Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

segunda-feira, 31 de maio de 2010

SER...SENDO...SEREMOS...SER/ENOS

"Há momentos em que se sente liberado de seus próprios limites e imperfeições humanas.
Nesses instantes a gente se sente num pequeno canto, de um pequeno planeta, com o olhar fixo e maravilhado na beleza fria mas contudo profunda e emocionante do que é eterno e incompreensível.
A vida e a morte se fundem e não há nem evolução ou destino, apenas o SER". (Albert Einstein)
Cheguei mais tarde que o habitual. Na grande sala já havia pessoas aguardando. Richard estava sentado, quieto e entretido no seu canto de trabalho. Jogava no computador “paciência”. Estranhei. Diferente daquele homem que, em todos esses anos, é um anfitrião que recebe, a cada um, com abraços abertos e coração com coração, como sempre diz. Fui até ele, cumprimentei, e mal desgrudando os olhos do PC, respondeu que estava muito gripado. Estranhei. Fui para nossa sala de trabalho que além de já estar toda preparada para a noite que nos aguardava, estava lá D.Maria – aniversariante da semana - Godoy, Márcia Abobrinha. Recebo a notícia que Anderson também viria. Ao vivo e a cores? Pergunto estranhando... Logo se juntam a nós Marcos e Syl e novamente a notícia é dada. No silêncio das orações preparatórias já lhe agradeço por aceitar meu chamado. A noite foi transcorrendo numa calma, concentração, harmonia, energia e paz diferente. Estranhei. Enquanto estava sendo auxiliada por quatro mãos abençoadas (Márcia e Marcos: OBRIAGADA) ouço uma voz, inconfundível, distante. Aos poucos ela vai invadindo todo o meu ser. Dentro da sala ele chegou e num abraço, sem igual, acolheu minhas lágrimas de tamanha comoção. Ficamos assim, abraçados, ligados, conectados. Acalentou minha alma, aninhou meu coração e sussurrou palavras de amor incondicional em meus ouvidos. Não estranhei! O ambiente foi sendo invadido por suas orações. Ao som delas todos os seres de LUZ dançavam ao nosso redor. As cores variadas, brilhantes e intensas iluminavam para muito além daquela pequenina sala. Essa última quinta-feira foi “estranhamente” mágica. AMO/AMAMOS você: Anderson! Que suas asas continuem a auxiliá-lo em seus vôos e em suas missões.

domingo, 30 de maio de 2010

EU PEÇO SOMENTE O QUE EU PUDER DAR...

Porque hoje é domingo e semana que vem tem feriado... YESSSS!!!


Canção das Mulheres
"Que o outro saiba quando estou com medo, e me tome nos braços sem fazer perguntas demais.
Que o outro note quando preciso de silêncio e não vá embora batendo a porta, mas entenda que não o amarei menos porque estou quieta.
Que o outro aceite que me preocupo com ele e não se irrite com minha solicitude, e se ela for excessiva saiba me dizer isso com delicadeza ou bom humor.
Que o outro perceba minha fragilidade e não ria de mim, nem se aproveite disso.
Que se eu faço uma bobagem o outro goste um pouco mais de mim, porque também preciso poder fazer tolices tantas vezes.
Que se estou apenas cansada o outro não pense logo que estou nervosa, ou doente, ou agressiva, nem diga que reclamo demais.
Que o outro sinta quanto me doía a idéia da perda, e ouse ficar comigo um pouco - em lugar de voltar logo à sua vida.
Que se estou numa fase ruim o outro seja meu cúmplice, mas sem fazer alarde nem dizendo ''Olha que estou tendo muita paciência com você!''
Que quando sem querer eu digo uma coisa bem inadequada diante de mais pessoas, o outro não me exponha nem me ridicularize.
Que se eventualmente perco a paciência, perco a graça e perco a compostura, o outro ainda assim me ache linda e me admire.
Que o outro não me considere sempre disponível, sempre necessariamente compreensiva, mas me aceite quando não estou podendo ser nada disso.
Que, finalmente, o outro entenda que mesmo se às vezes me esforço, não sou, nem devo ser, a mulher-maravilha, mas apenas uma pessoa: vulnerável e forte, incapaz e gloriosa, assustada e audaciosa - uma mulher.” (Lya Luft)

sábado, 29 de maio de 2010

CAVALO SELADO SÓ PASSA UMA VEZ...

"Certa vez um camponês, cansado de trabalhar sol a sol para sustentar a sua família, foi consultar o sábio da aldeia.
- Mestre o que faço para melhorar de vida e ficar rico para sempre? Calmo e sereno, o sábio emendou:
- Durante nossa vida, aparecem uns cavalos selados. Tem vezes que aparece um só. Tem gente que monta e vai embora, tem gente que deixa passar, esperando outro, um melhor, quem sabe outro... E quando vê, perdeu o primeiro. O camponês entendeu o ensinamento e saiu à procura de um cavalo selado”.
Era 18h30minh dessa última segunda-feira quando meu celular tocou, e do outro lado ouvi a voz do meu sobrinho Maurício (Mau):
- Tia, posso falar?
- Pode rapidim...
- Tenho dois convites para ir, hoje, ao lançamento do último livro da Lya Luft. Evento fechado do SIDUSCON (Sindicato da Indústria de Construção Civil) às 20:30h. Quer ir? Lembrei-me de você e do quanto gosta dela. Te pego na sua casa às 20:00h.
- Não posso Mau... Ainda vou trabalhar.
Desliguei triste mesmo. Ele conhece a tia, e sabe como ela é apaixonada pelas Adélia, Cecília, Clarice, Cora, Hilda, Lygia, Lya e tantas outras. No dia seguinte, para completar, num outro telefonema me disse: Você perdeu... Ia adorar. Mas quando eu terminar de ler o livro, te empresto. Sobrinho bonzinho mesmo! Ontem tive que ir ao shopping comprar um presente e aproveitei para entrar numa livraria e, pelo menos, ver a cor/capa do meu cavalo selado - perdido - e dar uma lida em suas orelhas. Lya escreve:

“... Como raramente cumprimos esses mandados, já ao levantar de manhã nos acompanha a sensação de que algo está errado conosco: dúvida e frustração. Somos severos cobradores das nossas próprias ações. No esforço de realizar tarefas que talvez nem nos digam respeito, tememos olhar em torno e constatar que muita coisa falhou. Se falharmos, quem haverá de nos desculpar, de nos aceitar, onde nos encaixaremos, nesse universo de exitosos, bem-sucedidos, ricos e belos? Pois não se permite o erro, o fracasso, nesse ambiente perfeito. Duro dizer “amei torto”, ignorei meus filhos, falhei com minha parceira ou parceiro, votei errado, fracassei na profissão, não ajudei meu amigo, abandonei meus velhos pais e esqueci meus sonhos.” (Múltipla Escolha – Ed.Record/2010- R$32,00)
Acho que, para variar, além de traduzir a alma feminina, Lya andou lendo meu blog. Perdi, mesmo, a oportunidade de ver e ouvir essa escritora, amada, falar como se fosse só para mim, encomendado e na medida exata! O cavalo selado é uma boa metáfora para mostrar que quando estamos devidamente preparados, as oportunidades aparecem e temos que ser rápidos para percebê-las e aproveitá-las, mas com certeza esse cavalo não é único e nem tampouco raro. Usando de Lya: “Não queremos perder, nem deveríamos perder: saúde, pessoas, posição, dignidade ou confiança. Mas perder e ganhar faz parte do nosso processo de humanização.” 
(Lya Fett Luft (1938) é uma romancista, poetisa e tradutora brasileira. É também professora universitária e colunista da revista semanal Veja.)



sexta-feira, 28 de maio de 2010

CONSERVADA OU ENXUTA?

Estou descendo as escadas, depois de uma aula de "combat", quando ouço:
- Regininha - o diminutivo é carinho, pois se fosse pela altura, teria que ser Reginona - você está mesmo enxuta!
Olho para trás e vejo “Tio” Breno, meu professor. Educado e tímido do jeito que é, para soltar um elogio desses, deve ter precisado tomar mais que fôlego. Sorrio agradecendo e dizendo ser fruto do nosso trabalho. E que trabalho: Tem alguém aí???? Grita ele com suas mininas... Energia, energia, não me deixa sozinho! Fala quando uma de nós já está quase nocauteada. Imagina alguém que te irritou muiiito, mira bem e P-O-R-R-A-D-A, sugere com aqueles olhinhos azuis mais meigos. Vivi clama pelo colchonete, Li fica esperando o SAMU e eu - mais morta do que viva - digo quiném a Samira: ainda não tô nem suando... Só aguardando uma respiração boca-a-boca para ressuscitar! Mas no lugar de ser atacada pela Síndrome de T.M.A. (Tô Me Achando) veio a dúvida: enxuta é melhor que conservada? E continuando a descida dos degraus, com minha cabeça, alço vôos com o verbo enxugar: secar, tirar o(s) excesso(s), a(s) redundância, o(s) derramamento(s). Ainda estou, redundantemente, derramando meus excessos por vários locais do meu corpo. Nem adianta, porque o espelho aqui de casa não mente e cada uma de nós é que sabe de onde a gordura lhe salta! Contando a história para o “Tio” Cris, ele espera um pouquinho e quando nem me lembrava mais, pergunta:
- Regina, seu médico não lhe pediu para tomar mais água, não?
- Maiiiisss do que já tomo???? Por quê? (Pergunto já toda preocupada...)
- Porque você tá enxuta demais!
Queria saber, afinal, o que meu Aurélio dizia a respeito de tal elogio, ou melhor, adjetivo, e vejam só com o que me deparei: diz-se do indivíduo que não é gordo nem magro, que é bem conformado de corpo, ou bonito.
Ah, então estou no meio do caminho – nem gorda, nem magra - e bem conformada de corpo é o, popularmente chamado,  gostosona, boazuda. E para completar bonita! Síndrome de T.M.A. baixou, se instalou e desalojou para sempre a CONSERVADA! Sou simplesmente Regina... "Radicalmente Enxuta".

quinta-feira, 27 de maio de 2010

SENDO MIMADA DE JEITIM DIFERENTE...

Já escrevi aqui, mais de uma vez, que uma das coisas que mais me encanta nessa blogosfera gigantesca, são as pessoas que encontramos e as amizades que realmente vão se fazendo, crescendo e se fortalecendo. Desde que comecei - ano passado - nunca tinha imaginado que isso poderia acontecer... Tive meus motivos que vocês podem ler e até constatar que, naquela época nem imagens sabia colocar, entre outros recursos que venho aprendendo todos os dias. Recebi esse presente da maneira que também já escrevi aqui: sem ser uma data especial, no meio de uma semana mais que atropelada, carinhosamente, assim, sem mais nem menos, do Rike do blog http://hobbyblogclube.blogspot.com/ que vale a pena ir lá para conhecer. Damos boas risadas. Rike, mininu amado, OBRIAGADA por esse mimo inesperado e delicioso! Das suas palavras, não sei se sou merecedora... Mas guardo elas quiném tesouro, e nauuuummm devolvo não!  Abaixo está aquilo que, um carioca, escreveu de um jeitim bunitim dimaiiisss, prá essa mineira mais que dirritida!


                                                  "BLOGUEANDO: TÔ FORA TÔ DENTRO"


Em minhas navegações por mares nunca dantes navegados, tal qual Colombo quando "descobriu a América", avistei algo luminoso e colorido e bonito que me chamou atenção. Não pude resistir e então virei meu mouse graus à bombordo e teclei: "blog à viiistaaa!!!"
Totalmente preparado e armado de anti-vírus e anti-spaywares e anti-popups e cabreiro em relação à novidades, desembarquei neste blog e me senti um total e cansado idiota por carregar inutilmente tantos "antis" e "cabreirismos", pois fui muito bem recebido e ainda ganhei uma generosa dose de muito-bom-inteligente humor - algo que só quem está de bem com a vida pode proporcionar!
Fiquei encantadim com o jeito simplim de quem escreve assim tão legalzim!
Me senti meio que um Colombo embasbacado e fascinado diante de blog tão vivo e exuberante e carismático e rico, praticamente uma América!
Ê trem bão!
Aceitem minha sugestão e conheçam Tô Dentro Tô Fora (www.toforatodentro.blogspot.com), com certeza 'cês vão gosta um bocado dessa troca de blogocultura, sô!
Regina, saiba que, este blog aqui quando crescer, também quer ser igualzim a ocê!

P.S. Rike, mininu amado, você já é GRANDE!

quarta-feira, 26 de maio de 2010

VAI MUDAR ALGUMA COISA?


Recebemos um montão de piadas do Joãozinho... Essa, enviada pelo amigo JC, além de ainda não ter lido, vem bem a calhar nesse ano de eleições. Com os candidatos que se apresentam, só mesmo seguindo o conselho de outro amigo: VOTO NULO, JÁ! Minha filha, que já poderia votar, não quis tirar seu título de eleitor e exercer a tal cidadania. Motivo(s): "vai mudar alguma coisa?" pergunta a jovem adolescente, já desiludida com o que vê, lê e ouve sobre os políticos desse país! E a mãe... sem argumentação contrária, aquiesce e se cala diante de sua decisão.  

A professora pergunta na sala de aula: 
- Pedrinho qual a profissão de seu pai?
- Advogado, professora.
- E a do seu pai, Marianinha? 
- Engenheiro.
- E o seu, Aninha? 
- Ele é médico.
- E o seu pai, Joãozinho, o que faz?
- Ele... Ele é dançarino numa boate gay!
- Como assim? (pergunta a professora, surpresa) 
- Fessora, ele dança na boate vestido de mulher, com uma tanguinha minúscula de lantejoulas; os homens passam a mão nele e põe dinheiro no elástico da tanguinha e depois saem para fazer programa com ele.
A professora rapidamente dispensou toda a classe, menos o Joãozinho.
ELA CAMINHA ATÉ O GAROTO E NOVAMENTE PERGUNTA:
- Menino, o seu pai realmente faz isso?
- Não, fessora. Agora que a sala tá vazia, eu posso falar :
Ele é Deputado ..... Mas dá uma vergonha falar isso na frente dos outros !!!

terça-feira, 25 de maio de 2010

FESTA EM NOME DA PAZ


Adoro festas de rua. Sem cerimônia, todos "iguais" nos quesitos alegria, liberdade e quase tudo pode! Nesse último domingo participei com meus amigos, da 19a Festa de Rua, na Praça Estado de Israel onde se comemorou os 62 anos de independência desse país. O que me encanta, sempre, nessas festas é poder ouvir as músicas, ver as danças, degustar as comidas típicas de um local que não conhecemos ou se já, matarmos um pouco as saudades dos cheiros que exalam através de cada uma dessas manifestações artísticas. Fui com um grupo de amigos. Inesperadamente fomos abordados por um jornalista e fotógrafo do maior jornal local: o ESTADO DE MINAS. A festa estava cheia de autoridades (Governador do Estado, Prefeito de BH, Deputados, etc, estamos em ano de eleições por aqui!) e após responder à pergunta do jornalista e posar para uma foto junto aos amigos, nem imaginamos que sairíamos na reportagem. Não somos políticos, nem celebridades rsrs. Pois não é que, para nosso espanto, saimos ontem no jornal?  Coloco aí embaixo o link da reportagem, mas a nossa foto, no link, não vi não, só no jornal. Porém, minha declaração lá está. Nesse próximo final de semana vamos à Festa de Rua da Itália, delícia compartilhada com os amigos, entre um copo de vinho, uma massa, músicas românticas e claro a tarantella. Quando julho chegar tem a Festa de Rua da França, em comemoração à Queda Da Bastilha, e novamente lá estaremos. Fico pensando, como seria ótimo, se tivéssemos festas assim de todos os países do mundo... Confraternizando, conhecendo e minimizando  as diferenças, desfazendo preconceitos e vivendo todos em PAZ. Como dizem em hebraico: SHALOM!

segunda-feira, 24 de maio de 2010

SÓ POSSO SER EU... GENEROSAMENTE!


"Você não pode ser outra além de você mesma. Então relaxe!... A existência necessita de você, tal como você é. Amplie sua consciência e seja generosa com você e com a vida!" (OSHO)

  

domingo, 23 de maio de 2010

MERCADO CENTRAL

Qualquer amigo meu que vem a Beagá, pela primeira vez, levo sempre para conhecer o nosso Mercado Central que já tem 80 anos de vida! Lá, num espaço com mais de 14.000m2, você pode comprar, provar, conhecer um pedacinho de toda nossa Minas Gerais. São mais de 400 lojas com culinária local, típico artesanato, moda, verduras, legumes, frutas, animais, enfim de um tudo. Ele também é um point, para encontrar os amigos nos inúmeros bares e restaurantes onde degustamos famosos tira-gostos, acompanhados de uma cerveja gelada ou daquela pinguinha das boas. Claro que isso é acompanhado da boa prosa e dos causus que não tem fim. Uma delícia! É de domingo a domingo uma muvuca só, de gente de todos os tipos e jeitos. Pois não é que em pleno sábado (talvez um dos dias mais movimentados) 08/05, antes do domingo dia das mães, o povo que  estava fazendo suas compras foi surpreendido com uma apresentação inusitada? Tenho até que ir lá comprar uns maços de "cigarrim de paia". Prometi mandar para um amado meu que não encontra em sua cidade para comprar e degustar. O único problema é que, quando vou lá, fico horas e nem as vejo passar... Enquanto arrumo esse tempo, para lá me perder das horas e das obrigações, degustem um cadim dessa minha BEAGÁ, BELZONTE que eu amo de viverrrr. 

sábado, 22 de maio de 2010

NA BELEZA DE UMA VIAGEM

Ah Anderson, amado meu, nosso, como pode estar tão perto, nessa ausência que se faz tão presente, em cada e todo instante? Ah Anderson, vem me abraçar, com seus braços abertos e escancarados me aninhar... Vem com sua voz me ninar e aí podermos voar, sem hora para voltar e nossa missão a todos levar. Tem horas, meu irmão amado, que precisamos aterrissar e aqui bem pertinho, de um jeito ficar e auxiliar. Vem... vem só um cadim, para o nosso lado estar... Com essas asas enormes, entrelaçadas no amor incondicional, temos tantos, aqui também, para abrigar! Vem... OBRIAGADA, mininu linduuu, por tudo que sempre, generosamente, me (nos) dá! AMO VOCÊ!!! 

"Após uma semana desgastante e de um ritmo literalmente estafante, com cerca de dezesseis horas totais de sono em cinco dias, cheguei a esta sexta-feira com um dos maiores desgastes físicos dos quais me recordo.
Mergulhei em sono profundo, quase que entorpecido pelo cansaço do avatar que me permite a locomoção por esta grande nave azul.
E enquanto este avatar mergulhava na inércia do necessário descanso, a consciência lúcida tornava a ser guia daquela que seria a viagem astral mais compensadora dos últimos dias, na freqüência onde a vida é real, onde as ilusões mundanas perdem a força, e o espírito, liberto, voa.
Mas desta vez, o vôo se descortinou em belezas intraduzíveis. Mãos invisíveis me tomaram e me guiaram a uma viagem rumo a um universo quântico paralelo de raríssima similaridade com elementos potencialmente análogos na terra.
O brilho, as cores, os odores, as sensações e encantamentos, numa viagem espiritual que durou dias inteiros dentro do que nossa limitada percepção corpórea ainda precisa entender como apenas algumas horas.
Mas também fui conduzido por essas mãos invisíveis, ao contraste da vida sublimada. Visitei regiões de intensa dor e morbidez, onde lágrimas eram o líquido que matava a sede, e o lodo, última alternativa para saciar de algum modo a fome.
E essas mãos invisíveis que me conduziram, eram anjos, os seus anjos.
Nas belezas sublimadas, por onde passávamos, o vôo era como uma melodia harmoniosa de instrumentos que meus ouvidos nunca perceberam em dimensão alguma. Nas tristezas de dor, por onde seguíamos, o vento de suas asas se transformava em brisa balsamizante que acalmava a aflição coletiva.
Estivemos em paragens de amor e de dor, de luz e de trevas, de lamento e gratidão, como se eles, seus anjos, desejassem me revelar o contraste da vida em varias dimensões, com a maior de todas as intensidades.
Em dado momento, pousamos a forma em belíssimo campo, e nos reunimos com outros, que pela mesma experiência passaram, quem sabe. E ali, começamos a ouvir as palavras daquele que me pareceu ser um humilde representante do Ancião dos dias:
“Só o Espírito da Inteligência Universal sabe o que vai no coração de cada Ser, e o galardão de luz correspondente a cada um. Carma ou Darma, o que importa é o que se faz baseado na luz, na busca da realização do melhor do Ser, sempre alicerçado na Consciência Cósmica. O Supremo sabe de todas as formas condensadas nos planos fenomênicos, mas é na essência espiritual que Ele lê as coisas que estão no coração da humanidade universal. As formas são mero jogo ilusório para o aperfeiçoamento das almas, mas a essência imperecível que anima as ações dos homens é o verdadeiro dinamizador do Amor. E quem está lúcido vê o véu da ilusão sobre as coisas, mas também vê além. Vê a Luz que não tem idade ou aparência brilhando bem no centro dos corações.E sabe que ali está a verdade de cada um. Aquele que é consciente do próprio espírito sabe que as aparências enganam muito e que o real só é percebido quando se sente o coração de alguém. E sabe que, dentro do Coração do Eterno, não há nada para esconder. Por vezes, os homens sobrepõem camadas e mais camadas de emoções obscuras sobre os seus próprios centros vitais. E o resultado disso aparece como dor. A cura está na Luz, sempre n’Ela! E quem está lúcido sabe que Ela é a Sua Grande Fiadora. Porque, diante da Luz, não há o que esconder. Quem é da Luz, busca a Luz. Nem mais nem menos.”
Antes de tornar ao corpo físico, fui conduzido à Casa de nosso querido e amado amigo Richard. Lá, no plano invisível, as limitações físicas não existem, e vasto salão abrigava dezenas de irmãos em momento de esclarecimento. Como quem chegasse de súbito no final de uma belíssima preleção, ouvi, e registrei as seguintes palavras:
“Quem verdadeiramente terá condições de dizer da dor que habita no coração dos homens? Quantas não serão as vezes em que lábios sorridentes estarão a ocultar grandes agonias interiores? Há pessoas sem vontade de viver, mesmo com tudo à mão. Outras se realizam em várias áreas da vida, menos no próprio coração. E há também aquelas que afogam as mágoas no álcool ou nas drogas. Em tudo isso está presente uma auto-estima baixa, nem sempre detectada. Uma baixa que vem da própria consciência, uma espécie de vazio espiritual. E isso não é inerente a cultos exteriores, mas tem vínculo com o Ser Real, o de dentro. Bloqueado por outras coisas, o coração não consegue perceber a ressonância do verdadeiro chamado, que acaba se tornando agonia interna, para despertar no ser a necessidade de que ele pare, e ouça. E não há nada no mundo físico que possa suprir o que só o espírito tem condições de absorver. Lutar contra isso, é mergulhar nos embates da ilusão, que um dia esgotará o ser, fazendo-o finalmente tomar consciência de que estes chamados contem causas de outras eras. Sem espírito e verdade, o coração sofre. É preciso algo mais... Um reencontro consigo mesmo, numa viagem interior ao centro do Amor e da Luz. Uma viagem de cura, interna, pela senda do próprio espírito, dentro do coração. E para isso, é preciso muita coragem. E força, para vencer a si mesmo. Esse resgate é uma iniciação espiritual no templo do Ser, é sua grande prova. Outros podem auxiliar nesse processo terapêutico, mas a realização é interna. E não se barganha com a Verdade. É necessária uma alquimia interna, para transmutar a dor em luz, e o vazio em amor. Do ferro velho do ego para o ouro precioso da consciência feliz e desperta. E só quem sabe o que se passa em cada coração é o Todo. E é n’Ele que está a cura real. E Ele está em tudo! Inclusive, no coração do Ser. A jornada real é sempre interna. E que há um chamado para o despertar da consciência, não para TER, mas, sim, para aprender a SER!”
E como diz um mestre muito querido, quem quer mais Luz, que seja Luz!
Paz e Luz!" (Anderson Coutinho)

CUIDADOSO, MALUCO, GENTIL E SALVADOR!

Na sequência do intensamente cuidadosa, me lembrei dessa frase que está em zilhões de blogs: GENTILEZA GERA GENTILEZA do José Datrino, chamado Profeta Gentileza, que tornou-se conhecido a partir de 1980 por fazer inscrições peculiares sob um viaduto no Rio de Janeiro, onde andava com uma túnica branca e longa barba. Era visto em ruas, praças, nas barcas da travessia entre as cidades do Rio de Janeiro e Niterói, em trens e ônibus, fazendo sua pregação e levando palavras de amor, bondade e respeito pelo próximo e pela natureza a todos que cruzassem seu caminho. Aos que o chamavam de louco, ele respondia: - "Sou maluco para te amar e louco para te salvar". (Fonte: Wikipedia)
Mas me lembrei, também, da série de ficção do GNT - estreado em 2009 - que mostrava de forma bem-humorada e crítica como encaramos assuntos ligados à cidadania e à responsabilidade socioambiental: "Gente lesa gera gente lesa".  Não quero ser lesa e nem lesada mais nauuummm! De lesões cansei - a da panturrilha já sarei - e na alma e no coração só  gentilmente "salva" quero ser! Sem garras afiadas...




You came along when I needed a saviour
Someone to pull me
through somehow
Ive been torn apart so
many times
Ive been hurt so many
times before
So im counting on you now


Somebody already
broke my heart
Somebody already
broke my heart


Here I am
So dont leave me stranded
on the end of a line
Hanging on the edge of a lie
Ive been torn apart so
many times
Ive been hurt so many
times before
So becareful and be kind


Somebody already
broke my heart
If someone has to lose
I dont want to play
Somebody already
broke my heart
No no I cant go there again


You came along when I
needed a saviour
Someone to pull me
through somehow
Ive been torn apart so
many times
Ive been hurt so many
times before
So im counting on you now


Somebody already
broke my heart
If someone has to lose
I dont want to play
Somebody already
broke my heart
No no I cant go there again


sexta-feira, 21 de maio de 2010

INTENSAMENTE CUIDADOSA

Depois de um encontro esperado - como promessa de nos levar ao parque de diversões, quando somos crianças - saí dele com duas palavras, com significados e significantes (lacanianamente falando) a me martelar: INTENSA e CUIDADO. Não pretendo agora escrever sobre significante - psicanaliticamente - fica para um outro momento. Importante foram essas duas palavras, ditas com franqueza e amor, que me fizeram entrar num túnel do tempo e viajar através da minha história. Dos vários significados para INTENSA me apropriei, desde sempre, de ativa, forte, enérgica, impetuosa, veemente. Em tudo que faço ou sou, esses adjetivos são reconhecidos pelo(s) outro(s) e por mim mesma. Incontáveis vezes, depois de ter "mergulhado de cabeça" e sem nenhuma precaução me estrepado, desabei e ficava passiva, fraca, sem nenhuma energia. Todo mundo já desabou algum dia e por isso mesmo sabe - ou deveria - o quanto demoramos para nos reerguer. Da próxima vez não caio mais, vou ter cuidado, atenção, ser mais cautelosa, dizemos a nós mesmos. Mas a gente repete e repete e como brinca uma de minhas irmãs, falando de si mesma - são dez anos de análise e mais um século e a gente não aprende - e também me alertando. Não sei, ainda, se quero, se consigo deixar de ser intensa em tudo que faço e faz parte da minha vida... Quando não sinto essa intensidade vibrando dentro de mim, me perco de mim mesma. Fico rodando, rodando, sem sair do lugar e a vida passa, cuidadosamente, a léguas de distância de ser vívida. Tranforma-se em dívida, que ficamos pagando, diariamente, com pedaços de nossa alma. Pior - será? - só mesmo o INSS. Recolhido - mensalmente - durante anos, quando vamos nos aposentar e aí "começar" a desfrutar a vida, o que recebemos faz muitos se refugiar dela. Dívida mais que vívida!
Voltando ao cuidado inverto um pouco esse danado: no lugar de ter cuidado, quero me permitir ser intensamente cuidada. É, temos que aprender até isso: SE PERMITIR!
Como vocês sabem, não acredito em coincidências. Ontem à noite, trabalhando na Casa do Richard, recebo de mão beijada esse, vamos dizer, PRESTA ATENÇÃO:
"Melhor Opção: Agradece a Deus a oportunidade da vida junto à matéria. Estás aqui por um motivo muito especial: Vencer a ti mesmo; evoluir...
Não permitas que o desânimo escancare os portais de teu âmago, fazendo-te crer que nada mais podes realizar. És forte. Vencerás! Conquistarás o lugar entre os vencedores, mas para isso é necessário que não tenhas receio dos exames aos quais será submetida... Por todas as dores e com todas dificuldades, viver é ainda a melhor opção." Já estava de bom tamnho, vocês não acham? Mas depois de me permitir ser acalentada, aninhada, intensamente amada por todos aqueles SERES DE LUZ, recebo de mãos energeticamente abençoadas, mais essa:
"Do corpo disciplinado, do sofrimento purificado e do obstáculo às vezes sufocante, o espírito ressurge sempre mais forte e robusto. Saiba enfrentar suas dificuldades! Elas acabarão por te fortalecer." 
Então, só me resta por hora ser cuidada com total intensidade!












quinta-feira, 20 de maio de 2010

VAZIO AGUDO



                   "vazio agudo
                                             ando meio
                    cheio(a) de tudo"  (Paulo Leminski)

Também tenho esse direito, ou não? Deve passar... Enquanto isso não acontece, é no meu/nosso Divã que uso e abuso para esse saco, agudo, esvaziar. Como já me disse uma amiga: "se num guenta, prá quê que inventa"?

quarta-feira, 19 de maio de 2010

FALTA OU EXCESSO?


Estamos na cultura, como seres falantes, perdemos nosso vínculo com a natureza e nos importamos com poder e dinheiro, mesmo que nos custem a vida. Somos sujeitos a pulsões e não a instintos como os animais. Eles sim sabem precisamente o que fazer, quando e como. Nós não. Estamos fadados a escolhas todo o tempo. Precisamos de uma ética, erramos.
Nós, humanos, sujeitos divididos buscando incessantemente alguma coisa perdida e jamais encontrada, que aliás nem sabemos qual seja, apenas sabemos que para dar sentido à vida é preciso inventar algum.
Mesmo quando os desejos são atendidos, ainda assim sentimos a falta. Não sabemos bem de quê, mas a falta está lá. Essa ausência é causadora de muita angústia. Tal sentimento pode nos inibir e nos paralisar diante da vida. Para que a falta seja geradora de mudança, há que se acolher os medos, cuidando muito de si mesmo: tempo de aninhar!
Por um lado, nos falta tanta coisa e por outro, somos produto do excesso. A dificuldade de satisfação provém do fato de não sabermos como enfrentar a falta. Mesmo assim, insistimos em preencher esse vazio. Não compreendemos a velha expressão tirar forças do nada. Queremos sempre mais, consumimos mais e mais, em vez de aprender a dar o que temos de sobra: tempo de doação!
Cansei de pare-ser Madre Tereza de Calcutá. Cansei de trabalhar - gratuita-mente - que satisfaz sua mente, vaidosa-mente, com elogios. Cansei de ser SOCOR-rista. Cansei de me deixar sugar... minha alegria, bom humor, amizade, energia, amor, disponibilidade confundida com à disposição. Não sou doadora universal. Aliás sou A+ e careço de colo para aninhar. Simplesmente cansei!




terça-feira, 18 de maio de 2010

FAZER UMA MULHER FELIZ É FÁCIL!


Essa colaboração recebi, da amada Márcia Abobrinha, e confesso que fiquei com uma peninha do homens rsrs. Ô "raça" difícil essa nossa, hein meninas? Desconheço a autoria e a fonte: Internet, of course!

 Fazer uma mulher feliz é fácil! Só é necessário ser:

01) Amigo
02) Companheiro
03) Amante
04) Irmão
05) Pai
06) Chefe
07) Educador
08) Cozinheiro
09) Mecânico
10) Encanador
11) Decorador de Interiores
12) Estilista
13) Eletricista
14) Sexólogo
15) Ginecologista
16) Psicólogo
17) Psiquiatra
18) Terapeuta
19) Audaz
20) Simpático
21) Esportista
22) Carinhoso
23) Atento
24) Cavalheiro
25) Inteligente
26) Imaginativo
27) Criativo
28) Doce
29) Forte
30) Compreensivo
31) Tolerante
32) Prudente
33) Ambicioso
34) Capaz
35) Valente
36) Decidido
37) Confiável
38) Respeitador
39) Apaixonado
40) Sensível


E é muito importante ainda NÃO esquecer as datas de : Aniversário, noivado, casamento, formatura, menstruação, data do primeiro beijo.
E também:
Aniversário da tia, irmão ou irmã mais querida, aniversário dos avós, da melhor amiga, do cachorro e do gato.


Como ganhar pontos com a mulher:
1. Você faz a cama (+1)
2. Você deixa a tampa da privada levantada (-5)
3. Você troca o papel higiênico que acabou (+2)
4. Você vai ao mercado só pra comprar papel higiênico (+5)
5. Na chuva (+8)
6. Mas retorna com cerveja (-15)


1) Tarefas simples
1. Você levanta de noite, pois ela ouviu um barulho estranho (0)
(obs. qdo a pontuação é 0, significa que vc não tá fazendo mais que asua obrigação).
2. Você levanta de noite, mas o barulho não foi nada (0)
3. Você levanta de noite e o barulho era de um rato (+5)
4. Você mata o rato (+10)


2) Social
1. Você fica ao lado dela a festa inteira (0)
2. Você vai beber ao lado dos amigos (-2)
3. Entre os amigos está uma mulher chamada Fernandinha (-4)
4. Fernandinha é loira e magra (-16)
5. Fernandinha o conhece (-180)


3) O aniversário dela ....
1. Você a leva para jantar fora (0)
2. Leva para jantar fora e não é o restaurante de sempre (+1)
3. É o restaurante de sempre (-2)
4. É um boteco (-3)
5. É um boteco e a TV está mostrando futebol (-10)


4) Passeios com amigos ....
1. Você sai com um amigo (-5)
2. O amigo é solteiro (-14)
3. O amigo é cheio de namoradas (-27)
4. O amigo dirige um conversível (-180)
5. A Fernandinha vai junto!!! (-500)


5) Uma noite fora ....
1. Você a leva para o cinema (+2)
2. Para ver um filme que ela gosta (+4)
3. Para ver um filme que ela gosta e você odeia (+6)
4. Você a leva para ver um filme que você gosta (-2)
5. O filme se chama 'O massacre da serra elétrica III' (-13)
6. Você mentiu e disse que seria um filme francês de amor (-135)
7. Na saída do cinema você encontra a Fernandinha e ela faz aquela cena: Queriiiiiiiidooooo, há quanto tempo!!!' (-750)


6) Grandes questões...
1. Ela pergunta 'Eu estou gorda?' (-1)(é, você perde um ponto de qualquer jeito!)
2. Você pensa antes de responder (-10)
3. Você diz que não (-35)
4. Você diz que gosta dela mesmo que ela esteja gorda (-280)
5. Você faz comentários a respeito do corpo da Fernandinha (-450)


7) Comunicação (ela quer contar algo)
1. Você ouve com uma expressão atenta (0)
2. Você ouve por mais que 30 minutos (+5)
3. Ouve por mais que 30 minutos s/ olhar para a TV (+10)
4. Ela percebe que você está dormindo de olhos abertos (-320)
5. Você balbucia o nome da sua querida amiga 'Fe...Fernandinha', enquanto está dormindo de olhos abertos (-1.000.000 + divórcio e pensão pro resto da vida).

Você percebeu que agradar uma mulher é realmente muuuuuuuuuuuuuuiiiiiiito fácil!!! Basta um pouco de boa vontade ... Entendeu? Ah, e não se esqueçam das flores... 

segunda-feira, 17 de maio de 2010

TIETAGEM PARA AMIGO

A gente faz cada coisa por um amigo que, às vezes, até D’US duvida. Aqui nessas Minas Gerais há dois grandes times de futebol e claro, rivais: Atlético/Galo e Cruzeiro/Raposa. Sou Atleticana e, por ironia do destino, tenho mais amigos cruzeirenses do que alvinegros como eu. Na altura de nossa inteira idade, as provocações, piadas, mensagens enviadas por e-mail ou no celular só nos fazem rir. Bem diferente, infelizmente, com o que acontece entre os jovens ou com as torcidas organizadas nos estádios de futebol. Nesse nosso Brasil calçado, do Oiapoque ao Chuí, com chuteiras marca F.P.N. – Futebol Paixão Nacional – brigas não faltam. O Piga – o mesmo do post Regras para a Copa do Mundo – é um cruzeirense desses, que só não vai ao Mineirão assistir seu azul-celeste jogar se tiver preso ou já tiver ido para o “andar de cima”. Tem explicação, eu acho. Ele é aquele famoso doutor que um dia quis ser jogador de futebol, como 11 de 10 brasileiros. Mas na época não existiam esses salários milionários não, e ele acreditou que se tornando doutor faria um "negócio" melhor. Se o pobre tivesse uma bola de cristal, para antever como a saúde é valorizada e bem remunerada nesse nosso país, garanto que tinha se tornado jogador e não um “dotô”. Mas além de não perder um joguinho sequer, ele mantém sua forma - na inteira idade - jogando aquelas famosas peladas de fim-de-semana.
Estou indo pegar meu carro no estacionamento do hospital, depois de uma quinta-feira daquelas, quando vejo entrando um carro enooooooooorme, vidros pretos, desses raros de transitar aqui em Beagá. Os meninos me disseram que é uma Chrysler 300 no valor de, mais ou menos, R$200.000,00.
 Quem o dirigia não permitiu aos manobristas que fizessem seu trabalho. O carro chamava tanta atenção quanto à curiosidade de quem de lá sairia. É alguém importante, disse o proprietário do local. Algum artista outro palpitou. Que nada, aposto que é jogador de futebol, afirmando e buscando adesão para a aposta, um dos meninos da manobra. E eu lá, curiosa, fiquei aguardando o alguém importante, artista, jogador de futebol dar finalmente o ar da sua graça.
Sai o TOURO SENTADO. E eu na minha ignorância de Cacique preta e branca: quem? O Jonathan, Dra. Regina, lateral direito do Cruzeiro, responde um cruzeirense eufórico pela visão. A minha foi de uma tampinha de um menino, projeto em crescimento, que carece de um carro gigantesco e caro para se sentir gente grande. Nem me abalei, a não ser com as risadas que dei e a lembrança imediata do Dr.Ricardo/Piga, amigo cruzeirense. Pedi papel, caneta, cheguei perto do TOURO SENTADO - agora em pé, mesmo não parecendo – pedi licença e o tal do autógrafo. O Touro pensou que era para essa Vaca preta e branca até morrer! Olhou-me de baixo para cima e com um sorriso amarelo, ou melhor, azul e branco perguntou:
- Nome?
- Piga.
-??? (E fez cara de Touro assustado)
- P-I-G-A (Soletrei com a calma de uma Vaca ruminando num, maravilhoso, pasto alvinegro).
“Para Piga, com um abraço do Jonathan” escreveu. Liguei para o Doutor, contei a história e entre muitas risadas, incredulidade, combinamos que só entrego esse mimo - que me custou taaannnto - mediante pagamento: jantar 0800 em restaurante francês, degustando um espumante e saboreando nossas provocações rivais e mútuas! Chumbo trocado não dói. Vale ou não vale a pena, tietagem para amigo?

domingo, 16 de maio de 2010

O MINERIM E A VACA LOUCA

Das coisas bacanas que aconteceram, comigo, nesse um ano de blog encontrar pessoas fantásticas, fazer novas amizades - que às vezes parecem tão antigas -, talvez seja a primeira da lista. JC, já de casa, amado é um desses seres. Paulista supimpa está sempre me enviando colaborações e quando o assunto é mineiridades e nosso jeitim simples de ser, de falar, ele nunca se esquece de mim. "Tumém, cumé que haveria de cê" rsrs. Essa piada foi enviada por ele e além de me fazer rir - difícil de explicar para quem não nos conhece e jamais nos esquece - consegui visualizar a cena realmente!!! JC, amado, prá variar o meu: OBRIAGADA! Tentem ler as falas do minerim quiném tá escrito... é bunitim dimaiiisss, sô! Um ótimo final de semana prá todos vocês. 


Entrevista com um criador de gado em Minas Gerais para saber sobre a doença.... Ela começa a gravar:
- Boa noite, senhor. Nós estamos aqui para ouvir sua opinião. O que o Sr. acha que é a razão principal das vacas terem apanhado esta doença, a loucura das Vacas?"
O minerim olhou para a moça e respondeu:
- Ocê sabia que o touro come a vaca somente uma vez por ano?
 A repórter, visivelmente embaraçada, disse:
- Bem, senhor, eu não sabia.... informação interessante, mas o que isto tem a ver com a doença?
- Ocê sabia que as vaca são ordenhada quatro veiz por dia?
- Senhor, novamente agradeço a informação, mas porque não vamos diretamente ao ponto central da minha pergunta: a que o sr. atribui o fenômeno da vaca louca?
O fazendeiro, já irritado, responde:
- Uai!!! Imagine se eu ficasse brincando com suas tetinha quatro veiz por dia, e só trepasse cocê uma vez por ano, ocê tamém não ficaria louca???

(Fonte: Internet)

sábado, 15 de maio de 2010

COINCIDÊNCIA, ACASO, SINCRONICIDADE... "conclusão"

Carl Gustav Jung definiu sincronicidade como coincidência significativa de um estado psíquico com um ou vários fatos externos correspondentes; ocorrência entre eventos psíquicos e físicos. São acontecimentos coincidentes, no tempo e no espaço, que embora aparentemente inexplicáveis, estabelecem relações conexas do ponto de vista psicológico. Essa noção dada por Jung pode ser reconhecida como a “dinâmica interligação” entre a alma e o mundo material.
A vida assemelha-se a um fluxo multidimensional pelo qual as criações e criaturas estão passando no Universo. Vivemos interagindo, de forma invisível, com muitas outras realidades desconhecidas e ignoradas no mundo moderno. Se considerarmos que tanto a mente como a matéria fazem parte do mundo dos acontecimentos quânticos, nossos pensamentos (inclusive os inconscientes) e relacionamentos poderiam ser, em alguns casos, explicados pelas mesmas leis e padrões de comportamento que governam o mundo subatômico? Certamente, muitos de nós,  ainda não estão preparados para uma “revolução quântica”. Uma imensa dificuldade com que nos defrontamos é o - nosso velho conhecido - medo do desconhecido. Vigoroso, quase nos impede olhar, fazer contato, ouvir novas  e estranhas  idéias. A teoria quântica é revolucionária. Não deveríamos esquecer que a psicanálise também o foi. Sua história mostra o quanto ela provocou e ainda provoca resistências, críticas, medo, ataques dos mais diversos tipos e intensidades. Ela própria já mudou – na teoria e na técnica – desde sua criação. Somos nós que a transformamos, com nosso interesse pelo funcionamento da mente humana e com nossa prática clínica, em algo tão vivo e apaixonante. Nada vem do nada. Os caminhos renovadores quase sempre aparecem em nossa jornada evolutiva como possíveis “coincidências”, ou mesmo como acontecimentos ilógicos e enigmáticos. Na realidade são experiências, imprescindíveis, que atraímos e que se encaixam perfeitamente nas nossas necessidades de renovação interior. O despertar vem de um modo que nem imaginamos.
Coincidências, fenômenos sincronísticos, acaso, desígnios de D’US, seja qual for a denominação que utilizarmos, podem ter certeza de que tudo aquilo que nos acontece tem como objetivo profundo a renovação da alma e como propósito o bem comum.
Avançamos pelo Universo em conjunto harmônico com outros seres humanos. A orquestra cósmica da qual compartilhamos é muito mais ampla do que podemos imaginar, e cada um precisa dar sua cota de participação na sinfonia do mundo. Somos parte do Universo e ele é parte de nós!


OBS: Para aqueles que se interessarem sobre o assunto - física quântica - sugiro, para começar, os seguintes livros:

  • "Alice no país do Quantum" , como sub-titulo "A física quântica ao alcance de todos" - Autor: Robert Gilmore - Editora: Jorge Zahar Editor.

  • "O Ponto de Mutação" e "O Tao da Física" - Ambos do autor: Fritjot Capra 

sexta-feira, 14 de maio de 2010

COINCIDÊNCIA, ACASO, SINCRONICIDADE...

“O mundo me intriga, e não posso imaginar que este relógio exista e não haja relojoeiro”. Voltaire
Já aconteceu com você, de estar pensando em alguém e o telefone tocar e do outro lado da linha estar exatamente esse alguém? Ou também estar lembrando-se de uma determinada pessoa que não vê, faz tempo, e andando na rua dá de cara com ela? Auxílios financeiros que aparecem no momento exato em que você mais precisava? Sugestões ou opiniões que recebeu em uma conversa “aparentemente” informal e que muito contribuiu para seu autoconhecimento? Livros que chegaram às suas mãos, aleatoriamente, e que trouxeram ajuda significativa para a solução de problemas que estava atravessando? Essa “sucessão de acasos”, “inexplicáveis coincidências” que acontecem em nossa vida, geralmente, colaboram para nosso crescimento interior ou renovação espiritual. Pois bem, na nossa vida diária de psicanalistas é comum falarmos também em fenômenos estranhos, esquisitos, misteriosos. Falamos de comunicação de inconsciente para inconsciente, de comunicação não verbal, de projeção, negação, introjeção , de pensamento em busca de pensador. Falamos de posições esquizoparanóide e depressiva e de sua dualidade, falamos do incognoscível.
Devido ao envolvimento de Jung com o então chamado mundo do ocultismo, Freud, em 1909, teria dito que não queria ouvir mais nada sobre “a maré negra da porcaria do ocultismo”. Dois anos depois ingressou na Sociedade para a Pesquisa Psíquica inglesa e na americana, e publicou seus ensaios sobre o assunto. Durante pelo menos vinte anos Freud parece ter estado interessado em alguns fenômenos polêmicos. Contudo, apesar de seu interesse, chamava a esses outros campos de “colônias da Psicanálise, não a verdadeira pátria”.
Freud preocupou-se, argumentou e sofreu durante alguns anos, antes do rompimento definitivo com Jung, por quem nutria carinho, admiração e enormes expectativas. Desde 1898 Jung se interessava por todos os aspectos do “ocultismo”. Em maio de 1911, comunicou a Freud que estava “ampliando o conceito de libido de modo a designar com este uma tensão geral”. O ano seguinte foi decisivo no processo de separação dos dois. Jung tomou outro rumo, e logo seu posicionamento foi festejado e considerado, pelo British Medical Journal de janeiro de 1914, como seu “retorno a um enfoque mais são da vida”.
Em agosto de 1921, Freud escreveu o artigo intitulado Psicanálise e Telepatia e o apresentou, em setembro, a um seleto grupo de seguidores. Sentindo estar a psicanálise ameaçada por um tremendo perigo, disse que não seria mais possível manter-se afastado do estudo dos fenômenos “ocultos”. E que não havia lógica em temer que um interesse maior pelo ocultismo fosse perigoso para a psicanálise. Pelo contrário. Deveríamos, disse ele, “estar preparados para encontrar uma simpatia recíproca entre eles. Ambos experimentaram o mesmo tratamento desdenhoso e arrogante por parte da ciência oficial”.
Contudo, devido às diferenças existentes entre suas atitudes mentais, Freud considerava uma cooperação entre ocultistas e psicanalistas bastante improvável. Os primeiros seriam “crentes convictos” buscando confirmação, apressadamente, de suas convicções, e generalizariam resultados parciais a todos os fenômenos. Os segundos, diz Freud, “são no fundo incorrigíveis mecanicistas e materialistas, ainda que procurem evitar despojar a mente e o espírito de suas características ainda irreconhecíveis”.
Parece que isso não mudou desde 1921... Após alguns anos ocultando suas observações a respeito desse tema, Freud resolveu apresentar três casos, sendo o terceiro o relato de uma experiência clínica pessoal.
No ano seguinte, Freud publicou Sonhos e Telepatia. Parece que ele pretendia ler o artigo na Sociedade Psicanalítica de Viena, mas por alguma razão, desistiu de fazê-lo. Termina esse texto dizendo que quis ser “estritamente imparcial”, já que não tinha “nem opinião nem conhecimento sobre o assunto”.
Seu terceiro texto sobre o tema foi apresentado dez anos depois: Sonhos e Ocultismo (Conferência XXX). Nesse, ele enfoca especialmente a possibilidade de existência da transmissão de pensamento, em que “os processos mentais numa pessoa – idéias, estados emocionais, impulsos conativos – podem ser transferidos para uma outra pessoa através do espaço vazio, sem o emprego dos métodos conhecidos de comunicação que usam palavras e sinais”.
Após descrever em detalhes algumas situações clínicas que ilustram fenômenos mentais “tão difíceis de apreender”, Freud diz: “Aquilo que se situa entre esses dois atos mentais facilmente pode ser um processo físico, no qual o processo mental é transformado, em um dos extremos, e que é reconvertido, mais uma vez, no mesmo processo mental no outro extremo”.
(continua amanhã)












quinta-feira, 13 de maio de 2010

NOSSO ESTRANHO AMOR


Para ilustrar o post de ontem "Caê na veia" para todos os ciumentos do planeta. "Lutemos mas só pelo direito ao nosso estranho amor"...



Nosso Estranho Amor

(Caetano Veloso)


Não quero sugar todo seu leite
Nem quero você enfeite do meu ser
Apenas te peço que respeite
O meu louco querer
Não importa com quem você se deite
Que você se deleite seja com quem for
Apenas te peço que aceite
O meu estranho amor

Ah! Mainha deixa o ciúme chegar
Deixa o ciúme passar e sigamos juntos
Ah! Neguinha deixa eu gostar de você
Prá lá do meu coração não me diga
Nunca não

Teu corpo combina com meu jeito
Nós dois fomos feitos muito pra nós dois
Não valem dramáticos efeitos
Mas o que está depois

Não vamos fuçar nossos defeitos
Cravar sobre o peito as unhas do rancor
Lutemos mas só pelo direito
Ao nosso estranho amor

Ocorreu um erro neste gadget