Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

FAZENDO NA MELHOR IDADE


Não consigo pensar mais tão rapidamente como eu costumava fazer. Também não falo nem me movimento com tanta agilidade, mas me parece que eu reflito mais profundamente. Entendo melhor as coisas ao meu redor. Quando ficamos mais velhos, nosso corpo e nosso espírito precisam de mais tempo para descansar, mais reflexão, mais imersão na magia de “ser”. Isso não significa que estamos nos retraindo do mundo enquanto nos movimentamos para uma experiência mais profunda. Porque o mundo é muito maior do que aquilo que vemos com nossos olhos. Parte do valor do processo de envelhecimento é que ele nos oferece naturalmente certos domínios nos quais não estamos tão presos às realidades do mundo material. Na verdade, não estamos perdendo nada, estamos é encontrando!

Tenho ouvido na minha clínica e visto fora dela, nos últimos anos, uma tendência interessante: a “segunda carreira” tem se tornado uma nova onda. As pessoas que passaram vinte, trinta ou quarenta anos fazendo uma coisa e, então, começam outras atividades, absolutamente diferentes. O que era visto antes como idade de aposentadoria pode ser visto agora, se assim a pessoa o desejar, como a fase dois de uma carreira. Em vez de pensar essa segunda carreira como um anticlímax ou “como uma coisinha pra me manter ocupado”, as pessoas acabam por enxergar o seu primeiro trabalho como um prelúdio para alguma coisa mais importante. Eles entendem as realizações, que eram o ápice de seu sucesso material, como uma preparação para um sucesso ainda maior – como os meios pelos quais eles aprenderam as habilidades que necessitavam para dar a sua maior contribuição ao mundo.
A maturidade se torna um tempo em que todas as capacidades da juventude são alquimizadas na mais alta manifestação de nossos talentos: algo que será últil não só para nós mesmos, mas para todos os outros!

11 comentários:

  1. A velhice faz-nos mais rugas no espírito do que na cara ...


    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada pela visita.
    Sim,a lenda é muito bonita. Um excelente exemplo de fidelidade, coisa difícil nos dias de hoje.
    Beijo grande,
    Saudações Florestais !
    http://www.silnunesprof.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Manuel
    Penso que em vez de rugas conquistamos "rasgos" na alma com a melhor idade... únicos e maravilhosos!
    Beijuuss n.c.

    ResponderExcluir
  4. Muito bom quando conseguimos envelhecer e viver bem com isso. Naturalmente a nossa capacidade de resposta física ou mental, pode de alguma forma ser mais pausada, não é tão célere, mas por ventura ainda bem.
    Agimos menos por instinto e com isso amaciamos a nossa postura o que é bom para nós e para os que nos rodeiam.
    É premente que façamos tanto exercício físico como mental, ler, caminhar, conviver e reconhecer que o nosso olhar com o passar dos anos é diferente, espero que com outra acuidade.
    Alguém dizia que "se olhas a beleza à tua volta e não a consegues distinguir és um pobre homem".
    Estamos sempre a tempo e até ao final dos nossos dias, de fazer coisas boas e diferentes e temos uma capacidade única de de adaptação e o percurso que fizemos, são os alicerces que estarão prontos a receber a obra inacabada.
    As feridas saram-se, deixam marcas, mas dão-nos traquejo para continuar, porque estamos vivos!
    Kandandus com muito carinho para a Regina.

    ResponderExcluir
  5. Até um certo tempo, eu acho que é o tempo do armazenamento. Depois chega o tempo de espalhar o fruto, oferecer pros amigos e pro mundo, o melhor do fruto que foi por tantos anos cuidado, regado, amadurecido com calma, pra finalmente ser saboreado em sua plenitude de gosto. Viajei muito???
    bjins
    eidia
    http://www.oquevivipelomundo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Kimbanda
    Adoro quando me visita e deixa suas sábias palavras! OBRIGADA!!!Penso que quando estamos na "melhor idade" enquanto renovamos nosso compromisso com o curso da vida, o curso da vida renova-se em nós!
    Beijuuss n.c. do lado de cá do Atlântico

    ResponderExcluir
  7. Ieda Amada
    "Viajou" de FIRST CLASS na maior categoria rsrs!!! Por conta da profissão sempre lidei com a falta, a incompletude...inerente e necessário a todos nós. Mas nesses tempos de "melhor idade" minha sensação é de plenitude mesmo...do meu melhor fruto...aquele que a gente colhe na hora certa!
    Beijuuss n.c.

    ResponderExcluir
  8. Olá Regina!

    Sabe, eu acho, que como em tudo mais na vida, também ao processo de envelhecimento (amadurecimento é mais bonito !)poderíamos aplicar aquele princípio, sábio, de Lavoisier:O que perdemos por um lado, ganhamos noutro; nunca se perde ou ganha totalmente. Ganhamos em sabedoria, bom senso,melhor compreensão do mundo e de nós próprios; em conhecimentos armazenados;mais tempo livre. Mas, no outro prato da balança, e porque a mesma - respeitando o dito princípio - não pode ficar desiquilibrada, vamos ter que lá pôr menos juventude, menos agilidade física e mental e, essencialmente -salvo raras e felizes excepções - menos saúde. Com saúde, e sem outros problemas de maior, até ficaríamos/ficaremos a ganhar com a transição ... e não daríamos conta do que vamos perdendo na nossa caminhada, mas ...
    Ainda assim, acho que o período mais maduro da vida pode ser cheio de bons momentos, de realização e satisfacção pessoal, desde que se tenha a felicidade de que aquilo que em nós temos de melhor - conseguido ao longo do tempo - possa ser gozado, partilhado, tornado de alguma forma útil - e fonte de satisfacção e prazer; que seja, no fim, uma mais-valia, e nunca um fardo que nos custe arrastar.
    E fico-me por aqui, por agora.
    Beijinhos, e parabéns pelo tema escolhido.
    Vitor

    ResponderExcluir
  9. Vitor
    Pode parecer estranho, mas me sinto, como já disse em outras respostas, plena! Muito melhor que antes rsrsrs e tenho me esforçado rsrsrs para a cada dia melhorar um bocadinho mais. Como digo para os membros do grupo que coordeno no hospital estamos envelhe/SENDO!!!
    Beijuuss n.c.

    ResponderExcluir
  10. COISAS DE MARYSEXY.SO PARA NAO DIZER TUDO QUE OS OUTROS FALARAM.A MELHOR IDADE è AGORA PORQUE FAZEMOS SE.. SEM TER QUE SENTIR VERGONHA,SENTIR REPRIMIDA,E SAI TUDO UM VERDADEIRO ESPETACULOOOOOOOOOOOOOOOO.AMO A VIDA EM TODAS AS IDADES,CONTANTO QUE NAO FALTE AMOR.....BEIJINHOS.....E OUTRAS COSITAS QUE NAO POSSO FALAR.LOGICO.SRSRSRSRSRSRS MARYSEXY

    ResponderExcluir
  11. MarySexy Amadíssima
    Cê num tem jeito!!!! Se vc não existisse eu mandava te criar rsrsrs.POderooooooosa rsrs!
    Beijuuss n.c.

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget