Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

sábado, 15 de maio de 2010

COINCIDÊNCIA, ACASO, SINCRONICIDADE... "conclusão"

Carl Gustav Jung definiu sincronicidade como coincidência significativa de um estado psíquico com um ou vários fatos externos correspondentes; ocorrência entre eventos psíquicos e físicos. São acontecimentos coincidentes, no tempo e no espaço, que embora aparentemente inexplicáveis, estabelecem relações conexas do ponto de vista psicológico. Essa noção dada por Jung pode ser reconhecida como a “dinâmica interligação” entre a alma e o mundo material.
A vida assemelha-se a um fluxo multidimensional pelo qual as criações e criaturas estão passando no Universo. Vivemos interagindo, de forma invisível, com muitas outras realidades desconhecidas e ignoradas no mundo moderno. Se considerarmos que tanto a mente como a matéria fazem parte do mundo dos acontecimentos quânticos, nossos pensamentos (inclusive os inconscientes) e relacionamentos poderiam ser, em alguns casos, explicados pelas mesmas leis e padrões de comportamento que governam o mundo subatômico? Certamente, muitos de nós,  ainda não estão preparados para uma “revolução quântica”. Uma imensa dificuldade com que nos defrontamos é o - nosso velho conhecido - medo do desconhecido. Vigoroso, quase nos impede olhar, fazer contato, ouvir novas  e estranhas  idéias. A teoria quântica é revolucionária. Não deveríamos esquecer que a psicanálise também o foi. Sua história mostra o quanto ela provocou e ainda provoca resistências, críticas, medo, ataques dos mais diversos tipos e intensidades. Ela própria já mudou – na teoria e na técnica – desde sua criação. Somos nós que a transformamos, com nosso interesse pelo funcionamento da mente humana e com nossa prática clínica, em algo tão vivo e apaixonante. Nada vem do nada. Os caminhos renovadores quase sempre aparecem em nossa jornada evolutiva como possíveis “coincidências”, ou mesmo como acontecimentos ilógicos e enigmáticos. Na realidade são experiências, imprescindíveis, que atraímos e que se encaixam perfeitamente nas nossas necessidades de renovação interior. O despertar vem de um modo que nem imaginamos.
Coincidências, fenômenos sincronísticos, acaso, desígnios de D’US, seja qual for a denominação que utilizarmos, podem ter certeza de que tudo aquilo que nos acontece tem como objetivo profundo a renovação da alma e como propósito o bem comum.
Avançamos pelo Universo em conjunto harmônico com outros seres humanos. A orquestra cósmica da qual compartilhamos é muito mais ampla do que podemos imaginar, e cada um precisa dar sua cota de participação na sinfonia do mundo. Somos parte do Universo e ele é parte de nós!


OBS: Para aqueles que se interessarem sobre o assunto - física quântica - sugiro, para começar, os seguintes livros:

  • "Alice no país do Quantum" , como sub-titulo "A física quântica ao alcance de todos" - Autor: Robert Gilmore - Editora: Jorge Zahar Editor.

  • "O Ponto de Mutação" e "O Tao da Física" - Ambos do autor: Fritjot Capra 

15 comentários:

  1. Estava esperando pela conclusão e gostei do que li. Acredito - porque vivo essa realidade - na sincronicidade e nos propósitos dela. Interessante: tem uma passagem do evangelho de Jesus em que ele diz algo mais ou menos assim: 'não cai uma folha de uma árvore sem que o meu Pai o queira'. A aproximação entre ciência e fé vem ao seu tempo certo, pois hoje estamos preparados para isso.
    Meus repeitos a Sigmund Freud, que mudou o modo como nos vemos e buscamos nos entender, e à preciosa participação de Jung, que contribuiu significativamente, corajosamente, com o estudo da outra dimensão do homem, a espititualidade. Belo texto.
    Já li o Capra, vou ler Alice no país do quantum com toda certeza. Beijos

    ResponderExcluir
  2. O mudar e renovar cria em nós uma angústia é essa angústia que nós precisamos vencê-la para chegar a nossa Paz Interior. Bjus. Aprendi mais um pouquinho com vc. Viver é aprender sempre .

    ResponderExcluir
  3. Ângela, alma iluminada, amada!
    Vamo que vamo fazendo a nossa parte... Que bom que gostou (agora ando numa preocupação com isso rsrs, seres como vc e nosso amigo ZL me metem "mêda" rsrs são chics dimaiiiiissss) não poderia ser diferente daquilo que já conhece de mim!
    Beijuuss, iluminados, n.c.

    Mariza, mestra, amada!
    Quanto tempo... Obriagada por sua visita! Estava com sôdades docê! O aprendizado é troca, vc bem sabe... E como sempre digo, repito: sei nada naummmmm, sou aprendiz de aprendiz até morrer!
    Beijuuss n.c.

    ResponderExcluir
  4. Zé, amado!
    Nem vou responder a um PHD... Agora que aprendendo, sempre, é vero ah isso é! Independente da "catigoria acadêmica"...rsrs que "mêda" docê, sô!!!!
    Beijuuss n.c.

    ResponderExcluir
  5. Amadérrima das mentes curadora,em revolução quântica essa nossa,quase uma torão no cérebro causei hehehe!mas entendi essa à primeira vista amizade nossa,aff Maria,vamu montar e fundamentar um espírira centro???

    te aMO,PESSOA LINDA

    VIVA LA VIDA

    ResponderExcluir
  6. Olá RÊ!
    Como cheguei atrasado, tive que ir até ao poste anterior a fim de poder comentar este.Não é propriamente leitura levezinha, devo confessar,mas li com agrado; o tema é aliciante, e então,falar de coisa mais "sérias" de, quando em vez, também é necessário.E dada a forma como a Regina o apresenta, a nossa tarefa fica muito mais facilitada: Por mim, pode e deve continuar!
    Beijinhos; bom fim de semana!
    Vitor

    ResponderExcluir
  7. Ricarrrdo, amado!
    TÔFORA de Centro(s)Espírita(s)ou outro lugar qualquer que possa "engessar" a conexão. Tenho o maior respeito por todas as crenças, religiões, templos e afins. Espiritualidade é bem diferente de espiristismo, como religião de fé. Foi há 16 anos atrás, quando entrei para trabalhar num CTI de um hospital geral e vendo o que lá acontecia e acontece que corri atrás de "explicações científicas" rsrs Tive o prazer de conhecer Dra. Elizabete Kübler Ross e todo seu trabalho magnífico! Se interessar pode começar com a biografia dela, história FANTÁSTICA, que se chama "Roda da Vida". Na época comecei com um outro livro "Sobre a morte e o morrer" e não parei mais! Muita estrada tenho a percorrer e tentar apreender. De uma coisa esteja certo amado: torão, torção, pouco importa... é pura conexão... pura magia de viver a vida!!!!
    Beijuuss n.c.

    Vitor, amado!
    Te dei trabalho amigo... desculpe! Mas se de alguma maneira ficou um cadim mais facilitada, fico feliz. OBRIAGADA pelo incentivo!
    Beijuuss n.c.

    ResponderExcluir
  8. Olá Regina!

    Adorei o que li.
    Gostei muito do texto e vou ler sim os livros que sugeres, porque o tema me interessa muito.

    Um beijo enorme e bom domingo.

    ResponderExcluir
  9. Alma,amada!
    Com sua inquietude não tenho dúvidas que vai gostar da leitura. Fiquei muito feliz com sua visita! OBRIAGADA e volte mais.
    Beijuuss n.c. e um domingo iluminado e sem fronteiras para vc.

    ResponderExcluir
  10. - Mas há um detalhe nessa história – ele prosseguiu – algo que me faz pensar se não estamos mesmo vivendo em um mundo de ilusões. Lembra-se do Charax, meu amigo dos tempos de colégio?
    – O escritor? Claro, não foi ele quem nos convidou para um risoto? Era um domingo, se não me engano, você tinha contagem de estoque e não pudemos ir.
    – Isso mesmo. Costumamos almoçar uma vez por mês para não perder o contato. Na quinta passada ele ligou, sem saber que eu havia feito o mesmo e deixado uma mensagem em sua caixa postal exatamente uma hora antes.
    – E o que isso tem a ver? Você está falando de uma coincidência, Abel.
    – Coincidência uma ova, Thais! Jung chamou de sincronicidade, James Redfield explorou o conceito em A profecia celestina. Eu chamo de interação cósmica, mas o nome pouco importa. O que vale é a combinação dessas relações energéticas para que o acaso se torne fato. A ação ocorre, entende? Almoçamos juntos, eu e ele, porque partilhávamos de uma mesma necessidade.

    Trecho de 'O último mensageiro', reflexo de tudo que li nestes dois posts significativos. Nada faz parte do acaso, não é? Um grande beijo, amada almada!

    ResponderExcluir
  11. André, amado!
    Que bom sua visita e que tenha gostado... É difícil escrever, colocar palavras em assunto tão polêmico... ainda mais para mim que sou uma aprendiz de aprendiz, engatinhando... Mas não desisto e persisto na minha jornada. Por "coincidência" rsrs terminei de ler essa semana "O Segredo de Shambhala" (tb de James Redfield que li além da Profecia Celestina, A Décima Profecia) que na contra-capa diz: "Se vc mergulhar nesta aventura de coração e alma, descortinará uma nova visão de mundo. Se você se entregar a esta viagem, viverá uma experiência única, capaz de ampliar sua compreensão da vida".
    Beijuuss n.c. desse mensageiro

    ResponderExcluir
  12. Pesquisando sobre sincronicidade cheguei aqui.
    Muito bacana seu blog!
    E concordo com você, somos mesmo ondas de possibilidades.
    Abração

    ResponderExcluir
  13. Vavá, seja muito bem vindo! Quando voltar da roça ( onde a conexão é leeeeenta e só noturna) vou te visitar. Volte quando quiser, sempre haverá um espaço reservado, com amorosidade, procê.
    Beijuuss n.c.

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget