Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

sábado, 12 de dezembro de 2009

DRUMMOND E PIPIRIPAU


Quando digo que essa história de blogueira tem me trazido presentes maravilhosos, só mesmo outros blogueiros para fazerem voz à minha fala. Pois estava eu respondendo, a um novo amigo do sul do Brasil, sobre presépios, e perguntando se ele conhecia o nosso belíssimo Presépio do Pipiripau, quando descobri, na internet, esse poema do nosso poeta maior. Não conhecia e me encantei... Quem nunca visitou o presépio deve ir ... Quem já o viu volta lá... Surpresa natalina igual, nem mesmo Papai Noel poderia me trazer!

"O Presépio do Pipiripau"

Os músicos tocam baixinho uma suave música fininha                
Que sobe prás estrelinhas
Do céu pintado de azul.
Gira e regira na praça
A eterna zanga-burrinha
– Tão engraçadinha
Olha a calma do pescador
Pescando sempre o mesmo peixe
Com o mesmo anzol.
Olha o barqueiro que não é Pedro...
Os meninos perfilados germânicos
Entram na igreja
E saem depressa
E tornam a entrar.
(E tornam a sair)
A atmosfera febril de trabalho
Ferreiros sapateiros mexendo
A calma das casas subindo a ladeira
Descendo a ladeira e os bichos
Cândidos bichos de papelão
Rodeando o menino Jesus que abençoa aquilo tudo!
Meus olhos mineiros namoram o presepe
e dizem alegres: Mas que bonito! Carlos Drummond de Andrade (sob o pseudônimo de Antônio Chrispim) Diário de Minas, 30 de janeiro de 1927.
O Museu de História Natural e Jardim Botânico (MHNJB) da UFMG guarda um importante tesouro da arte popular – o Presépio do Pipiripau. Criado ao longo do século XX, pelo artesão Raimundo Machado, sincroniza 586 figuras móveis, distribuídas por 45 cenas, que contam a história da vida e da morte de Jesus Cristo, costurada ao cotidiano de uma cidade, com sua variedade de artes e ofícios.
Fonte: Internet


6 comentários:

  1. Regis, na minha infância inteirinha, meus pais nos levava ao presépio no Instituto Agronômico, que agora acho q tem outro nome. E todo ano morria de medo dos trovões e relâmpagos. Tempo bom. Muito bom. Boa lembrança.
    bjins
    eidia
    http://www.oquevivipelomundo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Desculpe, mas pela manhã estava de saída, não pude concluir o meu pensamento.
    Eu sou professora e meu marido radialista. Desde 2007, quando resolvemos vir morar em Petrópolis, região serrana do Rio de Janeiro, que estamos desempregados. Vivemos no maior sufoco (rs), a coisa é tão séria que passamos semanas sem ter o que comer. Eu não me envergonho de dizer porque a culpa foi nossa, quando tivemos a infeliz idéia de estabelecer-nos numa cidade tão preconceituosa. Aqui não se faz amizades, eles não gostam de cariocas, dizem que temos fama de malandros e também não querem pessoas migrando para cá, daí dificultam tudo para nós. Enfim, isso é uma longa história que não cabe discutir agora. Mas a verdade é que para não "pirar", eu escrevo, escrevo, escrevo... e divulgar o meu blog é também uma forma de conversar com as pessoas, já que nem para ir embora daqui podemos, tamanha foi a enrascada que nos metemos ao sair do Rio. Além de divulgar o país que amo de paixão, é uma forma que encontrtei de passar o meu tempo porque pelo andar da carruagem, mês que vem essa sopa vai acabar, porque terei de vender o computador para pagar o próximo aluguel, se não pintar nenhum "bico" para fazer.
    Sou filha de professores, e às vezes tenho a impressão de que tudo que estudei até os dias de hoje não teve valor algum. Se tivesse condições, estaria num mestrado. Estaria com o meu projeto na rua, viajando por esse brasil a fora e colhendo histórias - é um sonho que penso nunca realizar, ainda mais diante de tantas dificuldades que passamos, falta de comida, de não ter o que vestir no frio. Um horror, parece uma provação, mas sei que vamos sair dessa. Com certeza. talvez por um milagre (rs), já que não nos dão oportunidade de mostrar a nossa capacidade.
    Fique com Deus, minha querida amiga. Por isso que digo ser a sua presença muito importante para mim.
    Beijo grandão !

    ResponderExcluir
  3. Ieda Amada
    Agora se chama Museu de História Natual e Jardim Botânico da UFMG...mas toooodo mundo continua se referindo ao local como Instituto Agronômico mesmo! Nome construído, nem indo no cartório muda rsrsrs.
    Beijuuss n.c.

    ResponderExcluir
  4. Silvana
    Posso imaginar todo seu sufoco...mas acredito em milagres, como o FAZER que vc tem feito! E acredito em Papai Noel tb!rsrsrs Tudo vai dar certo! Muita força!
    Beijuuss de LUZ n.c.

    ResponderExcluir
  5. Drummond é eterno
    Mesmo quando é Chrispim.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. É tão "maluco" ler comentários em postagens antigas...a-do-ro! Inda mais qdo é de um Bruxo, poeta e comandante de uma grande nave.
    Beijuuss, amado, n.a.

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget