Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

domingo, 31 de janeiro de 2010

UMA VÍRGULA MUDA TUDO

Muito legal a campanha dos 100 anos da ABI(Associação Brasileira de Imprensa). Sobre a vírgula: 
Vírgula pode ser uma pausa... ou não.
Não, espere.
Não espere..
Ela pode sumir com seu dinheiro.
23,4.
2,34.
Pode criar heróis.
Isso só, ele resolve.
Isso só ele resolve.
Ela pode ser a solução.
Vamos perder, nada foi resolvido.
Vamos perder nada, foi resolvido.
A vírgula muda uma opinião.
Não queremos saber.
Não, queremos saber.
A vírgula pode condenar ou salvar.
Não tenha clemência!
Não, tenha clemência!
Uma vírgula muda tudo.
ABI: 100 anos lutando para que ninguém mude uma vírgula da sua informação.
Detalhes Adicionais:
SE O HOMEM SOUBESSE O VALOR QUE TEM A MULHER ANDARIA DE QUATRO À SUA PROCURA.
* Se você for mulher, certamente colocou a vírgula depois de MULHER...
* Se você for homem, colocou a vírgula depois de TEM...
(Recebi do meu amigo Richard que sabe, como ninguém,onde colocar uma vírgula.)
E como não podia deixar passar, fica para vocês, uma charge de vírgula.


TAP NO ANIVERSÁRIO DO RIO DE JANEIRO

Desta vez, o cenário foi o Galeão, dia 20 de janeiro de 2010, dia do padroeiro da cidade do Rio de Janeiro. Vejam que ação fantástica do marketing da empresa aérea TAP, que, não custa lembrar, já esteve à beira da falência. A recuperação, também não custa lembrar, ficou a cargo do brasileiro Fernando Pinto, que ainda preside a companhia. Sim, o mesmo que foi demitido  da presidência da Varig. BACANÉRRIMO. Não é porque, agora, tenho novos amigos portugueses... Sou fã da TAP. Desde que ela inaugurou seus vôos, saindo direto de Beagá, só viajo com ela. Comissários educadíssimos, gentis e o quê mais amo: bem humorados! Fui trocar em dezembro último e me ferrei... Mas 2010 taí, e se possível voarei by TAP. (Rogerinho brigadim pela colaboração: ameiii e é realmente a minha cara! E filhote: brigadim por ensinar a mamis "bios"  colocar vídeo no blog!)

 

sábado, 30 de janeiro de 2010

MULHER É COMPLICADA? FALA SÉRIO!


 

Se a gente se insinua, é mulher atirada
Se a gente fica na nossa, tá dando uma difícil.
Se a gente aceita transar no início do relacionamento, é mulher fácil
Se a gente não quer ainda, tá fazendo doce.
Se a gente põe limitações no namoro, é autoritária. Se concorda com o que ele diz, é uma tonta, sem opinião.

Se a mulher batalha por estudos e profissões, é uma ambiciosa
Se não tá nem aí prá isso, é dondoca. Se a gente adora conversar sobre política ou economia, é feminista. Se não se liga nesses assuntos é alienada. Se a mulher corre para matar uma barata, não é feminina. Se corre de uma barata, é uma medrosa.

Se a gente aceita tudo na cama, é vagabunda.
Se não aceita: é fresca.
Se a mulher ganhar menos que o homem, tá querendo ser sustentada...
Se ganhar mais, tá querendo humilhá-lo.
Se a gente adora roupas e cosméticos, é narcisista
Se não gosta é sapatão, ou no mínimo desleixada.


Se sai mais cedo do trabalho, é folgada
Se sai mais tarde, tá dando pró chefe!
Se faz hora-extra é gananciosa.
Se gosta de TV, é fútil
Se gosta de livros, tá dando uma de intelectual.
Se a mulher quer ter cinco filhos, é uma louca inconsequente.
Mas se só quer ter um, é uma egoísta que não tem senso maternal.
Se a gente se aborrecer com certas atitudes dele, é uma mulher dominadora.
Se aceitar tudo que ele faz, é submissa.

Se a gente gosta de rock, é uma doida chapada
Se gosta de música romântica,é brega
Se gosta de música eletrônica é porra louca.
Se a gente faz uma cena de ciúme, certamente é neurótica
Mas se não faz, não sabe defender seu amor!
Se a gente fala mais alto que ele, é uma descontrolada,
Se a gente fala mais baixo, é subserviente.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

AQUILO QUE ME CATIVA

..."Tu não és ainda para mim senão um garoto inteiramente igual a cem mil outros garotos. E eu não tenho necessidade de ti. E tu também não tens necessidade de mim. Não passo a teus olhos de uma raposa igual a cem mil outras raposas. Mas, se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim único no mundo. E eu serei para ti única no mundo..." (Antoine de Saint-Exupéry em O Pequeno Príncipe)
Meus Amados Amigos: gostaria de fazer desse post, algo muito especial! Escreve, aqui, o que te cativa que vou acrescentando ao original e darei os devidos créditos/blogs. Já li textos a quatro mãos, mas já imaginaram como ficará com tantas outras mais? Vai ficar sensacional....tenho certeza! Pensa um cadim e deixa sair... Conto, mais uma vez, com tooooooooooodos vocês! Beijuuss n.c.

Me cativa:
Noite de lua cheia e enxergar coelho dentro dela
Sol se pondo nas montanhas
Inesperadamente um banho de chuva que faxina minha alma


Caminhar na beira da praia quando o sol está nascendo
Comida de fogão de lenha e prosa na cozinha
Banho de cachoeira

A música dos pássaros
O colorido mais que perfeito das flores
O nascimento de uma vida

Lágrimas da mais pura dor
Sorriso de genuína alegria
Suor da labuta diária

Drummond, Adélia, Clarice, Fernando e muitos outros... 
Um livro a ser desvendado
Papel em branco aguardando a escrita 

E aí fico de pé no chão, encho os vasos da casa de flores, perfumo o quarto com água de cheiro... e, depois de banho tomado, esparramo meu ser pela vida, percebendo que preciso de muito pouco para ser feliz.

Beijo na boca me cativa
O amor me cativa
A vida, bem simples, me cativa eternamente.
(Regina Rozenbaum)




quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

MULHER NÃO GUARDA RANCOR




Após um longo período de doença, a mulher morre e chega aos portões do Céu. Enquanto aguardava São Pedro, ela espiou pelas grades e viu seus pais, amigos e todos que haviam partido antes dela, sentados à mesa, apreciando um maravilhoso banquete. Quando São Pedro chegou, ela comentou:
- Que lugar lindo! Como faço para entrar?
- Eu vou falar uma palavra.
Se você soletrá-la corretamente na primeira vez, você entra; se errar vai direto para o inferno.
- Ok. Qual é a palavra?
- AMOR, respondeu São Pedro.
- A - M - O - R
Ela soletrou perfeitamente e de primeira. Passou pelos portões.
Um ano depois, São Pedro pediu que ela vigiasse os portões aquele dia. Para surpresa dela, o marido apareceu.
- Oi! Que surpresa! - disse ela. Como você esta?
- Ah, eu tenho estado muito bem desde que você morreu... Casei-me com aquela bela enfermeira que cuidou de você, recebi seu seguro de vida e fiquei milionário. Vendi a casa onde vivemos e comprei uma mansão. Eu e minha linda esposa viajamos por todo o mundo. Estávamos de férias e eu fui esquiar hoje. Caí, o esqui bateu na minha cabeça e aqui estou eu. E agora, como faço para entrar, querida?
- Bem, aqui tem uma regra pra entrar. Eu vou falar uma palavra, se você soletrá-la corretamente na primeira vez, você entra, senão vai para o inferno.
- Qual é a palavra?
- ARNOLD SCHWARZENEGGER!!!
(Mulher é assim...Não perdoa nem morta!rsrsrs Colaboração da amiga Marcinha)

COISAS DA VIDA



Já escondi um amor com medo de perdê-lo,
Já perdi um amor por escondê-lo...
Já segurei nas mãos de alguém por estar com medo,
Já tive tanto medo, ao ponto de nem sentir minhas mãos.

Já expulsei pessoas que amava de minha vida,
Já me arrependi por isso...
Já passei noites chorando até pegar no sono,
Já fui dormir tão feliz,
Ao ponto de nem conseguir fechar os olhos...

Já acreditei em amores perfeitos,
Já descobri que eles não existem...
Já amei pessoas que me decepcionaram,
Já decepcionei pessoas que me amaram...

Já passei horas na frente do espelho
Tentando descobrir quem sou,
Já tive tanta certeza de mim,
Ao ponto de querer sumir...

Já menti e me arrependi depois,
Já falei a verdade
E também me arrependi...
Já fingi não dar importância a pessoas que amava,
Para mais tarde chorar quieta no meu canto...

Já sorri chorando lágrimas de tristeza,
Já chorei de tanto rir...
Já acreditei em pessoas que não valiam a pena,
Já deixei de acreditar nas que realmente valiam...
Já tive crises de riso quando não podia...

Muitas vezes deixei de falar o que penso para agradar uns,
Outras vezes falei o que não pensava para magoar outros...
Já fingi ser o que não sou para agradar uns,
Já fingi ser o que não sou para desagradar outros...

Já senti muita falta de alguém,
Mas nunca lhe disse...
Já gritei quando deveria calar,
Já calei quando deveria gritar...

Já contei piadas e mais piadas sem graça,
Apenas para ver um amigo mais feliz...
Já inventei histórias de final feliz
Para dar esperança a quem precisava...
Já sonhei demais,
Ao ponto de confundir com a realidade...

Já tive medo do escuro,
Hoje no escuro “me acho, me agacho, fico ali”...
Já caí inúmeras vezes
Achando que não iria me reerguer,
Já me reergui inúmeras vezes
Achando que não cairia mais...

Já liguei para quem não queria
Apenas para não ligar para quem realmente queria...
Já corri atrás de um carro,
Por ele levar alguém que eu amava embora.

Já chamei pela mãe no meio da noite
Fugindo de um pesadelo,
Mas ela não apareceu
E foi um pesadelo maior ainda...
Já chamei pessoas próximas de “amigo”
E descobri que não eram,
Algumas pessoas, nunca precisei chamar de nada
E sempre foram e serão especiais para mim...

Não me dêem fórmulas certas,
Porque eu não espero acertar sempre...
Não me mostre o que esperam de mim,
Porque vou seguir meu coração!...
Não me façam ser o que eu não sou,
Não me convidem a ser igual,
Porque sinceramente sou diferente!...

Não sei amar pela metade,
Não sei viver de mentiras,
Não sei voar com os pés no chão...
Sou sempre eu mesma,
Mas com certeza não serei a mesma para sempre...

Com o tempo aprendi que o que importa
Não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida...

E que bons amigos são a família que nos permitiram escolher...
Gosto de cada um de vocês de um jeito especial e único!
(Desconheço a autoria)

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

FREUD NO COTIDIANO: TOC (TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO)



Os pensamentos obsessivos, como sintomas, são estudados nas alterações do conteúdo do pensamento. São determinadas idéias de caráter obrigatório e impostas ao indivíduo, independente de sua vontade, mesmo sendo contrárias aos argumentos de sua lógica e de seu juízo. No transtorno obsessivo compulsivo esses impulsos obsessivos, e conseqüentes compulsões delas decorrentes, são suficientemente intensas para causar sofrimento acentuado, consumir tempo, interferir significativamente na rotina normal da pessoa, no funcionamento ocupacional ou nas atividades e relacionamentos sociais. As compulsões são comportamentos repetitivos e intencionais (apesar de quase involuntários) desempenhados em resposta à idéia obsessiva e com a finalidade de prevenir o desconforto de um suposto acontecimento terrível. Os atos compulsivos são ritualísticos, estereotipados e absurdos e, caso não sejam realizados a contento, a ansiedade acoplada à idéia obsessiva acerca de algum provável acontecimento desagradável passa a incomodar muito o paciente. Normalmente tais atos compulsivos envolvem atitudes de higiene, como, por exemplo, lavar as mãos, limpar coisas metodicamente, ou atitudes de contar, conferir, arrumar. Outras vezes, implicam em tocar ou olhar objetos de maneira ritualística. Tipos de rituais mais freqüentes:
1. Rituais de limpeza e de lavagem. Os pacientes podem chegar a lavar as mãos 20 ou 30 vezes ao dia, ou tomar banho durante diversas horas;
2. Rituais de recontagem. Os pacientes repetem ações um certo número de vezes, a fim de prevenir sucessos indesejados. O número de vezes pode ser estabelecido por números incalculáveis;
3. Rituais de comprovação. Os pacientes comprovam repetidamente se a porta está fechada, se o forno está apagado, se a tomada está desligada,etc. Em outros casos, realizam-se comprovações para segurança de não sofrerem nenhuma doença;
4. Comportamentos meticulosos. Os pacientes se asseguram de que os objetos estão na ordem adequada, ou colocados de forma simétrica.

SAUDADES NÃO TEM HORA MARCADA


Tudo para você passaria... Nunca deu muita importância para as queixas. As do corpo lavava com água e sabão, e um chá de erva cidreira obrigava a tomar, para acalmar. Se demorava uma dor de amor passar, logo dizia que com outro alguém, de merecimento, iria sarar. Para você, tudo sempre passaria e na memória nada mais ficaria - é só querer - você insistia. Acreditei. E cheguei até sonhar que você retornaria. Dez meses se passaram e onde está, para dizer que tudo irá passar? Saudade assim, mãe, jamais passará. Amo você sempre!

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

RECADINHOS BEM HUMORADOS DE D'US


“Por favor, não beba quando for dirigir. Você ainda não está pronto para vir me visitar.” D’US


“O que devo fazer para que você me dê atenção? Colocar Aos cuidados de numa carta?” D’US

“Se você perder o amanhecer que fiz para você hoje, não tem importância. Eu lhe farei outro amanhã.” D’US



“Eu curto casamentos. Convide-me para o seu.” D’US



“Não esqueça de levar o guarda-chuva. Hoje preciso molhar as plantas.” D’US

FELICIDADE REALISTA

"Meninas" e "Meninos" também: se Papai Noel não trouxe o que pediu na lista de ontem, Mário Quintana nos presenteia com um, eu quero, que vale a pena conquistar!

A princípio, bastaria ter saúde, dinheiro e amor, o que já é um pacote louvável, mas nossos desejos são ainda mais complexos. Não basta que a gente esteja sem febre: queremos, além de saúde, ser magérrimos, sarados, irresistíveis. Dinheiro? Não basta termos para pagar o aluguel, a comida e o cinema: queremos a piscina olímpica e uma temporada num spa cinco estrelas. E quanto ao amor? Ah, o amor... não basta termos alguém com quem podemos conversar, dividir uma pizza e fazer sexo de vez em quando. Isso é pensar pequeno: queremos AMOR, todinho maiúsculo. Queremos estar visceralmente apaixonados, queremos ser surpreendidos por declarações e presentes inesperados, queremos jantar à luz de velas de segunda a domingo, queremos sexo selvagem e diário, queremos ser felizes assim e não de outro jeito. É o que dá ver tanta televisão. Simplesmente esquecemos de tentar ser felizes de uma forma mais realista. Ter um parceiro constante, pode ou não, ser sinônimo de felicidade. Você pode ser feliz solteiro, feliz com uns romances ocasionais, feliz com um parceiro, feliz sem nenhum. Não existe amor minúsculo, principalmente quando se trata de amor-próprio. Dinheiro é uma benção. Quem tem, precisa aproveitá-lo, gastá-lo, usufruí-lo. Não perder tempo juntando, juntando, juntando. Apenas o suficiente para se sentir seguro, mas não aprisionado. E se a gente tem pouco, é com este pouco que vai tentar segurar a onda, buscando coisas que saiam de graça, como um pouco de humor, um pouco de fé e um pouco de criatividade. Ser feliz de uma forma realista é fazer o possível e aceitar o improvável. Fazer exercícios sem almejar passarelas, trabalhar sem almejar o estrelato, amar sem almejar o eterno. Olhe para o relógio: hora de acordar. É importante pensar-se ao extremo, buscar lá dentro o que nos mobiliza, instiga e conduz mas sem exigir-se desumanamente. A vida não é um jogo onde só quem testa seus limites é que leva o prêmio. Não sejamos vítimas ingênuas desta tal competitividade. Se a meta está alta demais, reduza-a. Se você não está de acordo com as regras, demita-se. Invente seu próprio jogo. Faça o que for necessário para ser feliz. Mas não se esqueça que a felicidade é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceber sua simplicidade. Ela transmite paz e não sentimentos fortes, que nos atormenta e provoca inquietude no nosso coração. Isso pode ser alegria, paixão, entusiasmo, mas não felicidade.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

EU QUERO UM HOMEM QUE...

O Natal já passou, mas a lista de pedidos continua de pé! Dizem que "querer é poder"... Será meninas? Para rirmos um cadinho, porque hoje é segunda e todas acreditam, ainda, em Papai Noel... rsrsrs (Colaboração enviada pela mana Léa)


Lista Original

Eu quero um homem que...
1. Seja lindo,

2. Encantador,                                 
3. Financeiramente estável,
4. Um bom ouvinte,
5. Divertido,
6. Em boa forma física,
7. Se vista bem,
8. Aprecie as coisas mais finas,
9. Faça muitas surpresas agradáveis,
10. Seja um amante criativo e romântico.

Lista Revisada aos 32 Anos
Eu quero um homem que....
1. Seja bonitinho,
2. Abra a porta do carro
3 Tenha dinheiro suficiente para jantar fora com certa frequência
4. Ouça mais do que fale,
5. Ria das minhas piadas,
6. Carregue as sacolas do mercado com facilidade,
7. Tenha no mínimo uma gravata,
8. Lembre de aniversários e datas especiais,
9. Procure romance pelo menos uma vez por semana.

Lista Revisada aos 42 Anos
Eu quero um homem que...
1. Não seja muito feio,
2. Espere eu me sentar no carro antes de começar a acelerar,
3. Tenha um emprego fixo
4. Balance a cabeça enquanto eu falo,
5. Esteja em forma ao menos para mudar a mobília de lugar,
6. Use camisetas que cubram sua barriga,
7. Não compre cidra achando que é champagne,
8. Se lembre de abaixar a tampa da privada
(já tá bom, né? Esquece o Romance...)


Lista Revisada aos 52 Anos
Eu quero um homem que...
1. Corte os pelos do nariz e das orelhas,
2. Não coce o saco nem cuspa em público,
3. Não sustente as irmãs, nem as filhas do primeiro casamento
4. Não balance a cabeça até dormir enquanto eu estou reclamando,
5. Não conte a mesma piada o tempo todo.


Lista Revisada aos 62 Anos
Eu quero um homem que...
1. Não assuste as crianças pequenas,
2. Ronque bem baixinho quando dorme,
3. Esteja em forma suficiente para ficar de pé sozinho,
4-Use cuecas e meias limpas.

Lista Revisada aos 72 Anos
Eu quero um homem que...
1. Respire,
2. Lembre onde deixou seus dentes
Lista Revisada aos 88 Anos
Eu quero um homem que...
1. O que é um homem, mesmo?

MINEIRIDADE: LINDIM DIMAISSS!


Eu amo de viver essa crônica! Já se escreveu muito e de várias formas sobre Minas Gerais e sobre nós mineiros(as). Mas essa é bunitim dimaisss sô!
Felipe Peixoto Braga Netto (1973 - afirma que não é jornalista, não é publicitário, nunca publicou crônicas ou contos, não é, enfim, literariamente falando, muita coisa, segundo suas palavras. Mora em Belo Horizonte e ama Minas Gerais. Ele diz que nunca publicou nada, mas a crônica que apresento foi extraída do livro "As coisas simpáticas da vida", Landy Editora, São Paulo/SP - 2005, pág. 82.)

Gente, simplificar é um pecado. Se a vida não fosse tão corrida, se não tivesse tanta conta para pagar, tantos processos - oh sina - para analisar, eu fundaria um partido cuja luta seria descobrir as falas de cada região do Brasil.
Cadê os lingüistas deste país? Sinto falta de um tratado geral dos sotaques brasileiros. Não há nada que me fascine mais. Como é que as montanhas, matas ou mares influem tanto, e determinam a cadência e a sonoridade das palavras? É um absurdo. Existem livros sobre tudo; não tem (ou não conheço) um sobre o falar ingênuo deste povo doce. Escritores, ô de casa, cadê vocês? Escrevam sobre isto, se já escreveram me mandem, que espero ansioso. Um simples "mas" é uma coisa no Rio Grande do Sul. É tudo menos um "mas" nordestino, por exemplo. O sotaque das mineiras deveria ser ilegal, imoral ou engordar. Porque, se tudo que é bom tem um desses horríveis efeitos colaterais, como é que o falar, sensual e lindo (das mineiras) ficou de fora? Porque, Deus, que sotaque! Mineira devia nascer com tarja preta avisando: ouvi-la faz mal à saúde. Se uma mineira, falando mansinho, me pedir para assinar um contrato doando tudo que tenho, sou capaz de perguntar: só isso? Assino achando que ela me faz um favor. Eu sou suspeitíssimo. Confesso: esse sotaque me desarma. Certa vez quase propus casamento a uma menina que me ligou por engano, só pelo sotaque. Mas, se o sotaque desarma, as expressões são um capítulo à parte. Não vou exagerar, dizendo que a gente não se entende... Mas que é algo delicioso descobrir, aos poucos, as expressões daqui, ah isso é... Os mineiros têm um ódio mortal das palavras completas. Preferem, sabe-se lá por que, abandoná-las no meio do caminho (não dizem: pode parar, dizem: "pó parar". Não dizem: onde eu estou? dizem: "ôndôtô?"). Parece que as palavras, para os mineiros, são como aqueles chatos que pedem carona. Quando você percebe a roubada, prefere deixá-los no caminho. Os não-mineiros, ignorantes nas coisas de Minas, supõem, precipitada e levianamente, que os mineiros vivem - lingüisticamente falando - apenas de uais, trens e sôs. Digo-lhes que não.
Mineiro não fala que o sujeito é competente em tal ou qual atividade. Fala que ele é bom de serviço. Pouco importa que seja um juiz, um jogador de futebol ou um ator de filme pornô. Se der no couro - metaforicamente falando, claro - ele é bom de serviço. Faz sentido...
Mineiras não usam o famosíssimo tudo bem. Sempre que duas mineiras se encontram, uma delas há de perguntar pra outra: "cê ta boa?" Para mim, isso é pleonasmo. Perguntar para uma mineira se ela tá boa, é como perguntar a um peixe se ele sabe nadar. Desnecessário. Há outras. Vamos supor que você esteja tendo um caso com uma mulher casada. Um amigo seu, se for mineiro, vai chegar e dizer:
- Mexe com isso não, sôo (leia-se: sai dessa, é fria, etc).
O verbo "mexer", para os mineiros, tem os mais amplos significados. Quer dizer, por exemplo, trabalhar. Se lhe perguntarem com o que você mexe, não fique ofendido. Querem saber o seu ofício. Os mineiros também não gostam do verbo conseguir. Aqui ninguém consegue nada. Você não dá conta. Sôcê (se você) acha que não vai chegar a tempo, você liga e diz:
- Áqui, não vou dar conta de chegar na hora, não, sô. Esse "áqui" (acho que) é outro que só tem aqui. É antecedente obrigatório, sob pena de punição pública, de qualquer frase. É mais usada, no entanto, quando você quer falar e não estão lhe dando muita atenção: é uma forma de dizer, olá, me escutem, por favor. É a última instância antes de jogar um pão de queijo na cabeça do interlocutor. Mineiras não dizem "apaixonado por". Dizem, sabe-se lá por que, "apaixonado com". Soa engraçado aos ouvidos forasteiros. Ouve-se a toda hora: "Ah, eu apaixonei com ele...". Ou: "sou doida com ele" (ele, no caso, pode ser você, um carro, um cachorro). Elas vivem apaixonadas com alguma coisa. Que os mineiros não acabam as palavras, todo mundo sabe. É um tal de bonitim, fechadim, e por aí vai. Já me acostumei a ouvir: "E aí, vão?". Traduzo: "E aí, vamos?". Não caia na besteira de esperar um "vamos" completo de uma mineira. Não ouvirá nunca.
Na verdade, o mineiro é o baiano lingüístico. A preguiça chegou aqui e armou rede. O mineiro não pronuncia uma palavra completa nem com uma arma apontada para a cabeça. Eu preciso avisar à língua portuguesa que gosto muito dela, mas prefiro, com todo respeito, a mineira. Nada pessoal. Aqui certas regras não entram. São barradas pelas montanhas. Por exemplo: em Minas, se você quiser falar que precisa ir a um lugar, vai dizer:
- Eu preciso de ir.
Onde os mineiros arrumaram esse "de", aí no meio, é uma boa pergunta. Só não me perguntem. Mas que ele existe, existe. Asseguro que sim, com escritura lavrada em cartório. Deixa eu repetir, porque é importante. Aqui em Minas ninguém precisa ir a lugar nenhum. Entendam... Você não precisa ir, você "precisa de ir". Você não precisa viajar, você "precisa de viajar". Se você chamar sua filha para acompanhá-la ao supermercado, ela reclamará:
- Ah, mãe, eu preciso de ir?
No supermercado, o mineiro não faz muitas compras, ele compra um tanto de coisa. O supermercado não estará lotado, ele terá um tanto de gente. Se a fila do caixa não anda, é porque está agarrando lá na frente. Entendeu? Deus, tenho que explicar tudo. Não vou ficar procurando sinônimo, que diabo. E não digo mais nada, leitor, você está agarrando meu texto. Agarrar é agarrar, ora!
Se, saindo do supermercado, a mineirinha vir um mendigo e ficar com pena, suspirará:
- Ai, gente, que dó.

É provável que a essa altura o leitor já esteja apaixonado pelas mineiras. Eu aviso que vá se apaixonar na China, que lá está sobrando gente. E não vem caçar confusão pro meu lado. Porque, devo dizer, mineiro não arruma briga, mineiro "caça confusão". Se você quiser dizer que tal sujeito é arruaceiro, é melhor falar, para se fazer entendido, que ele "vive caçando confusão".
Para uma mineira falar do meu desempenho sexual, ou dizer que algo é muitíssimo bom (acho que dá na mesma), ela, se for jovem, vai gritar:
-"Ô, é sem noção".
Entendeu, leitora? É sem noção! Você não tem, leitora, idéia do tanto de bom que é. Só não esqueça, por favor, o "Ô" no começo, porque sem ele não dá para dar noção do tanto que algo é sem noção, entendeu?
Ouço a leitora chiar:
- "Capaz..."
Vocês já ouviram esse "capaz"? É lindo. Quer dizer o quê? Sei lá, quer dizer "tá fácil que eu faça isso", com algumas toneladas de ironia. Gente, ando um péssimo tradutor. Se você propõe a sua namorada um sexo a três (com as amigas dela), provavelmente ouvirá um "capaz..." como resposta. Se, em vingança contra a recusa, você ameaçar casar com a Gisele Bündchen, ela dirá:
- "Ô dó dôcê".
Entendeu agora? Não? Deixa para lá.
É parecido com o "nem...". Já ouviu o "nem..."? Completo ele fica:
- "Ah, nem..."
O que significa? Significa, amigo leitor, que a mineira que o pronunciou não fará o que você propôs de jeito nenhum. Mas de jeito nenhum. Você diz:
- "Meu amor, cê anima de comer um tropeiro no Mineirão?".
Resposta:
- "Ah, nem..."
Ainda não entendeu? Uai, nem é nem. Leitor, você é meio burrinho ou é impressão?
A propósito, um mineiro não pergunta:
- "Você não vai?".
A pergunta, mineiramente falando, seria:
- "Cê não anima de ir"?
Tão simples. O resto do Brasil complica tudo. É, ué, cês dão umas volta pra falar os trem...
Certa vez pedi um exemplo e a interlocutora pensou alto:
- "Você quer que eu 'dou' um exemplo..."
Eu sei, eu sei, a gramática não tolera esses abusos mineiros de conjugação. Mas que são uma gracinha, ah isso lá são.
Ei, leitor, pára de babar. Que coisa feia. Olha o papel todo molhado. Chega, não conto mais nada. Está bem, está bem, mas se comporte.
Falando em "ei...". As mineiras falam assim, usando, curiosamente, o "ei" no lugar do "oi". Você liga, e elas atendem lindamente: "eiiii!!!", com muitos pontos de exclamação, a depender da saudade... Tem tantos outros... O plural, então, é um problema. Um lindo problema, mas um problema. Sou, não nego, suspeito. Minha inclinação é para perdoar, com louvor, os deslizes vocabulares das mineiras. Aliás, deslizes nada. Só porque aqui a língua é outra, não quer dizer que a oficial esteja com a razão. Se você, em conversa, falar:
- "Ah, fui lá comprar umas coisas... "
- "Ques coisa?, ela retrucará.
Acreditam? O plural dá um pulo. Sai das coisas e vai para o que.
Ouvi de uma menina culta um "pelas metade", no lugar de "pela metade". E se você acusar injustamente uma mineira, ela, chorosa, confidenciará:
- "Ele pôs a culpa 'ni mim' ".
A conjugação dos verbos tem lá seus mistérios, em Minas... Ontem, uma senhora docemente me consolou:
- "Preocupa não, bobo!".
E meus ouvidos. já acostumados às ingênuas conjugações mineiras. nem se espantam. Talvez se espantassem se ouvissem um: "não se preocupe", ou algo assim. A fórmula mineira é sintética e diz tudo.
Até o tchau em Minas é personalizado. Ninguém diz tchau pura e simplesmente. Aqui se diz "tchau pro cê", "tchau pro cês". É util deixar claro o destinatário do tchau. O tchau, minha filha, é prôcê, não é pra outra entendeu?
Deve haver, por certo, outras expressões... A minha memória (que não ajuda muito) trouxe essas por enquanto. Estou, claro, aberto a sugestões. Como é uma pesquisa empírica, umas voluntárias ajudariam... Exigência: ser mineira.

domingo, 24 de janeiro de 2010

TUDO NA VIDA É RELATIVO


Fim de tarde, um ginecologista aguarda sua última paciente que não chega.
Depois de 45 minutos, ele supõe que ela não virá mais e resolve tomar um gin tônica para relaxar, antes de voltar para casa.
Ele se instala confortavelmente numa poltrona e começa a ler o jornal quando toca a campainha.
É a tal paciente, que chega toda sem graça e pede mil desculpas pelo atraso. -Não tem importância, imagine! (responde o médico.)
-Olhe, eu estava tomando um gin tônica enquanto a esperava. Quer um também para relaxar ?
-Aceito com prazer - responde a paciente aliviada.
Ele lhe serve um copo, senta-se na sua frente e começam a bater papo.
De repente ouve-se um barulho de chave na porta do consultório.
O médico tem um sobressalto, levanta-se bruscamente e diz:
-É minha mulher ! Rápido, tire a roupa, deite na cama e abra as pernas, senão ela pode pensar bobagem !
(...Tudo na vida é relativo...)  


REGRAS SÃO REGRAS...
Um casal recém casado vai viver em sua nova casa.
Ao entrar pela primeira vez na casa o homem diz:
- Se quer viver comigo as minhas regras são:
- Segundas e Terças à noite vou tomar café com os amigos;
- Quartas à noite cinema com o pessoal;
- Quintas, sextas à noite cerveja com os colegas;
- Sábados pescaria com a turma, retornando domingo pela manhã;
- E aos domingos deito cedo para descansar. Se quer... Quer... Se não quer... Azar !
Então a mulher responde:
- Pra mim só existe uma regra: Aqui em casa tem sexo todas as noites. Quem está, está. Quem não está...Azar !
(...Tudo na vida é relativo...)


RACIOCINIO RÁPIDO
Pra testar o caráter de um novo empregado, o dono da empresa mandou colocar 500 reais a mais no salário dele.
Passam os dias, e o funcionário não relata nada.
Chegando no outro mês, o dono faz o inverso: manda tirar 500 reais.
No mesmo dia, o funcionário entra na sala pra falar com ele:
- Doutor, acho que houve um engano e me tiraram 500 reais do salário.
- É ? Curioso que no mês passado eu coloquei 500 a mais e você não falou nada.
- É que um erro eu tolero, doutor, mas DOIS, eu acho um absurdo !
(...Tudo na vida é relativo...)

COMPRIMIDINHO DOS MILAGRES


Estava lendo o blog de uma amiga, e me chamou à atenção a discussão que se abriu em torno de uma medicação lá chamada de: “comprimidinhos milagres”. Nós mulheres somos uma espécie bastante esquisita. A indústria cosmetológica fatura em torno de 56 bilhões de dólares anualmente! Por aqui não consigo mais encontrar um dermatologista que realmente o seja. A grande maioria lota seus consultórios com os procedimentos de rejuvenescimento: botox, preenchimentos, peelings e congêneres fazem a alegria da mulherada, saindo todas sem sua identidade e com cara plastificada. Sou vaidosa, gosto de me cuidar, mas na minha medida certa. Um hidratante aqui, um banho de cheiro acolá e me sinto poderosa. Já fui mais (leiam post “Manutenção” do dia 17/10/09) e penso que cansei. Quero ser eu mesma e me enxergar quando olho no espelho. Não quero ter que um dia me apresentar à minha própria pessoa, quando vir minha imagem refletida num espelho. “Olá muito prazer, eu sou Regina”, no mínimo hilário. Gosto das minhas ruguinhas quando sorrio, e mais ainda das histórias vividas que, verdadeiramente, elas denunciam. “Comprimidinhos Milagres para homens, mulheres, queda de cabelo, ruga, pele seca, afinar perna, contorno do rosto, para quase tudo”, UFA! Acredito não!!! Uma noite-dia de amor faz meus olhos brilharem, minha pele rejuvenescer e minhas pernas se tornarem irresistíveis. Uma conversa com amigos sem hora para acabar, as risadas da mais genuína alegria faz minhas rugas desaparecerem, realmente, por milagre. Não tem unha fraca, queda de cabelo que resista à família reunida, num almoço de domingo! E, para mim, “comprimidinho milagre para quase tudo” que se preze, tem nome e sobrenome: Vida Vivida!

sábado, 23 de janeiro de 2010

ERÓTICO E BELO


Em um momento de descontração, o grande poeta Carlos Drummond de Andrade escreveu:
"Satânico é meu pensamento a teu respeito, e ardente é o meu desejo de apertar-te em minha mão, numa sede de vingança incontestável pelo que me fizeste ontem.
A noite era quente e calma, e eu estava em minha cama, quando, sorrateiramente, te aproximaste. Encostaste o teu corpo sem roupa no meu corpo nu, sem o mínimo pudor! Percebendo minha aparente indiferença,aconchegaste-te a mim e mordeste-me sem escrúpulos. Até nos mais íntimos lugares. Eu adormeci.
Hoje quando acordei, procurei-te numa ânsia ardente, mas em vão.
Deixaste em meu corpo e no lençol provas irrefutáveis do que entre nós ocorreu durante a noite.
Esta noite recolho-me mais cedo, para na mesma cama, te esperar. Quando chegares, quero te agarrar com avidez e força. Quero te apertar com todas as forças de minhas mãos. Só descansarei quando vir sair o sangue quente do seu corpo.
Só assim, livrar-me-ei de ti, pernilongo Filho da Puta!!!!

Pensou que fosse o quê???? rsrsrs Essa é para animar o sábado!

CHARUTOS SE TRANSFORMAM EM ROSAS



Meu pai foi um imigrante polonês. Chegou ao Brasil quando tinha somente 16 anos, para “tentar uma vida melhor” como tantos outros imigrantes de nacionalidades diversas. Conheceu e apaixonou-se por minha mãe. Como ela sempre nos contou, cheia de orgullho, foi amor à primeira vista! Sendo ele filho único, desejava muito um varão para perpetuar seu nome. Coisas de europeu e do gênero masculino em qualquer lugar do mundo. Veio à primeira gravidez e com ela a certeza do “saco roxo” era tanta, que charutos foram providenciados. Nasceu Raquel e os charutos não puderam ser distribuídos! Nova gravidez, expectativa, e... Lea surgiu, para dizer a ele que os charutos ainda ficariam na caixa. Sem desistir nem desanimar, outra barrigada encomendaram. E para quem já tinha duas filhas, um varão seria tudo de “bão”. Mas, ainda não foi dessa vez: Mary nasceu, e sua pele tão branca e seus olhos tão azuis davam informação de que lado escolheu. O homem era tenaz, e para quem ama mais vale um gosto... Minha mãe, rapidamente, iniciou nova jornada. Amigos e parentes diziam a ele: “Rozenbaum vamos agora, finalmente, com os charutos festejar!” Mas, como não era de se esperar, chegou Janete para decepcionar. Será? Só um pouquinho, pois lá estava a pobre de minha mãe tentando, novamente, realizar esse sonho de varão. E como já podem perceber o andar da carruagem, nasceu Eliana a quinta filha mulher, recheada de expectativas e desejos pelo tal varão. Como já contei, essa dupla não era fácil não e até nome escolheram para o sexto sonhado varão: Raul. Mas aí, dessa vez, minha mãe nem direito de escolha do nome teve. Vai se chamar Regina, do latim reggis, pois será uma rainha, decretou ele. Será? De rainha nunca tive nada, a não ser o nome que carrego como bem precioso de um desejo que nunca se realizou. Dois anos depois do meu nascimento ele faleceu, deixando minha mãe, sozinha, com seis filhas mulheres para criar. Como ela sempre dizia, há uma roseira em minha casa (em polonês baum = árvore e rozen = rosa) e cá entre nós, não há como combinar o perfume de rosas com o odor dos charutos!

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

SEXO CANETA BIC










FREUD NO COTIDIANO: SONHO E HISTÉRICO


A personalidade histérica é caracterizada por um comportamento dramático e extrovertido que se apresenta sempre exuberante. É um dos únicos distúrbios de personalidade mais freqüentes no sexo feminino, onde apresentam uma tendência de comportamento em busca de atenção. Os histéricos tendem a exagerar seus pensamentos e sentimentos, apresentam acessos de mau humor, lágrimas e acusações sempre que percebem não serem o centro das atenções ou quando não recebem elogios e aprovações. Frequentemente animados e dramáticos tendem a chamar a atenção sobre si mesmos e podem, de início, encantar por seu entusiasmo, aparente fraqueza ou capacidade de sedução. Tais qualidades, contudo, perdem sua força à medida que exigem o papel de “dono da festa”. Geralmente são muito vaidosos, egocêntricos, exibicionistas e dramáticos. Como precisam mostrar aquilo que não são realmente, fazem teatro para si e para os outros. Em meio a tantos devaneios, chegam a perder a noção do real, chegando a acreditarem em suas próprias encenações.
Às vezes, devido a sua excepcional teatralidade, esta tendência em polarizar as atenções é perfeitamente dissimulada sob o papel de coitadinho, ou de um retraimento social tão lamentável que é capaz de chamar mais a atenção que uma participação mais normal.


Os sonhos são os binóculos através dos quais a pessoa que sonha pode tornar mais próximos os espectros longínquos que rondam seu inconsciente. Os sonhos servem a um duplo propósito: são uma válvula de segurança da emoção recalcada e guardiões do sono. Os sonhos não são nunca o que parecem ser. O creme de um sonho não está naquilo que se passa dentro dele, mas no que surge à mente em cada detalhe do sonho; isso representa um símbolo da camada mais profunda dos sonhos. Cada sonho, além de realizar um desejo recalcado da infância, também revela a trama de uma recente impressão dentro da memória, seja um desejo ou impulso. Isso ocorre porque é uma recente impressão, desejo ou impulso que dá ao inconsciente o ponto de apoio imprescindível a que possa emergir a consciência, segundo Freud. Por que os sonhos são considerados desejos? Porque é o desejo que põe em movimento nossa máquina psíquica, como assinala Freud. Agimos de acordo com nossos desejos. Uma parte delicada e complicada de nossa mente, relacionada com os nossos desejos mais profundos, opera independentemente da consciência e nos conta os seus desejos através dos sonhos.

Ocorreu um erro neste gadget