Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

AQUILO QUE ME CATIVA

..."Tu não és ainda para mim senão um garoto inteiramente igual a cem mil outros garotos. E eu não tenho necessidade de ti. E tu também não tens necessidade de mim. Não passo a teus olhos de uma raposa igual a cem mil outras raposas. Mas, se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim único no mundo. E eu serei para ti única no mundo..." (Antoine de Saint-Exupéry em O Pequeno Príncipe)
Meus Amados Amigos: gostaria de fazer desse post, algo muito especial! Escreve, aqui, o que te cativa que vou acrescentando ao original e darei os devidos créditos/blogs. Já li textos a quatro mãos, mas já imaginaram como ficará com tantas outras mais? Vai ficar sensacional....tenho certeza! Pensa um cadim e deixa sair... Conto, mais uma vez, com tooooooooooodos vocês! Beijuuss n.c.

Me cativa:
Noite de lua cheia e enxergar coelho dentro dela
Sol se pondo nas montanhas
Inesperadamente um banho de chuva que faxina minha alma


Caminhar na beira da praia quando o sol está nascendo
Comida de fogão de lenha e prosa na cozinha
Banho de cachoeira

A música dos pássaros
O colorido mais que perfeito das flores
O nascimento de uma vida

Lágrimas da mais pura dor
Sorriso de genuína alegria
Suor da labuta diária

Drummond, Adélia, Clarice, Fernando e muitos outros... 
Um livro a ser desvendado
Papel em branco aguardando a escrita 

E aí fico de pé no chão, encho os vasos da casa de flores, perfumo o quarto com água de cheiro... e, depois de banho tomado, esparramo meu ser pela vida, percebendo que preciso de muito pouco para ser feliz.

Beijo na boca me cativa
O amor me cativa
A vida, bem simples, me cativa eternamente.
(Regina Rozenbaum)




24 comentários:

  1. Olá Regina!
    Na sequência da simpática intimação recebida - cá estou eu. E como não tenho talento para versejar, vou responder ao convite feito expressando o meu pensamenro em forma de prosa.Então, cá vai.

    "Coisa que a mim me cativam"

    A companhia dum bom livro, confortavelmente instalado, num ambiente convidativo à leitura.

    Audição dum trecho de música favorita, que me faça sentir bem, vaguear no tempo e no espaço - visitando as minhas memórias, ou viajando ao encontro dos meus sonhos.

    And, last but not the least, a minha ideia dum momento bem passado - daquilo que me cativa - passa por um encontro de amigos, à volta de uma boa mesa, saboreando a comida e a amizade, sem pressas, tudo bem temperado com um apetitoso e bem condimentado debate de ideias.

    PS.E quanto ao meu blog, tenho a dizer à Regina que o mesmo é do tipo artesanal, sem linha de montagem instalada, onde a era industrial ainda não chegou, e onde,estou em crer, nunca chegará:É feito à medida da inspiração, ou da falta dela, e à imagem de quem o esvreve - e com imenso prazer.
    E, para o final de hoje lá terei uma nova estória, que desde já convido a Regina a ler, com um agradecimento pelas palavras simpáticas acerca do mesmo.

    Um abraço.
    Vitor.

    ResponderExcluir
  2. Olá Regina,

    Antoine de Saint Exupéry começou a escrever em 1927 quando foi colocado como chefe de escala da companhia de aviação Aeropostale no Cabo Juby (actual Tarfaya, em Marrocos). Para ocupar os tempos mortos, naquele ermo onde o deserto do Sahara se encontra com as águas do oceano Atlântico, este aviador tornou-se realmente escritor. O deserto é um ambiente extraordinário, só comparável ao mar, para inspirar qualquer um à reflexão. Uma experiência prolongada no deserto tem, aliás, o condão de iluminar quem a vive quanto às coisas verdadeiramente importantes da vida, na vida. Ali, sente-se a solidão, escuta-se o silêncio, tudo é grandioso excepto nós, que não ficamos com dúvidas em como somos mesmo pequenos. E ali, aprendemos a valorizar o que é mesmo essencial. Água, alimento, companhia, acolhimento, até o recolhimento, que conduz, precisamente, ao estado perfeito para pensarmos. É no deserto que descobrimos o que é ser pobre. Não, não é não ter dinheiro, porque ali o dinheiro não serve para nada, rigorosamente para nada. Pobre é quem depois de uma vivência dessas não descobriu os valores fundamentais da vida; é pobre de espírito. A essas pessoas, a vida passa sem tocar, sem deixar marcas. E quando acaba, a vida deles, acabam de ver; mais ninguém se lembrará deles. Pela inversa, quem se ilumina pode conquistar a eternidade. Não física, que essa ainda não é possível, mas sim a eternidade espiritual, que perdurará na memória de todos aqueles que forem, ao longo dos tempos, contactando com esse legado. É o caso de Antoine de Saint-Exupéry. E o livro "O Pequeno Príncipe" reflecte, exactamente, os valores que garantiram a eternidade do seu autor. Curiosamente, foi depois de uma queda do aparelho que pilotava, durante um voo sobre o Sahara Oriental, numa região onde hoje é a Líbia, que Saint-Exupéry se inspirou para escrever "O Pequeno Príncipe". Até ser resgatado, o piloto-escritor francês aguardou vários dias junto aos destroços do seu avião e chegou a pensar que acabaria ali os seus dias. Ainda bem que viveu o suficiente para deixar esta herança à humanidade.

    Beijo,

    Alexandre Correia

    PS - Tal como Antoine de Saint-Exupéry, também já atravessei várias vezes o Sahara e muitos outros desertos e mares. Hoje, o Cabo Juby já não é uma novidade para mim. Passei lá vezes sem conta. mas sempre que passo, jamais deixo de parar e olhar bem para esse lugar, onde a memória de A.S.E. permanece mais viva do que em qualquer outro lugar. E bem que compreendo quanto aquele lugar à beira-mar é inspirador...

    ResponderExcluir
  3. O que me cativa é viver como penso, caso contrário acabarei por pensar como tenho vivido. Cativa-me ser o que sou ,pois foi assim que me tornei melhor . Cativa-me os livros pois têm os mesmos inimigos que eu: o fogo, a humidade, os bichos, o tempo e o próprio conteúdo .Cativa-me o amor pois á força de falarmos dele, apaixonamo-nos.Cativa-me a liberdade, esse bem que nos permite desfrutar dos outros bens .Cativa-me a amizade pois não há solidão mais triste do que a do homem sem amizades. A falta de amigos faz com que o mundo pareça um deserto .

    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Cativa-me o milagre de uma nova vida.
    O primeiro choro, o primeiro sorriso.
    A pré-mamã que carrega um colo de gente, coisa mais bela.
    Cativa-me a natureza, Mãe que respeito e me reduz à minha insignificância.
    A Mulher, no seu todo e inteligência à parte, que nos convence a nós homens que
    comandamos alguma coisa.
    Cativam-me as artes e o gosto pela paleta e pincéis, com que vou colorindo a minha vida
    quando fica em tons cinzentos.
    A leitura que não dispenso e onde mergulho.
    Viver amando apaixonadamente como se fosse a primeira vez.
    Carinho que nunca é demais.
    Estar dentro de água, porque me faz voltar às origens.
    Cativa-me a singela doçura do trato que aproxima os amigos e traça registos inesquecíveis.
    A confraternização que é ancestralmente acompanhada dum bom vinho e um acepipe qualquer na sala mais concorrida, a cozinha.
    Cativa-me a ideia de manter (embora com dificuldades de quem não sabe fazê-lo), o meu blogue que me trouxe tantos e bons amigos que amo incondicionalmente pela energia que me dão e que nunca imaginei algum dia merecer. Mas os amigos são assim mesmo, só querem ver o melhor de nós.
    Obrigado, amada e insubstituível amiga Regina, pela oportunidade de nos juntares a todos aqui.

    ResponderExcluir
  5. O QUE ME CATIVA? BEM RE,O QUE MAIS ME CATIVA è SABER QUE TENHO UM GRANDE AMOR,E POR ELE SOU COMPLETAMENTE CORRESPONDIDA.O QUE ME CATIVA è TER AMIGOS COMO VOCE,COMO MADAZINHA,COMO FANI,COMO ITZEL.O QUE ME CATIVA è SABER O HOJE,SEM PENSAR NO AMANHA.è DEIXA A COISA FLUIR NATURALMENTE.O QUE ME CATIVA è LEVANTAR TODOS OS DIAS E AGRADECER A DEUS POR ELE TER ME DADO DE PRESENTE ESTES 3 ANOS COM MEU PAI.QUE TEVE ENFARTO E CONTINUA CONOSCO VIVENDO SUA FELICIDADE TOTALMENTE.ENFIM PODERIA FICAR AQUI FALANDO DE TUDO QUE ME CATIVA,PORQUE TENHO MUITAS.MAS DE TUDO QUE FALEI O QUE ME CATIVA è O AMOR PARA COM MEUS PAIS E ESTE AMOR ALUCINANTE PELO MEU MARIDINHO.
    BEIJOS AMADA....MARYSEXY

    ResponderExcluir
  6. Me cativa o sorriso, o riso aberto.A partir dai o resto é lucro.
    eidia
    www.oquevivipelomundo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Olá Regina, antes de mais parabéns pelo post que está magnífico.
    Em relação ao que me cativa passo a dizer.
    Cativa-me ser feliz, como, não sei, ir sendo feliz dia-a-dia, buscar felicidade suprema, seja com amizade, amor, prazeres efémeros, etc.
    Cativa-me viajar porque me dá prazer porque me abre horizontes, eu divido uma viagem em três, planeamento, momento e recordações. Começo a viajar quando planeio e marco, usufruo o momento em que viajo e por fim recordo-me muito de momentos da dita viagem para ultrapassar más fases.
    Cativa-me a amizade eterna e as amizades efémeras. Eterna dos amigos de infância e dos que vão aparecendo na vida, as efémeras que são aqueles que tenho conhecido nas minhas viagens, por vezes em duas horas partilha-se experiências de viagens e de vida que serão para sempre lembradas e o mais engraçado é que provavelmente nunca mais veremos a pessoa, embora actualmente as redes sociais (facebook, twitter e blogs) ajudem bastante.
    Essencialmente cativa-me ser feliz.
    Cumprimentos desde Lisboa, Portugal

    ResponderExcluir
  8. BOa noite,minha amiga. Se vc for visitar o Amorim e não passar em Joinville ficarei muito triste e com a certeza que eu não te cativei. Amooooooooooooooo o Pequeno Príncipe. Cativar é saber a hora de falar e calar, basta um olhar do amigo que já entendemos o que ele quer nos falar. È sentir mesmo muiiito distante seu amigo,a presença de uma maneira cósmica bem pertinho de vc.É olhar algo e pensar no amigo e pensar: isso é a cara dele(a). Cativar é saber: ele vem , ao menos ele eu posso contar. Enfim, cativar ter um anjo enviado por Deus chamado Amigo. Abraços criativos. Minha fofa e amiga. Teeeeeeeeeee amoooooo

    ResponderExcluir
  9. Rê, não posso deixar de comentar que adorei a idéia... Com certeza vai ficar cheio de coisa boa!! Vou deixar uma contribuiçãozinha:
    Me cativa cheiro e gosto de café bem forte, prosa antes de dormir e enrolar os cabelos entre dos dedos quando estou pensando...
    Me cativa um bichinho recebendo carinho, cheiro de Poison pela casa, uma cerveja Colorado bem gelada e um Cabernet em ótima companhia, ao som de música mexicana, depois de um dia daqueles de trabalho!!

    Tá bom, né Rê?! Se eu fosse citar aqui todas as coisas que me cativam, nem dormiria mais hoje e passaria a noite aqui só escrevendo... hehehe... Um Beijão!!!! Carol.

    ResponderExcluir
  10. Me cativa,
    O ser vivo, a evolução, o pensamento e a vida.
    Ao estarmos vivos, podemos ouvir, ver, sentir, respirar e saborear/degustar as receitas da vida, amando ou odiando.

    Me cativa,
    a Felicidade, porque me faz feliz a felicidade dos outros, mesmo
    que a minha própria felicidade anda em maré baixa.

    Me cativa,
    todo o bom e mau sentimento que enfrento, porque dele tiro lições, aprendo a defender-me, para então continuar as "passadas" da minha estrada/história de vida.

    Me cativa,
    A crítica, o bom livro, bom filme, a boa peça de revista, os museus e galerias de arte.

    Me cativam,
    As cores e as formas da natureza.
    As ondas do mar revolto, o som e o cheiro da floresta densa, da terra molhada, e me cativa o leve caír do floco de neve.
    E tão delicado, branco imaculado, como é, poderoso o suficiente para de uma vezada só vestir vales e montanhas.

    Me cativa o silêncio absoluto.

    A luta pelas causas nobres, a paz, a rosa vermelha e a pomba branca, a fé e a esperança que ao unirem povos, mudam o mundo.

    Me cativa,
    ainda ser criança,
    ser livre de acreditar no inacreditável, fantasiar o presente, e sonhar com um futuro menos duro, mais doce e colorido.

    Me cativa,
    Gargalhar com sinceridade.
    Amar perdida, louca e incondicionalmente. Acreditar na nobreza do sentimentos das pessoas, embora com alguma cautela, e por vezes colocar as asas e, voar, voar para além da compreensão humana.

    Me cativa,
    brincar, pular, gritar, correr, chorar quando me apetece, esperniar, espreguiçar, dizer NÃO quando não concordo.

    Me cativa,
    sair com os amigos, conversar, desconversar, conhecer novas pessoas e culturas, enfim, viajar.

    Me cativam,
    as piadas secas, que surgem sempre naqueles momentos em que ninguém tem nada para dizer, e só diz disparates, porque o silêncio imposto a alguns incomóda.
    O equilibrío, a simplicidade e a harmonia das coisas.

    Me catica,
    a doce e fresca bebida alcoólica, que me refresca e embriaga a alma e deixa com a língua mais solta...ihihih.

    Dançar, cantar, ou desafinar, acontece muitas vezes :#... pintar, entrelaçar os dedos no barro e tirar o stress, fazer castelos na areia, tomar banhos de sol e mar, e por fim virar croquete, deitar-me na areia quente e clara (Odeio toalhas de praia, paréos ou os rolitos de palha, mas contrariamente ao meu gosto, por vício ou uso geral, um deles anda sempre atrás de mim, mas vai sempre dobrado para casa como foi).

    Me cativa,
    o milagre da vida, a ternura do ser pequenino, a maternidade/ paternidade, a dedicação, a doçura dos carinhos, dos cuidados, e o amor eterno.

    Me cativa ainda mais,
    estar viva para poder viver e assitir com todas as minhas forças, ao espectáculo que é a vida, no seu dia de ontem, no dia de hoje e ao que virá a ser o nosso dia de amanhã.


    Muitos beijinhos e felicidades na concretização do "Me cativa"

    ResponderExcluir
  11. O que me cativa?

    Viajar ao desconhecido e sugar a essência daquele lugar. Quebrar paradigmas e saber apreciar a cultura e identidade de um povo;

    Me cativa fotografar! Captar num momento único, a expressão do sentimento, a luz contrastando com a sombra;

    Me cativa correr atrás dos meus sonhos e saber que o intervalo entre eles que é viver.

    Me cativa um sorriso, a palavra de um amigo, o abraço fraterno, mesmo que de um desconhecido...

    Um grande beijo e abraço fraterno para você querida! :)

    ResponderExcluir
  12. O nascimento do humano ser
    A amizade intensa e permanente
    Um apertado abraço de uma amizade pura
    Generoso ser
    Solidário permanecer
    O brotar de uma flor
    A velhice
    A gravidez
    O sorriso de uma criança
    A chuva
    Voce Voce and Voce!

    bzu nessa alma linda e consistente
    hugssssssssssssssssssssssssssssssss
    viva la vidaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

    ResponderExcluir
  13. Bom dia, Regina.
    Belo post.
    Como já dizia o nosso querido e maravilhoso autor, "nós somos responsáveks por aquilo que cativamos". Isso é uma frase muito séria, pois as pessoas têm por hábito usar e abusar das outras enquanto t~em interesses. E depois ?
    O que me cativa é a natureza, é o canto dos pássaros, é uma flor desabrochando na mata, são os animais, é o pôr-do-sol. Esses sim eu tenho a certeza de que nunca irão me abandonar.
    Bom final de semana, amiga.
    Beijo grande.

    ResponderExcluir
  14. Mea culpa, afinal ontem tinha vindo aqui para deixar a minha contribuição a tão gentil solicitação e acabei fazendo alguma besteira. Mais vale tarde que nunca e então, aqui vai: O que me cativa? Escrever, o prazer de sentir as palavras brotarem dos meus dedos, enchendo de cor espaços outrora vazios com a graciosidade com que sinto o sangue pulsar-me enleante através das veias, abstrair-me de mim próprio, soltar as amarras da inspiração, deixar correr as palavras que se estendem livremente pelo papel como potros selvagens numa pradaria verdejante. Cativa-me o Sol a queimar-me a pele numa tarde de praia acompanhado pelos amigos, o vento a bater-me numa leve carícia lembrando-me que estou vivo; sonhar, que tudo é possível e que haverá sempre um amanhã onde todas as nuvens se dissiparão; amar, algo, alguém, mas amar sempre, todos os dias, que sem amor tudo o mais é triste, tudo o mais é vazio.

    ResponderExcluir
  15. Só hoje, 30m de janeiro digo o que me cativa: sorriso franco, educação e sinceridade!
    Muito.
    A neve pesada ajuda sentir saudades do que e de quem me cativa!
    beijinho

    ResponderExcluir
  16. Viva Regina,
    Kanimambo pela sua visita.
    O que me cativa neste belo espaço são os temas criteriosamente escolhidos, o verdadeiro espírito participativo com comentários que são verdadeiros ensinamentos, proporcionando-me compreender pessoas com conceitos, culturas e personalidades diferentes.
    Bjis

    ResponderExcluir
  17. Regina,

    Escrevi, escrevi imenso e não respondi à pergunta. O que me cativa? É simples: a vida!
    As coisas difíceis são um desafio, as boas uma recompensa. As más, procuro fugir delas...

    Beijo,

    Alexandre Correia

    ResponderExcluir
  18. Oi Regina.
    Teu blog já me cativou...rs

    Volto depois com minha contribuição, achei a tua idéia muito legal!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  19. Olá Regina.
    O que me cativa é a sinceridade, a pura amizade, o amor, o carinho de uma Netinha, a fidelidade de uma cadela adotada da rua, as coisas simples, sem complicações, uma conversa entre amigos, essas coisas.

    ResponderExcluir
  20. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  21. A mim me cativa
    um sorriso de criança,
    um rio de águas claras,
    flores, campos e praças.
    Me cativa ser menino,
    arquitetar artes,
    amar.
    Me cativa café quente,
    me cativam os sorrisos,
    me cativa a poesia,
    seja com rima ou sem ela.
    Me cativa a natureza,
    simplicidade, pureza
    e a flor do jacatirão.
    Quintana me cativou
    com sua poesia imortal.
    Me cativam o mar,
    o céu, o sol,
    a vida...



    Obrigado, Regina, por "intimar" a gente.
    Beijo pra você

    ResponderExcluir
  22. Olá Regina, você me convenceu!

    Tomara eu saber, com exactidão, “Aquilo que me cativa” !...
    Tantas, tantas coisas, de tudo que o mundo tem de belo !...

    Mas será, que o que me cativa a mim, é diferente do que cativa os outros ?...
    Em que posso ser original ao revelá-lo, se os meus sonhos e motivos cativantes são, muito provavelmente, iguais aos de tantos outros ?...

    Como escreveu F. Pessoa, “eu tenho em mim todos os sonhos do mundo” e acrescento eu, também todas as cativações, das coisas belas deste mundo ... mas será que são diferentes dos de toda a gente ?
    Não serei eu “uma pessoa igual a cem mil outras” (Saint-Exupéry) ?... mas se assim fosse eu não teria necessidade de ti, nem tu terias de mim e isso eu não sinto.
    Os Amigos, especialmente os amigos, tenho a certeza, cativam-me !
    Sinto a necessidade da sua presença e assim, sem ser eu único no mundo, eles serão necessários para mim e eu para eles.

    Mas qual de mim , se eu sou três ?...

    “Quando duas pessoas se encontram há, na verdade, seis pessoas presentes:
    cada pessoa como se vê a si mesma,
    cada pessoa como a outra a vê e
    cada pessoa como realmente ela é” ( William James ).

    Mas quem sou eu ???... Qual dos meus eu’s será o verdadeiro EU, por quem eu possa falar :

    O eu que sou ?,..
    o eu que penso que sou ?... ou
    o eu que os outros vêem que sou ?

    Como poderei falar por três ?..., se possivelmente todos, serão tanto e tão diferentes uns dos outros ?



    Minha Amada Amiga, que me cativaste para escrever :
    Aqui tens o meu depoimento, para o teu belo post, com um Beijão do tamanho do mundo !
    .

    ResponderExcluir
  23. Querida Regina, aqui estou rss

    Me catíva:
    ...o olhar apaixonado do homem da minha vida, aquele que veio num dia de Carnaval há exatamente 43 anos... que ainda hoje estamos de mãos e corações atados e era exatamente aquele que me vinha em sonhos: a dádiva de estarmos juntinhos e nos amrmos tanto.
    ... a doce lembrança dos olhos azuis do meu primeiro filho, e os olhos castanhos mel dos outros dois que me vieram de presente dos céus. A sublime honra de ser mãe desses homens de bem.
    ... a vida, sou apaixonada por esta oportunidade de assumir o meu lugar no mundo. Viver é como receber um beijo de amor do Pai Amoroso.
    ...as águas dos rios, as cachoeiras, tudo que me remete ao movimento incessante de seguir em frente, vencendo os obstáculos do caminho e suavizando as pedras e fertilizando as terras por onde passa, doação vital da mãe natureza.
    ...o sorriso de um amigo. Sou feliz quando vejo meu círculo de amizades crescer e agradeço ao que recebo de amor e conhecimento. Amo o dialogar, o abraço terno.
    ... as estrelas! Deus, como amo as estrelas... olho-as e vejo o quanto sinto-me rica pois tenho sobre mim pedras preciosas que sempre me olham desejando que eu me abra para sua luz! E sinto saudades das estrelas... de onde vim.
    ... e ter conhecido você, Regina amada, que hoje já faz parte de mim e que me encanta quando aparece alegrando meu dia. E quando chegas... me cativa o ser humano maravilhoso que és.
    ...esta Blogosfera de Luz que uniu almas afins!Conhecer um mundo que meus braços não alcançavam, mas que meu coração "sente" e que me mostra que existe sim a esperança de uma manhã mais justo e mais fraterno.

    Beijos querida, obrigada pelo carinho!

    ResponderExcluir
  24. Promessa é dívida...voltei...rs

    Certamente faltará uma infinidade de itens cativantes, vou deixar aqui o que vier, sem espreitar o pensamento...

    Me cativa um gesto de ternura,
    a boca lambuzada de sorvete a me sorrir,
    os olhos espremidos pelo sorriso solto,
    os amigos que não vão embora,
    a saudade diminuída,
    o beijo roubado;
    me cativa discutir idéias,
    ouvir uma palavra amiga,
    receber apoio,
    acordar sob o olhar amoroso que me observa,
    sentir cheiro de café - e tomá-lo na cama!
    Me cativa a criatividade,
    o afago inesperado,
    um abraço apertado,
    o silêncio partilhado,
    uma festa surpresa,
    um muito obrigado!
    Me cativa ver o amor no fundo dos olhos,
    a delicadeza ao chamar atenção do outro,
    um aperto forte de mão,
    a janela mostrando a chuva mansa,
    o horizonte guardando o sol do dia,
    a fala mansa no ouvido;
    me cativa o olho no olho,
    os pés encostados em noites frias,
    namorar no balanço da rede,
    ouvir música baixinho, aninhada num abraço;
    me cativa garçom sorridente,
    dirigir cantando na estrada,
    ter flores sobre a mesa,
    a beleza sagrada do mar,
    o calor do sol,
    a magia da natureza,
    artesanato com pedras brasileiras,
    apreciar o esplendor do girassol,
    ver minha mãe cuidando de seu companheiro com tanta dedicação,
    tirar fotos para poder reviver depois,
    me entregar à leveza de uma dança lenta;
    me cativa vasos de violeta na janela,
    gerânios no jardim,
    o sorriso de criança banguela,
    um atleta no pódium - abraçando o amigo campeão,
    poder contar com os amigos, sempre!
    Me cativa ouvir a execução do Hino Nacional,
    o progresso daqueles que se entregam à terapia;
    me cativa a generosidade de quem aprende a perdoar,
    a lembrança das mãozinhas de meus filhos, no meu rosto,
    "ouvir" suas vozes infantis recitando seu vocabulário próprio;
    me cativa o som da gargalhada da minha filha;
    a sua generosidade,
    me cativa olhar meu filho, agora pai!
    E definitivamente, me cativa a sensação única de ser avó!!

    Adorei este exercício, Regina!
    Bjos

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget