Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

quarta-feira, 30 de junho de 2010

QUE IGREJA É ESSA? DE FREI BETTO PARA FREI CLÁUDIO

SEM CRÉDITO... SEM CRER...

Conheci Frei Cláudio através da minha sogra. D.Dora fez parte da paróquia da Igreja Nossa Senhora do Carmo prestando serviço voluntário - ensinando bordados, tricô e crochê – até
na semana de sua morte. Foi em 1984 que, através dela, conheci Frei Cláudio e suas idéias inovadoras. Entre tantas a criação e o funcionamento de um ambulatório de Psicologia. Queria que atendêssemos crianças, adolescentes e respectivos pais. Mesmo sendo uma prestação de serviços à comunidade carente, Frei Cláudio já sabia que para esse atendimento funcionar, um tipo de pagamento deveria existir. Recebíamos um valor que fosse "simbolicamente" significativo para os clientes: em cruzeiros, ovos caipiras, legumes e hortaliças, frangos, bolos, biscoitos, panos de prato com bico de crochê, mas recebíamos. Nos anos que ali fiquei e das reuniões semanais com ele, muito aprendi e até hoje carrego comigo, sua maneira de ouvir, doação, amor, realização de sonhos "impossíveis" e firmeza em seus atos.
Hoje os serviços prestados - em sua paróquia – cresceram muito e as pessoas ali atendidas e beneficiadas são maiores ainda.
Recebi essa mensagem ontem e não pude acreditar e sem créditos desejaria anular. Mera força de expressão para dar voz à minha perplexidade, incredulidade. Essa carta foi escrita pelo famoso Frei Betto e diz, de maneira linda, quem é Frei Cláudio e o que está ocorrendo com ele, sua paróquia e seus párocos. É impressionante – e nunca vou me acostumar – como só fazem atrapalhar e desconstruir o trabalho dedicado e irrepreensível de décadas! Como inovação gera repreensão, medo e até mesmo abolição. Será em nome dos bons costumes da T.F.M. (Tradicional Família Mineira) e da visão/ facção de uma Igreja medieval que Frei Cláudio irá “queimar” junto às bruxas? Não me cabe - nem competência tenho - julgar qualquer posição da Igreja em relação aos assuntos exaustivamente escritos e discutidos em todos os meios de comunicação: homossexualidade, divórcio, aborto, células- tronco, pílula, celibato, crimes de pedofilia e abusos sexuais, etc. Mas, me reservo o direito de dizer que, a igreja católica é hoje vista, por muitas pessoas religiosas, como uma instituição dedicada à defesa do preconceito tolo, em vez de se dedicar à promoção da vida espiritual! E ainda o direito de dizer: FREI CLÁUDIO: TÔCOMVOCÊENÃOABRO e com todo o meu respeito AMO VOCÊ DE VIVERRRRR!!!



“Pessoas não são descartáveis. Muito menos quando se trata de um frade da venerável Ordem dos Carmelitas que abandona o conforto de sua terra, a Holanda, para servir à comunidade cristã numa paróquia de Belo Horizonte.

Falo de frei Cláudio van Balen, ordenado sacerdote há 50 anos e brasileiro de coração há 44. Ruivo, espigado, gestos decididos e orador de frases curtas e contundentes, o bom humor faz de frei Cláudio um dos melhores contadores de piadas que conheço. Talvez esse seja o segredo de sua perene jovialidade. Desde que o conheci, na década de 1970, tem a mesma alegria de viver.
Escritor profícuo, autor de inúmeras obras de espiritualidade e liturgia, pároco da Igreja Nossa Senhora do Carmo, frei Cláudio jamais foi um mero burocrata da fé, como certos padres que se restringem a cumprir horários de missas dominicais e a agenda paroquial de batizados e casamentos. Quase nunca tem tempo para visitar seu rebanho, em especial a parcela mais pobre.
Há párocos do “venhais vós ao nosso reino”. Jamais se preocupam de, espontaneamente, ir ao encontro de seus paroquianos. Frei Cláudio é um pastor dedicado às suas ovelhas. Visita com freqüência as famílias da paróquia nos bairros Carmo e Sion. Em especial, aquelas que se encontram em dificuldades.
Quando estive preso, sob a ditadura militar, ao longo de quatro anos, frei Cláudio me animava com suas generosas cartas, publicada em Cartas da prisão (Agir), e visitava meus pais, seus paroquianos, quase toda semana.
Corre a notícia de que, por discordar da ação pastoral de frei Cláudio, a Arquidiocese de Belo Horizonte teria dado a ele prazo para abandonar a paróquia do Carmo até dia 31. Será que há diálogo entre o colégio episcopal e o conselho paroquial do Carmo?
Frei Cláudio teve oportunidade de se defender das suspeitas que pesam sobre ele (é acusado de ser demasiadamente heterodoxo em suas pregações e nos boletins dominicais) e apresentar as razões de sua inovadora ação pastoral?
A Paróquia do Carmo é um dinâmico centro de evangelização e serviços prestados à população carente. Ali trabalham 82 funcionários e 316 voluntários! Entre os vários serviços destacam-se: Pastoral da Saúde, que beneficia crianças de até seis anos (e já fez quase 30 mil atendimentos); Centro de Atendimento Terapêutico (psicoterapia, orientação profissional e fonoaudiologia); Pastoral da Promoção Humana (alfabetização de adultos); Projeto Conviver (crianças e adolescentes em situação de risco); Bazar da Vovó (idosas); Clube de Mães; biblioteca; Centro de Atendimento Jurídico (às famílias pobres de vilas e favelas); Escola Profissional (informática, digitação, eletricidade, mecânica de automotores, massagem para a terceira idade etc.); ambulatório; Bazar da Família (venda de produtos a preços simbólicos); Equipe de Costura; Creche do Morro do Papagaio (65 crianças); Creche Terra Nova (100 crianças); e Instituto Zilah Spósito (334 crianças e adolescentes em situação de risco).
De janeiro a novembro de 2009, a Paróquia do Carmo arrecadou – com dízimos, aluguéis, doações e eventos – R$ 1.468.026 e gastou com projetos sociais e despesas administrativas R$ 1.507.745. Tudo ali é transparente, como os serviços e a contabilidade.
No sínodo dos bispos em 1971, em Roma, um arcebispo africano apresentou a seus pares, por documentário, a liturgia em sua diocese. O filme mostrava um tronco de árvore, cortado quase rente à raiz, como altar. Em volta, negros de tanga tocando tambores e negras, com os seios à mostra, dançando na missa. Um cardeal romano protestou indignado: “Isso é uma blasfêmia. Não é a liturgia da Igreja.” O africano reagiu calmamente: “Pode não ser a de Roma, mas da Igreja é. Porque se nós africanos tivéssemos evangelizado a Europa, a esta hora todos os senhores estariam dançando desnudos em volta do altar.”
Esta a questão: a atividade pastoral de frei Cláudio van Balen contradiz a Igreja Católica? Nem o próprio Jesus quis uniformidade em sua igreja. Não são quatro os evangelhos? Vejam as brigas entre Pedro e Paulo na Carta aos gálatas. A pluralidade de métodos de evangelização é uma riqueza. A tolerância, uma virtude. O diálogo, a via mais fácil para as pessoas se entenderem."
(Frei Betto é escritor, autor de Um homem chamado Jesus (Rocco), entre outros livros. http://www.freibetto.org/.)

terça-feira, 29 de junho de 2010

HOMOTOXICOLOGIA: VIVENDO E APRENDENDO...SEMPRE!

Quem me conhece sabe que  desde sempre, e mais ainda a partir das minhas vivências num hospital geral, sou absolutamente a favor de uma visão integrada de todo e qualquer adoecimento. Também apregôo que, da mesma maneira que temos o direito de nascermos com dignidade, nossa morte também assim deveria ser.
Desde outubro de 2007 acompanho, dolorosamente, - um ser amadíssimo por mim, em sua luta contra um câncer devastador. É um guerreiro que vem me surpreendendo nesses quase três anos de guerra! Nesse mês tive a notícia que ele iria procurar um homotoxicologista e ao ser perguntada, pelo informante, se sabia do que se tratava, se conhecia o médico, e sem ter nenhum conhecimento e respostas a dar, corri atrás dos amigos doutores para questionar.
Cláudia, uma médica homeopata com a qual tive o prazer de trabalhar alguns anos na Clínica de Dor Crônica do hospital me esclareceu, forneceu trabalhos científicos e me "garantiu" que é uma das abordagens das quais comungo. Fiquei além de muito atraída por tal homo, com a certeza de que vou, brevemente, consultar também!



O que é Homotoxicologia?
A homotoxicologia é uma ciência que busca identificar a presença de substâncias tóxicas, venenosas ou daninhas acumuladas no organismo, através de alimentos, medicamentos, água, metais pesados, droga, fumo, radiações e outros que podem provocar danos ou lesões nos órgãos, além de enfermidades como alergias, infecções crônicas ou recorrentes, intoxicações e doenças auto-imunes.



Onde surgiu a Homotoxicologia?  

Originou-se na Alemanha, pelo médico Homeopata Dr. Hans-Heinrich Reckeweg na década de 50, e chegou ao Brasil apenas em 2002. Estima-se que na Alemanha, onde é muito popular, cerca de 50% dos médicos, incluindo os com formação alopática, receitam medicamentos homotoxicológicos. A teoria de Reckeweg trouxe uma explicação de como o corpo funciona na normalidade e na enfermidade. Definiu que o ser humano está exposto a uma série de substâncias tóxicas – as homotoxinas -  que são a causa das enfermidades. Esse termo – homotoxina (homo = homem) define todas as substâncias que são tóxicas para o homem. É importante lembrar que as substâncias não são tóxicas da mesma forma para todas as espécies viventes; é possível que o que é tóxico para uma espécie, não seja para outra, ou os graus sejam diferentes. Por isso a etimologia da palavra Homotoxicologia, seria o estudo da toxicidade e seus efeitos nos seres humanos. Reckeweg definiu dois tipos de substâncias homotóxicas:
- Homotoxinas exógenas: Aquelas que vieram de fora do organismo do paciente; geralmente provenientes da contaminação ambiental, alimentação, fármacos, drogas ilegais, etc.
- Homotoxinas endógenas: As produzidas dentro do organismo como parte do metabolismo normal ou anormal: bilirrubina, histamina, colesterol, etc.
A forma como Reckeweg concebeu a enfermidade, indubitavelmente se encontra em total acordo com a realidade funcional do organismo humano. Segundo ele, num primeiro momento o organismo consegue metabolizar e excretar as homotoxinas, mantendo-se saudável. Quando os mecanismos de limpeza começam a não ser mais suficientes, surge a doença. O acúmulo de homotoxinas nos diversos tecidos e órgãos de forma diferenciada definem os sintomas do paciente.
Na primeira fase da doença o organismo consegue excretar as homotoxinas, quer seja aumentando a capacidade de excreção, por meio de diarréia, poliúria (aumento da urina) ou aumento da sudorese.
Numa segunda fase o organismo lança mão da inflamação, onde as células de defesa do organismo (neutrófilos e macrófagos, principalmente) promovem a remoção das homotoxinas.
Quando esses dois mecanismos são insuficientes, as homotoxinas são depositadas e neutralizadas na matriz extracelular. Nessa fase as homotoxinas estão à espera que o organismo possa eliminá-las. Os aumentos amigdalianos, miomas e os adenomas de próstata são exemplos dessa fase.
Quando as homotoxinas persistem por muito tempo na matriz extracelular, estas sofrem um processo de polimerização, dificultando sua excreção. Nessa fase ocorre prejuízo da função da matriz extracelular causando perda da nutrição das células. O diabetes é um exemplo dessa fase.
Na fase cinco (degeneração), as homotoxinas lesam as células, causando alterações bioquímicas, enzimáticas e estruturais. Exemplos dessa fase são as artrites crônicas, lúpus, doenças degenerativas.
Na fase seis (desdiferenciação), as toxinas alcançam o núcleo das células. Altera-se a ordem genética e começam os processos de câncer.
O importante da visão da Homotoxicologia de Reckeweg é a concepção dinâmica, quer dizer, não se encaram as doenças como processos isolados, localizados em órgãos específicos e tratados como situações isoladas. Dessa forma, as doenças são manejadas segundo a fase em que se expressam.
As fases de excreção e inflamação não se devem suprimir com os remédios "anti" (p. ex. anti-diarréicos, anti-inflamatórios, etc). Deve-se sim modular os processos, controlá-los, não suprimi-los. Devem-se permitir ambas as fases cumpram sua função biológica, mas regulando-as para que não ocorra qualquer desequilíbrio.
Nas fases de deposição e impregnação, devem-se estimular os mecanismos do corpo para a eliminação das homotoxinas, como já propunha Hipócrates há 2800 anos. Devem-se evitar todas as formas a evolução para as fases celulares (degeneração e desdiferenciação). Nas fases celulares estamos diante de lesões bioquímicas e estruturais muitas vezes irreversíveis. Por isso a ação terapêutica é dar suporte estrutural, funcional e metabólico, permitindo ao corpo manter-se em equilíbrio, permitindo a vida com a melhor qualidade possível.
O médico com visão homotoxicológica, mediante uma história clínica muito bem feita, busca todos os fatores homotóxicos individuais do paciente, para estabelecer um tratamento integral. Fundamentalmente com mudanças no estilo de vida para cortar o ingresso de toxinas e farmacologicamente através da administração dos remédios antihomotóxicos, os quais basicamente estimulam a resposta imunitária do paciente, recuperando a capacidade do corpo para neutralizar e eliminar as toxinas.

Os medicamentos biológicos anti-homotóxicos ensinam o corpo a agir e, caso haja uma patologia semelhante no futuro, o corpo terá aprendido a reagir e precisará de menos ou nenhum medicamento para eliminar a doença, ao contrário dos medicamentos fármacos-químico que agem no lugar do corpo e até bloqueiam suas reações de defesa, não normalizando suas funções nem eliminando as agressões sobre o sistema.
Mesmo assim os medicamentos anti-homotóxicos, por não interagir com fármacos alopáticos, podem ser usados de modo complementar com estes, ao contrário de outros tipos de medicações. A Terapêutica Anti-homotóxica é calcada em princípios avançados de drenagem, imunização e estimulação. O tratamento é realizado com medicamentos dinamizados (bio-compatíveis e em acordes de potência).
É preciso explicar mais os motivos pelos quais vou, brevemente, consultar um especialista desses? Quero identificar, neutralizar (todas as toxinas), estimular e aumentar a imunidade das minhas células para assim melhorar, ainda mais, a minha qualidade de vida!   

Quanto ao meu amadíssimo, vai respondendo muito bem ao novo tratamento, mas eu continuo fazendo minhas orações e agradecendo pela dignidade merecedora nossa de cada dia!






segunda-feira, 28 de junho de 2010

VIDA E FUTEBOL


Que sua vida seja como um bom jogo de futebol!



Que você possa DRIBLAR todas as tristezas e MATAR NO PEITO todas as angústias.


Que você possa mostrar CARTÃO AMARELO para a mentira e a falsidade.


Mostrar CARTÃO VERMELHO, com coragem, para os seus medos.


Que você possa mandar pra LATERAL, pessoas que são falsas e, se tiver DERROTA, que te sirva de lição, sem deixar revolta.


Que você possa chutar para ESCANTEIO as más amizades e não cometer nenhuma FALTA com seus adversários ou amigos.


Que você possa ter força e coragem no ATAQUE para seguir em frente e ter na DEFESA, calma e simplicidade para que não te machuquem.


Que você possa fazer belíssimos GOLS, conquistar e comemorar verdadeiras e leais amizades.


E que possa jogar bem, realizar e ser verdadeiro (a) campeão (ã) na vida.


Mas principalmente, que você possa fazer lindas jogadas de PAZ E AMOR e comemorar muito.


E lembre que seus verdadeiros e leais amigos estão nas arquibancadas TORCENDO para que você faça BELÍSSIMOS GOLS E VENÇA O JOGO… (Autor desconhecido. Fonte: Internet)




Botaoteca - Instant Button Que Beleza

domingo, 27 de junho de 2010

SÓ CORAÇÃO: DEZESSEIS ANOS DE SO-COR

 
 
Hoje meu coração está de luto. Último dia -de tantos outros - de muitas noites, madrugadas, sábados, domingos e feriados onde aprendi, para além das quatro paredes de um consultório, que a vida é nosso bem mais precioso! Local onde um sonho concretizei... Ouvi muito mais que sinais e sintomas cifrados em corpos. Decifrei histórias, juntei pedaços, muitas vezes cacos, e construção outra, de mãos dadas e almas atadas, foi possível de se fazer. Fui nomeada doutora, dita louca, mas também chamada de anjo. Comprei brigas, batalhas enfrentei e até inimigos arrumei. Nessa guerra tive aliados, não tantos quanto imaginei... Mas desses, AMIGOS se tornaram! Ali, minha missão - quase impossível - se fez possibilidade, provando que do improvável somos capazes de provar e aprovar.
Sonho novo e de novo... Vou em busca de realizar, seja o tempo que demandar. Lá ,deixo um tanto do meu coração e carrego nele minha, eterna, GRATIDÃO. HOJE, SOU SÓ CORAÇÃO: UM JEITO ESPECIAL DE CUIDAR DA SUA SAÚDE!  (Regina Rozenbaum)  

CAVALO SELADO + ÓPERA + LUA CHEIA

Depois daquele jogo – Brasil x Portugal - sem emoção, estava cochilando quando o telefone toca e minha “mamita” Raquel pergunta se quero ir com ela à ópera. Meio sonada pergunto quando, aonde e qual. Hoje à noite, Palácio das Artes, O Barbeiro de Sevilha. Outro cavalo selado passando e eu - já ficando expert em montaria – nem titubeei. “A Cia Brasileira de Ópera é um projeto inédito na história lírica no Brasil. Trata-se de criar um quadro estável de cantores, maestros e técnicos para compor a primeira formação lírica permanente em atividade no nosso País. Irá apresentar sempre produções de primeiríssima qualidade, fazendo uso dos meios técnicos mais modernos e atualizados. A Cia se destaca pela facilidade de deslocamento dessas produções. Essa característica permite que o grupo se apresente nos grandes centros e até as cidades que nunca ou quase nunca tiveram a oportunidade de assistir a produções dessa qualidade.” Quem informa é seu criador e Diretor Artístico da Cia Brasileira o maestro John Neschling (ex regente da OSESP). Num país sem nenhuma tradição nesse tipo de encenação, achei simplesmente fantástica essa tentativa de popularização da ópera. Para minha surpresa, cenários e personagens desenhados pelo cartunista - americano - Joshua Held interagem, em perfeita sincronia, com os cantores de carne e osso. Além de capturar a atenção, arrancar risadas, não tem aquele clima enfadonho, propício a pescarias! A integração entre cantores, maestro e orquestra com elementos filmados e desenhados produz efeitos cênicos de grande comicidade e teatralidade, inalcançáveis em encenações convencionais. Aliás, penso que os entendidos em ópera não vão gostar e as críticas vão ser ferozes. Eu adorei! Ah, outra novidade é a apresentação de uma récita infantil dentro da programação. A versão especial traz músicas cantadas em português e a presença de um narrador contando a história. Fiquei curiosa em saber, quais foram os critérios adotados para fazerem a estréia aqui em Beagá e não em Sampa ou Rio como é habitual. De qualquer maneira vão percorrer mais 14 cidades (deixo abaixo o “serviço”) e sugiro que assistam. Os preços são acessíveis, a orquestra impecável, os cantores (barítono, tenor, mezzo-soprano, baixo) bacanérrimos. Nessa apresentação tirei meu chapéu para o baixo Dr.Bartolo, interpretado por Sávio Sperandio. Depois de duas horas e meia de Rossini ainda fomos brindadas com uma lua cheia, realmente, de emocionar. “Mamita” Raquel: OBRIAGADA por mais esse mimo.

Veja as datas da turnê da companhia e anote em sua agenda:



Cidade: Belo Horizonte
Teatro: Palácio das Artes
Récitas: 24 a 27 de junho


Cidade: Porto Alegre
Teatro: Sesi
Récitas: 30 de junho a 4 de julho


Cidade: Florianópolis
Teatro: Pedro Ivo
Récitas: 14 a 18 de julho


Cidade: Curitiba
Teatro: Positivo
Récitas: 21 a 25 de julho


Cidade: Manaus
Teatro: Amazonas
Récitas: 29 de julho a 2 de agosto


Cidade: Belém
Teatro: da Paz
Récitas: 5 a 9 de agosto


Cidade: João Pessoa
Teatro: Santa Rosa
Récitas: 25 a 29 de agosto


Cidade: Brasília
Teatro: Nacional
Récitas: 3 a 7 de setembro


Cidade: Aracaju
Teatro: Tobias Barreto
Récitas: 10 a 13 de setembro


Cidade: Salvador
Teatro: Castro Alves
Récitas: 15 a 19 de setembro


Cidade: Recife
Teatro: Santa Isabel
Récitas: 22 a 27 de setembro


Cidade: Santos
Teatro: Coliseu Santista
Récitas: 21 a 23 de outubro


Cidade: São Paulo
Teatro: Alfa
Récitas: 26 de outubro a 3 de novembro


Cidade: Ribeirão Preto
Teatro: Pedro II
Récitas: 20 e 21 de novembro


Cidade: Rio de Janeiro
Teatro: Municipal
Récitas: 24 a 28 de novembro

Aqui uma das árias mais conhecidas do Barbeiro (Fígaro) de Sevilha:

sábado, 26 de junho de 2010

HEALING: MI SHEBEIRACH

                           
Na última quarta-feira fui ouvir um outro tipo de música. Qualquer que seja a religião gosto de escutar  o que aquelas orações me dizem. Mesmo não entendendo as letras, sinto-as com a audição da minha alma, e é através dela que me sinto ou não tocada. Recebi o convite para assistir o chazan Andrew Bernard, americano, que esteve se apresentando em alguns estados brasileiros.  Chazan ou hazzan ( do hebraico חזן cantor) é o nome dado ao cantor litúrgico treinado, dentro do judaísmo, para guiar a recitação das orações nas sinagogas. Andrew se formou no Conservatório de Música de Oberlin e fez Mestrado e Doutorado em regência de coral na Universidade de Washington.  Sua formação - judaísmo progressista/reformista -  para Chazan ocorreu no Hebrew Union College, local onde se graduam Rabinos, Educadores e Chazanim. Confesso que esperava um outro tipo/timbre de voz e fiquei com vontade de ir embora assim que houvesse um intervalo. Ainda bem que não teve e minha educação não me permitiu abandonar o recinto. D'US sabe realmente o que faz: a última música/oração apresentada em duas versões MI SHEBEIRACH me encantou. É uma das orações judaicas centrais para aqueles que estão doentes ou em recuperação de doenças ou acidentes. Com uma visão holística da humanidade, ele reza para a cura física, bem como a cura espiritual, pedindo a benção, a compaixão, a restauração, a força, e o retorno para o seio da comunidade e de outras pessoas, aqueles que enfrentam a doença. Oração para todos os seres humanos que necessitem de "healing"/cura.
Mas afinal, o que é Healing? Qual sua relação com a sabedoria da tradição judaica? Mais abrangente do que a cura física, o Healing cuida de uma força inerente à vida, difícil de definir objetivamente, cujo movimento se orienta naturalmente em direção à totalidade (Shlemut), à reorganização, à integração, e a uma das maiores qualidades da vida: a resiliência (capacidade de voltar a sua forma ou organização anterior). Explicando melhor: como uma planta que insistentemente busca a direção da luz do sol, temos dentro de nós, uma propulsão natural para reconstruirmos o caminho do equilíbrio. Às vezes, isso representa a própria cura física. Às vezes, o corpo não apresenta sinais de cura, mas há transformação, o encontro de um significado ou equilíbrio, uma nova percepção integrativa, que ajuda a manter ou redescobrir a esperança, a fé, a paz. Viver ou testemunhar doenças, perdas ou crises, embora dolorosas, muitas vezes desperta uma força interna, permitindo que na “escuridão”, abaixo da superfície, sementes de uma nova dimensão de liberdade e sabedoria comecem a germinar, dando origem, na estação certa, a frutos especiais, sagrados. Esta também é a força do Healing. Para evitar o sofrimento, muitas vezes reagimos estreitando nossa percepção, anestesiamos nossos sentidos, ampliamos a distância que nos separa do outro. Buscamos negar sentimentos que nos “ameaçam”, simplesmente por não sabermos como lidar com eles. Levantamos muros que nos protegem. Estas mesmas defesas acabam nos isolando, dificultando a entrada da “luz do sol”, tão necessária. A “planta” pára de crescer, a força fica latente. O que podemos fazer para facilitar a reativação dessa força? Entre outras possibilidades “terapêuticas”, para que o Healing aconteça, precisamos encontrar uma Sucat Shalom, uma “tenda de paz”. Um lugar seguro, em que a vulnerabilidade, a dor, a solidão e o medo possam vir à tona e serem expressos. Um lugar onde nos sentimos protegidos e novamente conectados e significativos. Onde possamos compartilhar e dividir a carga que está sobre nossos ombros e encontrar amparo e orientação. Conheci através do Chazan Andrew Bernard não só uma nova versão de MI SHEBEIRACH, mas sua compositora  Debbie Friedman - muito conhecida nos EUA - e sua voz belíssima. E mais do que isso: HEALING a partir da tradição judaica. Aqui estão duas versões, uma mais curta e outra mais completa. Agradeço ao Rabino Leonardo Alanati - da Congregação Israelita de Minas Gerais - por esse convite, informações fornecidas e sua promessa: de que me enviará um CD com as orações/melodias/composições de Debbie Friedman.





sexta-feira, 25 de junho de 2010

E ASSIM CAMINHA A COPA: CAIPIRINHA


Se você ligasse pro seu namorado, marido, ficante, namorido e ele atendesse assim:



"Escuta aqui você! Eu tô na casa de um amigão, tô tomando um cervejão, tô jogando um poquerzão e não vou agora não!!"
...O que você faria???
 Simples... Falaria assim:
"Relaxa amor, só liguei pra avisar que eu tô na casa da vizinha, tomando uma caipirinha, tá rolando a maior festinha, vou chegar de manhãzinha. E a propósito, não vou dormir sozinha!"
(Recebi como colaboração da Vó Ju, amada! Fonte: Internet)

BRASIL IL IL COM VINICIUS DE MORAES



O anjo de pernas tortas

A um passe de Didi, Garrincha avança
Colado o couro aos pés, o olhar atento
Dribla um, dribla dois, depois descansa
Como a medir o lance do momento.
Vem-lhe o pressentimento; ele se lança
Mais rápido que o próprio pensamento,
Dribla mais um, mais dois; a bola trança
Feliz, entre seus pés – um pé de vento!
Num só transporte, a multidão contrita
Em ato de morte se levanta e grita
Seu uníssono canto de esperança.
Garrincha, o anjo, escuta e atende: Gooooool!
É pura imagem: um G que chuta um O
Dentro da meta, um L. É pura dança! (Vinicius de Moraes)


Botaoteca - Instant Button Brasil sil sil

quinta-feira, 24 de junho de 2010

TÔFORA

Tá tudo muito bom (bom)...tá tudo muito bem (bem)...mas realmente, mas realmente, com COPA ou sem COPA temos eleições 2010!

 A jornalista Anna Ramalho escreveu na sua coluna no Jornal do Brasil:
"A ministra Dilma Rousseff, em foto publicada anteontem n' O Globo, deve ter se esquecido de esconder a bolsa – tamanha foi a bronca no assessor do Geddel. Trata-se de uma Kelly, grife Hermès, criada em homenagem à princesa Grace, e objeto de consumo das milionárias mundo afora."
Detalhe: A bolsa não custa menos de 4.700 euros – cerca de R$ 14 mil. Portanto… Quem ainda teme a revolucionária comunista dos anos 70 pode ficar tranqüilo. Não se usa uma Kelly impunemente. É muito bonito pregar comunismo nas propriedades e com o dinheiro dos outros..."
Para comprar a bolsinha que ela usa, o trabalhador brasileiro tem que trabalhar dois anos, sem comer, sem morar, investindo tudo na bolsinha da ministra boazinha do PAC, numa farsa de quem quer parecer popular. Mas que na verdade, depois de guerrilheira, o que ela virou foi uma aproveitadora do dinheiro público para uso de luxos 'burgueses'.
Enquanto ela e Lula atiram bolsa-família para manter a ignorância do povo, ela se agarra mesmo é no poder para ganhar milhões e poder andar como madame, com bolsa de madame. Resultado de tudo isso: Ela é a campeã absoluta em todas as pesquisas em REJEIÇÃO!" (Fonte:Internet) Será??? Quero acreditar... E ainda tem mais: recebi da minha tia Marietta esse artigo escrito pela jornalista Maríia Gabriela (não consegui checar se é ou não dela, o local escrito, etc). De qualquer forma, além de ter gostado, eu também tenho medo... Muiiiito!!!


"Quem tem medo da 'doutora' Dilma?"

VOU CONFESSAR: Morro de medo de Dilma Rousseff. Esse governo tem muitos acertos, mas a roubalheira do governo do PT e o cinismo descarado de LULA em dizer que não sabia de nada nos mete medo. Não tenho muitos medos na vida, além dos clássicos: de barata, rato, cobra. Desses bichos tenho mais medo do que de um leão, um tigre ou um urso, mas de gente não costumo ter medo. Tomara que nunca me aconteça, mas se um dia for assaltada, acho que vai dar para levar um lero com os assaltantes (espero); não me apavora andar de noite sozinha na rua, não tenho medo algum das chamadas "autoridades", só um pouquinho da polícia, mas não muito.
Mas de Dilma não tenho medo; tenho pavor. Antes de ser candidata, nunca se viu a ministra dar um só sorriso, em nenhuma circunstância.
Depois que começou a correr o Brasil com o presidente, apesar do seu grave problema de saúde, Dilma não para de rir, como se a vida tivesse se tornado um paraíso. Mas essa simpatia tardia não convenceu. Ela é dura mesmo.
Dilma personifica, para mim, aquele pai autoritário de quem os filhos morrem de medo, aquela diretora de escola que, quando se era chamada em seu gabinete, se ia quase fazendo pipi nas calças, de tanto medo. Não existe em Dilma um só traço de meiguice, doçura, ternura.
Ela tem filhos, deve ter gasto todo o seu estoque com eles, e não sobrou nem um pingo para o resto da humanidade. Não estou dizendo que ela seja uma pessoa má, pois não a conheço; mas quando ela levanta a sobrancelha, aponta o dedo e fala, com aquela voz de general da ditadura no quartel, é assustador. E acho muito corajosa a ex-secretária da Receita Federal Lina Vieira, que está enfrentando a ministra afirmando que as duas tiveram o famoso encontro. Uma diz que sim, a outra diz que não, e não vamos esperar que os atuais funcionários do Palácio do Planalto contrariem o que seus superiores disserem que eles devem dizer. Sempre poderá surgir do nada um motorista ou um caseiro, mas não queria estar na pele da suave Lina Vieira. A voz, o olhar e o dedo de Dilma, e a segurança com que ela vocifera suas verdades, são quase tão apavorantes quanto a voz e o olhar de Collor, quando ele é possuído.
Quando se está dizendo a verdade, ministra, não é preciso gritar; nem gritar nem apontar o dedo para ninguém. Isso só faz quem não está com a razão, é elementar.
Lembro de quando Regina Duarte foi para a televisão dizer que tinha medo de Lula; Regina foi criticada, sofreu com o PT encarnando em cima dela - e quando o PT resolve encarnar, sai de baixo. Não lembro exatamente de que Regina disse que tinha medo - nem se explicitou-, mas de uma maneira geral era medo de um possível governo Lula. Demorei um pouco para entender o quanto Regina tinha razão. Hoje estamos numa situação pior, e da qual vai ser difícil sair, pois o PT ocupou toda a máquina, como as tropas de um país que invade outro. Com Dilma seria igual ou pior, mas Deus é grande.
Minha única esperança, atualmente, é a entrada de Marina Silva na disputa eleitoral, para bagunçar a candidatura dos petistas. Eles não falaram em 20 anos? Então ainda faltam 13, ninguém merece.
Seja bem-vinda, Marina. Tem muito petista arrependido para votar em você e impedir que a mestra em doutorado, Dilma Rousseff, passe para o segundo turno.
Outra boa opção é o atual governador José Serra que já mostrou seriedade e competência.
Só não pode PT, Dilma e alguém da "turma do Lula". "


AGORA ESCUTEM AQUI A CANDIDATA A NOS CUMPRIMENTAR!!!!




Botaoteca - Instant Button Dilma






quarta-feira, 23 de junho de 2010

AS ESTAÇÕES DA VIDA

“Não se descobrem oceanos novos até se ter a coragem de perder a costa de vista” (Patrick Walker)
Na bíblia, Jesus diz a São Tomé: "Se precisas ver para crer, então veja e creia!" Todos nós temos dificuldade para compreender qualquer coisa que seja invisível aos olhos. Mesmo assim, sabemos que a nossa capacidade de ver e entender estende-se muito além dos olhos físicos apenas. A visão também é possível pelos olhos da mente: essa capacidade maravilhosa que temos de imaginar – de representar na imaginação – as possibilidades. O que nos impulsiona a criar o que imaginamos?
Esse novo milênio nos trouxe à era da intuição: um ciclo novo de tempo e espaço no qual estamos aprendendo a agir, a criar e a nos superar, pela livre expressão das nossas emoções. Seria o “sexto sentido”? Aquele que todos têm e não prestam muita atenção, mas que, alguma vez, agiu através dele?
Se olharmos para qualquer lado, percebemos que todos estão vivendo, nestes dias, de maneira profundamente emocional. Entramos num longo ciclo de jornada evolutiva no qual temos de enfrentar as duras realidades de nós mesmos e deste mundo.
Estamos aprendendo como sentir e, enquanto aprendemos, percebemos a extensão do nosso extraordinário potencial para criar a vida que queremos viver. Nosso sexto sentido – a emoção – é a vontade/desejo humana que, pela sua própria natureza, deve ser livre.
Damos-nos conta de que toda a vida funciona em ciclos claramente definidos de tempo e espaço. As quatro estações do ano como nos ensinam - a Mãe Natureza - são assim. Não há primavera sem que a antecedesse o inverno e concluísse seu ciclo. Às vezes fica tudo misturado e confuso, mas não por conta do que  seguiria seu fluxo natural, e sim das intervenções do Homem na natureza.
No final das contas, uma compreensão mais profunda dos ciclos, estações pelas quais todos nós passamos, no mínimo, poderá ajudar a trazer uma mudança duradoura e significativa para o próprio mundo. Estamos aprendendo a sermos senhores da nossa complexidade, em vez de suas vítimas! A qualidade da nossa vida é determinada pela qualidade e pela força dos nossos desejos – os nossos sentimentos!
“A coisa mais linda que podemos sentir é o mistério. Essa é a fonte de toda a arte e de toda ciência verdadeiras.” (Albert Einstein)

terça-feira, 22 de junho de 2010

PRESENTES DA BLOGOSFERA


Entre tantas coisas que me encanta, nesse mundo gigantesco chamado BLOGOSFERA, é descobrir pessoas especiais, seres iluminados, criativos, que ando aprendendo tanto, mas tanto, que não tenho palavras suficientes para explicar, um dos meus prediletos. Muitos, a identificação é imediata, outros, carece de um pouco mais de tempo e com poucos, nada acontece. Como dizia minha avó: "gambá cheira gambá". É claro que também há de um tudo: cópias baratas, falta de respeito, fazer escada com o blog alheio, auto-promoção, e falta de educação mesmo! Uma das coisas bacanas que aprendi é, quando leio algo que me agradou, mencionar o autor e direcionar para o respectivo blog. Já escrevi aqui, de outras vezes, que cabe ao proprietário do blog administrá-lo como quiser, mas deveríamos ter, criar, regras de "etiqueta" ou dito de outra maneira: bons modos, educação básica. Vocês não acham? Ética (do grego ethos, que significa modo de ser, caráter, comportamento) é o ramo da filosofia que busca estudar e indicar o melhor modo de viver no cotidiano e na sociedade. Etiqueta é uma ética "pequena" e a diferença fundamental entre etiqueta e frescura, é que a primeira tem por objetivo o bem estar do outro. Já a frescura (tôfora) pretende diminuir o semelhante. É proprio de quem quer ser superior. As regras de etiqueta mais sofisticadas, se praticadas com carinho pelo outros, será elegante e só pode criar simpatia com o outro. Por pensar assim é que gostaria, muito, que criássemos essas regras básicas. Se elas já existem, peço-lhes que me informem. Bem, voltando a esse mundo F-A-N-T-Á-S-T-I-C-O: não sei contar como vou conhecendo os blogs... São tantas as maneiras e recursos, que quando me dou conta já estou lá, seguindo, comentando e amando. Tenho por hábito, quando detecto a partir de onde e como descobri aquele novo espaço, escrever no comentário. Com Denise, não tenho certeza, acho que foi através da iluminada e amada Izabel Viégas, que não faço a menor idéia de como lá cheguei rsrs.Na postagem Quebra de Rotina: Final  escrevi que AMOR não sobrevive em cativeiro. A Denise em seu comentário disse : ..."lindo... Acho que vou imortalizar...rsrs". Todo o comentário foi de uma delicadeza como é seu Tecendo Ideias. Lá, posso assegurar, há etiqueta sem frescura: é um bem-estar e um estar-bem com voos de lindas borboletas! Ela, a borboleta mor, é linda de viverrrr mesmo! Em todos os sentidos. E quando descobri que era uma recente vovó, caí - como dizem meus amigos Ieda e Zé - ROSAMARIAMURTINHA de uma vez só!
Voltando à imortalidade... Quando li pensei: Denise, tá de gozação comigo! Não escrevi nada demais - só o que sinto realmente - como sempre faço e farei: o que vem de dentro da minha alma e coração. Como sou - graças a D'US - muito bem humorada, passei batido. Qual não foi minha surpresa de, lá chegando para visitá-la, ver tal imortalidade!!! Caí de novo ROSAMARIAMURTINHA de emoção. Imagino que criar selinhos, fazer vídeos, requer trabalho, tempo e carinho, entre tantas outras coisas. Disse imagino, pois - sendo uma BIOS em evolução - não faço a menor idéia de como é feito! Agora, de carinho, amizade, generosidade, doação e AMOR já estou nesse aprendizado - que não há diploma de conclusão - faz um tempinho. Denise com esse presente - e seu blog - é a própria encarnação dessa escola. Dê, moça linda de viverrrr, amada: OBRIAGADA pelo nosso encontro, generosidade, carinho e amizade! Que esse tecer não termine jamais...

segunda-feira, 21 de junho de 2010

LOVELY AND LOYAL AWARD


Em 09/06 Isabel do http://diariode1diva.blogspot.com/ me ofereceu esse selinho e junto com ele alguns desafios. Essa minina - diva amada - carinhosamente me adotou como sua "mãe bloguística" e encheu mais ainda meu coração de amor. Aliás, coração de mãe não é assim? Enorme, onde sempre cabe mais um e é pura doação? Vamos às perguntas/desafios e às respostas.

1. Por que criou um blog e, quando o criou, tinha expectativas que fosse popular?
Quando criei o toforatodentro era, como resumo acima, para partilhar minhas experiências profissionais, a partir da minha prática num consultório de psicanálise e neuropsicologia, tanto quanto dentro de um hospital geral. A intenção sempre foi de simplificar, esclarecer, conceitos mal utilizados, confundidos e na maioria das vezes, absurdamente, banalizados. Com o falecimento de minha mãe - em março de 2009 - fiz desse espaço, a elaboração do meu luto, o extravasamento de minha dor e, por incrível que possa parecer a alguns, foi assim que ele se tornou mais visitado! Nunca imaginei que ele pudesse se tornar popular e não sei, até hoje, se ele o é. Como respondi à indicação - que me honrou - ao TOP BLOG 2010: hoje, se for "pop" nos corações de vocês me sinto premiadíssima!!! Se conseguir colaborar, de alguma forma, para mudanças nas atitudes das pessoas, me sentirei A TOP!!!  Claro que queria que fosse lido e principalmente comentado: o tal do feed-back que nos faz corrigir a rota, rever, descobrir novos caminhos. Da mesma forma fiquei e ainda fico encantada, ao descobrir nesse universo GIGANTESCO (e que não tinha a menor idéia do tamanho e alcance) pessoas maravilhosas, poetas "anônimos", escritores, artistas, humoristas, enfim, seres que foram se tornando amigos, amados, dos quais, muiiiiitos, tenho o desejo de conhecer, um dia, pessoalmente!
     
2. Em que data exata iniciou o blog?
Em 1º de janeiro de 2009 foi o começo de tudo onde além de lerem mais algumas explicações poderão perceber como ele era rsrs. As dificuldades para postar, as configurações, etc, etc, que ainda tenho para muitas das coisas que gostaria de fazer e ainda não sei! Mas como sou "nova", todo dia aprendo mais um cadim rsrs.
    
3. Nomeie cinco seguidores leais.
Essa parte é bem difícil... Seria no mínimo, injusta, com vários seguidores, leitores que não se colocam como seguidores, pessoas que não possuem blogs e escrevem e me mandam sugestões incríveis, críticas. Então vou adotar o critério do último selinho recebido: tentar presenteá-lo a quem ainda não fiz, ok? E com a ressalva de sempre: fiquem à vontade para recebê-lo e continuarem a brincadeira do carinho, do bem, da amizade!


domingo, 20 de junho de 2010

BRASIL IL IL COM JOÃO CABRAL DE MELO NETO



A bola não é a inimiga                                              


como o touro, numa corrida;      

e, embora seja um utensílio

caseiro e que se usa sem risco,

não é o utensílio impessoal,

sempre manso, de gesto usual:                                                              

é um utensílio semivivo,

de reações próprias como bicho

e que, como bicho, é mister

(mais que bicho, como mulher)

usar com malícia e atenção

dando aos pés astúcias de mão.


João Cabral de Melo Neto (Recife, 9 de janeiro de 1920 - Rio de Janeiro, 9 de outubro de 1999) - Além de poeta, foi um diplomata brasileiro. Classificado como poeta da geração 45, terceira geração do modernismo, foi agraciado com diversos prêmios ao longo de sua carreira de escritor. Foi membro da Academia Brasileira de Letras e da Academia Pernambucana de Letras.








Botaoteca - Instant Button Haja coracao

sábado, 19 de junho de 2010

LEMBRANÇAS AGRIDOCES DE TIA E DE SARAMAGO

Eduardo é amigo do meu sobrinho Maurício. Cresceram juntos e como outros amigos do Mau, adotei-os como sobrinhos. Até hoje, quando os ouço me chamando de Tia Regina meu coração se enche de alegria. Não, não é aquela forma pejorativa quando nos chamam de “tia” para dizerem que estamos velhinhas – mesmo que seja verdade – é Tia dita com carinho genuíno, de sobrinho verdadeiro! Muitos deles, além de já terem se casado, têm filhos. E quando vejo esses pequeninos correndo ao lado desses- agora - pais, me lembro deles e aí me sinto velhinha. Dudu é jornalista e mora desde 2003 em Buenos Aires. Abriu recentemente um blog e está aprendendo - para não dizer apanhando mesmo - na difícil arte de gerenciá-lo. Mas uma coisa é certa: seus textos, reflexões, críticas, reportagens são motivo de orgulho para essa tia. No dia seguinte à morte do escritor português José Saramago, depois de ouvir e ler inúmeras homenagens prestadas a ele tive o prazer, “agridoce”, de ler informações que desconhecia no blog do Dudu. Convido vocês a conhecer um brasileiro em Buenos Aires.

CARTEIRO: DÁ UMA SAUDADE...


Tenho saudades dos velhos tempos quando esperava, ansiosa, por uma carta. Na casa de minha mãe - só mulher - quando dava o horário do carteiro passar era um alvoroço só. Lembro-me, inclusive, do Seu Zé que não só sabia os nomes de cada uma de nós, mas que já adiantava se havia ou não algo para mim: “Hoje só tem para Léa e Mary”, “Só contas para D.Lucy”, “Regininha, hoje tenho algo para você”. Tanto quanto Seu Zé, essas cartas eram pessoais e personalizadas. Além da letra podia vir dentro delas uma pétala de flor, um pedacinho de algodão perfumado, uma figurinha com dizeres que me levavam à lua, um desenho feito com capricho, enfim, um pedacinho daquela pessoa. Quando fazíamos amigos ou namorados de outros estados, quanto mais distante maior a espera. E de outros países? Os cartões postais selados e carimbados me faziam, por si só, viajar através deles. Ainda tinha a música Mr.Postman, interpretada pelos Carpenters, para maximizar a espera. Lembram-se dela?
Veio toda essa modernidade que facilitou muito a comunicação e extinguiu além da  ansiosa espera, a pessoalidade. Minha irmã que mora em Sampa, de vez em quando, ainda me manda alguma coisa pelo correio. Eu não me lembrava quando fui à última vez, numa agência dos correios, até fazê-lo no mês passado. Era para enviar uns mimos, daqui das Minas Gerais, para uma amiga que mora na Espanha. UAU! Fiquei boquiaberta com tamanha organização: você retira da máquina uma senha, para ser recebida de acordo com o que quer – correspondência, telegrama, malote, encomenda, sedex – é rapidamente atendida e numa educação e paciência que quase não acreditei! No meu caso – um sedex – existem várias opções de acordo com o gosto, ou melhor, o bolso do freguês. Depois de tudo bem preenchido, organizado dentro da caixa, me entregaram um tíquete com uma numeração para que pudesse, via site dos correios, rastrear por onde andava meu sedex. Pode? A modernidade também chegou aos correios e meus mimos nas mãos devidas. A resposta dela chegou rapidinha: via e-mail! Tempos mais que modernos: práticos. Saudades do Seu Zé...

sexta-feira, 18 de junho de 2010

HOJE É SEXTA- FEIRA: AVISOS



 Avisos paroquiais são avisos fixados nas portas de igrejas. Todos eles reais, escritos com muito boa vontade, mas, infelizmente, com má redação. Recebi do meu amigo-irmão, colega dos tempos de faculdade e meu cumpadre, Kleber, que eu amo de viverrrrr e que não aparece aqui no Divã, nem pedindo prá todos os santos! Mas me acompanha caladinho, bem do jeitim minêru, aqui e nessas estradas da vida... AMO VOCÊ, e OBRIAGADA por me aguentar nesses 26 anos de sobe-desce rsrs. Beijuuss na minha minina Ana Vitória. (Fonte: Internet).
Botaoteca - Instant Button Sexta Feira
AVISO AOS PAROQUIANOS:


Para todos os que tenham filhos e não sabem, temos na paróquia uma área especial para crianças.


Quinta-feira que vem, às cinco da tarde, haverá uma reunião do grupo de mães. Todas as senhoras que desejem formar parte das mães, devem dirigir-se ao escritório do pároco.


Interessados em participar do grupo de planejamento familiar, entrem pela porta de trás.


Na sexta-feira às sete, os meninos do Oratório farão um representação da obra Hamlet, de Shakespeare, no salão da igreja. Toda a comunidade está convidada para tomar parte nesta tragédia.


Prezadas senhoras, não esqueçam a próxima venda para beneficência. É uma boa ocasião para se livrar das coisas inúteis que há na sua casa. Tragam os seus maridos! (Esta foi o fim!!!)


Assunto da catequese de hoje: Jesus caminha sobre as águas.
Assunto da catequese de amanhã: Em busca de Jesus.


O coro dos maiores de sessenta anos vai ser suspenso durante o verão,com o agradecimento de toda a paróquia.


O mês de novembro finalizará com uma missa cantada por todos os defuntos da paróquia.


O torneio de basquete das paróquias vai continuar com o jogo da próxima quarta-feira. Venham nos aplaudir, vamos tentar derrotar o Cristo Rei!


O preço do curso sobre Oração e Jejum não inclui a comida.


Por favor, coloquem suas esmolas no envelope, junto com os defuntos que desejem que sejam lembrados.(eles não tem pastoral da comunicação rsrsrsrs)


"O pessimista reclama do vento. O otimista espera que ele mude. O realista ajusta suas velas. Eu estou ajustando as minhas velas." BOM FINAL DE SEMANA PARA TODOS VOCÊS com muiiiiita alegria e bom humor... assim fica tudo mais leve!

quinta-feira, 17 de junho de 2010

HOMENS INSINUANTES NA VIDA DAS MULHERES...

Recebi essa mensagem do JC, de casa, amado. Dei boas risadas... Principalmente quando penso que, essa lista, pode aumentar com muitas outras falas. Quando me lembro também, sempre, que não podemos ouvir nada pelas metades e muito menos sair interpretando! JC: OBRIAGADA!

"Tire a roupa..."
- Seu médico

"Agora deite e relaxe..." (não é bem assimmmmm rsrs)
- Seu psicanalista

"Está doendo? A cabeça incomoda?"
- Seu farmacêutico

"Abra um pouco mais..."
- Seu dentista

"Quando estiver tudo dentro, você vai gostar."
- Seu decorador

"Vem...vem...assim.....assim..."
- Seu flanelinha

"A senhora quer lubrificante ?"
- Seu frentista

"Pode segurar, mas não pode apertar."
- Seu vendedor de frutas

"Vamos fazer uma coisa diferente?"
- Seu cabeleireiro

"Vai querer tudo ou só metade?"
- Seu peixeiro

"Isso, assim mexe um pouco mais agora..."
- Seu professor de culinária

"Sim. Está quentinho! Como a senhora gosta."
- Seu padeiro

"Gostoso, não é? Pode experimentar outra vez...."
- Seu feirante

"Hoje? Outra vez?! Assim não há quem aguente !"
- Seu marido
Ocorreu um erro neste gadget