Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

sábado, 22 de maio de 2010

NA BELEZA DE UMA VIAGEM

Ah Anderson, amado meu, nosso, como pode estar tão perto, nessa ausência que se faz tão presente, em cada e todo instante? Ah Anderson, vem me abraçar, com seus braços abertos e escancarados me aninhar... Vem com sua voz me ninar e aí podermos voar, sem hora para voltar e nossa missão a todos levar. Tem horas, meu irmão amado, que precisamos aterrissar e aqui bem pertinho, de um jeito ficar e auxiliar. Vem... vem só um cadim, para o nosso lado estar... Com essas asas enormes, entrelaçadas no amor incondicional, temos tantos, aqui também, para abrigar! Vem... OBRIAGADA, mininu linduuu, por tudo que sempre, generosamente, me (nos) dá! AMO VOCÊ!!! 

"Após uma semana desgastante e de um ritmo literalmente estafante, com cerca de dezesseis horas totais de sono em cinco dias, cheguei a esta sexta-feira com um dos maiores desgastes físicos dos quais me recordo.
Mergulhei em sono profundo, quase que entorpecido pelo cansaço do avatar que me permite a locomoção por esta grande nave azul.
E enquanto este avatar mergulhava na inércia do necessário descanso, a consciência lúcida tornava a ser guia daquela que seria a viagem astral mais compensadora dos últimos dias, na freqüência onde a vida é real, onde as ilusões mundanas perdem a força, e o espírito, liberto, voa.
Mas desta vez, o vôo se descortinou em belezas intraduzíveis. Mãos invisíveis me tomaram e me guiaram a uma viagem rumo a um universo quântico paralelo de raríssima similaridade com elementos potencialmente análogos na terra.
O brilho, as cores, os odores, as sensações e encantamentos, numa viagem espiritual que durou dias inteiros dentro do que nossa limitada percepção corpórea ainda precisa entender como apenas algumas horas.
Mas também fui conduzido por essas mãos invisíveis, ao contraste da vida sublimada. Visitei regiões de intensa dor e morbidez, onde lágrimas eram o líquido que matava a sede, e o lodo, última alternativa para saciar de algum modo a fome.
E essas mãos invisíveis que me conduziram, eram anjos, os seus anjos.
Nas belezas sublimadas, por onde passávamos, o vôo era como uma melodia harmoniosa de instrumentos que meus ouvidos nunca perceberam em dimensão alguma. Nas tristezas de dor, por onde seguíamos, o vento de suas asas se transformava em brisa balsamizante que acalmava a aflição coletiva.
Estivemos em paragens de amor e de dor, de luz e de trevas, de lamento e gratidão, como se eles, seus anjos, desejassem me revelar o contraste da vida em varias dimensões, com a maior de todas as intensidades.
Em dado momento, pousamos a forma em belíssimo campo, e nos reunimos com outros, que pela mesma experiência passaram, quem sabe. E ali, começamos a ouvir as palavras daquele que me pareceu ser um humilde representante do Ancião dos dias:
“Só o Espírito da Inteligência Universal sabe o que vai no coração de cada Ser, e o galardão de luz correspondente a cada um. Carma ou Darma, o que importa é o que se faz baseado na luz, na busca da realização do melhor do Ser, sempre alicerçado na Consciência Cósmica. O Supremo sabe de todas as formas condensadas nos planos fenomênicos, mas é na essência espiritual que Ele lê as coisas que estão no coração da humanidade universal. As formas são mero jogo ilusório para o aperfeiçoamento das almas, mas a essência imperecível que anima as ações dos homens é o verdadeiro dinamizador do Amor. E quem está lúcido vê o véu da ilusão sobre as coisas, mas também vê além. Vê a Luz que não tem idade ou aparência brilhando bem no centro dos corações.E sabe que ali está a verdade de cada um. Aquele que é consciente do próprio espírito sabe que as aparências enganam muito e que o real só é percebido quando se sente o coração de alguém. E sabe que, dentro do Coração do Eterno, não há nada para esconder. Por vezes, os homens sobrepõem camadas e mais camadas de emoções obscuras sobre os seus próprios centros vitais. E o resultado disso aparece como dor. A cura está na Luz, sempre n’Ela! E quem está lúcido sabe que Ela é a Sua Grande Fiadora. Porque, diante da Luz, não há o que esconder. Quem é da Luz, busca a Luz. Nem mais nem menos.”
Antes de tornar ao corpo físico, fui conduzido à Casa de nosso querido e amado amigo Richard. Lá, no plano invisível, as limitações físicas não existem, e vasto salão abrigava dezenas de irmãos em momento de esclarecimento. Como quem chegasse de súbito no final de uma belíssima preleção, ouvi, e registrei as seguintes palavras:
“Quem verdadeiramente terá condições de dizer da dor que habita no coração dos homens? Quantas não serão as vezes em que lábios sorridentes estarão a ocultar grandes agonias interiores? Há pessoas sem vontade de viver, mesmo com tudo à mão. Outras se realizam em várias áreas da vida, menos no próprio coração. E há também aquelas que afogam as mágoas no álcool ou nas drogas. Em tudo isso está presente uma auto-estima baixa, nem sempre detectada. Uma baixa que vem da própria consciência, uma espécie de vazio espiritual. E isso não é inerente a cultos exteriores, mas tem vínculo com o Ser Real, o de dentro. Bloqueado por outras coisas, o coração não consegue perceber a ressonância do verdadeiro chamado, que acaba se tornando agonia interna, para despertar no ser a necessidade de que ele pare, e ouça. E não há nada no mundo físico que possa suprir o que só o espírito tem condições de absorver. Lutar contra isso, é mergulhar nos embates da ilusão, que um dia esgotará o ser, fazendo-o finalmente tomar consciência de que estes chamados contem causas de outras eras. Sem espírito e verdade, o coração sofre. É preciso algo mais... Um reencontro consigo mesmo, numa viagem interior ao centro do Amor e da Luz. Uma viagem de cura, interna, pela senda do próprio espírito, dentro do coração. E para isso, é preciso muita coragem. E força, para vencer a si mesmo. Esse resgate é uma iniciação espiritual no templo do Ser, é sua grande prova. Outros podem auxiliar nesse processo terapêutico, mas a realização é interna. E não se barganha com a Verdade. É necessária uma alquimia interna, para transmutar a dor em luz, e o vazio em amor. Do ferro velho do ego para o ouro precioso da consciência feliz e desperta. E só quem sabe o que se passa em cada coração é o Todo. E é n’Ele que está a cura real. E Ele está em tudo! Inclusive, no coração do Ser. A jornada real é sempre interna. E que há um chamado para o despertar da consciência, não para TER, mas, sim, para aprender a SER!”
E como diz um mestre muito querido, quem quer mais Luz, que seja Luz!
Paz e Luz!" (Anderson Coutinho)

8 comentários:

  1. Bom descanso e um fim de semana cheio de Luz
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. A viagem é uma das formas mais satisfatórias de introspecção .

    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Não consegui ler todo o texto porque é longo e também porque estou cansado e ainda porque também não estou virado para estas coisas de pensar...
    Desejo-te um bom repouso.

    ResponderExcluir
  4. Uma caminhada longa e sensitiva,nessa translúcida narrativa,desse encontro translúcido,amei amiga sensibilidade e sensorial textura essa de sussurro doído teu!

    te amu

    viva la vida

    ResponderExcluir
  5. Regina,
    Que o Eterno te envolva com Amor, e que um cântigo doce e suave possa ressoar nas paragens íntimas do seu espírito tão terno e belo. Estarei contigo nesta noite. Adormeça neste tempo e espaço, e segure minha mão. Paz e Luz!

    ResponderExcluir
  6. Isa, amada!
    Brigadim, viu? Vou "descansar" mas só esse final de semana carregando pedras (como dizemos por aqui)mas que ele está sendo ILUMINADO, ah isso tá!
    Beijuuss n.c.

    Manuel, amado!
    Nem te conto como elas são danadas de boas rsrs E como vc diz, é uma das formas mais bacanas de nos conhecermos...aqueles pedacinhos mais escondidos de nós mesmos.
    Beijuuss n.c.

    Luis, amado!
    Descanse, amigo, descanse muito e recupere suas energias.
    Beijuuss n.c.

    Ricarrrrdo, amado!
    Nem tinha dúvidas que, de viagem assim, você TÁDENTRO! AMO VC E SEU VIVER, QUE É PURA MAGIA!
    Beijuuss n.c.

    Anderson, amado, amadíssimo, SER DE LUZ... Vai me dar mais esse presente??? Minha mão segurou firme e num queria largar de jeito nenhum, de nenhum jeito. AMO VOCÊ, MEU IRMÃO, ILUMINADO... OBRIAGADA!!!! Sempre, todos os dias...
    Beijuuss nesse coração e nessa alma linda de puro AMOR.

    ResponderExcluir
  7. Olha Zé, esse mininu, como já escrevi de outra vez, não é desse planeta nauuuuummmm! São esses seres mais que únicos e raros, que de vez em quando, o HOMEM lá de cima manda aqui prá baixo, prá nós podermos crescer um cadim... PRIVILÉGIO!!!
    Beijuuss n.c.

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget