Não importa onde estamos, numa mesa de bar ou no divã do analista, nossa mente nunca para e nossos medos e desejos nunca nos abandonam. Nem por um instante nos separamos do que realmente somos e, por mais difícil que seja, não controlamos cem por cento nossas atitudes. Se Freud, após 40 anos de estudo da mente humana, continuou com várias dúvidas sobre o ser humano, quem sou eu ou você para julgar as “crises histéricas” da melhor amiga? Só Freud explica!?!
Coisas simples que todos vivemos,pensamos,sentimos e nem sempre conseguimos partilhar. Assuntos, temas, extraídos da minha experiência clínica e do meu cotidiano. Em alguns você pensará: tô fora... Em outros: tô dentro...

sexta-feira, 9 de julho de 2010

FLORESCER COMO OS IPÊS

                        
Quando era criança, minha mãe adorava o céu nos meses de maio/junho e dizia: - “Olha que beleza de manhã! Verdadeiro céu de brigadeiro”.
Eu olhava para aquele azul intenso, sem uma nuvem sequer, buscando encontrar algo redondo e coberto de granulado. Um dia descobri, com muitas risadas dela, que esse tal céu de brigadeiro, era o doce-céu, predileto, dos pilotos de aviões.
O mesmo prazer que tinha eu, menina, para devorar esses doces, tinha os pilotos para voar num azul assim.
Juntinho desse céu, como se até granulado fosse, estouram os ipês roxos e rosas. Cresci assim aguardando, todos os anos, essa maravilha feita na cozinha divina: o florescer dos ipês no céu de brigadeiro.
Impossível não enxergar ao longo das avenidas, ruas e praças. No meio de tantos carros, ônibus, da pressa a comprimir, são eles que se impõem para desacelerar e admirar.

Alguns são plenos, fartos de tantas flores. Outros possuem faltas aqui e acolá. E uns poucos - no meio dessa selva de pedra - com um cacho daqui e outro dali insistem, persistem, nos ensinando que florescemos com o que temos.

Depois, lentamente, as flores vão caindo numa chuva roxa e rosa. Os passeios, ruas, avenidas se transformam em tapetes delicados que tenho pena de ali pisar. Mas é sobre esse tapete que também aprendemos... Teremos um ano pela frente para nos prepararmos para novo florescer. (Regina Rozenbaum)
"As melhores e mais belas coisas do mundo não podem ser vistas nem sequer tocadas. Temos de sentí-las com o coração." (Helen Keller)



(Saudades mãe... Sinto-a no meu coração: melhor e divinamente bela!)































































16 comentários:

  1. Que texto mais lindo minha amiga!!! Um céu de brigadeiro entrecortador por ipês, rosas, roxos e amarelos... Quer coisa mais linda? A natureza é assim, simples e fantástica. Nos mostrando o quão nossa vida também pode ser assim. Basta querermos e estarmos atentos para pequenas coisas e momentos únicos como esse, admirar os ipês em meio ao trânsito caótico da cidade, por exemplo. Amo!!! Saudades!

    ResponderExcluir
  2. Belzonte tá linda! Cheinha de ipê roxo!
    Aqui na minha cidade a maioria dos ipês são amarelos. Lindos tb!
    Bjs.

    ResponderExcluir
  3. Os ipês me encantam e, percebo, encantam toda a gente. Por isso, recebi muitas fotos e textos neste mês florido. Porém, o que mais se aproximou dos meus sentimentos foi o seu. Fiquei tão emocionada quanto ao estar embaixo de um ipê. Aproveito para dizer que estava com saudades das nossas mensagens blogeiras. Um beijo

    ResponderExcluir
  4. Rê, minha linda, que texto bonito, poético, lindamente construido! Inspiração pura deste coração amoroso. Também fico deslumbrada com os ipês: outro dia estive ali na Av. Brasil e parei, igual uma boba, olhando para cima, encantada com tanta flor. O engraçado é que as pessoas passam, vêem você olhando para o alto e ficam procurando exatamente para onde você está olhando. Bom que aí elas também podem se encantar com os ipês da nossa BH. E bom também por estarmos nesse país maravilhoso, no qual, mesmo não sendo primavera, sempre tem flor. Vivam os ipês e nosso encantamento! Beijos

    ResponderExcluir
  5. Excelente post, Rê.... Texto lindo e muito bem acompanhado por essas belas flores que eu não conhecia como ipês ! Não me lembro de alguma vez as ter visto.
    Como tu em criança, também eu fiquei confuso com o que tinha a ver um céu limpo com os brigadeiros :)))

    ResponderExcluir
  6. Nossa que lindo meu bem... Maravilhoso... Deu até vontade de poetizar...

    Bjuxxx

    ResponderExcluir
  7. Rê Amiga,
    Texto único, especial, com muito sentimento e saudade, em que o colorido dos ipês e o céu azul evocam uma partilha com alguém que, lá no céu, zela pela concretização dos sonhos e anseios da minha amiga.
    Abr
    J
    J

    ResponderExcluir
  8. Texto muito bonito.

    "A terra é insultada e oferece as flores como resposta "

    Beijo e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  9. A beleza reina aqui, nas flores, no texto, na musica...É muita lindeza pra um blog só. Vou levando um pouco dessa beleza em meus olhos posso.?
    Bjos achocolatados

    ResponderExcluir
  10. Oi, Regina.

    Ipês, brigadeiros, céu azul, muita coisa boa e doce, muito gostoso ler texto suave, lindérrimo miga.

    Bom fim de semana.
    Beijo

    ResponderExcluir
  11. Tudo lindo! Imagens, texto, saudade... até o brigadeiro, o qual eu deveria me privar de ver ainda que intocável, está lindo!

    Adoro a emoção com a qual você fala sobre as coisas mais simples. Elas se transformam, ficam exuberantes.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  12. De onde ela está, Rê, certamente atende o chamado de teu coração amoroso.
    Os cachos de flor e aroma inconfundíveis, cores lindas e delicadas como suas flores que forram depois o chão, são a beleza mansa dos dias furiosos que vivemos numa veloz busca sabe-se lá de que...que bom que vc tem esses olhos de ver, querida. Vc e este cantinho delicioso valem ouro! Por isso admiro tanto - a sua criadora e a criatura...rs
    Passa lá no blog buscar o Selinho que compartilho, com carinho.
    Bjo, minha linda!!

    ResponderExcluir
  13. Regina, gostei da parte quando tu diz queda dó de pisar neste tapete florido!
    Mas tu merece menina! É para esses pezinhos que a natureza estende!
    Maravilhoso texto amiga Regina, pois é da simplicidade do coração, que mesmo numa selva de pedra, a beleza se descortina.
    Um beijo achocolatado, até a próxima.

    ResponderExcluir
  14. Nayara,moça linda de viverrr, amada!
    Sôdades, doces, docê... Quando é que volta? Vou querer saber tudim, nos mííínimos detalhes rsrs.
    Beijuuss n.c.

    Fatinha, amada!
    Os amarelos são os meus "prediletos"...Florescem julho/agosto e encontramos mais quando estamos nas estradas... Aí de repente, no meio de uma montanha verde, aparece aquele amarelo vivo...muito mais que patriotismo vem a emoção!
    Beijuuss n.c.

    Iêda, amada!
    Que bom saber que de tantos que recebeu e leu, foi esse que pertinho, mais chegou de seu coração. E pode também te inspirar...
    Beijuuss n.c.

    Ângela, iluminada, amada!
    rsrs tô rindo e já explico: todas as fotos (inclusive esse azul do céu) fui eu que tirei. Munida de uma máquina ao longo da Getúlio Vargas, Contorno, Bernardo Monteiro, Praça da Liberdade fui clicando e, pelo menos dessa vez, PAREI O TRÂNSITO realmente rsrs. Vale uma crônica de tão hilário que foi!
    Beijuuss n.c.

    Rui, amado!
    Não sou "entendida" no assunto, mas acho que por aí não tem essa espécie de árvore não! Mas aqui, em nossas Minas Gerais, em cada cidadezinha e pelas montanhas (que ainda existem e resistem)você consegue vê-los.
    Beijuuss n.c.

    Carlos, mininu-poeta, amado!
    E tá esperando o quê????? Coloca os dedinhos no teclado e solta sua alma poética!
    Beijuuss n.c.

    Jorge, amado!
    Não tenho dúvidas... É que, às vezes, pelo que estamos vivendo a saudade aperta mais e fico imaginando o que ela me diria, quando, como e até mesmo seu afago amoroso com uma única frase: "isso passa, tudo passa..."
    Beijuuss n.c.

    Manuel, poeta, amado!
    Vindo de você um elogio desses, fico atacada pela Síndrome de T.M.A.rsrs Mas é isso, fazemos e acontecemos e a Mãe Natureza ainda nos presenteia! Quiném mãe messssmo rsrs
    Beijuuss n.c.

    Sandra, engordativa de minha alma, amada!
    POOOOOOOODE e fico feliiiizzz dimaiiiisss que posso assim retribuir, um cadim, tudo que trago comigo lá do seu aconchego.
    Beijuuss n.c.

    Renatinha, amada!
    Precisamos de um pouco de doçura prá temperar a vida... Que bom que o sabor foi GOSTOSO!
    Beijuuss n.c.

    Milene, Pétala, amada!
    Fiquei tão emocionada com um carinho desses... Não sei escrever de outro jeito nauuuuummm, sou pura emoção...e nos últimos tempos ela está AFLORADA DIMAIIIIIISSSSS!
    Beijuuss n.c.

    Dê, moça linda de viverrrrr, amada!
    OBRIAGADA por seu carinho... fiquei mais emocionada ainda! Pode? Você faz poder... Depois passo lá e já lhe agradeço, viu?
    Beijuuss n.c.

    Antônio, amado!
    Você, com suas vozes, que escreve tão lindo, chamar meu texto de MARAVILHOSO fico desabrochada quiném os ipês. OBRIAGADA!!!
    Beijuuss n.c.

    ResponderExcluir
  15. Regina, com eu olhar para um céu de brigadeiro, vou me lembrar de você. Quando eu me deparar com um ipê florido, seja ele roxo ou amarelo, vou me lembrar de você. Sua mãe sabia das coisas.
    Parabéns pela belíssima crônica.
    Colo abaixo uma minha sobre ipês:

    IPÊS ROXOS E AMARELOS

    Por Luiz Carlos Amorim – http://luizcarlosamorim.blogspot.com

    E os ipês roxos estão florescendo espetacularmente. Ainda ontem, ao passar por uma praça, vi uma gari varrendo o chão que estava coberto de flores roxas, um tapete colorido que se estendia aos nossos pés. Vi também, ao caminhar hoje pela minha rua, um belo ipê amarelo desabrochando seus milhares de botões. Se o tempo melhorar e as flores não caírem antes do tempo com o peso da água da chuva, amanhã teremos um sol a mais na nossa rua.
    Eu não costumava lhe prestar atenção, mas parece que este ano há mais daquelas flores roxas do que amarelas. Talvez pelos desencontros das estações. Ultimamente, quando saio para caminhar, tenho notado vários deles pelas ruas onde passo e vi os tapetes coloridos que eles espalham pelos nossos caminhos. E desejei que nós, homens, cuidássemos mais da natureza, do meio ambiente, daqui por diante, para que essas árvores maravilhosas não deixem de espalhar cores pela nossa vida.
    Para que nossos netos possam ver e mostrar aos seus filhos e netos as floradas esplendorosas de ipês amarelos, roxos, rosa e brancos. Como eu os posso ver hoje. Para que eles possam ter o sol ao alcance da mão, flores douradas a resplandescer luz e cor.
    Para que possam sentir a força da natureza, que se não a agredirmos, ela tem belezas incomensuráveis a nos oferecer. Como as flores dos ipês, do jacatirão nativo e do manacá-da-serra e de tantas outras árvores floríferas.
    Sou fascinado por árvores floridas, mas tenho medo, na verdade, de me apegar a elas, como dizia outro dia à Urda, escritora de Blumenau, pois minha amiga árvore, que conheci aqui em São José (eu não lhe sabia o nome, mas poderia ser um ipê rosa ou uma paineira) florescia lindamente todo ano e eu a via da janela do meu apartamento. Aí foram construindo mais um andar, outro mais, entre a minha janela e ela, e eu já não podia vê-la mais. Então mudei, mas quando ela florescia eu voltava para vê-la. Um dia, ao ir visitá-la, encontrei apenas um cepo no chão. Então tenho um pouco de receio de me apaixonar por elas, tornar-me amigo delas, pois de repente, sem mais nem menos, alguém pode tirá-las de mim.
    Mas não posso deixar de admirar-lhes a beleza e me encantar com as suas cores que transbordam meus olhos.


    *************************************

    ResponderExcluir
  16. Amorim, escriba, amado!
    Ela realmente "sabia" das coisas...simples e belas... seu encantamento pelas plantas, flores, natureza, me ensinou... Linda sua crônica! Espero que meus leitores possam conhecer esse escritor, que tanto me honra com suas visitas e comentários!
    Beijuuss n.c.

    ResponderExcluir

Passou por aqui? Deixa um recado. É tão bom saber se gostou, ou não...o que pensa, o que vc lembra...enfim, sua contribuição!

Ocorreu um erro neste gadget