Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

ESCLARECENDO OS PÊS



Até hoje - sejam clientes ou amigos - há muita confusão entre esses Ps. De maneira bem didática e simplista vão aí os devidos esclarecimentos:

  •  Psiquiatra: a pessoa fez sua formação acadêmica básica em Medicina, se especializando em psiquiatria. Poderia ter sido em outras especialidades como cardiologia, urologia, cirurgia geral, dermatologia, pediatria, etc. Então ele se tornou um Médico psiquiatra. Pode medicar.
  •  Psicólogo: a pessoa fez sua formação acadêmica básica em Psicologia, se especializando em psicologia clinica. Poderia ter sido em escolar, empresarial, jurídica, trânsito, etc. Não pode medicar.
  • Psicanalista: não há uma formação acadêmica básica. É uma escolha de um profissional com 3º grau completo (Serviço Social, Engenharia, Filosofia, Direito, Medicina, Psicologia, etc.) que faz uma formação contínua em psicanálise e onde podemos dizer que a clínica psicanalítica trata de dores para as quais não há medicalizações, drogas milagrosas, aparelhos tecnológicos ou qualquer outra ordem de recursos. E por isso, muitos psicanalistas mesmo sendo médicos em sua formação básica, encaminham para outros colegas quando há necessidade de intervenção medicamentosa. Outra coisa importante a esclarecer: todos esses são chamados de “doutor” por uma questão histórica, ligada à medicina, engenharia e direito (assunto para outro post), mas o título só é devido se já foi defendida e aprovada uma tese de doutorado! E isso é para o geógrafo, biólogo, historiador, sociólogo, etc. Convencionou-se chamar de “doutor” as pessoas que trabalham na área de saúde. A propósito, não sou doutora a não ser prós flanelinhas: E aí “doutora” vai deixar pró cafezinho?

2 comentários:

  1. Tudo de bom!!!
    Mais claro que isso..... impossivel!
    Como as pessoas ainda nao entendem essas diferencas, ne'?
    Falo "doutora"!!! kkkk
    Beijinhos,
    Paty Amada

    ResponderExcluir
  2. Paty Amada
    Saudades...Já tenho novidades prá te contar...Me aguarde!
    Beijuuss n.c. da "dotôra"

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget