeira no vento que sopra para além de mim... Carregada pela madrugada sou depósito e depositada. Em cada partícula dessa viagem alucinante tudo é fugaz... Menos você!

Eu fecho meus olhos
apenas por um momento
E o momento se foi
Todos os meus sonhos
passa diante dos olhos uma curiosidade
Poeira no vento
Tudo que eles são é poeira no vento

A mesma velha música
Apenas uma gota de água
Em um mar interminável (infinito)
Tudo o que fazemos
destroçando(esmigalhando) ao solo [cai em pedaços]
Embora nós nos recusamos a ver
Poeira no vento
Todos nós somos é poeira ao vento, ohh


Agora, não "espere ai!" / não desperdice o minuto
Nada dura para sempre
Apenas o céu e a terra..
Isso vai embora
E todo o seu dinheiro
Não comprará outro minuto
Poeira no vento
Tudo que somos é poeira no vento
Poeira no vento
Tudo é poeira no vento
o vento.

domingo, 26 de setembro de 2010

EXPLOSÃO DE EMOÇÃO E GRATIDÃO!!!


Foi aqui, nesse divã, que fui descobrindo, vagarosamente, um universo grandioso. 
Foi aqui que fui encontrando pessoas maravilhosas. Gente que, em seus diários virtuais, derrama em letras suas crenças, questões, angústias, ações, transformações, sentimentos vários de VIDA REAL!
Foi aqui que, descompassadamente, encontrei compasso. 
Foi aqui que de desencontros, faço encontros de almas afins.
É aqui que me encontro, para em grito embriagado de emoção repetir: OBRIAGADA!
Minha gratidão - sem medidas possíveis - a cada um de vocês, amados meus, por estarem comigo. Estou em débito... Devo, não nego, e pagarei por todos os dias, em todas as estações de minha VIDA!
Seguimos adiante com o Divã nosso de cada dia... Muito caminhar nos aguarda. 

(Imagem tecida por alma irmiga, essência de amor de nome Denise!)

sábado, 25 de setembro de 2010

NOTÍCIAS DO ET...


Vou tentar me conter para contar. Após a cirurgia, o que foi retirado de minha mama foi enviado para exame anatomopatológico.  Quando me abriram, todos os amigos istas - que por acaso são meus médicos também – ficaram exultantes com o que viram. Aqui abro um parêntesis: minha experiência, num hospital geral, já havia me ensinado que, por mais modernos, atualizados que sejam os exames de imagem, somente quando se opera é que se tem a visão real seja do que for. Parêntesis fechado prossigo. Esse tempo de espera é terrível e tenho certeza que qualquer um aqui sabe do que estou falando: resposta da necessitada entrevista de emprego, exame de gravidez, vestibular, aprovação no mestrado, se está sendo correspondido (a) no amor que sente, enfim, qualquer anúncio que nos deixe em estado de graça. Não é fácil exercer, nesse momento, a tal lição da paciência e calma. As horas se transformam em dias e esses em semanas que se arrastam através de pensamentos nada positivos.
O telefone tocou interrompendo uma sessão (peço desculpas ao paciente) e a voz da secretária anuncia que o resultado chegara e agenda para aquele mesmo dia a conversa com o mastologista. Não pode me informar pelo telefone? Não! Cancelo minha agenda e sigo em frente.
Nada - nada mesmo - em minha vida já seguiu caminhos retos e fáceis. Escuto do mastologista que o resultado não fora conclusivo!  Divisão na equipe de patologistas assim descrita: “Presença de alguns focos de proliferação epitelial exuberante (ah minha exuberância se manifesta até aqui!) de difícil (viram?) diagnóstico diferencial entre hiperplasia ductal atípica (tecla SAP = nada) e carcinoma ductal in situ (o melhor Ca possível! E jamais vou entender que um câncer tenha uma forma bacana, melhor de ser!!!).
Sugeriu-se então, que o “caso” (euzinha) fosse revisto por outra equipe de patologistas, já que não houve consenso diagnóstico. Minha reação?  TAQUEOSPARIU!!! Nada, em tempo algum haverá de ter consenso? Facilidade? Não quero unanimidade, mas certo consenso, de vez em quando, é roupagem que agradaria.
Pego todo o material e encaminho para a outra equipe de patologistas seguindo as instruções dadas. Pois você sabe, né Regina, que cada diagnóstico desses requer uma intervenção terapêutica diferente. É mesmo? Não me diga! Não, não sei de nada... Como gostaria de, realmente, não saber nadica de nada!!!
Lá vou eu exercitar a tal da paciência e espera novamente, até o final desse mês... TAQUIOSPARIU!!! Mas, ao longo desse exercício, tomo uma decisão irrevogável que partilharei, oportunamente, com vocês.
Dez minutos antes de iniciar meus trabalhos, à noite, em mais uma quinta-feira de doação, o celular toca. Do outro lado a secretária - dos novos patologistas - avisa que a segunda opinião está sentenciada.
Desligo o telefone e me pergunto se conseguirei, nessa última quinta-feira, doar o melhor de mim. Não preciso informar - com palavras - nada para meus irmãos trabalhadores. Quando me dou conta, estou envolvida em LUZ e AMOR! Trabalho de uma maneira especial, e ouço de cada um - que recebeu a energia canalizada através de minhas mãos - um sincero obrigado e a gratidão de D’us lhe abençoe. Será que sou merecedora de ser abençoada? E todos os meus amigos, familiares, tantos amados que passaram ou estão passando , por essa estrada, não o seriam?  Continuo minha conversa com ELE, de uma maneira meio brava, meio revoltada, mas logo percebo que essas respostas não as obterei. Não agora.
Sigo na manhã seguinte, bem cedo, em direção à resposta conclusiva. Sou misto de ansiedade, calma e a certeza que “já está escrito”. 
Sento no meio-fio de uma das avenidas mais movimentadas para somente abrir o que já estava escrito. Olho todos os ipês exuberantemente floridos. Penso em cada amado meu que partilhou, orou, vibrou para e por mim. Lembro de Rosanes, Marias, Ângelas, Beneditas, Cristinas, Temas, Wilmas, Virnas, Graças, Salvadores, Simões, Felipes e tantos outros guerreiros. Respiro fundo mais uma vez. Leio: “Ausência de carcinoma in situ e/ou invasivo”.
Explodo em lágrimas de agradecimento. Grito, olhando para meu céu de brigadeiro, OBRIAGADA PAI! As pessoas passam por mim assustadas, penalizadas e somente uma se agacha e me envolve num abraço. Rimos sem dizer palavra sequer. Confusa penso ser um anjo de asas invisíveis que ELE me enviou! Agradeço mentalmente. Ela segue em frente e eu ligo para alguns amados para partilhar a benção.
Levanto e, em tempo, explodo na certeza que minha missão há de prosseguir. Explodo como a primavera que iniciou e a lua cheia que, mais uma vez, traz ,para bem perto, meu gato selvagem. (RR)

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

EUDAIMONIA

Se temos particularidades em nós é porque há também alguma particularidade em nossas finalidades. Algo de exclusivo. E, se temos todos algo em comum ou essencial, é porque há algo em nossas finalidades que justifica esta comunhão: a finalidade comum a todos nós. E esta é o bem supremo. Aquele em função do qual todos os esforços, todas as estratégias, todas as práticas podem ter algum valor. E esse bem supremo é a felicidade. Que os gregos nomeavam eudaimonia.
Bem supremo. Soberano. A finalidade última. Aquilo que não é meio para nada porque já é o máximo que se pode pretender. É vida que vale por ela mesma. Que esgota nela mesma sua razão de ser. Um final de semana feliz para você!

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

LULLABY


Essa semana tenho vivido grandes emoções. Será que emoção tem tamanho? Penso que tem cor, cheiro, intensidade... Mas tamanho? Hoje afirmo que sim. Quando ela preenche cada pedacinho de nossa essência, dispara o coração em ritmo de alegria, e nos faz sorrir, tem que ser grande! Hoje tinha uma outra postagem... Hoje, quinta-feira, é dia que "trabalho" lá na Casa do Richard. Tinha que ser hoje para receber esse presente!
Alex is my “beloved” English teacher. Special. Unique. Nossas aulas (conversação) são invariavelmente cheias de tudo: ecologia, esoterismo, religião, fé, literatura, filmes, shows, boates, viagens, consultoria tecnológica, blog, papo cabeça, papo furado... Tudo costurado com alegria, tristeza, lágrimas, risadas, enfim emoção. Alex é o mesmo que, no final do ano, bateu boca comigo.  
Quando lhe disse do tamanho do meu desejo de ter um vídeo com as músicas Healing na voz da Debbie e também a dos Anjos (que ele já está quase careca de saber como eu adoro anjos e que tenho um muito especial) ele me disse que poderia fazer. Não, ele não é um profissional na arte dos vídeos. É um profissional GENTE! 
Isso faz alguns meses. Vocês sabem que tudo tem o seu tempo e sua hora. Hoje chegou a hora dos Anjos! E são através deles que quero hoje doar meu amor por cada um de vocês... Amados meus, amigos pelos quais sou viciada e que não abro mão. É enviando Michael à sua esquerda, Uriel à sua direita, Gabriel atrás e Rafael  à frente para protegê-los diariamente e Shechinah(Presença Divina) acima para abençoá-los, que confirmo: SOMOS UM!


quarta-feira, 22 de setembro de 2010

SEM PALAVRAS...APENAS UMA!

Sempre escrevi, aqui, do meu encantamento com essa blogosfera. Sempre afirmei como esse espaço nos liga formando uma rede maravilhosa. Sempre tive o privilégio de ler, aprender, conhecer -coisas antes inimagináveis por mim- com cada amado meu. Sempre alimentei minha esperança no Homem ao ver lutas enfrentadas, campanhas criadas, guerras travadas por um mundo melhor! Não nos faltam batalhas. De todos os tipos... De todas as cores... Sempre constatei a força do bem gerada e frutificada. É tempo de despertar!
Sempre partilhei com vocês o meu respeito em relação a qualquer crença, religião, doutrina ou prática que nos conecte a uma FORÇA MAIOR. Sempre confirmei também, minha visão de que religião é diferente de Fé. E que tenho uma Fé que só faz crescer a cada segundo de minha vida.
Recebemos inúmeras mensagens, lindas, de que nada acontece por acaso, de que todos que entram em nossas vidas têm uma razão de ser, que cada um de nós tem uma missão, que estamos todos conectados, que não existem coincidências, entre outros tantos alertas.
Se retornarmos um pouco na história, podemos verificar que as pessoas criaram a tecnologia para melhorar sua capacidade de funcionar e de ficar confortável no mundo. No início foram simples terrinas para guardar nossa comida e ferramentas para cavar a terra, depois casas e construções mais sofisticadas. Para criá-las extraímos minérios da terra e os transformamos nas coisas que a nossa mente criava.
Queríamos viajar com mais eficiência, de modo que inventamos a roda e então os veículos de vários tipos. Queríamos voar, fizemos os aviões. Queríamos nos comunicar mais rapidamente, através de grandes distâncias, sempre que desejássemos, então inventamos o telégrafo, o telefone. A radiofonia e a televisão, para vermos o que acontecia em outro lugar. E aí a internet.
Será que não inventamos a tecnologia porque queríamos atingir outros lugares e fazer contato com mais pessoas, e o nosso coração sabia que isso era possível?  Será que a tecnologia não foi sempre um degrau para aquilo que podemos fazer nós mesmos, aquilo que sabíamos ser nosso direito de nascença? Será que o verdadeiro papel da tecnologia não tem sido ajudar-nos a construir a certeza de que podemos nós mesmos fazer todas essas coisas, com o nosso poder interior?
Será que não foi isso que aconteceu ontem? Usar o verdadeiro potencial do nosso campo-da-prece, adaptando essa tecnologia para simplesmente amplificar esse campo? E assim materializar tudo o que precisamos ou queremos fazer?
Foi isso que aconteceu ontem, que pode acontecer hoje e amanhã! Sem palavras... Apenas uma: OBRIAGADA!
Sejam muito bem-vindos todos aqueles que chegaram no nosso Divã pela primeira vez.

P.S: A todos que quiserem linkar o “Doe palavras” em seus blogues, permanentemente, os pacientes do Hospital Mário Penna agradecem. É um "selinho" de VIDA e pela VIDA!

terça-feira, 21 de setembro de 2010

DOE PALAVRAS...

"Tudo começou com um espaço – precário e improvisado – que o governo do Estado  de Minas Gerais destinava a pacientes em estado terminal de câncer.
O local era chamado de “depósito”, porque ali os internos só esperavam a morte, não tinham esperança. Era fechado às seis horas da tarde e reaberto ao amanhecer, para a retirada dos corpos das pessoas que haviam morrido durante a noite, sem nenhuma assistência.
O Instituto Mário Penna buscou na sensibilidade humana a força para seguir em frente. Se, no início, o trabalho baseava-se em algumas pessoas, que começaram a visitar os doentes e sair às ruas, com um álbum de fotos dos pacientes, procurando ajuda para salvar vidas, hoje ela é referência nacional no tratamento oncológico." (www.mariopenna.org.br)
Recebi essa dica preciosa de um amadíssimo, amigo querido, psiquiatra competente, ser sensível de nome chique: Leonard. Para mim, simplesmente, Leo! Obriagada!!!
O Hospital Mário Penna, de Belo Horizonte, que cuida de doentes com câncer,  lançou um projeto para lá de sensacional. É o Doe Palavras. Fácil, rápido e  todo mundo pode participar.  Basta acessar o site www.doepalavras.com.br e escrever uma mensagem. Sua frase aparece no telão enquanto os pacientes se tratam. Enquanto fazem químio, podem ler o que escrevemos para eles. Por que você não experimenta?! Não custa nada... só um segundo do nosso tempo. Assim, convoco cada um de vocês, amados meus, de cada cantinho desse Brasil, Portugal, Argentina, EUA, Canadá e todos os lugares dessa blogosfera maravilhosa, para que derramem palavras... Palavras-poesia, palavras-humor, palavras-fé, palavras-amor, palavras-doação! Conseguem imaginar que maravilha recebê-las? Como essa hora, para eles, vai passar rapidim? E para nós estabelecer pontes de ENERGIA-LUZ-AMOROSA?
Eu estou doando.... É um trabalho de formiguinha... Vamos lá? Taí... só um clique e uma frase sem complicação! Amo vocês de viverrrr!!! E claro, o meu OBRIAGADA!



segunda-feira, 20 de setembro de 2010

VINTE E POUCOS ANOS...

Sábado à noite. Depois de um jantar em família nada melhor que sair com a galera,  ir prá balada e usufruir tudo aquilo que é de direito nos vinte e poucos anos.
Quando chega ao carro, uma sensação terrível: vidro quebrado e estilhaçado no banco do carona. O som não fora roubado, mas a mochila que, displicentemente, deixou no banco traseiro implorando por mãos hábeis sim. Livros emprestados da biblioteca da universidade, agenda, cadernos, uma muda de roupa, molho de chaves, pen drive, carteira com todos os documentos e o dinheiro suado e orgulhosamente ganho no último trabalho de garçom universitário! É, quando se tem vinte e poucos anos precisamos bem mais do que a carteira de identidade para confirmamos o tanto que já crescemos e o quanto independentes acreditamos que somos. Carteira de estudante, de motorista, CPF, título de eleitor – para eleições só em outubro –, cartão universitário do banco e documento do carro. Carro do pai diga-se de passagem. Não, ele não é um filhinho de papai! Posso afirmar sem ser de passagem.
Quem já passou por essa experiência sabe que é uma chateação só. Ir fazer o B.O., cancelar o cartão bancário, avisar o clube dos diretores lojistas, tirar segunda via de todos os perdidos, ganhar aquela bronca do pai que tinha cansado de avisar para não deixar a mochila dando sopa (aff esses pais...) e enxergar o olhar silencioso e solidário da mãe, que já passou por essas e  muitas outras.
Nem preciso dizer que a balada foi pro saco, como eles falam. Que a irmã ficou tão chateada por ele, que ousou xamegâ-lo em silêncio, lado a lado. Que o papai em sua função paterna, lei necessária, não moveu uma palha sequer para que assim a cria “aprendesse a lição”.
Acordo cedo no domingo. Mamãe leoa vai à caça de emails - já recebidos  - com informações bacanas para minimizar o estrago. Ligo para as amigas, coloco as novidades em dia e peço um S.O.S dramático para a cria. Depois de deixá-lo dormir até tarde (para recuperar a energia perdida na noite anterior) acho que já é hora de acordar e tomar as providências devidas. Afinal, é vida que segue!
Com aquela cara de quem não quer se separar dos braços de Morfeu, me diz:
- Mãe, sete e meia da manhã um moço me ligou prá dizer que tá com as minhas coisas.
- Como assim????
- É um porteiro que chegando hoje no trabalho, encontrou minhas coisas nas escadas do prédio.
- Graças a D'us! Que maravilha! Ainda bem que ainda existem pessoas boas nesse mundão de D'us! Vamos agradecer ao Pai! Peraí... 
Respiro fundo, fundo mesmo e num estilo zen-Regina de ser pergunto:
 E você voltou a dormir??? Não foi buscar??? Não avisou nem seu pai, nem sua mãe, nem tios, primo (que saiu pelas ruas afora à procura de...)????
-!!!???!!! Ele fica no trabalho até as 18hs... É só meio-dia mãããe...
-!!!???!!! Troca de roupa já... Agora... Just now... Antes que... antes que...
Nada, nada mesmo como ter vinte e poucos anos!(RR)

Abaixo informações que recebi por email e que não tive a oportunidade -Graças a D’us!- de utilizar: (Ju e Syl, amadas minhas, OBRIAGADA!)
 BOLETIM DE OCORRÊNCIA
"Acho que grande parte da população não sabe, principalmente por falta de divulgação através da mídia. Segundo a Lei 3.051/98 temos o direito de, em caso de roubo ou furto, mediante a apresentação do Boletim de Ocorrência, gratuidade na emissão da segunda Via de documentos tais como: Habilitação (que custaria R$ 73,00), Identidade (R$ 23,00) e Licenciamento Anual de Veículo (que tem valor variado). 
Para conseguir a gratuidade da Habilitação e do Licenciamento do Veículo e da Identidade, basta levar uma cópia (não precisa ser autenticada) e o original do Boletim de Ocorrência ao Detran . (Refiro-me ao Estado do Rio de Janeiro).
Não acredite que o registro da ocorrência seja só para engordar as falsas estatísticas do Poder Público. O registro serve para nos beneficiar. Estou passando esta mensagem porque acho que deveríamos conhecer nossos direitos, uma vez que ao sermos lesados, não tenhamos ainda que pagar pelas taxas abusivas das segundas vias.Por favor, repassem esta mensagem ao maior número de pessoas que puderem, pois devemos fazer valer nossos direitos.
P.S.: Serve para todos os brasileiros, no BRASIL todo." 
E ainda o site abaixo:
Serviço dos cartórios de todo o Brasil, que permite solicitar documentos via internet:

       

Ocorreu um erro neste gadget