Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

quinta-feira, 18 de março de 2010

EXECUTIVA BEM SUCEDIDA

Foi tudo muito rápido. A executiva bem-sucedida sentiu uma pontada no peito, vacilou, cambaleou.. Deu um gemido e apagou.. Quando voltou a abrir os olhos, viu-se diante de um imenso Portal. Ainda meio zonza, atravessou-o e viu uma miríade de pessoas.Todas vestindo cândidos camisolões e caminhando despreocupadas. Sem entender bem o que estava acontecendo, a executiva bem-sucedida abordou um dos passantes:
- Enfermeiro, eu preciso voltar urgente para o meu escritório, porque tenho um meeting importantíssimo. Aliás, acho que fui trazida para cá por engano, porque meu convênio médico é classe A, e isto aqui está me parecendo mais um pronto-socorro. Onde é que nós estamos?
- No céu.
- No céu?...
- É.
- Tipo assim... o céu, CÉU...! Aquele com querubins voando e coisas do gênero?
- Certamente. Aqui todos vivemos em estado de gozo permanente.
Apesar das óbvias evidências nenhuma poluição, todo mundo sorrindo, ninguém usando telefone celular, a executiva bem-sucedida custou um pouco a admitir que havia mesmo apitado na curva. Tentou então o plano B: convencer o interlocutor, por meio das infalíveis técnicas avançadas de negociação, de que aquela situação era inaceitável. Porque, ponderou, dali a uma semana ela iria receber o bônus anual, além de estar fortemente cotada para assumir a posição de presidente do conselho de administração da empresa.
E foi aí que o interlocutor sugeriu:
- Talvez seja melhor você conversar com Pedro, o síndico.
- É? E como é que eu marco uma audiência? Ele tem secretária?
- Não, não. Basta estalar os dedos e ele aparece.
- Assim? (...)
- Pois não?
A executiva bem-sucedida quase desaba da nuvem. À sua frente, imponente, segurando uma chave que mais parecia um martelo, estava o próprio Pedro.
Mas, a executiva havia feito um curso intensivo de approach para situações inesperadas e reagiu rapidinho:
- Bom dia. Muito prazer. Belas sandálias. Eu sou uma executiva bem-sucedida e...
- Executiva... Que palavra estranha. De que século você veio?
- Do 21. O distinto vai me dizer que não conhece o termo 'executiva'?
- Já ouvi falar. Mas não é do meu tempo.
Foi então que a executiva bem-sucedida teve um insight. A máxima autoridade ali no paraíso aparentava ser um zero à esquerda em modernas técnicas de gestão empresarial. Logo, com seu brilhante currículo tecnocrático, a executiva poderia rapidamente assumir uma posição hierárquica, por assim dizer, celestial ali na organização.
- Sabe, meu caro Pedro. Se você me permite, eu gostaria de lhe fazer uma proposta. Basta olhar para esse povo todo aí, só batendo papo e andando a toa, para perceber que aqui no Paraíso há enormes oportunidades para dar um upgrade na produtividade sistêmica.
- É mesmo?
- Pode acreditar, porque tenho PHD em reengenharia. Por exemplo, não vejo ninguém usando crachá. Como é que a gente sabe quem é quem aqui, e quem faz o quê?
- Ah, não sabemos.
- Entendeu o meu ponto? Sem controle, há dispersão. E dispersão gera desmotivação. Com o tempo isto aqui vai acabar virando uma anarquia. Mas nós dois podemos consertar tudo isso rapidinho implementando um simples programa de targets individuais e avaliação de performance.
- Que interessante...
- É claro que, antes de tudo, precisaríamos de uma hierarquização e um organograma funcional, nada que dinâmicas de grupo e avaliações de perfis psicológicos não consigam resolver.
- !!!...???...!!!...???...!!!
- Aí, contrataríamos uma consultoria especializada para nos ajudar a definir as estratégias operacionais e estabeleceríamos algumas metas factíveis de leverage, maximizando, dessa forma, o retorno do investimento do Grande Acionista... Ele existe, certo?
- Sobre todas as coisas.
- Ótimo. O passo seguinte seria partir para um downsizing progressivo, encontrar sinergias high-tech, redigir manuais de procedimento, definir o marketing mix e investir no desenvolvimento de produtos alternativos de alto valor agregado.. O mercado telestérico, por exemplo, me parece extremamente atrativo.
- Incrível!
- É óbvio que, para conseguir tudo isso, nós dois teremos que nomear um board de altíssimo nível. Com um pacote de remuneração atraente, é claro. Coisa assim de salário de seis dígitos e todos os fringe benefits e mordomias de praxe. Porque, agora falando de colega para colega, tenho certeza de que você vai concordar comigo, Pedro. O desafio que temos pela frente vai resultar em um Turnaround radical..
- Impressionante!
- Isso significa que podemos partir para a implementação?
- Não. Significa que você terá um futuro brilhante... se for trabalhar com o nosso concorrente. Porque você acaba de descrever, exatamente, como funciona o Inferno...
(Publicado na Revista Exame – Max Gehringer)

13 comentários:

  1. Gostei e até tem muito de verdade, tanto se quer fazer coisas que se acaba complicando tudo :-)

    ResponderExcluir
  2. LIndo... Rê.

    Me lembra os sonhos que surgem quando entramos em análise. rsr


    beeejos, boa sexta!

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde (risossssssssssss)

    Amei, valeu para todo o dia ter vindo aqui, conheço umas pessoas assim.

    Beijo Renata

    ResponderExcluir
  4. Mas não é? Executiva doidona essa... Imagine: ficar à toa o dia inteiro, podendo escolher o que desejamos fazer, zanzando por onde quisermos e tendo um Grande Acionista tomando conta de nós, cuidando da parte chata e ainda nos amando incondicionalmente... Tem gente que é feliz e não sabe(rsrsrs)... Simplificar é preciso! Bjs, Angela

    ResponderExcluir
  5. Oi, amada Rê!

    Pois é amiga, o texto (com o qual me identifiquei) revela a realidade de muitas pessoas.

    EU JÁ FUI ASSIM!!!...sabia?

    É...durante anos assumindo responsabilidades e desafios cada vez maiores, perseguindo metas e resultados embutidos numa cobrança quase desumana! E o pior...os subordinados (misericórdia!)...motivá-los e cuidar para que não "pirassem" junto comigo...rss

    Há 3 anos tive um problema pessoal que me levou à depressão...mesmo mal, sem conseguir me segurar nas próprias pernas, eu não desistia...continuava no mesmo ritmo profissional, imaginando que a depressão não existia e que eu, com a minha síndrome de "Mulher Maravilha" daria conta do recado.

    Claro que não dei conta de recado nenhum...caí (literalmente) e foi muito difícil levantar!
    Só levantei com medicação e terapia...e este processo me ver ver o mundo de outra forma!

    Hoje vivo de maneira completamente diferente...já dei "alta" pra minha terapeuta...rssss...e estou até me preparando para me aposentar (coisa que sempre imaginei impossível) e curtir a vida...fazer tudo que não fiz, entende?

    Pra variar me empolguei e falei demais...eu os meus relatórios...rssssss

    Beijos, amada!!

    Lia♥

    liaks25.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Minina nesse naipe de clientes ,só ten tan tan só ten tan tan!Affmaria ki sôdade docê e ki vontade de por ti nalisado ser,em mlual s´nó nois dois huhu eu curado ficariaaaaaaaaaaaaaa!

    afmariaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

    te amuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu

    ResponderExcluir
  7. O pior é observar, na prática, comportamentos tão semelhantes que acabam transformando o mundo em um protótipo do inferno. Aliás, inferno nem existe, é aqui mesmo!. Bjo!

    ResponderExcluir
  8. Olá Rê
    ehehehehe
    Essa executiva ia meter o Pedro em grandes trabalhos,... confuso demais para um local (dizem) tão calminho ! rsrsrs
    Beijão minha querida Amiga.
    .

    ResponderExcluir
  9. Querida amiga.

    Perfeito o texto
    A forma alegre com que ele semeia idéias,
    nos remete ao nosso modo de vida,
    onde para ganharmos mais,
    abrimos mão de famílias, alegrias, manhã de praia
    e tantas outras coisas que tornam a vida plena.

    Assim de repente acordamos,
    e vemos que perdemos o melhor da vida.

    Que teu coração seja sempre casa de alegria.

    ResponderExcluir
  10. Isa, amada!
    É como brinco em minhas palestras: se a gente pode complicar, prá quê simplificar?
    Beijuuss n.c.

    Minina, amada!
    Bem lembrado...tudo confuso que às vezes até Freud num dá conta rsrsrs
    Beijuuss n.c.

    Renatinha, moça linda de viverrr, amada!
    Fica longe desse povo...é friaaa rsrs
    Beijuuss n.c.

    Manuel, amigo, amado!
    É só rindo messssmo...
    Beijuuss n.c.



    Ângela, iluminada, amada!
    Tem gente que num sabe messssmo aproveitar as chances...e faz "escolhas" que até D'US duvida.
    Beijuuss n.c.

    ResponderExcluir
  11. Lia, lindona!
    Ainda bem que o verbo está no passado!!! A vida vai nos ensinando, e a gente aprende...de um jeito ou de outro! Aqui, popará com essa história de que falou dimaiiiisss, aqui naummmm tem disso não e eu adoro seus comentários, sua energia e empolgação.
    Beijuuss n.c. amada!

    Ricaaarrrdo amado meu!
    Quanta honra vc aqui me visitando!!! Nem sei o que eu teria que "curar" nessa alma iluminada...mas que teríamos sessões divinas, ah isso nós teríamos rsrs...
    Beijuuss n.c.

    Ah André, que tem esse pessoal que torna e transforma tudo num "inferno" lá isso tem, mas ainda bem que tem um povo quiném nóis, prá transformar em céu paradisíaco!
    Beijuuss n.c.

    Rui, amado!
    É vero...por isso o lugar dela é lá nos quintos dos infernos rsrs
    Beijuuss n.c.

    Eiii Aluisio, tava com saudades docê aqui!
    Realmente vale para refletirmos e mudarmos nossos valores, que andam meio tortos.
    Beijuuss n.c.

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget